Você está na página 1de 94

Agosto

UNESP EPM
2009

ELEMENTOS DE PROJETO MECÂNICO – EPM


ELEMENTOS MECÂNICOS FLEXÍVEIS
CORREIAS UNESP .
UNESP ELEMENTOS FLEXÍVEIS EPM

Tipos de Sistemas Flexíveis de


Transmissão

1.Polia e Correia

2.Corrente e Roda dentada

3.Cabos de Aço (4º Bimestre)


UNESP ELEMENTOS FLEXÍVEIS EPM

1.Polia e Correia
UNESP ELEMENTOS FLEXÍVEIS EPM

2.Corrente e Roda dentada


UNESP ELEMENTOS FLEXÍVEIS EPM

3.Cabos de Aço (4º Bimestre)


UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM

Correias Planas:
UNESP CORREIA EPM
Correias Trapezoidais
(A,B,C,D,3V,5V e 8V)
UNESP CORREIA EPM

Correias Sincronizadoras
UNESP CORREIA EPM

Correias Sincronizadoras
UNESP CORREIA EPM

Outras
UNESP CORREIA EPM

Outras
UNESP CORREIA EPM

Outras
UNESP CORREIA EPM
Sentido de rotação
UNESP CORREIA EPM
Tipos de polias
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM

Cuidados
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM

Força Centrífuga
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM

Lado tenso F1 >>F2


UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
Considerando

Ft = F1 − F2 = = >é a força transmi ssão

Substituin do em

F1 = F2 .e

Obtém − se a força transmitid a,


UNESP CORREIA EPM
Ft = F1 − F2 = = >é a força transmitid a
R = F1 + F2 = = >é a força de reação

Substituin do em F1 = F2 .e
Obtém − se a força transmitid a,

fθ − fθ
Ft = F2 .(e − 1) ou Ft = F1.( e − 1)

fθ − fθ
R = F2 .( e + 1) ou R = F1.(e + 1)
UNESP CORREIA EPM
Como
fθ − fθ
Ft = F2 .(e − 1) ou Ft = F1.( e − 1)

fθ − fθ
R = F2 .(e + 1) ou R = F1.(1 − e )

A relação entre R e Ft :


R (e + 1)
= fθ
Ft (e − 1)
UNESP CORREIA EPM
A relação entre R e Ft :


R ( e + 1)
= fθ
Ft ( e − 1)

Consideran do :

R
Polia maior : θ = 1,1xπ e f = 0,3 ⇒ ≅2
Ft
R
Polia menor : θ = 0,9 xπ e f = 0,3 ⇒ ≅ 2,5
Ft
UNESP CORREIA EPM

Tipo de Correia Relação, R/Ft

Plana com esticador 2,5 a 3,5

Plana sem esticador 5,0 a 6,0

Trapezoidal sem esticador 2,5 a 3,0


UNESP CORREIA EPM

Ângulo de abraçamento
UNESP CORREIA EPM

Comprimento nominal da correia


UNESP CORREIA EPM

Comprimento real da correia

C ≡ Distância mínima

Obs 1: Comprimento real da correia é obtido pela


tabela 12.8 (à frente) (padronizado), Lr:

Obs 2: Com o novo comprimento da correia (Lr),


determina-se a distância real: Cr
UNESP CORREIA EPM

Força Transmitida
Força é dada por:
F = p.b (N)

Onde : b é a largura da correia


p é a tração admissível em [N/mm] em relação a b
UNESP CORREIA EPM

Cálculo da largura, b:
s ≡ espessura da correia
Ne ≡ potência efetiva
v ≡ velocidade tangencial
Kn ≡ constante em função da velocidade da correia

Cálculo da Potência efetiva

Nr ≡ potência real com Nr = F.v /102 [kW]


Fs ≡ Fator de serviço
Fθ ≡ Fator correção ângulo de abraçamento
UNESP CORREIA EPM
UNESP EPM
Fator de
Serviço, Fs
UNESP CORREIA EPM

Correias trapezoidais
Correia
Fracionada
Baixa potência

Correias de
perfil alto

Correias de
utilização
normal
UNESP CORREIA EPM
Seleção de Correias trapezoidais

1º. Passo

 Rotações entrada e saída

 Relação de transmissão (i) (Obs. i >1 para reduções [Ø menor →

motora] e i<1 para o inverso)

 Tipo de equipamento que será aplicada para determinar o Fs


UNESP CORREIA EPM
A partir destes selecionar o tipo de correia através das
figuras 12.6 e 12.7

figura 12.6

figura 12.7
UNESP CORREIA EPM

Figura 12.6
UNESP CORREIA EPM

Figura 12.7
UNESP CORREIA EPM
2º. Passo. Determinar a partir da polia menor os valores
recomendados dos diâmetros das polias, Tabela 12.6
UNESP CORREIA EPM

π.D1.n1
Velocidade periférica : Vp = [m/mim]
1000

Distância entre Centros : C = 0,5D 2 + 1,5D1

60.(D 2 − D1) o
Ângulo de contato : θ = 180 - ( )
C
UNESP CORREIA EPM
Tendo o
Ângulo
de
contato
determin
a-se:
Fator correção
ângulo de
abraçamento
ou correção de
arco de
contacto,

UNESP CORREIA EPM
Comprimento da
Correia pela
Tabela 12.8 após
seleção da classe
da correia feita
pela Tabela 12.6:
UNESP CORREIA EPM
Correção do comprimento, Fc:
UNESP CORREIA EPM
3º. Passo: Potência por correia
 Alguns catálogos apresentam a potência de uma correia,
mas também podem ser calculadas por meio da equação:
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM
Valores das constantes
UNESP CORREIA EPM
Correção da potência devida a relação de
transmissão (i) em [HP]
UNESP CORREIA EPM
Correção da
potência
devida a
relação de
transmissão
(i) em [kW]
UNESP CORREIA EPM
4º. Passo. Número de correias
Nm .Fs
Qc =
(Nc + Ni ).Fc .Fθ

Nm é a potência motor
Nc ≡ potência admissível e Ni ≡ potência complement ar
Fs é o fator de serviço
Fθ é o fator correção do arco
Fc é o fator correção do compriment o
UNESP CORREIA EPM

Dimensões das polias

Obs.: Qc ≡ № de correias, P
e E pela Tabela
12.15 a seguir
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM

Carga nos mancais


Como :
N Obs.: T ≡ torque [N.m],
T = 9740. N ≡ potência do motor [kW],
n ≡ № de rotações
n

A força tangencial é :
2000.T Obs.: D ≡ diâmetro nominal da polia
Ft = motora [mm],

D
UNESP CORREIA EPM
Tipo de Correia Relação, R/Ft
Plana com esticador 2,5 a 3,5
Plana sem esticador 5,0 a 6,0
Trapezoidal sem esticador 2,5 a 3,0
UNESP CORREIA EPM

Cálculo da carga estática na correia


Esta carga é responsável pelo tensionamento da correia

Segundo a Gates do Brasil: www.gates.com.br

Obs.: Ces ≡ coef. pela


Tabela 12.16, a
seguir
UNESP CORREIA EPM
UNESP CORREIA EPM

Força de deslocamento mínima

Duas ou mais correias

Uma correia

Obs.: Lr ≡ comprimento da
correia
UNESP CORREIA EPM

Força de deslocamento máxima

Duas ou mais correias

Uma correia
UNESP Aula Prática EPM

EXEMPLO 1
UNESP Aula Prática EPM

Deseja-se Exercício de aplicação


dimensionar o
sistema com correias
ilustrado ao lado, o
qual irá alimentar a
cadeia cinemática de
uma máquina
utilizada em gráficas.
Adota-se um
rendimento de 97% e
um coeficiente de
atrito f = 0,25 para
as correias.
UNESP Aula Prática EPM
E1. Potência no eixo
NI = 7,46 [kW] = 7,46 * 1,341 = 10,0 [ HP]

NII = 7,46 [ kW ] x 0,97 = 7,24 [kW] = 9,7[ HP]

NIII = 7,24 [ kW ] x 0,97 = 7,02 [kW] = 9,4[ HP]

E2. Fator de serviço


Da tabela 12.4 (slide 30) → máquinas gráficas e motor Ac
FS=1,2
UNESP Aula Prática EPM
E3. Escolha dos diâmetros
Relação de transmissão:
i1=870/750 = 1,16 i2=750/550 = 1,36

Da tabela 12.6 (próximo slide) é escolhido D1=150


[mm]; portanto as correias de perfis A e B satisfazem.

Em decorrência,

D2= i1.D1 = 174 [mm] e D3= i2.D1 = 204 [mm]


UNESP Aula Prática EPM
UNESP Aula Prática EPM
E4. Estimativa da distância entre centros

C1 = 0,5.D2 + 1,5.D1

C1 = 0,5 x174 + 1,5 x150 = 312 [mm]

C2 = 0,5 x 204 + 1,5 x150 = 327 [mm]


UNESP Aula Prática EPM
E5. Seleção do perfil: entre A e B

P=NI.FS = 7,46x1,2=8,9 [kW] =12[HP]  perfil selecionado B


UNESP Aula Prática EPM
E6. Cálculo das velocidades periféricas
UNESP Aula Prática EPM
E7. Comprimento das correias

Consultando a tabela 12.8 (próximo slide) para L=1212 [mm]


obtém-se:
Lr=1215 [mm], que equivale a uma correia B46
O fator de correção para B46 é de Fc=0,83 (tabela 12.9 slide 40)
UNESP Aula Prática EPM
UNESP Aula Prática EPM
E8. Cálculo das distâncias entre centros reais (Cr)

E9. Cálculo do arco de contato Interpolação


da
Tabela 12.7
(slide 38)
UNESP Aula Prática EPM
E10a. Valor da potência

Para Vp1 = 410 [m/min]


Tabela 12.13
(slide 45)

Tabela 12.10
(slide 43)

NT = Nc + Ni = 4,06 + 0,21 = 4,28 [HP] ou 3,2 [kW]


UNESP Aula Prática EPM
E10b. Valor da potência

Para Vp1 = 353 [m/min]


Tabela 12.13

Tabela 12.10

NT = Nc + Ni = 3,63 + 0,3 = 3,93 [HP] ou 2,93 [kW]


UNESP Aula Prática EPM
E11. Quantidade de correias

Nm =7,46 kW FS = 1,2
Fc1 = 0,83 Fθ1 = 0,993

Nm = 7,24 [kW] FS = 1,2


Fc2 = 0,83 Fθ2 = 0,974
UNESP Aula Prática EPM
E12. Torque nos eixos
UNESP Aula Prática EPM
E13. Forças tangencias

Polia motora

E14. Reações, R
UNESP Aula Prática EPM

R1 3.039 ,4
= = 2,73
Ft1 1.113

R2 3.519 ,3
= = 2,81
Ft 2 1.253

R Os resultados estão corretos


Valor estimado : 2,5 ≤ ≤ 3,0
Ft de acordo com a Tabela 12.1
UNESP Aula Prática EPM
E15. Dimensões da
polia

12.8
UNESP Aula Prática EPM
E16. Resumo
UNESP EPM