Você está na página 1de 6

BENCHMARKING

É um processo de pesquisa, contínuo e sistemático, para avaliar produtos,


serviços e métodos de trabalho, identificando as melhores práticas que,
geralmente com alguma adaptação à cultura e às peculiaridades da
organização, servem de referência para uma mudança que leve a melhores
resultados e vantagem competitiva.

Histórico:

A experiência bem sucedida de benchmarking da Xerox na década de 70 mostrou ao


mundo os benefícios potenciais desta iniciativa. Os resultados obtidos (aumento na
receita de US$ 265 milhões somente nos dois primeiros anos) salvaram a empresa da
falência e popularizaram o benchmarking.

Na época, a Xerox passava por uma acirrada competição com a indústria japonesa,
que oferecia produtos de baixo custo, alta qualidade e com um excelente suporte
técnico. A saída encontrada pela Xerox foi o benchmarking de empresas de outros
setores. O primeiro processo-alvo foi o de processamento de pedidos e, a partir daí,
Prof . Adm . Leonardo
não parou mais. A Xerox adotou o benchmarking como estratégia competitiva e, até o
Maia
leonardo_adm@hotmail . co
ano de 1983, mais de 230 processos já haviam passado pela comparação.
m
BENCHMARKING

O que é Benchmarking: O que não é Benchmarking:

- Um processo contínuo - Um evento isolado

- Uma investigação que fornece informações valiosas - Uma investigação que fornece respostas simples e
“receitas”

- Um processo de aprendizagem com outros - Cópia, imitação

- Um trabalho intensivo, consumidor de tempo, que - Rápido e fácil


requer disciplina

- Uma ferramenta viável a qualquer organização e - Mais um modismo da administração


aplicável a qualquer

Prof . Adm . Leonardo


Maia
leonardo_adm@hotmail . co
m
BENCHMARKING


A realização do benchmarking passa por cinco fases genéricas:


1) Planejamento: O que deve ser usado como marco de referência? Com quem ou
o que iremos comparar? Como serão coletados os dados? Importante investigar e
documentar as melhores práticas da indústria, as quais irão permitir que essas metas sejam
atingidas;


2) Coleta e Análise: envolvendo uma cuidadosa compreensão das práticas
correntes dos processos da empresa, bem como dos parceiros, afinal o processo de
benchmarking é uma análise comparativa. Aquilo que se deseja é uma compreensão do
desempenho interno, a partir da qual se possa avaliar as forças e fraquezas: Os parceiros de
benchmarking são melhores? Por quê? Quanto? Quais das melhores práticas já estão em
uso ou previstas? Como as práticas deles podem ser incorporadas ou adaptadas para
implementação? Prof . Adm . Leonardo
Maia
 leonardo_adm@hotmail
3) Adaptação / Integração: é a fase em que busca-se incorporar novas práticas. co
à
m
BENCHMARKING
Fases do Benchmarking (continuação)


4) Ação / Implementação: as descobertas do benchmarking e os princípios
operacionais nelas baseados devem ser convertidos em ações específicas de implementação.
Além disso, é preciso que haja medições e avaliações de realizações periódicas. Os
progressos em direção aos pontos de referência devem ser reportados a todos os
funcionários;

5) Maturidade: será alcançada quando as melhores práticas da indústria estiverem
incorporadas a todos os processos da empresa e quando o benchmarking se torna uma
faceta permanente, essencial e autodesencadeada do processo gerencial.

Prof . Adm . Leonardo


Maia
leonardo_adm@hotmail . co
m
BENCHMARKING
Tipos:

Competitivo: análise em relação à concorrência direta.

Funcional: direcionado para funções específicas como distribuição,


logística, atendimento.

Interno: comparação da eficiência entre os processos internos de uma


organização, por exemplo: que parte da organização lida mais
eficientemente com reclamações , é mais motivada, é mais rápida?

Genérico: é baseado em um processo que atravessa várias funções da


organização e pode ser encontrado na maioria das empresas do mesmo
porte, como por exemplo, o processo desde a entrada de um pedido até
a entrega do produto ao cliente.

Prof . Adm . Leonardo


Maia
leonardo_adm@hotmail . co
m
BENCHMARKING
Exemplo de aplicação :


Na área de logística, por exemplo, um indicador muito utilizado é o de
entregas dentro do prazo. Para o setor jornalístico a entrega no prazo é
crucial. Esse setor é um grande candidato a ser uma referência na questão
da logística, porque nele a entrega é função crítica. Vamos dizer que 98%
das entregas de uma determinada empresa são feitas no prazo. Não basta
saber que essa empresa tem um percentual alto. É preciso saber o que ela
faz para conseguir esse resultado. Esse deve ser o foco do benchmarking. É
isso que tem que ser explorado durante a visita. Que tecnologia ela utiliza?
Que capacitação deu a seus funcionários? Ah! A empresa tem um sistema
de informação muito eficiente, lá na ponta tem vendedores com palmtops,
usa Internet... Vai-se coletando as informações que
expliquem como a empresa conseguiu melhorar esse
processo, para, a partir daí, voltar e tomar decisões.

Prof . Adm . Leonardo


Maia
leonardo_adm@hotmail . co
m