Você está na página 1de 34

Jéssica Thandara Gosse

Mestra em Genética e Biologia Molecular
UNICAMP
Resistência bacteriana aos antibióticos:
existe luz no fim do túnel?
Panorama
Panorama
 Antibióticos são importantes não só para a
saúde, mas na economia;

 Principais desafios: resistência aos antibióticos e
uso desnecessário

 Em média, 50% das prescrições de antibióticos
ocorrem sem necessidade;

 Aumento do número de bactérias resistentes aos
medicamentos

Histórico
Histórico
 Início do sec. XX: uso de corantes com função
antimicrobiana;


Vermelho prontosil (sulfanilamida)
Histórico
 Duchesne (1896) e Fleming (1928): penicilina

 Substância natural, produzida por fungos
S. aureus sendo inibida por P. notatum Penicillium notatum, fungo produtor da penicilina
Histórico
 Até 1953: isolamento de microrganismos
produtores de antibióticos.

 Anos 50 em diante: busca de novas drogas pelas
indústrias, aparecimento de drogas sintéticas e
semi sintéticas
Um grande problema
Um Grande Problema
 Resistência a antibióticos sempre foi um
problema enfrentado desde o advento destes
medicamentos;

 Últimos 30 anos: aumento da resistência e maior
rapidez na ocorrência; poucas pesquisas para
desenvolvimento de novas drogas;

 Atualmente, doenças infecciosas apresentam
estatísticas preocupantes
Um Grande Problema
 Resistência aos antibióticos diminui o sucesso nos
tratamentos, mesmo em doenças simples;

 A seleção de bactérias resistentes a drogas também
é influenciada por fatores sociais e econômicos;

Um Grande Problema

 Antibióticos muitas vezes são prescritos e
utilizados desnecessariamente;

 Desinteresse nas pesquisas por motivos
financeiros;

Um Grande Problema
Fonte: CDC
Um Grande Problema
Curva demonstrando a descoberta de diferentes antibióticos
Um Grande Problema
 A pressão seletiva do antibiótico e do meio
ambiente podem acelerar o processo de
resistência;

 Ciclo de vida e elementos genéticos móveis,
como os plasmídeos.

O Que Temos Até Agora?
Visão geral
Sítios alvo dos antibióticos e mecanismos de
resistência bacterianos
O Que Temos Até Agora?
 Situação de calamidade: muitos microrganismos
são resistentes à maioria dos medicamentos
existentes;

 Dificuldades em desenvolver novas drogas;

 Seria uma volta à era
pré-antibiótico?

Alternativas
Alternativas
 Existe uma luz no fim do túnel: terapias
alternativas
Produtos Naturais
 Produtos naturais: alho, cebola, canela, mel,
frutas cítricas, ervas diversas

 Moléculas naturais que combatem os
microrganismos e fortalecem o sistema imune
Terapia Fágica
 Uso de bacteriófagos (vírus bacterianos)
específicos para o controle de infecções.

 Bacteriófagos de ciclo lítico que destroem a
célula.
Terapia Fágica
Terapia Fágica
 Vantagens:
 Não afetam células eucarióticas;
 Evoluem com microrganismos;
 Simples e econômico.

 Desvantagens:
Específicos e exclusivamente líticos;
Ativa sistema imune;
Mecanismos de escape bacteriano (perda de
receptores, modificação de DNA, etc.)

Lisinas Fágicas
 Enzimas virais que digerem a parede bacteriana
para a liberação de profagos;

 Hidrólise de PepGli
Lisinas Fágicas
 Vantagens:
 Não há relato de resistência;
 Sinergismo com antibióticos;
 Ação em baixas concentrações; especificidade.

 Desvantagens:
Ativa imunidade;
Melhor em Gram positivas;
Combinações para aumentar eficácia

PAMS
 Tubos Peptídicos Formadores de Poros
(daptomicinas e polimixinas)

 Estratégia de defesa utilizada por plantas e
animais;


PAMS
 Inseridos na membrana por interações
eletrostáticas, formam poros e levam à lise
celular.


PAMS
 Vantagens:
 Atua em componentes essenciais;
 Sinergismo com antibióticos;
 Ação em baixas concentrações; amplo
espectro.

 Desvantagens:
Alto custo;
Influenciado por muitas variáveis;
Citotóxicos.

Bacteriocinas
 Defesa altamente específica contra bactérias;

 Peptídeos que inibem o crescimento de bactérias
próximas, para minimizar a competição por
recursos.

 Diversas formas e mecanismos de ação.
Bacteriocinas
Bacteriocinas
 Vantagens:
 Múltiplas aplicações;
 Sinergismo com antibióticos;
 Ação em baixas concentrações; amplo
espectro.

 Desvantagens:
Resistência;
Influenciada por muitas variáveis;

Outros metabólitos secundários
 Móléculas não-protéicas que possuem função
semelhante às bacteriocinas;

 Terpenos, isoprenóides, derivados de peptídeos,
açúcares modificados, ácidos carboxílicos,
compostos lipofílicos, etc.
Violaceína, um metabólito
secundário derivado do glicerol
Outras alternativas
 Anticorpos antibacterianos;

 Radioimunoterapia;

 Plasma argônico;

 Vacinas.
Obrigada!