Sistema Único de Saúde

Disciplina: Políticas de Saúde

SISTEMA DE SAÚDE
Esferas de Atendimento Terciário Locais de Atendimento Hospitais Especializados Hospitais de Distritos, Centros ou Ambulatórios Especializados, etc. Unidades Básicas de Saúde, Ambulatórios, etc. Domiciliar Sistema: Partes Articuladas

Secundário
Primário

Constituição Cidadã - 1988
Seção II - Da Saúde para sua promoção, proteção e recuperação. Artigo 196 - A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços

Regulamentação do SUS
Leis Orgânicas da Saúde – LOAS Lei 8080/90 – dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde; a organização e o funcionamento dos serviços e estabelece os papéis das três esferas de governo. Lei 8142/90 - dispões sobre a participação da comunidade na gestão do SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências

Executa. Fiscaliza. .O sistema de saúde do Brasil Sistema Público SUS – Sistema Único de Saúde (federal. Controla . estadual e municipal) O SUS: Regula.

O sistema de saúde do Brasil Sistema Privado a)Lucrativo – pessoa física ou jurídica diretamente ou planos e seguros de saúde b)Não lucrativo – filantrópicas ou sem fins lucrativos ou auto-gestão ( OSS – Organização Social de Serviços de Saúde). O SUS: Regula. . Fiscaliza. Controla.

Princípios do SUS a)Doutrinários Universalidade Equidade Integralidade b)Organizacionais Descentralização Regionalização e hierarquização Controle Social Resolutividade/ Racionalização .

Com a universalidade. o indivíduo passa a ter direito de acesso a todos os serviços públicos de saúde.Princípios doutrinários 1. . a todo e qualquer cidadão.Universalidade: atender a todos É a garantia de atenção à saúde por parte do sistema. assim como àqueles contratados pelo poder público.

raça. ocupação. ou outras características sociais ou pessoais.Princípios e Diretrizes do SUS UNIVERSALIDADE O acesso deve ser garantido independentemente de sexo. . renda.

cada grupo ou classe social ou região tem seus problemas específicos. de adoecer e de ter oportunidades de satisfazer suas necessidades de vida. . respeitando suas diferenças. Os serviços de saúde devem considerar que em cada população existem grupos que vivem de forma diferente.Princípios doutrinários 2.Equidade: atender às necessidades de todos. tem diferenças no modo de viver.

Todo cidadão é igual perante o SUS. sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie. “A igualdade consiste em dar tratamento igual aos iguais e desigual aos desiguais” (Aristóteles) . O objetivo da equidade é diminuir desigualdades.Princípios e Diretrizes do SUS EQUIDADE É um princípio de justiça social que garante a igualdade da assistência à saúde.

. Os serviços de saúde devem funcionar atendendo o indivíduo como um ser humano integral submetido às mais diferentes situações de vida e trabalho.Princípios doutrinários 3. prevenção e tratamento As ações de saúde devem ser combinadas e voltadas ao mesmo tempo para prevenção e a cura. com ações de promoção.Integralidade: atuar de maneira integral. que o leva a adoecer e a morrer.

bio-psico-social e deverá ser atendido com esta visão por um sistema de saúde também integral. Deve-se integrar as ações de promoção. O homem é um ser integral. atendendo a todas as suas necessidades. voltado a promover. prevenção. . proteger e recuperar sua saúde. tratamento e reabilitação e promover a articulação com outras políticas públicas.Princípios e Diretrizes do SUS INTEGRALIDADE Considera o indivíduo como um todo.

considerando que quanto mais próxima do problema a decisão for tomada.Descentralização: redistribuição das responsabilidades quanto às ações e serviços de saúde entre os vários níveis de governo. .Princípios organizacionais 1. maior a chance de resolvê-lo – Municipalização da Saúde (reforço do poder municipal).

secundário e terciário).Princípios organizacionais 2. dispostos em uma área geográfica delimitada e com a definição da população a ser atendida. .Regionalização e Hierarquização – os serviços devem ser organizados em níveis de complexidade tecnológica crescente (primário.

desde o federal até o local.Princípios organizacionais 3. participará do processo de formulação das políticas de saúde e do controle da sua execução. . em todos os níveis. através de suas entidades representativas. Controle Social: é a garantia constitucional de que a população.

O nível secundário resolve 15% dos problemas de saúde.Resolubilidade/Racionalização: é a exigência de que. o serviço correspondente esteja capacitado para enfrentá-lo e resolvê-lo até o nível de sua complexidade. No nível primário se resolve 80% do problemas. quando um indivíduo busca o atendimento ou quando surge um problema de impacto coletivo sobre a saúde. No Nível terciário de atenção à saúde estão os hospitais de referência e resolvem os 5% restante dos problemas de saúde. .Princípios organizacionais 4.

Princípios do SUS Participação dos cidadãos É a garantia constitucional de que a população participará de processo de formulação das políticas de saúde e do controle de sua execução. Complementariedade do setor privado Quando da insuficiência do setor público pode ser contratado o setor privado. .

SUS . . definindo as competências de cada esfera de governo e as condições necessárias para que estados e municípios possam assumir as responsabilidades e prerrogativas dentro do Sistema.Papel do estado nas três esferas de governo Normas Operacionais A operacionalização do SUS é definida através de diferentes portarias do Ministério da Saúde. As mais importantes são as NOBs. São os instrumentos que orientam o processo de implantação do SUS.

b)NOA – Norma Operacional da Assistência a Saúde NOB 91 .Instâncias Gestoras (Bipartite) Cria a figura do município como gestor .Início do processo de descentralização NOB 93 .Normas operacionais Dividem-se em: a)NOB – Norma Operacional Básica do SUS.

Normas operacionais NOB 93 e 96 . .responsáveis por criar os mecanismos da descentralização NOB 01/2001 e 2002: estabelecem o processo de regionalização. ampliam as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica . fortalecem a capacidade de gestão do SUS.

Norma operacional da assistência à saúde . MS definirá os valores de recursos destinados ao custeio da assistência de alta complexidade para cada estado. A crítica ao sistema de pagamento por produção está sendo substituída pelo pagamento de um fixo por metas estabelecidas.2001 Os municípios precisam ter a capacidade gerencial e política de cuidar da saúde de sua população.NOAS . . com os serviços possíveis existentes em seu território e comprando fora o não existente.

de ações de saneamento básico. .Objetivos e atribuições do SUS Identificação e divulgação dos fatores condicionantes e determinantes da saúde. Executar ações visando a saúde do trabalhador. Formular as políticas de saúde. realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas. Fornecer assistência às pessoas: ações de promoção. de recursos humanos para a saúde. proteção e recuperação da saúde.

equipamentos. produtos e substâncias de interesse para a saúde e de produtos psicoativos. e outros insumos de interesse para a saúde e a participação na sua produção. imunobiológicos. . .controle e fiscalização de serviços . água e bebidas para consumo humano. tóxicos e radioativos. políticas referentes a medicamentos.Objetivos e atribuições do SUS Vigilância nutricional e de orientação alimentar Executar as ações epidemiológica: - de vigilância sanitária e fiscalização e a inspeção de alimentos .

Formulação e execução da política de sangue e de seus derivados. .Objetivos e atribuições do SUS Ações direcionadas ao meio ambiente Incremento do desenvolvimento científico e tecnológico na área da saúde.

artigo 198 parágrafo único o financiamento do SUS se dá pelo orçamento da seguridade social.080 da Constituição Federal. do Distrito Federal e Municípios.Financiamento Segundo a Lei 8. da União. além de outras fontes Portanto. dos Estados. estadual e municipal . o SUS é responsabilidade financeira dos três níveis de governo – federal.

Financiamento Bases para o repasse aos estados e municípios Perfil demográfico Perfil epidemiológico Rede de serviços instalada Desempenho técnico. econômico e financeiro do período anterior Ressarcimento de serviços prestados .

2. . Nos estados: as secretarias estaduais de saúde. 3. sendo responsáveis os secretários. sendo responsáveis os respectivos secretários municipais da saúde ou seus equivalentes e os prefeitos. Nos municípios: as secretarias ou diretorias municipais de saúde. No nível federal: o Ministério da Saúde e com responsável o Ministro da Saúde.Gerenciamento São gestores do SUS: 1.

Município: gestor fundamental do SUS.Papel do Estado nas esferas do governo 1.  Programar. proteção e recuperação de saúde da comunidade local Estabelecer um plano municipal de saúde que contemple as necessidades de sua população e as metas a serem atingidas  . é o principal planejador e executor das ações e serviços de atenção básica à saúde da população. executar e avaliar as ações de promoção.

Papel do Estado nas esferas do governo 2. Estado: executor de ações e serviços de nível terciário e quaternário e ações complementares e suplementares àquelas desenvolvidas pelos municípios. mediar questões de âmbito regional e induzir os municípios à organização de seus serviços de saúde e desenvolvimento das ações. regulador e controlador no âmbito estadual  Secretário de Estado da Saúde: plano estadual de saúde será a consolidação das necessidades diagnosticadas pelos municípios  Estado deverá corrigir distorções.  Órgão normalizador. .

 Apreciam os pactos e programações entre gestores. regulamentação e controle do SUS e no financiamento da assistência de saúde à população.dentro das disponibilidades orçamentárias conjunturais oriundos dos recursos das 3 esferas de governo - .  Determina tetos financeiros possíveis . Federal: Principal ator na normatização. buscando a integração entre as esferas de governo.Papel do Estado nas esferas do governo 3.

que detém a maioria dos serviços de complexidade e referência em níveis secundário e terciário Estes setores não se interessam em integrar o modelo atualmente vigente em virtude da baixa remuneração paga pelos procedimentos médicos executados. o que vem inviabilizando a proposta de hierarquização dos serviços .o SUS apresentou progressos significativos no setor público.Sistema Único de Saúde Atenção primária . mas enfrenta problemas graves com o setor privado.

como por exemplo. transplantes. a diabetes. 61% das pessoas disseram satisfeitas em relação às atividades de prevenção promovidas pelo SUS. têm o SUS para realização de hemodiálise e recebem medicamentos de alto custo para tratamento da Aids e outras doenças. mais de 90% das cirurgias cardíacas. .Sistema Único de Saúde No Brasil. as campanhas para evitar doenças como a hipertensão arterial. Muitas pessoas que pagam seguro privado de saúde. Cerca de 98% da população brasileira são usuários do SUS. mesmo que não seja de forma exclusiva. a aids etc. são ofertados pelo SUS. e outros procedimentos de alta complexidade.

Medidas prioritárias para se agilizar e melhorar o atendimento do SUS: ampliação do acesso aos serviços de saúde. leitos insuficientes. . sobretudo os de urgência e emergência. o reforço à atenção básica nas UBS(s) e centros de saúde e a intensificação das ações de controle de doenças.Sistema Único de Saúde Há grande insatisfação no que diz respeito ao tempo de espera para atendimento no SUS. desorganização dos protocolos e atendimentos por ordem de chegada e não por gravidade. A questão da agilidade no atendimento do SUS: falta de informação. a satisfação é grande. Mas dentre aqueles que conseguem ter acesso aos serviços.

Escassez de recursos financeiros. Baixos valores pagos pelo SUS aos diversos procedimentos médicos hospitalares. materiais e humanos para manter os serviços de saúde operando com eficácia e eficiência. Aumento de incidência e o ressurgimento de diversas doenças transmissíveis. Falta de leitos hospitalares para atender a demanda. Atraso no repasse dos pagamentos do Ministério da Saúde para os serviços conveniados.Desafios . .SUS Filas freqüentes de pacientes nos serviços de saúde.

.Erradicação da poliomielite Resultados positivos Grande diminuição dos casos de sarampo Queda acentuada do tétano acidental e neonatal Diminuição considerável de outras doenças evitáveis pela vacinação No campo da Saúde Mental a deshospitalização se reflete na redução da oferta de leitos e na diminuição do tempo médio de permanência das internações.

e dengue Controle da tuberculose (hoje aumentando em função da AIDS). leshimaniose.As ações de controle das doenças transmitidas por vetores – em especial a malária. da hanseníase. das doenças por transmissão sexual e da AIDS = queda no número de casos novos dessas doenças Resultados positivos No campo da Saúde Mental a deshospitalização se reflete na redução da oferta de leitos e na diminuição do tempo médio de .

Nesse caso. A mãe refere que esqueceu a carteira de trabalho em casa. e)Descentralização. b)Equidade. d)Controle social. A recepcionista solicita os documentos da criança e da mãe e sua carteira de trabalho . . c)Hierarquização. qual o princípio do SUS não foi atendido? a)Universalidade. a recepcionista informa que a criança não será atendida.QUESTÃO Uma mãe chega a uma Unidade Básica de Saúde com seu filho de 9 meses. apresentando febre e chorando muito.

.

independente de ter ou não carteira assinada. Todos os brasileiros tem direito a atendimento gratuito a saúde. .Resposta a)Universalidade.

. O SUS nos seus 20 anos: reflexões num contexto de mudanças. COSTA.3.19.TEXTO DE APOIO SOUZA. n. São Paulo. GCA. 2010.509-517. p. ICC. Saúde Soc. v.

Saúde Pública. 1998. São Paulo. Salum MJL. R. Queiroz VM de Estrutura social:base econômica/base social/base geosocial. (mimeografado) Gouveia. as Leis Orgânicas da Saúde e o impacto das políticas de ajuste. Suprema Lei: a nova legislação para a conquista da Saúde. São Paulo(SP). São Paulo: Mandacaru. sua integração no projeto do Estado e a organização dos serviços de saúde. Escola de Enfermagem da USP. Maeda ST. 3. Salum MJL. Documento pedagógico elaborado para orientar os alunos na disciplina Enfermagem em Saúde Coletiva: fundamentação e prática. Departamento de Enfermagem em Saúde coletiva. Soares GB. Políticas Sociais Públicas. São Paulo (SP). Documento de apoio pedagógico. 2. 4. Escola de Enfermagem da USP. hp. 2001. Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva. Documento-síntese: A constituição do Sistema Único de Saúde. 4p. . Fracoili. LA.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APOIO 1. 2000.

Bases da saúde coletiva. Martin GB. São Paulo: Hucitec – Universidade Estadual Paulista. Finkelman J. Saúde em debate: fundamentos da reforma sanitária. Rio de Janeiro: CEBES. Mangeon E. Cordoni Jr L (orgs). Saúde no Brasil: políticas e organização de serviços. In: Andrade SV. Uma história da saúde pública. Amarante P.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIBLIOGRAFIA BÁSICA Giovanella L (org). Cordoni JL. Elias PE. Londrina. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR Carvalho B. São Paulo: Cortez. Saúde e cidadania: uma visão histórica e comarada do SUS. . Rodrigues PH. Fleuri S. 2005. Silveira MM. 2008. São Paulo: Editora Atheneu. Políticas e sistemas de saúde no Brasil. 2003. Rio de Janeiro. 377p. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. Revan. 1994. Soares DA. Rosen G. 2008. Cohn A. Política nacional de saúde pública: a trindade desvelada: economia saúde população. A organização do sistema de saúde no Brasil. 2001: 27-56. 2007. 2002. UEL. Caminhos da saúde pública no Brasil: Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. Santos IS. Bahia L.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful