Você está na página 1de 23

Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS Psicologia Motivação, Emoção e Percepção

Professora Drª Bernadeth Bucher

1º Período

Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS Psicologia Motivação, Emoção e Percepção Professora Drª Bernadeth Bucher

Acadêmicas

Genifer Carolaine da Silva Jorenti Iasmim Michelle Barboza Pereira Silva Larine Batista Natalia Prates Marques

Acadêmicas Genifer Carolaine da Silva Jorenti Iasmim Michelle Barboza Pereira Silva Larine Batista Natalia Prates Marques
Durante séculos, o cérebro humano permaneceu fora do alcance da ciência, pois não havia instrumentos capazes

Durante séculos, o cérebro humano permaneceu fora do alcance da ciência, pois não havia instrumentos capazes de explorá-lo, contudo nas últimas décadas as pesquisas sobre o cérebro progrediram com grande intensidade e rapidez. Hoje sabemos que a parte superior do cérebro possui redes neuronais que permitem a percepção, pensamento e fala. E na parte inferior são onde se mantém a memória, impulsos básicos e as emoções que são o objeto de estudo deste trabalho.

Durante séculos, o cérebro humano permaneceu fora do alcance da ciência, pois não havia instrumentos capazes
Segundo Lent (2010), neurociência é uma ciência que engloba outras ciências que se interessam pelo sistema

Segundo Lent (2010), neurociência é uma ciência que engloba outras ciências que se interessam pelo sistema nervoso em relação a sua estrutura, função, desenvolvimento, evolução, e disfunções. Desse modo, há muitos meios de classificá-las, de acordo com os níveis de abordagem.

Segundo Lent (2010), neurociência é uma ciência que engloba outras ciências que se interessam pelo sistema
• Neurociência Molecular; • Neurociência Celular; • Neurociência Sistêmica ( neurofisiologia); • Neurociência Comportamental (psicobiologia); •

Neurociência Molecular; Neurociência Celular; Neurociência Sistêmica ( neurofisiologia); Neurociência Comportamental (psicobiologia); Neurociência Cognitiva (neuropsicologia).

• Neurociência Molecular; • Neurociência Celular; • Neurociência Sistêmica ( neurofisiologia); • Neurociência Comportamental (psicobiologia); •
O método mais antigo de estudar as conexões entre cérebro e mente é a observação dos

O método mais antigo de estudar as conexões entre cérebro e mente é a observação dos efeitos de doenças e lesões cerebrais. Recentemente, com a introdução das novas tecnologias, é possível estimular partes do corpo por meios elétricos, químicos ou magnéticos e anotar seus efeitos (MYERS, 2006).

O método mais antigo de estudar as conexões entre cérebro e mente é a observação dos

As novas tecnologias dão oportunidade para a ampliação do conhecimento sobre o cérebro e o comportamento humano, contribuindo no estudo das ciências sociais, que utilizavam

somente da observação dos fatores externos (BICA, 2006).

As novas tecnologias dão oportunidade para a ampliação do conhecimento sobre o cérebro e o comportamento
Myers (2006) e Bica (2006) relatam que os principais
Myers
(2006)
e
Bica
(2006)
relatam
que
os
principais

instrumentos e técnicas para investigar o cérebro vivo são:

Tomografia computadorizada (CT): examina o cérebro ao tirar radiografias que podem revelar lesão cerebral.

Tomografia de emissão positrônica (PET): descreve a atividade de diferentes áreas do cérebro ao mostrar o consumo de combustível

químico de cada área.

Myers (2006) e Bica (2006) relatam que os principais instrumentos e técnicas para investigar o cérebro

Eletroencefalograma (EEG): analisa a atividade elétrica cerebral espontânea através da utilização de eletrodos colocados sobre o couro cabeludo.

Imagem de ressonância magnética (fRMI): produz imagens tridimensionais da atividade sináptica neuronal, medindo tal atividade pelo aumento da quantidade de impulsos elétricos entre os neurônios.

• Eletroencefalograma (EEG): analisa a atividade elétrica cerebral espontânea através da utilização de eletrodos colocados sobre
Lent (2010) declara que existem muitas emoções e estas são de difícil classificação, contudo elas apresentam

Lent (2010) declara que existem muitas emoções e estas são de difícil classificação, contudo elas apresentam três aspectos:

Sentimento positivo-negativo; Reações físicas características; Ajustes fisiológicos.

Lent (2010) declara que existem muitas emoções e estas são de difícil classificação, contudo elas apresentam
Damásio (2009) distingue as emoções entre: • Emoções primarias: inatas felicidade). a todas as pessoas (raiva,

Damásio (2009) distingue as emoções entre:

Emoções primarias: inatas felicidade).

a

todas as

pessoas (raiva, medo e

Emoções secundarias: adquiridas pela influência de acordo com contexto social e cultural (vergonha e culpa);

Emoções

de

fundo:

desagradáveis)

de

fácil

interpretação

(agradáveis

ou

Damásio (2009) distingue as emoções entre: • Emoções primarias: inatas felicidade). a todas as pessoas (raiva,
Bear, Connors e Paradiso (2008) afirmam que o termo Sistema Límbico foi popularizado em 1952 por

Bear, Connors e Paradiso (2008) afirmam que o termo Sistema

Límbico foi popularizado em 1952 por Paul MacLen com intuito de

definir um sistema único para a emoção. Esperidião-Antonio (2007), propõe a concepção de Sistema de

Emoções, uma vez que a ideia de um único sistema das emoções vem

sendo ameaçada na medida em que tem sido identificadas diferentes áreas do SNC relacionadas as emoções.

Bear, Connors e Paradiso (2008) afirmam que o termo Sistema Límbico foi popularizado em 1952 por

- Lobo Límbico de Broca (1878) - consiste no córtex ao redor do corpo caloso, do giro cingulado, no córtex na superfície media do lobo temporal incluindo o hipocampo.

- Lobo Límbico de Broca (1878) - consiste no córtex ao redor do corpo caloso, do

Fonte: BEAR; CONNORS; PARADISO (2008, p. 269)

-Circuito de Papez (1930) - emoção é determinada pela atividade no córtex cingulado e em outras áreas corticais , sendo governada pelo hipotálamo.

- Circuito de Papez (1930) - emoção é determinada pela atividade no córtex cingulado e em

Fonte: BEAR; CONNORS; PARADISO (2008, p. 269)

Esperidião-Antonio (2007) indica as seguintes estruturas
Esperidião-Antonio
(2007)
indica
as
seguintes
estruturas

envolvidas no processo emocional:

-Tálamo: relaciona-se com sensibilidade, motricidade, comportamento emocional e ativação do córtex cerebral.

Esperidião-Antonio (2007) indica as seguintes estruturas envolvidas no processo emocional: - Tálamo: relaciona-se com sensibilidade, motricidade,

Hipotálamo : Sua estimulação lateral induz à fúria e/ou à luta. Já a do núcleo ventromedial induz sensação de tranquilidade. A estimulação dos núcleos periventriculares costuma acarretar

medo e reações de punição.

Hipotálamo : Sua estimulação lateral induz à fúria e/ou à luta. Já a do núcleo ventromedial

-Giro cingulado: Está intimamente relacionado à depressão, à ansiedade e à agressividade, observando-se, em humanos, lentidão mental em casos de lesão dessa estrutura.

- Giro cingulado: Está intimamente relacionado à depressão, à ansiedade e à agressividade, observando-se, em humanos,

-Amigdala: relacionada aos aprendizados emocionais e ao armazenamento de memórias afetivas. É responsável pela associação estímulos-recompensas, pela detecção, geração e manutenção das emoções relacionadas ao medo, reconhecimento de expressões faciais de medo e coordenação de respostas apropriadas à ameaça e ao perigo.

- Amigdala: relacionada aos aprendizados emocionais e ao armazenamento de memórias afetivas. É responsável pela associação
- Amigdala: relacionada aos aprendizados emocionais e ao armazenamento de memórias afetivas. É responsável pela associação

-Córtex pré-frontal: participa na tomada de decisões e no controle do comportamento emocional.

- Córtex pré-frontal: participa na tomada de decisões e no controle do comportamento emocional.

-Septo: Está intimamente relacionado à depressão, à ansiedade e à agressividade, trazendo lentidão mental em casos de lesão dessa estrutura.

- Septo: Está intimamente relacionado à depressão, à ansiedade e à agressividade, trazendo lentidão mental em

-Cerebelo: contribui para as habilidades motoras, sensoriais e cognitivas. No caso da emoção, as regiões cerebelares mais antigas são responsáveis pelos mecanismos primitivos de preservação,

manifestações de luta, emoção, sexualidade e, possivelmente, de

memória emocional.

- Cerebelo: contribui para as habilidades motoras, sensoriais e cognitivas. No caso da emoção, as regiões
Os avanços da neurociência auxiliam na compreensão do processo emocional do ser humano. A questão de

Os avanços da neurociência auxiliam na compreensão do

processo emocional do ser humano. A questão de o encéfalo ter um

ou mais sistemas emocionais é, ainda, um tema debate.

O consenso atual é de que certas estruturas são importantes no processo emocional, sendo a amígdala a que tem recebido mais atenção. É necessário adquirir maior compreensão dos mecanismos neurobiológicos relacionados as emoções.

Os avanços da neurociência auxiliam na compreensão do processo emocional do ser humano. A questão de
BEAR, Mark F.; CONNORS, Barry W.; PARADISO, Michael A. Neurociências: Desvendando o sistema nervoso. 3. ed.
BEAR, Mark F.; CONNORS, Barry W.; PARADISO, Michael A. Neurociências: Desvendando o sistema nervoso. 3. ed.

BEAR, Mark F.; CONNORS, Barry W.; PARADISO, Michael A. Neurociências: Desvendando o sistema nervoso. 3. ed. Porto Alegre:

Artmed, 2008.

BICCA, R.H.R. Emoções, interpretação e aplicação legal: com enfoque nas reflexões de Martha C. Nussbaum. Disponível em:

<http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/13150> Acesso em: 22 abr. 2014.

ESPERIDIÃO-ANTONIO, V. et al. Neurobiologia das emoções. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rpc/v35n2/a03v35n2.pdf> Acesso em: 25 abr. 2014.

DAMÁSIO, Antonio R. O Erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LENT, R. Cem Bilhões de Neurônios: conceitos fundamentais de neurociências. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2010. MYERS, David. Psicologia. 7.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

BEAR, Mark F.; CONNORS, Barry W.; PARADISO, Michael A. Neurociências: Desvendando o sistema nervoso. 3. ed.