Você está na página 1de 11

Práticas de Intervenção

Precoce

Matilde Vilas “Todos diferentes, todos iguais”


Paula Gaião John F. Kenned
1
O que é a intervenção
precoce?

 “É uma medida de apoio integrada,


centrada na criança e na família,
mediante acções de natureza
preventiva e habilitativa
designadamente no âmbito da
educação, da saúde e da acção
social.”

 (D.L Nº 281/2009)
2
Finalidade da I.P.
• Apoiar crianças e suas famílias de forma contínua
e integrada, optimizando recursos e criando
redes formais e informais de inter-ajuda;

• Criar condições facilitadoras no meio envolvente


para o desenvolvimento global e harmonioso
das crianças;

• Optimizar e valorizar a interacção criança/família;


• Informar, responsabilizar, fazer participar e


reforçar as capacidades e competências das
famílias.
3
Como intervém a I.P.
• No envolvimento da família e na sua
participação activa em todo o processo
de intervenção, respeitando-a nas
tomadas de decisão sobre as suas
crianças;

• No trabalho em equipa integrada por


profissionais de formação diferenciada
vocacionados para o desenvolvimento
da criança/família.

4
Equipa Multidisciplinar

• Área da Educação (Apoio pedagógico
especializado)
• Área da Saúde
• Área da Acção Social

Todos estes profissionais intervém de forma

integrada e centrada na família


respeitando a sua privacidade e
identidade da criança.
• 5
Apoio pedagógico
especializado
A quem se destina:
- A crianças dos 0 aos 6 anos em contexto de: amas,

domicílios, creches e jardins de infância das IPSS ou


privados.

Quais as crianças elegíveis:


- Crianças com deficiência comprovada, ou com


manifesto atraso de desenvolvimento global,
podendo ser estas provenientes de famílias
disfuncionais e em situação de risco (biológico ou
ambiental).
-
Quem pode sinalizar uma criança:
- Qualquer serviço da comunidade (Segurança social,

Serviços de Saúde, Educadores) ou por, familiares,


vizinhos, amigos, ou outros. 6
Processo de sinalização

1.Encaminhamento para a consulta de


desenvolvimento ,para o médico
de família ou se necessário para a
Segurança Social.
2.
3.Referenciação ao agrupamento e
posterior aprovação pelo núcleo
de educação especial
7
Funções do apoio pedagógico
especializado
- Avaliar o desenvolvimento da criança e o meio onde
está inserida;
- Planear intervenções educativas;
- Fornecer serviços educativos;
- Participar em apoios interdisciplinares;
- Implementar orientações e recomendações de outros
técnicos;
- Avaliar as necessidades das famílias;
- Elaborar o plano individualizado de apoio à criança e à
família (PIIAF);
- Planear e implementar serviços de apoio à família;
- Avaliar a eficácia da intervenção.
- 8
Dificuldades

• Diagnósticos médicos tardios;
• Má interpretação do grupo alvo da
I.P.;
• Falta de um centro de recursos para
a Intervenção Precoce;
• Falta de condições de trabalho em
alguns domicílios.

9
Po d e m o s co n clu ir q u e :

 É fundamental a participação do Ministério


da Educação na prestação de serviços de
I.P. a crianças dos 0 aos 6 anos, com
deficiência/problemas de desenvolvimento
ou em risco de desenvolvimento, num
Modelo Integrado em colaboração com o
Ministério da Saúde e Ministério da
Segurança Social e Instituições locais.

10
 Gratas pela Vossa atenção

 Matilde Vilas & Paula Gaião

11