Você está na página 1de 64

ANEURISMAS

ARTERIAIS

Cirurgia Vascular – HC.UFU


Rubens de Aquino Filho
CONCEITO

• Aneurisma é uma palavra de origem


grega que significa Alargamento

• Aneurisma é uma dilatação


permanente e maior que 50% do
diâmetro normal presumido para
um um segmento vascular
INCIDÊNCIA

• 2% da população acima de 50 anos;

• 5% em homens com mais de 70 anos;

• 20% dos parentes de indivíduos com


Aneurisma de Aorta Abdominal.
LOCALIZAÇÃO

• A localização mais freqüente dos


aneurismas é na aorta
toracoabdominal
• 50 aneurismas de aorta abdominal
em cada 100.000 habitantes
• 10 aneurisma de aorta torácica em
cada 100.000 habitantes
• 3 aneurisma de ilíacas em cada
100.000 habitantes
LOCALIZAÇÃO

• Menos freqüentes, mas não raros


são os aneurismas periféricos,
destacando-se os da artéria
poplítea (atrás do joelho), que
corresponde a 70% deles.
Etilologia

Primária Secundária
Congênita • Inflamação
• Infecção
• Traumatismo
• Degeneração
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

• Assintomáticos
• Compressão de estruturas vizinhas
• Detecção pela presença de
complicações
• Dificuldade de deglutição e respiração
DIAGNÓSTICO

• Assintomáticos
• Exame clínico
• Rx
• USG
• CT
• Ressonância Magnética
EVOLUÇÃO NATURAL

• Crescimento lento e progressivo


(80%)
• Manutenção do tamanho (20%)
• Nunca regridem
Aneurismas viscerais

• Artéria Incidência(%) Masc:Fem


• Esplênica 60 1:4
• Hepática 20 2:1
• Mesentérica superior 5,5 1:1
• Tronco celíaco 4 1:1
• Gástrica e gastroepiplóica 4 3:1
• Jejunal, ileal e cólica 3 1:1
• Pancreaticoduodenal 2 4:1
• Gastroduodenal 1 4:1
Artéria esplênica
Artéria Renal
Artéria Renal
Aneurismas periféricos

Podem aparecer em qualquer local das artérias


periféricas, sendo entendidas como tais, todas
artérias exceto a aorta torácica e abdominal, o
tronco braquiocefálico, as ilíacas e as
esplâncnicas. São muito menos freqüentes que
os aneurismas aórticos.
Aneurisma de artéria poplítea

• é o mais comum aneurisma arterial


periférico
• Etiologia mais comum é aterosclerose
• Maior incidência sexo masculino
• 50% de bilateralidade
• 45,5% associado a outros aneurismas
Aneurisma de artéria poplítea
Aneurisma de artéria poplítea
Aneurisma de artéria poplítea
Aneurisma de Aorta
Abdominal
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Histórico
– Vesalius, século XVI : 1ª descrição de AAA
– Astley Cooper, século XIX : 1º relato ttt cirúrgico
de aneurisma roto de ilíaca com ligadura de
aorta abdominal
– 1951, Charles Dubost : 1ª ressecção e
substituição com homoenxerto
– 1957, DeBakey : surge enxerto de Dacron
– 1991, Parodi et al. : 1º tto endovascular com
sucesso
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Definição:
– Dilatação da aorta subdiafragmática
– Diâmetro > 03 cm
– Aumento > 50% no diâmetro

• Epidemiologia:
– H:M = 4:1
– 3x maior na população branca
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Epidemiologia:
– Em homens
• ↑ frequência a partir dos 55 anos de idade

– Em mulheres
• ↑ incidência a partir dos 70 anos de idade

– Nos EUA é a 13ª causa de morte


– 0,8% de todos os óbitos
– Ruptura de AAA é a causa de 1 – 2% de todos os
óbitos em homens > 65 anos de idade no ocidente
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Fatores de Risco:
– Idade
– Sexo masculino
– Tabagismo
• fator de associação mais forte
• Altos níveis de CO e dióxido de C inalados ao fumar
(Paik et al.)
• Colágeno x Elastina
• Induz inflamação onde macrófagos produzem elastase
(Shapiro et al.)

– História familiar de AAA


– Doença aterosclerótica
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Aterosclerose e AAA
– Destruição da média e íntima pela aterosclerose
– Enfraquecimento do colágeno da adventícia
– Pctes com AAA têm mais lesões ateroscleróticas
em todo seu leito arterial, exceto cerebral
– Incidência de isquemia de MMII é 3x > em pctes.
com AAA
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Outros fatores de risco


– DPOC – deficiência de alfa-1-antitripsina
– HAS
– Dislipidemia
– Estenose Carotídea
– Hérnia inguinal
– Chlamydia Pneumoniae
Aneurisma de Aorta Abdominal

• História Natural
– Risco de fistulizar, trombose e embolização distal
– Rotura é a complicação mais frequente e fatal
– Rompe frequentemente pela parede postero-
lateral no espaço retroperitoneal

• Velocidade de crescimento
– Variável
– 80% crescimento progressivo
– 15-20% > 0,5 cm ao ano
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Diagnóstico
– Exame Físico:
• Massa abdominal firme e pulsátil
– Rx simples do abdome
• Calcificação da parede da aorta em 70%
– USG
• Não invasivo
• Estrutura da parede do vaso e de placas ateroscleróticas
• Pode medir de forma acurada o tamanho longitudinal e
transverso do AAA
• Fácil disponibilidade
• Baixo custo
• Sem radiação ionizante
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Diagnóstico
– Arteriografia
• Não é confiável para determinar diâmetro ou extensão
• Válida para estudo de vasos viscerais e distais
• Uso de contrastes tóxicos, risco de embolização,
sangramento e pseudoaneurisma na punção
– Ressonância Nuclear Magnética
• Não usa radiação ionizante
• Não usa contrastes nefrotóxicos
• Maior custo, menor disponibilidade
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Diagnóstico
– USG
• Método de escolha p/ avaliação inicial de pctes com suspeita
de AAA, rastreamento da população e seguimento de controle
– Tomografia Computadorizada
• Programação cirúrgica
• Estudo de vasos viscerais e acometimento de Ilíacas
• Dimensão da luz arterial, quantidade e localização de trombo
mural e presença de placas calcificadas em áreas de possíveis
anastomoses
• Diagnóstico de rotura (extravasamento de contraste)
• TC espiralada com multi slice pode substituir arteriografia
Aneurisma de Aorta Abdominal
Aneurisma de Aorta Abdominal
Aneurisma de Aorta Abdominal
Aneurisma de Aorta Abdominal
Aneurisma de Aorta
Abdominal

• Tratamento
– Clínico ou cirúrgico
– Cirurgia preventiva = enxerto protético
– Deve-se considerar:
• Risco de rotura
• Risco do tratamento cirúrgico
• Expectativa de vida
• Qualidade de vida projetada para o pós tto cirúrgico
• Co-morbidades
Aneurisma de Aorta
Abdominal

• Técnicas Operatórias
– Aneurisma não-roto
• Abordagem transabdominal
– Incisão transversa x mediana
• Abordagem retroperitoneal
– Menor comprometimento respiratório no pós op.
– Menor necessidade de reposição hídrica
– Menos hipotermia
– Menor período de íleo
Aneurisma de Aorta Abdominal
Aneurisma de Aorta Abdominal
Aneurisma de Aorta Abdominal
Aneurisma de Aorta Abdominal
Aneurisma de Aorta Abdominal
Aneurisma de Aorta Abdominal
Tratamento endovascular
Tratamento endovascular
Tratamento endovascular
Tratamento endovascular
Tratamento endovascular
Aneurisma de Aorta Abdominal

ROTURA
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Índice de rotura
– Diâmetro é o fator preditivo de rotura mais
confiável
– AAA < 5 cm tem índice de rotura de 4-5% ao
ano
– AAA de 6 – 7 cm tem risco anual de rotura de
7%
– AAA > 7 cm tem risco de rotura de 19%, com
90% de chance de romper em 5 anos
Aneurisma de Aorta Abdominal

• Quadro Clínico
– Rotura do Aneurisma
• Tríade clássica: dor abdominal ou lombar súbita,
choque e massa pulsátil abdominal
• Rotura para V. Cava = edema de MMII, ICC alto
débito, sopro abdominal contínuo (frêmito), isquemia
sistêmica e de MMII
• Hemorragia digestiva = rotura para o intestino
• Local mais frequente de fístula Ao-entérica é a 4ª
porção do duodeno
Aneurisma de Aorta
Abdominal
• Complicações
– Hemorragia
– Hipotensão pela liberação do pinçamento
– Insuficiência renal
– Lesão ureteral
– Isquemia de membro inferior
– Colite isquêmica
– Colecistite
– Paraplegia
– Infecção do enxerto