Você está na página 1de 16

Introdução ao Apocalipse de João

Grande parte dessas interpretações são resultado de uma leitura equivocada. . que visa dar sentido à grande gama de símbolos “misteriosos” contidos no Apocalipse.Interpretações variadas • O livro do Apocalipse de João tornou-se “fonte” de diversas interpretações diferentes.

A dificuldade de leitura do Apocalipse é exclusivamente nossa. As comunidades às quais o Apocalipse foi dirigido sabiam a que o autor se referia com a simbologia utilizada. .

• A distância que nos separa da realidade na qual o Apocalipse foi escrito faz com que se torne um desafio a leitura e interpretação do seu texto. . Mas também gera muita especulação fazendo surgir inúmeras formas de leitura nos dias de hoje.

C. brevemente. algumas dessas clássicas interpretações do Apocalipse: • Preterista – Limita o Apocalipse à mera descrição das perseguições contra o cristianismo movidas pela antiga Roma.Interpretações variadas Vejamos. depois disso. o retorno de Cristo seria iminente. .) e na queda do Império Romano e. Crê que as principais profecias do Apocalipse cumpriram-se na destruição de Jerusalém (70 d.

Dá-se uma interpretação literalista e especulativa do texto.• Historicista – A prática comum dessa escola é achar na história eventos ou figuras que se enquadram nos símbolos do Apocalipse. .

É somente para ensinar verdades espirituais que podem ser aplicadas a todas as situações. Trata o livro com um conto simplesmente poético ou simbólico. mas o livro aborda questões reais e fala de necessidades urgentes de seus destinatários .• Idealista – Essa escola julga que o propósito do livro de Apocalipse não é falar de eventos específicos a virem.

• Fundamentalista – Os fundamentalistas se apoiam e também se dividem nas teorias do milênio. Com essa teoria nasce um “mapa do futuro” . Ambos fazem uma leitura literal de Apocalipse 20. Alguns adotam o prémilenarismo outros o pós-milenarismo.

que descreve essa ação do Império dominante com forte critica e ênfase negativa.Outra interpretação: consolo e esperança Esta leitura estuda o Apocalipse no seu contexto primeiro. sem poderem participar da sociedade. Levar em consideração o contexto sócio-histórico em que o Apocalipse foi escrito: A redação do Apocalipse de João é datada por volta do ano 95 d. Para fazer este tipo de leitura é importante: 1) Saber a devida função da simbologia: A linguagem apocalíptica faz uso de símbolos para se comunicar.. As Igrejas que ali se encontravam viviam excluídas. Essa bruta dominação do Império Romano alimentou as correntes apocalípticas e contribuiu fortemente no surgimento do Apocalipse de João. mas sim o da opressão e da exclusão. Num clima de opressão. atualiza-o para hoje. no fim do reinado de Domiciano. na maioria das vezes. O grande problema não é tanto o da perseguição. A realidade do apocalipse é marcada pela intensa ação da Pax Romana. que são marcas mais presentes nas comunidades da Ásia Menor.C. partes da história do povo destinatário do texto. a simbologia também privava o autor de criticar o sistema abertamente e dava mais liberdade de expressão diante dos problemas externos das comunidades. Por todo o livro percebe-se uma clara disputa contra o império. 2) . e vislumbra o futuro. e esses símbolos são.

3) Fortalecer a fé e alimentar a esperança: • Podemos afirmar que o objetivo do Apocalipse de João é levar esperança para um povo oprimido e sem perspectivas de futuro. Ele continua junto com o povo na caminhada e está disposto a agir na história para mudar o cenário de terror que assola a vida do seu povo. . • Mesmo que tudo pareça dar errado o autor do Apocalipse quer mostrar que Deus ainda está no controle da história.

a respeito de eventos futuros. através de um mediador (o Espírito Santo? Cristo Ressuscitado?). um gênero literário no qual uma mensagem é dada por Deus. para um visionário (João).O que é um “apocalipse”? • Apocalipse quer dizer “revelação” ou “desvelamento” e indica um jeito de escrever. .

• A literatura “apocalíptica” não se resume ao Apocalipse de João. 1 Tessalonicenses 4.13-18 e Marcos 13 são bons exemplos. Há muitos outros textos que compartilham visões de mundo semelhantes e que relatam tipos de experiências religiosas semelhantes. . Novo Testamento e mesmo fora dele! Os captítulos 7-12 de Daniel.

10. 22:6-7.2).18) .3). Seu conteúdo é descrito como Palavra de Deus e Testemunho de Jesus Cristo (v.O Apocalipse de João • O Apocalipse inicia com um prefácio que o caracteriza como “revelação” (v. • Cita constantemente o AT e foi enviado às igrejas da Ásia Menor como uma exortação sobre o futuro imediato (1:1-3.1) e “profecia” (v.

11:15-18. 4:8-11. 5:8-14. 16:5-7.8 e outros) b) Sacerdotes (1:6. 19:1.3. 20:6) c) altar (6:9. 19:1-8) Isto indica que o livro era lido no culto e deve ser entendido nesse contexto . 8:3. 9:3) d) incenso (5:8.6 e outros) f) seções hínicas (1:4-8. 7:15. 5:10. 8:40) e) fórmulas litúrgicas (1:6. 7:9-12. 14:13.4.• A terminologia do livro está centralizada no culto: a) Templo (3:12. 15:5.6.

como o restante do NT. É um exilado político (1:9). 22:8) • Naquele tempo era costume dedicar uma obra literária a um personagem importante do passado. apesar de se chamar João. E a primeira palavra que aparece é Apokálipsis. . Por isso.Informações Importantes Quem escreveu? • O autor se chama João (1:1. palavra grega que quer dizer revelação. Em que língua foi escrito? • Foi escrito em grego. 1:4. não é o evangelista João. Esta palavra deu nome ao livro e ao gênero.

com profundidade. etc. A palavra testemunha em grego é martiria.Ap. • O livro não se destina à edificação individual. contudo. em celebração! A felicidade. que deu origem a “Mártir”. depende da prática! . Ser testemunha da Palavra de Deus é estar disposto não só a visões celestiais. A fé só resiste em comunidade. 1:1-3 • Os profetas liam a realidade. mas a percalços e desafios. Vendo o que todo mundo via. pondo-as a descoberto. • João é chamado de “testemunha”. não o futuro. “Martirizar”. intuíam o sentido das coisas. mas comunitária. Denunciavam a injustiça e anunciavam a vontade de Deus.