Você está na página 1de 23

Poluição do ar: Grandes Desastres

http://www.vivaterra.org.br/vivaterra_poluicao_atmosferica.htm

Luana Santetti, Jéssica Weiler,Taiana Vanzellotti


Poluição Radioativa
Desde o início da era atômica, as centenas de experiências
com material nuclear têm jogado quantidades enormes de resíduos
radioativos na atmosfera. As correntes de ar, por sua vez, se
encarregam de distribuir este material para todas as regiões da
Terra. Com o tempo, a suspensão é trazida para o solo e para os
oceanos, onde será absorvida e incorporada pelos seres vivos .
Correntes de Ar

• Os ventos deslocam-se de centros de ALTA


PRESSÃO (anti-ciclonais) para os de BAIXA PRESSÃO
(ciclonais)

• Áreas com elevadas temperaturas possui ar com


baixa pressão e leve, que tende a subir; Áreas com
baixas temperaturas possui ar compacto, com maior
pressão, que tende a descer.
Chernobyl 1986
-onde:Chernobyl (norte da Ucrânia)
-Déc. 1970 :URSS construção de uma usina nuclear a 20 Km da cidade
-Data:26 de abril de 1986 ocorre o acidente
-Explosão de um reator 4 da central de Chernobyl
-Liberação de uma imensa nuvem radioativa contaminando pessoas, animais e o meio ambiente de uma vasta
extensão da Europa.
-Causa: erros humanos e no maquinário durante um teste

Foto de satélite da área da usina de Chernobil em abril de 2009. Crédito: Nasa


Local destruído pela explosão
do reator
“sarcófago” de concreto construído
• Carl Montgomery logo após o acidente”
Zonas afetadas
• As partículas radioativas foram
espalhadas por grande parte do
hemisfério norte, através do vento e
os padrões de tempestade, mas os
valores dispersos em muitos casos
foram insignificante.
• Durante as primeiras 3 semanas após
o acidente, o nível de radiação na
atmosfera em vários lugares ao redor
do globo foi acima do normal, mas
esses níveis rapidamente recuaram.
• Nenhum estudo foi capaz de apontar
para uma relação direta entre a
Chernobyl e aumentou os riscos de
câncer ou outros problemas de saúde
fora das repúblicas imediatamente
afetados da Ucrânia, Belarus e
Federação Russa.
Chernobyl : áreas afetadas
O acidente de Chernobyl teve 400 vezes mais radiação do
que a bomba atômica de Hiroshima no Japão
No entanto, testes nucleares durante os ano 60e 70
liberaram de 100 a 1000 vezes mais radiação que
Chernobyl

• Vermelho: 1 dia após o acidente


• Azul: 1 mês após o acidente
Conseqüências
• A nuvem nuclear que atingiu a Europa contaminou milhares de
quilômetros de florestas e causou doenças em mais de 40 mil
pessoas.
• As populações das cidades foram retiradas através de ônibus ( 300
mil pessoas).
• "Zona Morta" - área de aproximadamente 30 km2 criada após o
acidente de Chernobyl - na Ucrânia e na Bielorrússia.
Cidade de Prioyat
• Prioyat, 3 Km de distância da usina
• Era cidade moradia dos trabalhadores da usina
de Chernobyl
• foi abandonada 36 horas após a explosão.
E ainda hoje, 23 anos depois, há bolsões de
radioatividade altíssimos na cidade de Pripyat
Elementos emitidos para o meio ambiente

• Mais de 100 elementos radioativos libertados para a atmosfera


• A maioria destes tiveram vida curta e cariados (reduzido em
radioatividade) muito rapidamente.
• Tempo de meia-vida:
• Iodo: 8 dias (ligado ao câncer de tireóide) 10 vezes
• Estrôncio: 29 anos (leva a leucemia)
Césio: 30 anos (afeta todo o corpo / + fígado e baço)
. Os isótopos de estrôncio-90 e o césio-137 são, portanto, ainda
presente na área para este dia.

O césio é o elemento que viajou mais longe e dura mais tempo

• Fonte: AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica)


Poluição Química
• O ar é poluído quanto contém elementos estranhos à
sua composição natural (oxigênio, nitrogênio, gases
nobres , vapor d'água, dióxido de carbono).

• Poluidores químicos: os mais comuns são


compostos orgânicos como monóxido de carbono e
dióxidos de carbono (em excesso), enxofre e óxidos
de nitrogênio.

• Fontes: Indústrias, automóveis, produtos de


limpezas, refrigeradores e ar-condicionados.
BHOPAL – O PIOR DESASTRE QUÍMICO DA
HISTÓRIA

-Quando: madrugada de 2 para 3 dezembro de 1984


-Onde: Bhopal, Índia
- O que houve:
- 40 toneladas de gases letais vazaram da fábrica de
agrotóxicos da Union Carbide Corporation
Contaminação
- Gases tóxicos como o isocianato de metila e o
hidrocianeto escaparam de um tanque durante
operações de rotina.
- Os dispositivos de segurança, que deveriam evitar
desastres apresentavam problemas ou estavam
desligados
- Devido a entrada de água inadvertida num tanque
contendo 40 toneladas de MIC, houve uma rápida
ascensão da pressão e da temperatura. Como
consequência, o MIC e outros produtos da reação
escaparam-se para as Áreas vizinhas.
Gases tóxicos
• O cianeto é uma substância muito tóxica.
• Existe na natureza nas sementes da maior parte das plantas comuns como o
pêssego, que contém uma concentração muito alta.
• Apesar disto pode ser produzida uma toxina bastante poderosa da solução destilada
dó pó das sementes de pêssego. Uma grande dose de cianeto não concentrado tem
de ser ingerida para ser fatal.

• O gás Hidrocianeto é letal e é produzido ao misturar o cianeto com um ácido forte.


• É um gás invisível e cheira ligeiramente a amêndoas.
Gases Tóxicos
• O isocianato de metila é um produto utilizado na síntese de produtos
inseticidas
• utilizados como substitutos de praguicidas organoclorados, como o DDT.
Na noite do acidente, a pressão dos tanques de armazenamento se
elevou e a temperatura dos reservatórios se aproximou de 200º C.
• A causa provável do aumento da pressão e da temperatura foi atribuída
à entrada de água num dos tanques causando uma reação altamente
exotérmica.
Os vapores emitidos deveriam ter sido neutralizados em torres de
depuração; porém, como uma destas torres se encontrava desativada, o
sistema não funcionou possibilitando assim a liberação do produto para a
atmosfera.
Consequências
- 3 dias após o desastre 8 mil pessoas já haviam morrido devido à
exposição direta aos gases, e os efeitos se estendem até hoje.
- Os gases provocaram queimaduras nos tecidos dos olhos e dos
pulmões, atravessaram as correntes sanguíneas e danificaram
praticamente todos os sistemas do corpo.
- Os primeiros efeitos agudos dos gases tóxicos no organismo foram
vômitos e sensações de queimadura nos olhos, nariz e garganta, e
grande parte das mortes foi atribuída a insuficiência respiratória.
Consequências
- Doenças atacaram principalmente o sistema respiratório
- Muitos dos sobreviventes ao primeiro dia foram
diagnosticados com problemas respiratórios. Além disso,
estudos apontaram sintomas neurológicos como dores
de cabeça, distúrbios do equilíbrio, fadiga, depressão e
irritabilidade, além de danos nos sistemas músculo-
esquelético, reprodutivo e imunológico.
Atitudes da Empresa
- Na época do vazamento a Union Carbide, fábrica de agrotóxicos,
se negou a fornecer informações detalhadas sobre a natureza dos
contaminantes, e então os médicos não tiveram condições de tratar
adequadamente os indivíduos expostos.
- Abandonou a área, deixando para trás uma grande quantidade de
venenos perigosos, também tentou se livrar da responsabilidade
pelas mortes provocadas pelo desastre, pagando ao governo da
Índia uma indenização.
Atitudes da Empresa
- Em 2001 a Union Carbide foi adquirida pela multinacional Dow
Química, sediada nos EUA.
- Dow se tornou a maior indústria química do mundo.
- A Down também comprou a responsabilidade pelo desastre em
Bhopal.
- Mas a empresa se recusa a aceitar a responsabilidade moral pelo
passivo ambiental adquirido.
- Ainda não são conseguidas informações sobre a composição dos
gases que vazaram e seus efeitos na saúde.
Referências
http://pt.wikipedia.org/wiki/Chernobyl
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/story/2006/04/060426_chernobylsilencio2as.s
html
http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2007/09/070917_chernobyl_cobertur
arg.shtml
www.iaea.org
http://en.for-ua.com/news/2005/06/15/110059.html
http://jornada.wordpress.com/2006/04/25/chernobyl-turismo-ii/#comments
http://blogdaterra.com.br/2009/08/05/chernobyl-23-anos-depois-em-
imagens/chernobyl_ali_2009118/
turismohttp://www.nytimes.com/2005/06/14/world/europe/14iht-journal.html?_r=1
ttp://zonaderisco.blogspot.com/2007_12_01_archive.html
http://chernobyl-summer.blogspot.com/2007_08_01_archive.html
http://www.gpca.com.br/gil/art82.htm
http://www.cefetsp.br/edu/eso/poluicaoar261.html
Instituto Federal do Rio Grande do
Sul / 2009
• Direitos Autorais:
• Luana Santetti
• Jéssica Weiler
• Taiana Vanzellotti