Você está na página 1de 113

MENU PRINCIPAL

SUB MENU

SAIR

Atualização Técnica em Usinas de Açúcar e Álcool
Processo: Industrialização

Realização

TRATAMENTO

DO CALDO
Curso Básico Industrial - Pré-Fabricação do Açúcar

1

MENU PRINCIPAL

SUB MENU

SAIR

REFLEXÃO

“Escolha um trabalho que ame e não terá que trabalhar um dia sequer na vida.„

Confúcio

Curso Básico Industrial - Pré-Fabricação do Açúcar

2

MENU PRINCIPAL

SUB MENU

SAIR

Treinamento Industrial Curso Básico
Menu de Acesso aos Sub-módulo
PRÉ-FABRICAÇÃO

Realização

Fábrica de açúcar

Pré-fabricação Aquecedores Sulfitação Sulfitação, equipamentos Dosagem Balão de Flash

Decantação
Filtro Prensa Sair
Curso Básico Industrial - Pré-Fabricação do Açúcar

3

MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Treinamento Industrial Curso Básico Sub-módulo Realização Fábrica de Açúcar Pré-fabricação do açúcar Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 4 .

após passagem pela coluna de sulfitação. a partir do 2° terno de moendas.Pré-Fabricação do Açúcar 5 . Curso Básico Industrial .MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Conceitos Básicos Caldo Primário Caldo obtido no processo de extração no primeiro terno de moenda. Caldo Misto Caldo obtido no processo de extração. Caldo Clarificado Caldo Misto após o processo de clarificação. Caldo Sulfitado Caldo que contém certa quantidade de anidrido sulfuroso (SO2) integrado ao caldo misto.

constituída de material insolúvel sedimentado. água.MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Conceitos Básicos Conteúdo de cristais % Massa Cozida A porcentagem em peso de açúcar cristalizada presente em uma massa cozida. Lodo Fração mais densa obtida da decantação do caldo. Massa Cozida Produto resultante da concentração do xarope ou do mel constituído de cristais de açúcar envoltos no mel Magma Mistura de cristais de açúcar proveniente da centrifugação da massa “B” com mel pobre. para ser usada como pé de cozimento. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 6 .

Curso Básico Industrial . Torta Resíduo obtido da filtração do lodo dos decantadores.Pré-Fabricação do Açúcar 7 . Mel Final Mel obtido da massa cozida final destinado à produção de álcool. Semente para granagem Suspensão em álcool de partículas de açúcar moído.MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Conceitos Básicos Mel Solução resultante da centrifugação da massa cozida. utilizada para a granagem.

orgânico. Açúcar Sólido cristalino. ou não. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 8 . por película de mel de alta ou baixa pureza. constituído basicamente por cristais de sacarose envolvidos.MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Conceitos Básicos Xarope Líquido resultante da evaporação parcial do caldo de cana clarificado de consistência aproximadamente de 65° Brix. Pol Porcentagem de sacarose contida numa solução açucarada de peso normal. Brix Porcentagem em massa de sólidos solúveis contidas em uma solução de sacarose quimicamente pura.

MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Conceitos Básicos Pureza É a relação entre POL e BRIX Pureza (%) = POL BRIX x 100 Exemplo 75.26 Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 9 .0 POL BRIX x 100 = 84.0 x 100 89.

Pré-Fabricação do Açúcar 10 . fechada e com 2 bombas com capacidade de 300 m3/h Curso Básico Industrial .MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Caixa de Caldo Primario Receber todo o caldo da moagem. Observação A capacidade da caixa é de 41 m3. servindo como um pulmão que mantém constante a vazão do caldo para processos.

fechada e com 2 bombas com capacidade de 120 m3/h Curso Básico Industrial . servindo como um pulmão que mantém constante a vazão do caldo para processos.MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Caixa de Caldo Misto Receber o caldo da moagem proveniente do 2° terno.Pré-Fabricação do Açúcar 11 . Observação A capacidade da caixa é de 26 m3.

servindo como um pulmão que mantém constante a vazão do caldo para processos. Observação A capacidade da caixa é de 44 m3.MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Caixa de Caldo Clarificado Receber todo o caldo misto. decantado.Pré-Fabricação do Açúcar 12 . fechada e com 2 bombas com capacidade de 100 m3/h Curso Básico Industrial . aquecido.

Pré-Fabricação do Açúcar 13 . fechada e com 2 bombas com capacidade de 250 m3/h Curso Básico Industrial . aquecido. sulfitado e caleado. Observação A capacidade da caixa é de 33m3.MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Caixa de Caldo Dosado Receber todo o caldo destinado para fabrica de açúcar. servindo como um pulmão que mantém constante a vazão do caldo para processos.

Pré-Fabricação do Açúcar 14 .Aquecedores MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Funções Trocadores Vertical tipo casco e tubos Trocadores Regenerativos tipo tubulares Trocadores tipo à placas Curso Básico Industrial .

do tipo casco e tubos vertical e trocadores de placas (reaquecedor). Eliminar e impedir o desenvolvimento de bactérias. Diminuir a densidade e viscosidade.Aquecedores MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR AQUECEDORES O aquecimento é feito em trocadores de calor.Pré-Fabricação do Açúcar 15 . Curso Básico Industrial . Facilitar as reações do caldo. Tem como funções: Acelerar as reações químicas. do tipo Thermol. Promover a coagulação das proteínas. Provocar a floculação.

Aquecedores MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Degasagem 2 vias Manômetro Entrada de água fria Purgadores Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 16 .

2º e 3º aquecimento (vapor/caldo). que podem ser utilizados tanto para o 1º.Aquecedores MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Tipos de Aquecedores Trocadores Verticais tipo casco e tubos. que são utilizados para troca térmica do caldo/ vinhaça ou caldo / caldo. Trocadores Regenerativos tipo tubulares ou a placas. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 17 .

Equipamentos MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Aquecedores Verticais Tipo Casco e Tubos Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 18 .

Aquecedores MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Corpo É formado por um cilindro de chapa em aço carbono que forma a parte externa do aquecedor. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 19 .

Tubos de cobre / inox Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 20 .Aquecedores MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Espelho É uma circunferência de chapa com furos onde são fixados os tubos de cobre.

Pré-Fabricação do Açúcar 21 . Já o inox é mais resistente com vida útil maior. As duas extremidades dos tubos são fixadas através de mandril nos espelhos. Curso Básico Industrial . . O tubo de cobre possibilita maior troca Tubos de cobre ou inox térmica que os demais tubos.Aquecedores MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Tubos Podem ser de aço inox ou cobre. porém tem custo elevado.

Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 22 .Aquecedores MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Tampas Cada aquecedor possui duas tampas as quais possuem divisões que servem para distribuir o fluxo de caldo. Entre a tampa e o corpo existe uma borracha com a finalidade de vedar o fluxo de caldo.

Aquecedores MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Calandra É a parte compreendida entre os dois espelhos.Pré-Fabricação do Açúcar 23 . É na calandra que o vapor atuará para o aquecimento do caldo. Curso Básico Industrial .

Pré-Fabricação do Açúcar 24 .Equipamentos – TROCADORES REGENERATIVOS TIPO TUBULARES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Trocadores Regenerativos Tipo tubulares Curso Básico Industrial .

Equipamentos – TROCADORES REGENERATIVOS TIPO TUBULARES MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Aquecedores Tubulares São formados por tubos de aço inox ou aço carbono que compõe a parte externa do trocador. economizando vapor. Curso Básico Industrial . Objetivo É reaproveitar a energia dos fluídos. A parte interna é formada por um feixe tubular formado por vários tubos de aço inox. sendo que o seu funcionamento consiste na troca térmica de dois fluidos líquidos um circulando por dentro e outro por fora do mesmo tubo.Pré-Fabricação do Açúcar 25 .

Pré-Fabricação do Açúcar 26 .Equipamentos – TROCADORES REGENERATIVOS TIPO TUBULARES MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Aquecedores Tubulares Este tipo de trocador pode ser utilizado tanto para troca térmica entre caldo misto e caldo clarificado quanto para caldo misto e vinhaça. Curso Básico Industrial .

atuando por fora do feixe tubular montado em seu interior. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 27 .Equipamentos – TROCADORES REGENERATIVOS TIPO TUBULARES MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Corpo do Aquecedor (Parte externa) Trata-se de um tubo comum. sendo que dentro dele circulará o caldo clarificado ou a vinhaça.

Equipamentos – TROCADORES REGENERATIVOS TIPO TUBULARES MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Feixe Tubular É um conjunto de 05 ou 07 tubos de aço inox. sustentado por uma chicana que dentro deste circulará o caldo misto para efetuar a troca térmica. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 28 .

Curso Básico Industrial .Equipamentos – TROCADORES REGENERATIVOS TIPO TUBULARES MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Chicana ou segmento helicoidal É um dispositivo em aço inox.Pré-Fabricação do Açúcar 29 . tem a finalidade de modelar e sustentar o feixe tubular e principalmente dirigir o fluxo de caldo de modo a tornar mais eficiente a troca térmica.

Pré-Fabricação do Açúcar 30 .MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Trocadores tipo à placas Curso Básico Industrial .

estruturas e meios de conexão e aperto. Curso Básico Industrial .Placas .Coluna de sustentação .Parafuso e acessórios para aperto.Pré-Fabricação do Açúcar 31 .Placa de pressão ou de aperto .Guarnição de Borracha .Equipamentos – TROCADORES TIPO PLACA MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Aquecedores a Placas É constituído de placas transmissoras de calor. 1 2 3 4 5 6 7 .Placa de estrutura .Barra transportadora superior .

Pré-Fabricação do Açúcar 32 .Equipamentos – TROCADORES TIPO PLACA MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Aquecedores Causas e motivos de temperaturas inadequadas Cuidados Operacionais Temperaturas mais baixas Temperaturas mais Altas Clarificação Inadequada Menor eficiência na evaporação Formação de Cor Curso Básico Industrial .

Curso Básico Industrial . Cuidados Operacionais Nunca introduzir caldo no aquecedor. Seguir orientação do esquema de trabalho e limpeza para não prejudicar o bom andamento do processo. sem certificarse que as tampas estão bem fechadas assim como as válvulas de liquidação. e que a válvula de gases incondensáveis.Equipamentos – TROCADORES TIPO PLACA MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Aquecedores Nunca introduzir vapor no aquecedor. sem antes se certificar que a saída de água condensada esteja em ordem.Pré-Fabricação do Açúcar 33 . esteja um pouco aberta. caso tenha reserva. Nunca abrir a água fria no aquecedor com vapor aberto. Antes de parar um aquecedor para limpeza não se esquecer de colocar outro em operação.

. é recomendado o uso de vapor com baixa pressão para aquecimento do caldo. por este motivo utiliza-se o vapor vegetal que é gerado nos préevaporadores e também os vapores das caixas dos evaporadores (V2.). V3.Pré-Fabricação do Açúcar 34 ..Equipamentos MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Vapor Pelo balanço térmico.. Curso Básico Industrial .

Pré-Fabricação do Açúcar 35 . Curso Básico Industrial . os purgadores necessitam de uma rotina de manutenção principalmente limpeza de filtros. esses devem ser retirados continuamente a fim de garantir uma exposição plena a superfície de aquecimento. instalados estrategicamente nas linhas para garantir a eficiência destes equipamentos. Sua remoção é feita através de purgadores.Equipamentos MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Condensados Eles são gerados pela condensação dos vapores. Também está sendo utilizado o sistema de purga automatizado que dispensa o purgador.

agem como isolantes.Equipamentos MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Incrustações São impurezas nas superfícies internas dos tubos.Pré-Fabricação do Açúcar 36 . dificultando a transferência de calor comprometendo o desempenho dos equipamentos Curso Básico Industrial .

Circular caldo misto com pH de 5.Pré-Fabricação do Açúcar 37 . promovendo uma limpeza ácida na tubulação. Curso Básico Industrial .5 a quente (70°). CIP: normalmente feitas nos trocadores a placas com soluções de soda ou ácido fosfórico em circulação.Equipamentos MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Incrustações Formas de limpeza Limpeza Química Limpeza Mecânica Pode ser realizado com raspadores rotativos ou hidrojateamento.

descobre-se quando há vazamentos nos aquecedores.Equipamentos MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Teste em aquecedores casco e tubos Através de analises laboratoriais. Entende-se por vazamento quando há presença de caldo junto à água condensada.Pré-Fabricação do Açúcar 38 . ISSO NÃO DEVE OCORRER Curso Básico Industrial .

Equipamentos MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Teste em aquecedores casco e tubos Para efetuar o teste temos: Isolar o aquecedor dos demais.Pré-Fabricação do Açúcar 39 . observando as extremidades dos tubos junto ao espelho superior e inferior. Encher a calandra com água fria. Localizar o vazamento. Curso Básico Industrial . Dar pressão de até 1 ½ vez a pressão de trabalho.

MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 40 .

SULFITAÇÃO

MENU PRINCIPAL

SUB MENU

SAIR

Sulfitação
Consiste em promover o contato do caldo com o gás sulforoso (SO2) para sua absorção, tem por finalidade a:
Redução do pH Auxilia a precipitação e remoção de proteínas do caldo. Diminuição da viscosidade do caldo Conseqüentemente do xarope, massas cozidas e méis. Formação de complexos com açúcares redutores Impede a sua decomposição e controlando a formação de compostos coloridos em alcalinidade alta; Preservação do caldo Contra alguns microorganismos; Prevenção do amarelamento do açúcar (cristal Branco) Por algum tempo, durante o armazenamento.

Curso Básico Industrial - Pré-Fabricação do Açúcar

41

SULFITAÇÃO

MENU PRINCIPAL

SUB MENU

SAIR

Manter o pH estipulado dos caldos da saída das 3 colunas
Distribua o caldo nas colunas. Controle a alimentação do enxofre. Regule a entrada de ar após o forno. Verifique a entrada de gases nas colunas. Controle a temperatura da água de resfriamento da câmara de gases.
Curso Básico Industrial - Pré-Fabricação do Açúcar

SAÍDA DE GASES

VÁLVULA DE ALIMENTAÇÃO DO CALDO

BOCAL VERIFICAÇÃO ENTRADA DE GASES

ENTRADA DE AR CÂMARA DE GASES

ALIMENTAÇÃO DO ENXOFRE

42

SULFITAÇÃO

MENU PRINCIPAL

SUB MENU

SAIR

Controle Operacional

Registro pH do Caldo.

Faixa de Operação 3,8 a 4,6.

Curso Básico Industrial - Pré-Fabricação do Açúcar

43

Curso Básico Industrial .SULFITAÇÃO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Obtenção do SO2 (sulfito) Através da queima do Enxofre  S + O2 Temperatura de Queima  400 – 500°C.Pré-Fabricação do Açúcar 44 .  SO2 Para saber mais SO2 enxofre } Sulfito A letra O significa oxigênio e o nº 2 quer dizer que esta molécula possui 2 moléculas de oxigênios. Resfriamento abaixo de 200°C  minimiza a formação de SO3.

Aumento do consumo de Enxofre. Curso Básico Industrial .SULFITAÇÃO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Impactos da Formação de SO3 (sulfato) Corrosão das partes metálicas dos equipamentos  Forma ácido Sulfúrico Reage com a Cal aumentando o consumo  Formando Sulfato de Cálcio que causa incrustações nos evaporadores.Pré-Fabricação do Açúcar 45 . Aumento dos teores de sais  Cinzas no açúcar.

Pré-Fabricação do Açúcar 46 .MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Fornos Rotativos Câmara de Combustão Camisa de Resfriamento Curso Básico Industrial .

SULFITAÇÃO .Pré-Fabricação do Açúcar 47 . deve-se manter a alimentação o mais continua o possível.EQUIPAMENTOS MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Fornos Rotativos São utilizados para queima do enxofre. Câmara de Combustão Completa a combustão do Enxofre Curso Básico Industrial .

Curso Básico Industrial .SULFITAÇÃO .EQUIPAMENTOS MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Camisa de Resfriamento Resfriamento do gás para temperatura abaixo de 200°C Abaixo de 230°C para reduzir a formação de SO3 Acima de 120°C para evitar o empedramento.Pré-Fabricação do Açúcar 48 .

SULFITAÇÃO . Necessitam de pressão constante (vazão constante) Colunas de Sulfitação Grande capacidade para absorver variações na vazão do caldo Tiragem via exaustor. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 49 . Instalação simples e de fácil manutenção.EQUIPAMENTOS MENU PRINCIPAL MENU SUB-MODULO SUB MENU SAIR Ejetores Tiragem de gás.

Considerações Práticas Produzir leite de Cal o mais uniforme possível. Curso Básico Industrial . Utilizar água limpa  Água quente melhora a eficiência da queima.SULFITAÇÃO . Após a queima repouso de 4h00. .Pré-Fabricação do Açúcar 50 .EQUIPAMENTOS MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Preparo do Leite de Cal É necessário transformarmos a Cal virgem em Leite de Cal.Queima feita em piscinas  Produz uma pasta com cerca de 15º Bé que posteriormente será diluída para aproximadamente 6º Bé e misturado com xarope para formação do sacarato 10º Bé. Recircular sempre para evitar sedimentação.

Pré-Fabricação do Açúcar 51 .MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Sacarato de Cálcio P2O5 (ácido Fosfórico) Polímeros Curso Básico Industrial .

corrigindo o pH até o valor desejado. Curso Básico Industrial . Reagir com acides orgânicos presentes no caldo.DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Sacarato de Cálcio Tem como função: Neutralizar a acidez do caldo. É obtido pela mistura de sacarose (xarope) e leite de Cal  Monossacarato de Cálcio.Pré-Fabricação do Açúcar 52 . Floculação e arraste de partículas em suspensão. Precipitação dos colóides presentes no caldo.

Pré-Fabricação do Açúcar 53 .DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR VANTAGENS Totalmente solúvel. Curso Básico Industrial . Sacarato de cálcio Sacarato Aumento da Velocidade da reação de neutralização do Caldo. de Caldos mais claros e limpos. Não suporta variações na concentração do leite de Cal e/ou do xarope. DESVANTAGEM Sacarato de cálcio Cálcio Gera lodo mais fino e volumoso. Necessita de preparo automatizado. Tem reação instantânea com os ácidos do caldo Está na forma iônica.

Pré-Fabricação do Açúcar 54 . Alta taxa de sedimentação. Dosagem ideal normalmente entre 200 e 300 ppm. Açúcar de melhor qualidade. Varia de acordo com a quantidade de P205 presente no caldo.DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR P2O5 (ácido Fosfórico) VANTAGENS P205 (ácido fosfórico) APLICAÇÃO P205 (ácido fosfórico) Caldo mais Claro. Nunca superior a 600 ppm  Menor cor no açúcar. Melhor Filtrabilidade do lodo. além de causar incrustações. Iodo mais Concentrado. Curso Básico Industrial . Formação de flocos leves que decantam lentamente.

são empregados na decantação do caldo.Pré-Fabricação do Açúcar 55 . Curso Básico Industrial . apresentase como cadeias longas sendo que sua atividade máxima coincide com a máxima linealirização das cadeias.DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Polímeros Definição São compostos de alto peso molecular.

Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 56 .DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Polímeros Função  Promove a aglomeração dos flocos  O aumento da velocidade de sedimentação  A compactação e redução do volume do lodo  A diminuição da turbidez do caldo clarificado.  Menor perda de sacarose na torta.

ao invés de ocorrer a aglomeração das partículas a repulsão estabilizando colóides e dificultado a floculação.Pré-Fabricação do Açúcar 57 . Dosagens elevadas podem levar a efeitos opostos. Dosagem geralmente de 1 a 5 ppm em relação ao caldo a ser tratado. Pode-se utilizar água condensada com temperatura < 50°C. para evitar rompimento da cadeia Curso Básico Industrial .DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Polímeros Característica – para seu bom desempenho Peso molecular quanto maior PM maior será a velocidade de sedimentação.

DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Polímeros Dosagem A bomba dosadora deve ser do tipo mono. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 58 . As linhas de condução devem ser preferencialmente de PVC. O ponto de aplicação não deve ser de local de muita turbulência. com velocidade variável.

DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Polímeros Quantidade CORRETA de polímero + Polímero Sólidos em Suspensão Floculação Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 59 .

Pré-Fabricação do Açúcar Sólidos em Suspensão 60 .DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Polímeros Polímero Quantidade em EXCESSO de polímero + Excesso de polímero provoca o fenômeno da repulsão Curso Básico Industrial .

DOSAGEM MENU SUB-MODULO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Polímeros Armazenamento Devem ser guardados em lugar seco isento de temperaturas elevadas.Pré-Fabricação do Açúcar 61 . Curso Básico Industrial . e as embalagens devem ser mantidas fechadas para absorção de umidade e conseqüentemente a formação de caroços.

MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 62 .

Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR BALÃO DE FLASH Função Eliminar bolhas de ar existentes no caldo e diminuir a velocidade do fluxo de entrada de caldo nos decantadores. fatores estes que prejudicam uma boa decantação. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 63 .

Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR BALÃO DE FLASH Equipamento Consiste num cilindro vertical construído em aço carbono e revestido em aço inox e que deve oferecer superfícies para completa liberação do vapor de flash e dos gases de chapa. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 64 .

MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 65 .

das quais deverão ser separadas do caldo pelo processo de decantação.DECANTAÇÃO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR DECANTAÇÃO Função Consiste na remoção de impurezas. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 66 .

I. Origem Australiano Curso Básico Industrial .DECANTAÇÃO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR DECANTAÇÃO Decantador Modelo S.R.Pré-Fabricação do Açúcar 67 .

DECANTAÇÃO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Decantador Modelo Convencional Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 68 .

também construídas de chapa de aço carbono. Fundo – trata-se de uma peça cônica construída em chapa de aço carbono. 69 Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar . Teto – localiza-se na parte superior do equipamento.DECANTAÇÃO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR DECANTAÇÃO Equipamento Costado – é um cilindro em chapa de aço carbono que forma a parte externa do equipamento. localizada na parte inferior do equipamento sobre a base metálica.

Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR DECANTAÇÃO Bandeja são cônicas em chapas de aço carbono fixadas no costado do decantador. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 70 .DECANTAÇÃO .

Pré-Fabricação do Açúcar 71 .DECANTAÇÃO .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Serpentina São tubulações existentes na parte superior de cada bandeja. Curso Básico Industrial . exceto o compartimento superior.

Pré-Fabricação do Açúcar 72 . as impurezas se transformam em flocos pesados e com maior facilidade para decantar. ou seja.Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Floculador É onde ocorre a floculação das impurezas do caldo. Curso Básico Industrial .DECANTAÇÃO .

Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Tubulação de degasagem É um sistema que permite a saída de gases de cada bandeja para atmosfera.Pré-Fabricação do Açúcar 73 . tendo sua finalidade que forme bolsas de ar no interior do decantador podendo causar sérios danos ao equipamento.DECANTAÇÃO . Curso Básico Industrial .

Pré-Fabricação do Açúcar 74 .DECANTAÇÃO .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Acionamento Tem por finalidade acionar mecanicamente o eixo central e conseqüentemente o conjunto de raspador de impurezas. Curso Básico Industrial .

Pré-Fabricação do Açúcar 75 .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Braço Onde são fixadas as raspas. tendo cada compartimento formado por dois ou quatro braços. Curso Básico Industrial .DECANTAÇÃO .

conduzindo para o tubo central e posteriormente para o fundo do decantador.Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Raspa São chapas de aço carbono providos com borracha em um dos lados formando um tipo de rodo. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 76 . Tem por finalidade raspar as impurezas depositadas no fundo de cada bandeja.DECANTAÇÃO .

Pré-Fabricação do Açúcar 77 .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Raspa Vista Lateral da raspa dentro do decantador Vista Frontal da raspa dentro do decantador Curso Básico Industrial .DECANTAÇÃO .

DECANTAÇÃO .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Tubo Central Eixo central trata-se de um tubo de aço carbono. Curso Básico Industrial . Tem como função fluir as impurezas de cada bandeja para o fundo do decantador.Pré-Fabricação do Açúcar 78 . acoplado ao acionamento onde são fixados os braços.

Curso Básico Industrial .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Caixa de caldo É a caixa que recebe o caldo limpo de cada bandeja sendo interligada por tubulações e serpentinas. É provida de válvulas telescópicas (pescadores) que determinam o nível de retirada de caldo desejado.DECANTAÇÃO .Pré-Fabricação do Açúcar 79 .

Pré-Fabricação do Açúcar 80 . Também pode-se utilizar bombas helicoidais com inversor de freqüência para retirar o lodo e enviar diretamente para o misturador lodo / bagacilho. sendo interligada pelo tubo de saída de lodo do decantador.Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Caixa de Lodo É a caixa onde recebe o lodo proveniente de fundo do decantador. provida de válvulas telescópicas. Curso Básico Industrial .DECANTAÇÃO .

desça para a caixa de liquidação.DECANTAÇÃO .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Caixa de Liquidação Utiliza-se quando desejamos esvaziar o decantador através de manobras com válvulas. ao invés de subir para a caixa de caldo. Curso Básico Industrial . fazemos que o caldo limpo.Pré-Fabricação do Açúcar 81 .

Pré-Fabricação do Açúcar 82 .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Bomba de liquidação Cada decantador possui uma bomba de liquidação para os fluxos de caldo ou de lodo.DECANTAÇÃO . Curso Básico Industrial .

DECANTAÇÃO .Pré-Fabricação do Açúcar 83 . Curso Básico Industrial .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Balão de flash individual Cada equipamento possui um. servindo como balão auxiliar. que tem por finalidade semelhante ao balão de flash central.

Pré-Fabricação do Açúcar 84 . O acionamento das canecas não deve ser de forma brusca. Curso Básico Industrial . pois isso compromete todo o equilíbrio do decantador. afim de que não apresentem bandeja com caldo sujo. Monitorar a concentração do lodo.Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR CUIDADO Deve-se acompanhar atentamente todos os decantadores.DECANTAÇÃO .

Curso Básico Industrial .Equipamento MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Peneira do Caldo Função Garantir a remoção da maior parte dos insolúveis presentes no caldo.DECANTAÇÃO .Pré-Fabricação do Açúcar 85 . Cuidados É necessário que se faça limpeza com água ou rodo adequado.

Pré-Fabricação do Açúcar 86 .MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Curso Básico Industrial .

Pré-Fabricação do Açúcar 87 .FILTRO ROTATIVO MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR FILTRO ROTATIVO Defini-se filtração como a separação de sólidos suspensos em Função um líquido pela passagem através de um meio permeável (meio de filtragem). Curso Básico Industrial .

onde é fixado na parte externa o meio filtrante e. na interna a tubulação de sucção. Curso Básico Industrial .FILTRO ROTATIVO .Pré-Fabricação do Açúcar 88 .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Tambor rotativo É um cilindro construído em aço carbono ou inox.

FILTRO ROTATIVO . Tem por finalidade a circulação do fluxo de caldo filtrado pela superfície externa do tambor Curso Básico Industrial . é permitir a passagem do fluxo de filtrado retendo sobre a mesma uma camada denominada torta.COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Contra Tela Tela Finalidade.Pré-Fabricação do Açúcar 89 .

COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Canaletas de fixação Tem em formato de “u” soldado á parte externa do tambor rotativo onde são encaixadas as laterais da tela e com pressão dos fixadores.Pré-Fabricação do Açúcar 90 . Curso Básico Industrial .FILTRO ROTATIVO .

posteriormente ao separador de arraste e caixa de caldo filtrado. Curso Básico Industrial .FILTRO ROTATIVO .Pré-Fabricação do Açúcar 91 .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Tubulação de sucção Tem por conduzir o fluxo de caldo filtrado até o cabeçote.

Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 92 .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Cabeçote É proporcionar ao equipamento duas ou três seções de vácuo na superfície filtrante. ou seja.FILTRO ROTATIVO . baixo vácuo e alto vácuo.

Pré-Fabricação do Açúcar 93 .FILTRO ROTATIVO . Curso Básico Industrial .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Coxo Sua finalidade é de armazenar de forma continua o lodo a ser processado pelo filtro rotativo.

COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Agitador de Lodo Agitar o lodo dentro do cocho para que não haja decantação de sólidos (bagacilho...FILTRO ROTATIVO . areia etc. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 94 .).

Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 95 .FILTRO ROTATIVO .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Mangote Sua função a fazer a correção entre o cabeçote e a tubulação de caldo.

FILTRO ROTATIVO - COMPONENTES

MENU PRINCIPAL

SUB MENU

SAIR

Raspa
É retirar a camada de torta do filtro,

permitindo o trabalho continuo.

Curso Básico Industrial - Pré-Fabricação do Açúcar

96

FILTRO ROTATIVO - COMPONENTES

MENU PRINCIPAL

SUB MENU

SAIR

Sistema de Lavagem da Torta
São tubulações de água quente instaladas sobre o tambor do filtro providas de furos, ou bicos que tem como objetivo efetuar lavagem uniforme sobre toda a camada de torta do meio filtrante.
Curso Básico Industrial - Pré-Fabricação do Açúcar

97

FILTRO ROTATIVO - COMPONENTES

MENU PRINCIPAL

SUB MENU

SAIR

Bomba de vácuo
Como o trabalho dos filtros é possível através de pressão negativa é necessário que cada equipamento tenha sua própria bomba vácuo.

Curso Básico Industrial - Pré-Fabricação do Açúcar

98

FILTRO ROTATIVO . Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 99 . temos uma entrada de água fornecida pela torre de resfriamento de água.COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Sistema de vácuo Trata-se de um condensador barométrico. provido em seu interior de um espelho perfurado na parte superior do condensador.

Pré-Fabricação do Açúcar 100 .FILTRO ROTATIVO .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Sistema de vácuo Curso Básico Industrial .

Curso Básico Industrial .FILTRO ROTATIVO .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Balões de Caldo Cada equipamento possui dois balões construídos em chapas de aço carbono revestidos com chapa de inox com objetivo de receber o caldo filtrado extraído do baixo e alto vácuo.Pré-Fabricação do Açúcar 101 .

Curso Básico Industrial .FILTRO ROTATIVO . Observação todas as tubulações de caldo afogado. não permitindo assim a entrada de ar.Pré-Fabricação do Açúcar 102 .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Caixa de Caldo Filtrado Tem como finalidade receber todo caldo filtrado processado pelos filtros rotativos. que prejudicaria o vácuo dos filtros.

FILTRO ROTATIVO .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Caixa de Lodo Finalidade receber o lodo de todos os decantadores alem do retorno de lodo dos filtros. misturado com o bagacilho e resíduo das peneiras de caldo clarificado.Pré-Fabricação do Açúcar 103 . Curso Básico Industrial .

sua finalidade principal é fazer a mistura destes dois produtos.Pré-Fabricação do Açúcar 104 .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Misturador de Lodo Bacilho nada mais é do que um tanque onde tem entradas de lodo e bagacilho. Curso Básico Industrial .FILTRO ROTATIVO . providas de agitador.

COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Sistema de Classificador de Bagacilho É o equipamento que irá determinar o volume e granulometria de bagacilho que irá ser utilizado nos filtros rotativos.FILTRO ROTATIVO .Pré-Fabricação do Açúcar 105 . Curso Básico Industrial .

FILTRO ROTATIVO . Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 106 .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Moega de Torta Trata-se de uma caixa cônica construídas de chapas de aço carbono que recebe a torta a ser produzida pelo filtro.

Pré-Fabricação do Açúcar 107 . obtendo uma torta com pol menor que 1% sendo esse parâmetro para avaliação do desempenho da extração de filtração.FILTRO ROTATIVO . Curso Básico Industrial .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Objetivo do filtro rotativo É processar todo o lodo.

deve ser filtrada. efetuar periodicamente inspeção e limpeza / substituição de bicos entupidos.5 e 8.FILTRO ROTATIVO . e quente. 2) O pH devera ser corrigido para valores entre 7.Pré-Fabricação do Açúcar 108 . para evitar o entupimento dos bicos. para facilitar a manutenção dos flocos e melhorar a filtrabilidade. com temperatura superior a 80°C.5. 3) A água para lavagem da torta.COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Para se atingir este objetivo são necessários 1) A temperatura do lodo não menor que 80°C. que diminui a viscosidade e impedir a solidificação de gomas e ceras. Curso Básico Industrial .

permitindo a verificação das pressões aplicadas.FILTRO ROTATIVO . 6) Rotação do tambor de 10 a 15 rpm. sendo calibrados e aferidos.COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Para se atingir este objetivo são necessários 4) Acompanhamento das pressões de operação Baixo vácuo 7 a 10 Hg Alto vácuo 20 a 22 Hg 5) Os vacuômetros instalados nos filtros devem realmente funcionar.Pré-Fabricação do Açúcar 109 . Curso Básico Industrial . velocidade mais baixas melhoram a eficiência de redução de Pol da torta.

5 a 3. Curso Básico Industrial .0 a 5. de 7 a 10 mm permitem resultados favoráveis. 8) Quantidade de bagacilho adicionada 2.Pré-Fabricação do Açúcar 110 .FILTRO ROTATIVO .0 Kg por tonelada de cana moída.COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Para se atingir este objetivo são necessários 7) Espessura da torta. Esta relacionada à velocidade de rotação do filtro. 9) Minimizar o retorno de lodo das bacias dos filtros para evitar recirculação.0% de bagacilho seco em relação ao lodo de alimentação. ou 3.

COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Para se atingir este objetivo são necessários 10) Efetuar raspagem das telas dos filtros nas áreas “obstruídas” por ceras. Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 111 . 11) Transborda da caixa de lodo para a canaleta causando a perda de açúcar e diminuir a eficiência industrial.FILTRO ROTATIVO .

permitindo a obstrução de telas e entupimento de tubulações devidas a maior quantidade de sólidos do lodo passando com caldo. que deve se manter acima de 85%.Pré-Fabricação do Açúcar 112 . A falta de bagacilho reduz a filtrabilidade. É interessante se avaliar periodicamente a retenção dos filtros. Curso Básico Industrial .COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Bagacilho Em excesso eleva demais a espessura da torta. Se a retenção se situar numa faixa muito baixa certamente sobrecarregara a decantação. aumentando a pol da torta.FILTRO ROTATIVO .

COMPONENTES MENU PRINCIPAL SUB MENU SAIR Fatores que afetam a retenção  Concentração do lodo    Qualidade e quantidade do bagacilho adicionado Faixa de vácuo durante a pega Tempo de formação da torta Curso Básico Industrial .Pré-Fabricação do Açúcar 113 .FILTRO ROTATIVO .