Você está na página 1de 30

Biblioteca Escolar

WORKSHOP
Modelo de Auto-avaliação
EB1 nº 2 de Chaves

9 de Novembro de 2009
WORKSHOP
Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar
Uma acção promovida pela Biblioteca Escolar da EB1 nº 2 de Chaves

Enquadramento
Este Workshop está inserido num ciclo de formação a desenvolver ao longo do ano lectivo no
Agrupamento de Escolas Nadir Afonso e constitui uma base de trabalho para as bibliotecas do
Agrupamento.
Objectivos
- Compreender a pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares.
- Entender o Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria de melhoria.
- Organização estrutural e funcional.
- Conhecer formas de integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar.
- Verificar níveis de participação da escola.
Destinatários
- Professores da escola.
Metodologia
O workshop terá uma dinâmica interactiva, com actividade de grupo, partilha de experiências e debate.
Para facilitar a interiorização dos principais conceitos, serão trabalhadas duas fichas de trabalho
recorrendo à experiência de cada um.
Local : Auditório do Agrupamento Nadir Afonso
Duração: 2 h30m (das 17h00 às 19h30)
Número de participantes: 20 pessoas

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

PROGRAMA
17h00- Recepção dos participantes
17h10 Introdução à temática
ACTIVIDADE 1: Observação da 1ª parte do Power-point
Novo paradigma da educação
A Biblioteca do século XXI
O perfil do professor-bibliotecário
17h30 Discussão
Ficha de apoio – Paradigma de escola
18h00 - Intervalo
18h10
ACTIVIDADE 2- Observação da segunda parte do Power-point
Para quê avaliar?
Como e porquê apareceu a avaliação da Biblioteca Escolar?
18h30m Discussão
19h- A nossa realidade. A participação da escola
Ficha de trabalho

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

1ª Parte

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

A educação numa sociedade em transformação

Controlo da
Controlo da
ciência e
ciência e
tecnologia pelos Emergência de
tecnologia pelos Emergência de
países mais movimentos
Mundo países mais movimentos
Mundo industrializados. nacionalistas e
transformado industrializados. regionalista
nacionalistas e
e de
transformado regionalista e de
numa “aldeia conflitos étnicos
numa “aldeia conflitos étnicos
global” e raciais.
global” e raciais.
Alteração
Alteração
profunda na
profunda na
Acentuado natureza e
Acentuado natureza e
desequilíbrio organização do
desequilíbrio organização do
entre países trabalho e do
entre países trabalho e do
Sociedade emprego
Sociedade emprego
dede
Deslocação Informação Problemas
Deslocação Informação Problemas
massiva das graves de
massiva das graves de
populações para desequilíbrio
populações para desequilíbrio
os grandes ecológico e de
os grandes ecológico e de
centros urbanos degradação do
centros urbanos degradação do
ambiente
ambiente

Aumento das Diminuição da


Aumento das Aumento Diminuição da
assimetrias Aumento convivência
assimetrias desenfreado do convivência
sociais desenfreado do familiar e social
sociais consumismo familiar e social
consumismo
nos países
nos países
desenvolvidos Elaborado com base no texto de Manuel Rangel, Reordenar o
desenvolvidos
Currículo do Ensino Básico Face à Sociedade da Informação
(1998).

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

A missão da Biblioteca Escolar, segundo a UNESCO em


colaboração com a IFLA, assenta nos seguintes papéis:

 apoiar e facilitar a consecução dos objectivos do projecto educativo;


 fomentar os hábitos de leitura;
 oferecer oportunidades de usar e criar informação;
 proporcionar acesso aos recursos;
 organizar actividades que favoreçam a tomada de consciência e a
sensibilização social, trabalhar com toda a comunidade educativa,
defender o aceso à informação, promover a leitura dentro e fora da
comunidade educativa.

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

No Catálogo de Documentação das Escolas de Ensino Básico de 1º Ciclo


(1998) «A Base das Bibliotecas Escolares» diz:

“A biblioteca deve constituir-se como um núcleo da organização pedagógica


da escola, vocacionado para as actividades culturais e para a informação,
constituindo um instrumento essencial do desenvolvimento do currículo
escolar. As suas actividades devem estar integradas nas restantes actividades
da escola e fazer parte do seu projecto educativo, não devendo ser vista como
um simples serviço de apoio à actividade lectiva ou um espaço autónomo de
aprendizagem e ocupação de tempos livres” (s. d: 6)

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Parte integrante do É um instrumento


sistema educativo e de desenvolvimento
participa dos seus do currículo. Permite o fomento da
objectivos, metas e leitura.
fins.
BIBLIOTECA
ESCOLAR

Permite a formação Estimula a Apoia os docentes no


de uma atitude criatividade e a âmbito dos seus
científica. comunicação. projectos.

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

É importante a escola definir o seu Modelo de


Projecto Educativo, para então a Biblioteca

“escolher um modelo de biblioteca que responda às


necessidades educativas e sócio-culturais, flexível,
para que se possa adaptar às circunstâncias de
cada escola, e aberto a todas as iniciativas”
(Castán,2002:14).

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

De acordo com esta missão, cabe ProfessorBibliotecário


Professor Bibliotecário
agora ao professor-bibliotecário
enfrentar o desafio e ajustar o seu
papel pedagógico e de liderança à LiderançaInformada
Liderança Informada

comunidade onde está inserido.

Liderançaassertiva
Liderança assertiva Liderançacolaborativa
Liderança colaborativa
Para Ross Todd (2002:8), este papel
assume sete dimensões:

LiderançaEstratégica
Liderança Estratégica Liderançacriativa
Liderança criativa

LiderançaFlexível
Liderança Flexível Liderançasustentável
Liderança sustentável

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Os professores-bibliotecários são
gestores do conhecimento

O seu centro
de acção
centra-se
na capacidade de
criar colaboração e na capacidade
parcerias com os para ensinar as
professores literacias aos
alunos

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

O professor-bibliotecário, enquanto coordenador


da equipa da biblioteca escolar, tem no:
Espaço
de discussão
Intervenção para lançar
novas ideias
Traçar estratégias
com outros
professores dos
Departamentos
Conselho
Pedagógico

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

2ª Parte

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

A Biblioteca No âmbito da
Escolar sua acção

Através de evidências Deve prever


da sua acção a avaliação

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

A Avaliação das Bibliotecas Escolares serve para:


-perceber as estratégias construídas pelas BE/CRE e para responder às orientações
do Currículo Nacional do Ensino Básico.

-identificar níveis de integração das BE de acordo com os princípios e critérios da


Programa da Rede de Bibliotecas Escolares, tais como espaço, colecção, etc..

-averiguar a acessibilidade de recursos diversificados e serviços de apoio-bibliotecário


adequados às necessidades da comunidade educativa e no cumprimento dos
objectivos da educação;

-verificar a adequação dos recursos disponíveis em qualidade e quantidade, ao


desenvolvimento do currículo e promoção da autonomia dos alunos;

-identificar boas - práticas na actuação da BE;

-identificar agentes de boas - práticas a nível da gestão organizacional da dinamização


pedagógica e da sua acção integrada na escola.
EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas
Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

A nível das
Que mudanças pretendemos: estruturas

Organização Métodos
Espaços
pedagógica de ensino

Comportamentos
Alunos
dos
professores

Conteúdos Métodos de
Ensino Relação com Tarefas Processos
de trabalho
o saber

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Teremos que encontrar formas de mudar as estruturas organizativas e estratégicas da


BE
“Os responsáveis por uma biblioteca escolar têm que imaginar
estratégias para atrair os alunos” (Magalhães, 1998: 8).

Seria importante que se seguissem estratégias direccionadas para os “professores” e estratégias direccionadas para os
“alunos”.

 Que actividades propor / estratégias implementar para que a biblioteca não seja uma simples transformação das antigas bibliotecas de aula ou
de escola?

 Como transformá-la num espaço de vida escolar, num lugar de comunicação entre alunos, professores, famílias e todos os utilizadores?

 Que fazer com ela e como a colocar ao serviço dos alunos?

 Que política de leitura se deseja empreender quando se cria um espaço destes?

 Como avaliar as actividades realizadas?

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

O Modelo a aplicar baseia-se no Modelo de Auto-Avaliação das


Bibliotecas Escolares Inglesas, com adaptações e com base em
estudos realizados.

Organiza-se em quatro domínios e num conjunto de indicadores sobre


os quais assenta o trabalho da biblioteca escolar.

Podemos agrupar este domínios em três áreas chaves:

Integração na escola e no processo de ensino/ aprendizagem


Acesso. Qualidade da Colecção
Gestão da BE

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Integração na escola e no processo de


ensino/ aprendizagem

- Integração institucional e programática, de acordo com os objectivos


educacionais e programáticos da escola

- Desenvolvimento de competências de leitura e de um programa de


Literacia da Informação, integrado no desenvolvimento curricular

- Articulação com departamentos, professores e alunos na planificação


e desenvolvimento de actividades educativas e de aprendizagem

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Acesso. Qualidade da Colecção

- Organização e equipamento de acordo com os standards definidos,


facultando condições de acesso e de trabalho individual ou em grupo

- Disponibilização de um conjunto de recursos de informação, em


diferentes ambientes e suportes, actualizada e em extensão e
qualidade adequadas às necessidades dos utilizadores

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Gestão da Biblioteca Escolar

- Afectação de um professor bibliotecário qualificado e de uma equipa


que assegure as rotinas inerentes à gestão, que articule trabalhe com a
escola, professores e alunos.

- Liderança do professor bibliotecário e da equipa.

- Desenvolvimento de estratégias de gestão e de integração da BE na


escola e no desenvolvimento curricular.

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Evidence-Based practice
Traduz-se no desenvolvimento de práticas sistemáticas de
recolha de evidências, associadas ao trabalho do dia-a-dia, de
modo a fornecerem informação sobre a melhoria das
actividades diárias.

Segundo Ross Todd esta envolve três


dimensões:
evidence for practice;
evidence in practice;
and evidence of practice

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

O Modelo de Auto-Avaliação perspectiva,


também, práticas de pesquisa-acção.

 Identifica-se um problema
 Recolhem-se evidências
 Avaliam-se, interpretam-se as evidências recolhidas
 Procura-se extrair conhecimento que oriente futuras acções e que
delineie caminhos. Centra-se a pesquisa, mais uma vez, no impacto e
não nos inputs.

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

A obtenção da melhoria contínua da qualidade exige que a organização


esteja preparada para a aprendizagem contínua.
O professor -bibliotecário terá que mobilizar a escola para a necessidade do
processo avaliativo

1. A mobilização da equipa para a necessidade de fazer diagnósticos/ avaliar o impacto e o


valor da BE na escola que serve;
2. Jornadas formativas para a equipa e para outros na escola. Definição precisa de conceitos e
processos. Realização de um processo de formação/ acção.
3. A comunicação constante com o órgão directivo, justificando a necessidade e o valor da
implementação do processo de avaliação.
4. A apresentação e discussão do processo no Conselho Pedagógico.
5. Aproximação/ diálogo com departamentos e professores. Criação e difusão de informação/
calendarização sobre o processo e sobre o contributo de cada um no processo.

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Modelo de auto-
avaliação

Ambiente Ambiente
interno externo

Seleccionar o domínio a
ser objecto de aplicação
dos instrumentos

Cada etapa é um ciclo que


termina ao fim de quatro anos,
com a visão holística da BE.
- Identificação de um problema ou de um desafio;
- Recolha de evidências;
- Interpretação da informação recolhida;
- Realização das mudanças necessárias;
- Recolha de novas evidências acerca do impacto
dessas mudanças.

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Alguns constrangimentos

Relutância em assumir papéis não tradicionais


Falta de recursos
Ausência de teoria
Falta de tradição em Portugal
Baixos níveis de literacia em Portugal

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Resultados esperados
 Uma estratégia colaborativa que regula o uso de recursos de informação
existentes da biblioteca, facilitando experiências de aprendizagem, a
literacia da informação.
 A BE como um espaço de conhecimento potenciada pelo acesso aos
recursos da informação em colaboração com a sala de aula.
 A utilização dos recursos da BE por parte dos professores, para se
tornarem exemplo para os alunos.
 Promover acções, no âmbito da formação do utilizador e da literacia da
informação, é essencial para as bibliotecas escolares, uma vez que o
ambiente é rico em informação e tem que ser potenciado.
 A biblioteca aberta durante o horário lectivo permitirá aos alunos despertar-
lhe a curiosidade por saber mais, promover a leitura por prazer, descobrir
novos mundos, através da leitura em tempo livre.

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Resultados esperados
 O professor-bibliotecário com formação contribui para o equilíbrio das
funções desempenhadas, constituindo uma mais valia para a consecução
dos objectivos das bibliotecas e da sua acção pedagógica.
 Formação aos técnicos auxiliares, a tempo inteiro. .Frequentar acções de
formação nesta temática contribui para uma boa organização da biblioteca.
 A cooperação com a Biblioteca Municipal, torna-se proveitosa na medida
em que pode apoiar a construção do catálogo em rede.
 Um bom de biblioteca, pois a articulação com a escola depende de um
bom espaço.
 A avaliar a colecção correctamente, pois o desenvolvimento exacto da
colecção conduz a um maior e melhor apoio aos seus utilizadores.
 Uma boa avaliação, a gestão da organização das bibliotecas escolares
implica uma avaliação do seu desempenho, pois só assim se garantirá um
serviço de qualidade.
EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas
Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Conclusão
O desafio da biblioteca está em gerir as relações que ela é capaz de
estimular.
A biblioteca é um espaço de construção mútua do conhecimento.
É necessário haver um trabalho colaborativo entre professores e
professores-bibliotecários.
É desta interacção que surge o verdadeiro saber.
Cabe ao professor-bibliotecário valorizar a sua equipa e os seus recursos.
Avaliar, é a chave importante para assegurar que o programa e os meios
da biblioteca se tornem fundamentais no processo ensino-aprendizagem.

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas


Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar

BIBLIOGRAFIA

MAGALHÃES, Ana Maria, ALÇADA, Isabel, MAXIMINO, Clara, CABRAL, Fernanda Damas (1998).
A Biblioteca da Escola e o Prazer de Ler. Lisboa: ME-DAPP.
ME-DAPP. CASTÁN, Guillermo (2002).Las bibliotecas Escolares: soñar, pensar, hacer. Sevilla: Díada.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (1998). Catálogo de documentação escolas do ensino básico (1ºciclo). Lisboa:
JOLIBERT, Josette (2003). Formar crianças leitoras. Porto: Edições Asa.
RANGEL, Manuel (1998). In MARQUES, Rui, et al. Na Sociedade de Informação. O que aprender na Escola? Porto:
Edições ASA.
RBE-A Ecola – Paradigma de escola. < http://www.rbe.min edu.pt/np4/?newsId=125&fileName=Paradigma
_literacia.pdf > [09/11/2009].
Todd, Ross (2002). “School librarian as teachers: learning outcomes and evidence-based practice”. 68th IFLA Council
and General Conference August. <http://www.ifla.org/IV/ifla68/papers/084-119e.pdf> [09/11/2009].
VEIGA, Isabel, et al. (1996). Lançar a Rede de Bibliotecas Escolares: relatório síntese. Lisboa: Ministério de
Educação.

EB1 nº2 de Chaves Filomena Freitas