Você está na página 1de 27

TÉCNICAS COGNITIVO-

COMPORTAMENTAIS

Armando Rezende Neto,Ms.


Universidade Bandeirante de São Paulo
Universidade Ibirapuera

1
TÉCNICAS DE RELAXAMENTO

 Várias formas para alterar o estado de


consciência:
Farmacológicas

Não-farmacológicas

 Não-farmacológicas  Técnicas de
Relaxamento
 Terapeutas comportamentais tiveram
importante papel: desenvolvimento,
refinamento e aferição das técnicas.

2
TÉCNICAS MAIS CONHECIDAS

 Jacobson (1938) – Relaxamento Muscular Progressivo;


 Relaxamento Controlado por Sinal (Russel e Sipich,
1973);
 Treinamento Autógeno (Schultz e Luthe, 1959);
 Relaxamento Condicionado por Metrônomo (Brady,
Luborsky e Kron, 1974)
 Relaxamento de Michaux
 Biofeedback – Várias técnicas.

3
 Definição de Relaxamento:

 Ausência completa de movimentos e


ausência total de rigidez muscular em
qualquer parte do corpo. Os nervos que vão
e partem dos músculos permanecem
inativos.

4
Relaxamento Muscular Progressivo

 Aprender a relaxar um depois do outro os principais


grupos musculares. Junto com cada grupo muscular
novo, o paciente relaxa as outras partes trabalhadas
antes.
 Com a prática: progride até alcançar um hábito de
repouso; um estado de tranqüilidade automaticamente
mantida.
 APLICAÇÕES:
 Ansiedade Generalizada; Insônia; Dores de

Cabeça; Dores na nuca; Distúrbios Sexuais, etc.

5
 PRESSUPOSTO: aprendendo a relaxar o Sistema
Nervoso Voluntário a tendência é ocorrer uma
tranqüilização semelhante nos órgãos internos:
coração, vasos sanguíneos e cólon.
 PRINCÍPIO DA INIBIÇÃO RECÍPROCA

 As emoções tendem a se equilibrar a medida que


relaxa.
 Leva ao contracondicionamento.

6
Relaxamento e Tensão Residual

 É a contração sutil e contínua de músculos


acompanhada de movimentos reflexos.
 Relaxamento Perfeito  não há tensão
residual
 SINAIS:
1. Respiração Irregular;
2. Pulso mais acelerado;
3. Temperatura corporal e pressão mais altas;
4. Movimentos ligeiros;
5. Mente ativa.

7
RELAXAMENTO AUTÓGENO

 Criado em 1959 – Schultz e Luthe.

 DEFINIÇÃO:
 Ensinar ao cliente um processo de auto-sugestão
de que o corpo está pesado e quente.

 OBJETIVO:
 Peso  relaxamento muscular

 Calor  dilatação dos vasos sanguíneos

8
 PROCESSO:
 Terapeuta modela uma afirmação para o cliente:
 “Meu braço está pesado... Estou calmo.”
 Fazer o cliente repetir para si mesmo.
 Induzir sensações de peso no corpo todo
 Auto-sugestão para induzir calor no corpo.

 PESQUISAS:
 Nicassio e Bootzin (1974): Relaxamento
Autogênico X RMP  É tão eficaz quanto o RMP
na diminuição da insônia. Tem indicação
terapêutica.

9
IDEAL DE RELAXAMENTO

10
DESSENSIBILIZAÇÃO SISTEMÁTICA

 Joseph Wolpe – 1958


 DEFINIÇÃO:
 Pareamento do relaxamento com a imaginação de
cenas que retratam situações causadoras de
ansiedade (ansiogênicas).

 PRESSUPOSTO:
 Instruir o cliente a experimentar relaxamento ao
invés de ansiedade, enquanto imagina cenas
ansiogênicas; as situações na realidade causarão
muito menos desconforto.
11
 PRINCÍPIO:
 INIBIÇÃO RECÍPROCA  ocorre através da SUPRESSÃO
CONDICIONADA, isto é:
 Dois estímulos competitivos entre si estão presentes na
mesma situação. Se uma resposta antagonista à ansiedade
puder ser estabelecida na presença do estímulo que evoca a
ansiedade, de modo que essa resposta seja acompanhada
pela supressão parcial ou total da ansiedade, o elo entre
estímulo e a resposta de ansiedade será enfraquecido.
 Então: na dessensibilização o relaxamento funciona
como uma resposta competitiva a ansiedade.

12
 AO FINAL:
 Contracondicionamento  o estímulo inicialmente aversivo
perde a força de controle sobre a resposta de ansiedade.
  foram utilizados procedimentos de aprendizagem para a
substituição de um tipo de resposta por outro = Ansiedade
por Relaxamento.
 APLICAÇÕES:
 Tratamento de fobias social ou específica: medo de dirigir,
de avião, de animais, de multidões, etc.. Tratamento de todo
distúrbio de origem fóbica: sexuais, da fala, ataques
asmáticos, etc.

13
 MÉTODO:
 Pequeno número de sessões para se efetuar uma
melhora (de 16 a 23) dependendo do terapeuta e
da complexidade do caso.
 PROCEDIMENTOS:
1. Treino em técnicas de relaxamento
2. Treino no uso da escala de ansiedade (SUDs)
3. Construção da hierarquia de medos
4. Aplicação do relaxamento nas situações da hierarquia
(pareamento do relaxamento ou dessensibilização
propriamente dita).

14
INDIVÍDUO DESSENSIBILIZADO

15
TREINO ASSERTIVO

 Treino Assertivo ou Treino Afirmativo


 Comportamento Assertivo ou Afirmativo

 DEFINIÇÃO  É definido como a expressão


adequada de qualquer emoção que não a
ansiedade com relação à outra pessoa.

16
 ALGUMAS ADVERTÊNCIAS:

1. Assegurar-se de que compreende perfeitamente os


princípios básicos da asserção.
2. Deve-se decidir que está pronto para começar a
treinar o comportamento auto-assertivo sozinho.
3. As tentativas iniciais do ser assertivo devem ser
escolhidas por ser potencialmente promissoras para
lhe dar o devido reforço.

17
PROCESSO PASSO A PASSO

1. Observe seu próprio comportamento e sua


asserção.
2. Concentre-se numa situação específica e reveja
suas respostas.
3. Observe um modelo eficaz.
4. Considere respostas alternativas e imagine-se
lidando com a situação e reproduza no consultório.
5. Teste em situações reais previamente planejadas.
6. Obtenha feedback de alguém próximo ou do
terapeuta.
7. Procure alcançar nas situações reforço do seu meio
social (reforço natural).

18
ANÁLISE DOS COMPORTAMENTOS QUANTO
AO EMISSOR

PASSIVO AGRESSIVO ASSERTIVO


Nega a si próprio Valoriza-se as custas Valoriza-se
dos outros
Fica inibido Expressa-se Expressa-se

Fica magoado e Deprecia os outros Sente-se bem consigo


ansioso

Permite que os outros Escolhe para os outros Escolhe por si


escolham para ele
Atinge os objetivos
Não atinge os objetivos desejados ferindo os
Pode atingir os
desejados outros objetivos desejados

19
ANÁLISE DOS COMPORTAMENTOS QUANTO
AO RECEPTOR

PASSIVO AGRESSIVO ASSERTIVO

Sente culpa ou raiva Repudia-se Valoriza-se

Deprecia o emissor Sente ferido, humilhado Expressa-se


e na defensiva

Não atinge os objetivos


Atinge desejados
os objetivos às Pode atingir os
custas do emissor objetivos desejados

20
RELAÇÕES INTERPESSOAIS:
Qual é a resposta mais adequada? Qual é a assertiva?
 FESTINHA INFORMAL:
 Sua filha de doze anos está dando uma festinha para cinco
amigos. Já passou das 2 horas da manhã e as meninas já deviam
ter se recolhido para dormir, mas ainda continuam bem
barulhentas.
 RESPOSTAS ALTERNATIVAS:
a. Você se vira na cama, desejando que seu marido se levante e diga
qualquer coisa às meninas. Você faz menção de se levantar, mas
acaba ficando deitada, tentando abstrair-se do barulho.
b. Você pula da cama, ralha e briga com as garotas, especialmente sua
filha, por conduta imprópria.
c. Você conversa com as meninas em um tom que elas sabem que é
para ser levado a sério e lhes diz que já se divertiram bastante aquele
dia. Você ressalta o fato de que precisa levantar cedo no dia seguinte
e que todos precisam dormir.

21
 ATRASADO PARA JANTAR:
 Seu marido era esperado para jantar assim que saísse do
trabalho. Ao invés disso ele chegou mais tarde, explicando que
saíra com alguns amigos para tomar uns drinques. Ele está um
pouco bêbado.
 RESPOSTAS ALTERNATIVAS:
a. Você não diz o quanto ele foi descortês com você, mas simplesmente
começa a preparar algo para ele comer.
b. Você grita ou chora, deixando claro que acha que ele é um bêbado
idiota, que não se importa com seus sentimentos, é um péssimo
exemplo para as crianças e pergunta o que os vizinhos vão pensar.
Você lhe diz que ele pode fazer seu próprio jantar.
c. Você calma e firmemente lhe informa que ele devia ter avisado com
antecedência que ia sair para tomar uns drinques e que
provavelmente se atrasaria. Você lhe diz que seu jantar frio está na
cozinha.
22
 CORTE DE CABELO:
 Na barbearia, o barbeiro acabou de cortar seu cabelo e vira
a cadeira para o espelho para que você possa inspecionar.
Você acha que os lados não estão suficientemente
aparados.
 RESPOSTAS ALTERNATIVAS:
a. Você balança a cabeça assentindo e diz “Está bom” ou não diz
nada.
b. Abruptamente você afirma que ele deveria ter feito um trabalho
melhor e diz sarcasticamente: “Você não tirou muito dos lados,
não é”.
c. Você ressalta que gostaria dos lados mais bem aparados e
pede a ele para fazer isso.

23
APLICAÇÕES DO TREINO ASSERTIVO

 NA ÁREA ESCOLAR:
 Professores freqüentemente se deparam com alunos que são
passivos ou agressivos em sala de aula. O treino pode levar os
alunos a serem capazes de formular perguntas na sala e participar de
discussões em grupo.
 EM EMPRESAS:
 O treino assertivo em grupo pode ser incorporado a outros programas
de desenvolvimento gerencial ou de treinamento de pessoal.
 EM INSTITUIÇÕES:
 Treinamento de liderança para organizações comunitárias.
 NA CLÍNICA:
 O treino pode reduzir a ansiedade causada pelas relaçoes
interpessoais, sintoma comum em pessoas com dificuldades
emocionais. Pessoas que não possuem sentimentos de auto-estima

24
TÉCNICA DA EXPOSIÇÃO

 DEFINIÇÃO:
 Contato direto ou imaginado com objetos,
lugares ou situações que não são
perigosos, mas que se tem medo ou
provocam desconforto.
 EFEITO:
 Elevação da ansiedade nos primeiros
exercícios e diminuição gradativa até
desaparecer.

25
PREVENÇÃO DE RESPOSTA

 DEFINIÇÃO:
 Ato de se abster da execução de um ritual, de uma
compulsão mental ou de quaisquer manobras
destinadas a reduzir ou neutralizar a ansiedade.
 Por exemplo:
 Deixar de lavar as mãos ou o corpo após tocar em
objetos “contaminados”. Não alinhar objetos.

26
PRINCÍPIO QUE FUNDAMENTA
Habituação

 Com freqüência, esquecemos ou deixamos


de perceber estímulos incômodos como o
barulho de ar condicionado, dos carros na
rua, da geladeira etc. É a diminuição da
resposta a um estímulo benigno repetido.
Isto tb. ocorre com reações de medo
quando entramos em contato direto com
objetos ou situações que provoquem tais
reações.

27