Você está na página 1de 1

Faculdade Metropolitanas Unidas

Curso de graduação em Nutrição – São Paulo (SP)

ERVA MATE: PAPEL NA SAÚDE HUMANA


Autoras: Bruna Bettin Domingues e Thais Bárbara Licca Orientadora: Profª. Dra.
Emília Ishimoto

INTRODUÇÃO RESULTADOS E DISCUSSÃO

Atualmente as mortes causadas por doenças crônicas tem Os hábitos nutricionais da população da região sul do
sido recorrentes na maior parte da população, por isso Brasil vêm motivando um estudo que avalia o efeito
diversos estudos são realizados com a finalidade de hipocolesterolêmico, atribuído pela cultura popular a
encontrar formas de prevenir e tratar essas doenças, alguns alimentos que compõem o hábito local, com a erva-
sendo as ervas muito pesquisadas. A erva mate, muito mate, relacionando-o os seus compostos fenólicos. A maior
utilizada pelos indígens, é consituída de vitaminas, parte dos compostos fenólicos são antioxidantes in vitro
aminoácidos, saponinas triterpênicas, compostos fenólicos, podendo proteger contra doenças cardiovasculares
principalmente ácido clorogênico e seus produtos de (FURLONG et al., 2003; OLTHOF, HOLLMAN, KATAN, 2001).
oxidação, metilxantinas (0,7 a 2,3% de cafeína, 0,3% de
teobromina e traços de teofilina), além de açúcares Já cafeína, em doses moderadas, produz ótimo rendimento
(SIMÕES, et al., 2007). físico e intelectual, aumento da capacidade de
Os resultados publicados na década de 2000 revelaram concentração e diminuição do tempo de reação aos
diversos benefícios da erva mate à saúde humana. Neste estímulos sensoriais. Por outro lado, doses elevadas podem
sentido torna-se relevante realizar atualização e discussão causar sinais perceptíveis de confusão mental e indução de
dos resultados de pesquisas recentes sobre esta erva.
OBJETIVOS erros em tarefas intelectuais, ansiedade, nervosismo,
tremores musculares, taquicardia e zumbido (FELIPE,
Realizar atualização bibliográfica e discutir o papel da 2005).
erva mate na saúde humana.
Os flavonóides possuem diversos efeitos benéficos à
METODOLOGIA saúde. Embora alguns resultados tenham mostrado que os
flavonóides possam apresentar efeito mutagênico, em
Trata-se de uma pesquisa bibliográfica e descritiva na geral, são considerados como benéficos. Alguns
qual foram utilizadas as seguintes fontes de informação: medicamentos são elaborados a partir de flavonóides, em
Base de dados PUBMED; Acervo físico da Biblioteca da particular para o tratamento de doenças circulatórias,
FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas); Biblioteca do hipertensão e agindo como cofator da vitamina C. Outras
Conjunto das Químicas na USP (Universidade de São pesquisas sugerem que alguns flavonóides são
Paulo). Com as seguintes palavras-chave: erva Mate, responsáveis por ação antitumoral considerável, podendo
yerba Mate, Ilex Paraguarienses, mate. ainda agir como antivirais, anti-hemorrágicos, hormonais,
anti-inflamatórios, antimicrobianos e antioxidantes. É
importante lembrar que as concentrações de flavonóides
são baixas quando comparadas com o ácido clorogênico,
por isso ainda são necessários estudos para verificar se a
utilização da erva mate, visando o aproveitamento desse
composto bioativo para a saúde (SIMÕES et al., 2007;
SALDANHA, 2007).

A Erva Mate também contêm saponinas, elas são utilizadas


por sua ação mucolítica, diurética e depurativa. Favorecem
a ação dos demais princípios ativos da planta e, em
excesso; podem ser irritantes da mucosa intestinal.
CONSIDERAÇÕES Acredita-se
DE FINAISque esse composto não só desempenham um
papel no sabor, como também, na saúde do organismo,
Com o presente estudo foi possível verificar, apesar de haver um crescimento nas pesquisas acerca do assunto,
por exemplo, anti-inflamatório e hipocolesterolêmico ainda
são poucos os estudos com humanos por isso, sobre os efeitos benéficos das substâncias bioativas
(CARVALHO & ALMANÇA, 2003; HECK e MEIJA, 2007). da Ilex
Paraguariensis, por esse motivo ainda não há como o nutricionista prescrever uma suplementação com esse
nutracêutico apenas, pode orientar o consumo do chá de erva mate respeitando a composição química da erva, bem
como a individualidade bioquímica de seus pacientes.
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CARVALHO, J. C. T.; ALMANÇA, C. C. J.. Formulário de prescrição Fitoterápica. São Paulo: Atheneu, 2003.
FELIPE, L.; et al.. Avaliação do efeito da cafeína no teste vestibular. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. v. 71, n. 6. São Paulo: nov./dez. 2005.
FURLONG, E. B.; et al. Avaliação do potencial de compostos fenólicos em tecidos vegetais. v. 13. Rio Grande: Vetor, 2003.
HECK, C. I; MEIJA, E. G. de. Yerba Mate Tea (Ilex paraguariensis): A Comprehensive Review on Chemistry, Health Implications, and Technological
Considerations. v.72, n. 9. Journal of Food Science. USA: Dez., 2007.
OLTHOF, M. R.; HOLLMAN, P. C. H.; KATAN, M. B. Chlorogenic acid and caffeic acid are absorbed in humans. v. 131, n. 1. J. Nutr. Wageningen: jan., 2001.
SALDANHA, L. A. Avaliação da Atividade Antioxidante in vitro de exrtatos de erva-mate (Ilex paraguariensis) verde e tostada e chá verde
(Camélia sinensis). 2005. 120f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública. São Paulo: 2005.
SIMÕES, C. M. O.; et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 6 ed. Rio Grande do Sul: Editora da UFRGS; Santa Catarina: Editora da UFSC. 2007.