Você está na página 1de 19

Episódio 2- Brain Story

•João Nicolau
•Ilídio silva
•Pedro
Martins
•Tiago
Valente
Sumário:
Se é o cérebro que vê, como o faz?
1º caso – Gisele Leibold (incapaz de ver
movimento)
2º caso- incapaz de reconhecer faces
3º caso – Kevin Chappel (incapaz de reconhecer
objectos)
4º caso- Peggy (síndrome de negligência)
Testes experimentais (cegueira de mudança, filme
de terror, quarto inclinado e barras)
Conclusão
Perguntas
Bibliografia
Se é o cérebro que vê,
como o faz?
Ver exige uma grande capacidade cerebral,
parecendo bastante fácil, pois observamos as
imagens num piscar de olhos;
Existem 32 áreas no cérebro, responsáveis
pela processamento da informação recebida
através da visão;
Informação chega ao cérebro e é rapidamente
construída sem que nos apercebamos;
Se é o cérebro que vê,
como o faz?
Os olhos captam, imagens estáticas, essas
imagens viajam até a região posterior do
cérebro (lobo occipital), onde são processadas
de forma a dar a sensação de movimento.
Não existe uma única área responsável pela
visão,. Mas sim pequenas áreas, com
mecanismos diferentes (cor, movimento,
dimensão, profundidade, forma e lado para
onde está voltada uma aresta
especificamente).
1º caso- Gisele Leibold
(incapaz de ver
movimento)
Devido a um A.V.C., lesionou-lhe o lobo
occipital de forma simétrica
Incapaz de ver movimento, tudo está estatico
(segundos de atraso)
Relação do 1º caso com
o desporto
Dificuldade na prática desportiva.
Só com acompanhamento.
Exemplo de desportos com bola.*
2º caso - não reconhece
faces
Um acidente de viação provocou-lhe lesões
numa zona isolada do cérebro
“As faces não lhe parecem iguais, mas não
são de ninguém que conheça”
Reconhece textura, pele, mas não consegue
formar um conjunto de forma a reconhecer
uma face.
O cérebro não permite juntar todas as
características
Ligação do 2º caso ao
desporto
Não é impeditivo para a prática desportiva,
sendo que se deveria estabelecer estratégias
de relacionamento com o atleta ou treinador,
dependendo a sua função.
3º caso- kevin Chappel
(não reconhece objectos)
Acidente de viação
Vê todos os pormenores, mas não os
relaciona de forma a formar um objecto
Dissociação entre percepção visual e imagens
mentais.*
Através do tacto consegue reconhecer os
objectos devido a memórias antigas.
Relação do 3º caso com
a actividade desportiva
O Kevin Chappel é treinador de futebol.
Cria dificuldaddes, pois ele não consegue
perceber o que se passa no campo, quando
existe uma aglomeração de jogadores.
Aproveita as suas vivências para aferir o que
se passa.
4º caso – Peggy
(síndrome de
negligencia)
Devido a um A.V.C., perdeu o lado esquerdo
do seu mundo (hemisfério direito afectado);
Quando um hemisfério é afectado, as funções
motoras do lado oposto ficam condicionadas;
Tem muito pouco a ver com a visão, o
problema tem origem nos processos mentais
relacionados com a atenção.
Relação do 4º caso com
a actividade desportiva
Dificuldade na prática desportiva, devido às
suas acções motoras de um dos lados estar
condicionada
Apenas se consegue trabalhar um dos lados
Testes
Cegueira de mudança, as pessoas reparam
em muitas coisas, mas na mais óbvia não,
deve-se a diferença ou falta de atenção.*
Filme de terror, temos medo mas não se deve
apenas ao filme.**
Quarto inclinado, com objectos dispares que
nos parecem iguais.***
Teste das barras, as barras parecem que têm
diferentes tamanhos.****
Conclusão
Podemos concluir que em todos estes casos, o problema estava na fase de
processamento , após a fase de input (visualização neste caso)
A porção visual do cérebro depende dos nossos olhos como da nossa
memória, não se pode pensar na visão como via de sentido único, que as
imagens apenas provêm do exterior
A nossas memórias visuais e a nossa imaginação influenciam o que está
nos nossos olhos
O nosso sistema visual não reconstrói o mundo exterior, nós é que criamos
a nossa realidade
continuação
O cerebro esta constantemente a destrocer o que vemos;
Temos atalhos, atraves de experiencias passadas.
No desporto, a relação visao/atenção é muito importante
para desporto como o automobilismo, tiro, etc,. Desporto
que exigam uma constante concentração
Nos desportos colectivos é tambem importante, pois um
jogador que conseiga ter uma compo atencional maior, é
capaz de perceber o que esta acontecer à sua volta
continuação
O treino da area atencional deveria ser feita.
Atleta mais concentrados melhoram o seu
rendimento.
Perguntas
A área responsável pela visão encontra-se
presente
•Lobono lobo______________
occipital
Quando uma pessoa deixa de ter noções de
um lado do seu mundo, deve-se ao•Negligência
síndrome
de___________
Perguntas
A lesão que determinou que Gisele Leibold foi puramente
visual?
Verdadeiro ;
Falso;

Kevin Chappel, se fechar os olhos e apalpar um objecto


consegue reconhecê-lo, isso deve-se a ter em memória
imagens mentais de objectos?
Verdadeiro;
Falso;
Bibliografia