Você está na página 1de 40
adenir

adenir

 Segurança ocupacional vivida no dia a dia das instituições.  Lei nº 11.105 de 24/03/2005.
Segurança ocupacional vivida no dia a dia
das instituições.
Lei nº 11.105 de 24/03/2005.
É uma junção da expressão “segurança
biológica”, voltada para o controle e a
minimização de riscos advindos da
exposição, manipulação e uso de
organismos vivos que podem causar
efeitos adversos ao homem, animais e
meio ambiente.
 Ao adotarmos procedimentos específicos para evitar ou minimizar os riscos de atividades potencialmente perigosas que
Ao adotarmos procedimentos específicos
para evitar ou minimizar os riscos de
atividades potencialmente perigosas que
envolvem organismos vivos, estamos
praticando a biossegurança.
 O objetivo de quem aplica as normas de Biossegurança é sempre o de reconhecer fontes
O objetivo de quem aplica as normas de
Biossegurança é sempre o de reconhecer
fontes de perigo, avaliar as situações de
risco que essa fonte oferece e controlá-
los, tomando decisões técnicas e/ou
administrativas para promover mudanças
que resultem na solução dos problemas e
garantia da segurança.
 Adquirida após a admissão hospitalar e se manifesta durante a internação ou após a alta,
Adquirida após a admissão hospitalar e se
manifesta durante a internação ou após a
alta, quando for relacionada com a
internação ou procedimentos hospitalares.
 Antes de 72 horas, apenas se for associada a procedimentos.  Quando já existe uma
Antes de 72 horas, apenas se for
associada a procedimentos.
Quando já existe uma infecção e esta se
agrava com a internação.
Infecção em recém natos, sempre será
hospitalar. Exceto em casos de infecção
transplacentária ou bolsa rota > 24 horas.
 Endógeno: colonização de bactérias do próprio paciente.  Exógeno: outro paciente, contato físico direto ou
Endógeno: colonização de bactérias do
próprio paciente.
Exógeno: outro paciente, contato físico
direto ou objetos contaminados, vetores,
profissionais da saúde, etc.
 O acompanhante do paciente é geralmente um familiar ou um amigo bem próximo que, muitas
O acompanhante do paciente é geralmente
um familiar ou um amigo bem próximo que,
muitas vezes, o acompanha pela primeira
vez. O acompanhante ou visitante contribui
para o aumento das infecções. A fim de
diminuir o risco tanto para o paciente como
para o próprio visitante, o acompanhante
deve receber algumas orientações verbais,
não verbais e/ou mista, seja oral ou escrita.
 Respeitar o limite de pessoas no quarto do paciente. O acúmulo de pessoas no mesmo
Respeitar o limite de pessoas no quarto do
paciente. O acúmulo de pessoas no mesmo
ambiente aumenta o risco de infecção
respiratória;
Lavar as mãos: ao chegar, antes e após
auxiliar em algum cuidado com o paciente, e
ao sair do hospital;
Não sentar na cama nem no chão do
hospital;
Não utilizar o banheiro do paciente;
 Não deitar no chão do hospital, nem mesmo com um colchonete;  Não acumular alimentos
Não deitar no chão do hospital, nem mesmo
com um colchonete;
Não acumular alimentos no quarto;
Não comer a dieta do paciente;
Não fumar no quarto;
Não oferecer comida para os pombos;
Não manipular os equipamentos
hospitalares;
 Jogar lixo no lixo;  Respeitar o horário de visita;  As roupas do paciente
Jogar lixo no lixo;
Respeitar o horário de visita;
As roupas do paciente usadas no hospital
devem ser lavadas separadamente;
Utilizar sapatos fechados no hospital;
Em caso de dúvidas, procurar CCIRAS ou
CIPA.
 Para que haja um controle e diminuição da infecção hospitalar, higiene é a primeira maneira
Para que haja um controle e diminuição
da infecção hospitalar, higiene é a primeira
maneira de tratar os microrganismos,
impedindo, dessa forma, a sua
proliferação.
 Promover a remoção da sujidade;  Reduzir a população microbiana;  Diminuir o risco de
Promover a remoção da sujidade;
Reduzir a população microbiana;
Diminuir o risco de contaminação do
ambiente hospitalar.
 Limpeza concorrente: realizada diariamente com água e sabão para remover poeira e sujidades acumuladas ao
Limpeza concorrente: realizada diariamente
com água e sabão para remover poeira e
sujidades acumuladas ao longo do dia em
superfícies do mobiliário e em materiais.
Limpeza terminal: realizada com
desinfetante quando o leito é desocupado em
razão de alta, óbito ou transferência do
paciente, ou no caso de internação
prolongada.
 Denominam-se artigos hospitalares os materiais empregados com o objetivo de prevenir danos à saúde das
Denominam-se artigos hospitalares os
materiais empregados com o objetivo de
prevenir danos à saúde das pessoas ou
restabelecê-la, necessários aos cuidados
prestados.
 Eles têm grande variedade e as mais diversas finalidades, podendo ser descartáveis ou permanentes, e
Eles têm grande variedade e as mais
diversas finalidades, podendo ser
descartáveis ou permanentes, e
esterilizáveis ou não.
Os artigos permanentes devem ter seu
uso assegurado pela limpeza,
desinfecção, descontaminação e
esterilização.
 Os artigos utilizados nos serviços de saúde são classificados em três categorias, conforme o grau
Os artigos utilizados nos serviços de
saúde são classificados em três
categorias, conforme o grau de risco de
provocar infecção nos pacientes.
 Materiais com elevado potencial de risco de provocar infecção, porque são introduzidos diretamente em tecidos
Materiais com elevado potencial de risco de
provocar infecção, porque são introduzidos
diretamente em tecidos normalmente
estéreis.
Indicação de esterilização.
Instrumental cirúrgico, agulhas, cateteres
intravasculares e dispositivos a eles
conectados, como equipos de solução e
torneirinhas.
 Aqueles que entram em contato com mucosa íntegra e pele não-intacta; pode-se tornar artigo crítico
Aqueles que entram em contato com
mucosa íntegra e pele não-intacta; pode-se
tornar artigo crítico se ocorrer lesão acidental
durante a realização do procedimento.
A esterilização não é obrigatória, porém
desejável; há indicação de, no mínimo,
desinfecção de alto nível.
Equipamentos de anestesia e endoscópios.
 Materiais que entram em contato somente com apele íntegra e geralmente oferecem baixo risco de
Materiais que entram em contato somente
com apele íntegra e geralmente oferecem
baixo risco de infecção.
Dependendo do grau de contaminação,
podem ser submetidos à limpeza ou
desinfecção de baixo ou médio nível.
Artigos como comadre, papagaio,
termômetros.
 Particularmente no hospital, o ambiente pode tornar-se foco de infecção hospitalar, embora estudos tenham demonstrado
Particularmente no hospital, o ambiente pode
tornar-se foco de infecção hospitalar, embora
estudos tenham demonstrado não ser esse o
principal meio de transmissão.
Padronizar produtos a serem utilizados na
limpeza; normatizar ou indicar o uso de germicidas
para as áreas críticas ou para as demais, quando
necessário; participar de treinamentos e dar
orientação técnica à equipe de limpeza; participar
da elaboração ou atualização de manuais a
respeito do assunto.
 A frequência da limpeza varia de acordo com as áreas do hospital.  Da mesma
A frequência da limpeza varia de acordo
com as áreas do hospital.
Da mesma maneira que os artigos, as
áreas hospitalares também foram
classificadas de acordo com os riscos de
infecção que possam oferecer aos
pacientes.
 São as áreas de maior risco para a aquisição de infecções, devido a presença de
São as áreas de maior risco para a
aquisição de infecções, devido a presença
de pacientes mais susceptíveis ou pelo
número de procedimentos invasivos
realizados; são também considerados
como críticos os locais onde os
profissionais manipulam constantemente
materiais com alta carga infectante.
 UTI, centro cirúrgico, centro obstétrico e de recuperação pós-anestésica, isolamentos, setor de hemodiálise, banco de
UTI, centro cirúrgico, centro obstétrico e
de recuperação pós-anestésica,
isolamentos, setor de hemodiálise, banco
de sangue, laboratório de análises
clínicas, banco de leite, dentre outros.
 São as áreas ocupadas por pacientes que não necessitam de cuidados intensivos ou de isolamento.
São as áreas ocupadas por pacientes que
não necessitam de cuidados intensivos ou
de isolamento.
Enfermarias, ambulatórios.
 São todas as áreas não ocupadas por pacientes.  Áreas administrativas, almoxarifado.
São todas as áreas não ocupadas por
pacientes.
Áreas administrativas, almoxarifado.