Você está na página 1de 21

CONSTRUÇÕES

RURAIS

Erick Couto

Adaptado do PROFESSOR: JORGE LUIZ MORETTI DE SOUZA - UFPR

1. INTRODUÇÃO

Materiais

Os

materiais de construção podem ser simples ou

compostos, obtidos diretamente da natureza ou podem

constituir o resultado de trabalho industrial. Deve-se conhecê-los, pois de sua escolha depende parte da

solidez, durabilidade e beleza das obras. Além disso não basta

que qualquer construção atenda apenas a esses três requisitos - também o fator econômico pesa bastante na escolha do

material.

1.

INTRODUÇÃO

1.1 PEDRAS NATURAIS

Utilização: têm sua maior aplicação na realização de alicerces, muros de arrimo, pavimentação de pisos rústicos e algumas vezes na execução de revestimento e paredes. De preferência, deve-se utilizar apenas as pedras duras, pesadas e que

apresentem textura homogênea quando forem partidas. Pedras porosas absorvem água, sendo indesejável sua utilização, principalmente em alicerces.

Obtenção: As pedras utilizadas em construções provêm de pedreiras encontradas normalmente em ladeiras de morros. Também são usadas as pedras de cantos rolados, encontrados em leitos de rios. Neste caso deve-se quebrá-las para aumentar o poder de aderência.

1.

INTRODUÇÃO

1.2 AGREGADO

Definição: Entende-se por agregado o material granular, sem forma e volume definidos, geralmente inerte (não reagem com o cimento), de

dimensões e propriedades adequadas para uso em obras de engenharia.

Obtenção: São agregados as rochas britadas, os fragmentos rolados no leito dos cursos d’água e os materiais encontrados em jazidas, provenientes de alterações de rochas.

Utilização:

São

utilizados

em

lastros

de

vias

férreas,

bases

para

calçamentos, pistas de rolamento das estradas, e como material granuloso e inerte para a confecção de argamassas e concretos.

1.

INTRODUÇÃO

1.2 AGREGADO Importância: Em argamassas e concretos os agregados são importantes do

ponto de vista econômico e técnico, e exercem influência benéfica sobre algumas características importantes, como: retração, aumento da resistência aos esforços mecânicos, pois os agregados de boa qualidade têm resistência

mecânica superior à da pasta de aglomerante.

Tipos:

Pedras britadas

São obtidas por redução de pedras maiores, por trituração através dos

britadores.

Areia

Obtida da desagregação das rochas até formar grãos de tamanhos variados. Pode ser: areia grossa, média e fina. As areias devem sempre ser isentas de

sais, graxas, materiais orgânicos, barro ou qualquer outro elemento que

prejudique a sua utilização.

1.

INTRODUÇÃO

Tipos:

Agregado miúdo

Entende-se por agregado miúdo normal ou corrente a areia natural quartzosa

ou pedrisco resultante do britamento de rochas estáveis, com tamanhos de

partículas tais que no máximo 15% ficam retidas na peneira de 4,8 mm.

1.

INTRODUÇÃO

1.3 AGLOMERANTES

Aglomerantes ou aglutinantes são produtos empregados para rejuntar alvenarias ou para a execução de revestimentos de peças estruturais. Apresenta-se sob a forma pulverulenta e, quando misturados com água, formam pasta capaz de endurecer por simples secagem, ou, o que é mais geral em consequência de reações químicas, aderindo às superfícies com as quais foram postas em contato.

Classificação

a) Quimicamente inertes: barro cru; b) Quimicamente ativos: cal, gesso, cimento.

Cimento portland

Definição: O cimento portland é um material pulverulento, constituído de

silicatos e aluminatos de cálcio, praticamente sem cal livre. Esses silicatos

e aluminatos complexos, ao serem misturados com água, hidratam-se e produzem o endurecimento da massa, que oferece, então, elevada resistência mecânica.

Fabricação: é obtido pelo cozimento da mistura calcário-argilosa, convenientemente proporcionada, até a fusão parcial (cerca de 1.450 o C), seguida de moagem e de pequena adição de gesso para regular a pega.

Cimento portland

Tipos de cimento: No mercado existem diversos tipos de cimento. A diferença entre eles está na composição, mas todos atendem às exigências das normas técnicas brasileiras. Cada tipo tem o nome e a sigla correspondente

estampada na embalagem, para facilitar a identificação. Os tipos de cimento

adequados aos usos gerais no meio rural são os seguintes:

Cimento portland Tipos de cimento: No mercado existem diversos tipos de cimento. A diferença entre eles

Transporte

Mesmo comprando cimento de boa qualidade e em bom estado, ele pode

estragar se não for transportado e estocado de forma correta. O cimento deve ser

protegido durante inesperada.

o

transporte

para

evitar

que

seja

molhado

por

uma

chuva

Armazenamento

Para guardar, ponha o cimento em lugar fechado e coberto, livre da água e da umidade e empilhe os sacos sobre um estrado de madeira afastado da parede. Colocar

no máximo 10 sacos em cada pilha, se o cimento ficar estocado por mais de duas

semanas. Desde que obedeça às condições acima, o cimento pode ficar armazenado por cerca de 3 meses.

Obs.: Colocar os sacos dispostos de forma cruzada.

Pega Podemos adotar para o cimento, nas condições brasileiras, as seguintes ordenações:

pega rápida < 30 minutos; pega semi-rápida 30 a 60 minutos; pega normal > 60 minutos.

2. ARGAMASSAS

As argamassas são materiais de construção constituídos por uma mistura íntima de um ou mais aglomerantes, agregado miúdo e água.

Outros produtos podem, ainda, ser adicionados para melhorar

determinadas propriedades do conjunto.

Utilização

São utilizadas no assentamento de pedras, tijolos e blocos nas alvenarias, onde favorecem a distribuição dos esforços; nos trabalhos de acabamento de tetos e pisos; nos reparos de obras de concreto; nas

injeções, etc.

Classificação das argamassas

Várias são as classificações que podem ser apontadas para as argamassas, dependendo do ponto de vista:

  • a) segundo o emprego: comuns: rejuntamento, revestimento e pisos; refratárias: resiste a elevadas temperaturas;

  • b) tipo de aglomerante: aéreas: cal aérea, gesso; hidráulicas: cal hidráulica, cimento; mistas: aéreas mais hidráulicas;

  • c) elementos ativos: simples: apenas 1 elemento ativo; compostas : mais de um elemento ativo;

  • d) quanto à dosagem: pobres ou magras: o volume de aglomerante é insuficiente para preencher os vazios entre os grãos do agregado; cheias: quando os vazios referidos são preenchidos exatamente pela pasta; ricas ou gordas: quando há um excesso de pasta;

  • e) consistência: secas, plásticas ou fluidas.

Água nas argamassas

Deve sempre ser limpa e isenta de impurezas, sais e matéria orgânica. A quantidade influi na consistência, tornado-a "branda ou mole" quando em excesso ou "árida, seca” quando escassa.

3. CONCRETO DE CIMENTO

Concreto é um material de construção resultante da mistura de um aglomerante

(cimento), com agregado miúdo (areia grossa), agregado graúdo (brita ou cascalho lavado), e água em proporções exatas e bem definidas. Atualmente é muito utilizado um outro componente: os aditivos (Vedacit ou

outro)

Seu uso nas construções em geral é bastante amplo, podendo as peças serem moldadas no local ou pré-moldadas. Como exemplo de moldadas no local: - pisos de terreiros de café, de currais, de residências e pisos em geral, passeios. Nas estruturas

(com adição do ferro) como lajes, pilares, vigas, escadas e sapatas.

Dosagem dos concretos (traço)

Chama-se traço a maneira de exprimir a composição do concreto. O traço tanto pode ser indicado pelas proporções em peso como em volume, ou

como freqüentemente, adota-se uma indicação mista: o cimento em peso e os agregados

em volume. Seja qual for a forma adotada, toma-se sempre o cimento como unidade, e relacionam-se as demais quantidades à quantidade de cimento. Exemplo: Traço 1:4:8, onde 1 indica sempre a proporção de cimento, 4 a de areia

e 8 a de brita.

4. CONCRETO ARMADO

É a união de concreto simples às armaduras de ferro. Sabe-se que o concreto simples resiste bem aos esforços de compressão e muito pouco aos de tração. No entanto

elementos estruturais com lajes, vigas, pilares são solicitados por outros esforços (tração,

flexão e compressão), ultrapassando as características do concreto simples. Por isso torna-se necessário juntar-se um material como o ferro que resiste bem a estes esforços. A união dos dois materiais é possível e realizada com pleno êxito devido a uma

série de características:

coeficiente de dilatação térmica praticamente iguais (0,000001 e 0,0000012); boa aderência entre ambos; preservação do ferro contra a ferrugem.

Vantagens do concreto armado:

boa resistência ao fogo; adaptação a qualquer forma, permitindo inclusive montar-se peças esculturais; possibilidade de dimensões reduzidas; aumento da resistência aos esforços com o tempo; boa resistência a choques e vibrações; rápida execução;

Desvantagens do concreto armado:

impossibilidade de sofrer modificações; demolição de custos elevados e sem aproveitamento do material demolido.

Continua no próximo