Você está na página 1de 23

Modelo de autoavaliação das

bibliotecas escolares
Preocupação

A missão

Workshop formativo 09-10


António Xavier Ferreira
Existe, experimento.
 Espaços diversificados, acolhedores,
funcionais e convidativos;
 Documentos em vários suportes,
respondendo aos interesses académicos e
à maturidade dos utilizadores;
 Parque tecnológico apetrechado,
desenvolvido e com software comum aos
computadores das salas e dos alunos;
Ok, mas posso melhorar.

 Concepção e actualização oportuna de…


 Instrumentos de registo e de controlo da
utilização dos recursos;
 Guiões de pesquisa;

 Inquéritos de satisfação;
Aprendo com o erro.
 Avaliação participada de cada unidade
de trabalho;
 Interpretação cooperada com os
professores das turmas, de
vulnerabilidades reconhecidas no
comportamento ou na prestação dos
alunos;
 Auscultação permanente;
 Recolha de sugestões de melhoria.
Não resultou!

 Identificação de necessidades concretas


no currículo e défice de competências;
 Equacionamento, reestruturação e
concepção participada de instrumentos
e estratégias direccionadas para as
novas necessidades.
Modelo de autoavaliação das
bibliotecas escolares
Acção

Na oferta
Motivo e trabalho vontades.

 Diversificação de estratégias;
 Diversificação da utilização dos recursos
físicos;
 Dinamização de sessões de animação
de leitura com recurso aos audiovisuais;
 Dinamização de sessões de
acompanhamento de projectos com
recurso às TIC.
Problematizo.

 Definição de um problema em cada


unidade de trabalho;
 Atribuição de funções e tarefas;
 Disponibilização de recursos;
 Elaboração de guiões e esquematização
do processo para resolução do
problema.
Apetrecho e guio.

 Actualização de fundo documental;


 Manutenção do parque informático;
 Actualização de software;
 Calendarização e temporização das
sessões;
 Disponibilização dos recursos humanos.
Integro e inovo.
 Articulação de funções com parceiros
sociais;
 Cooperação entre professores na
definição do problema e na estruturação
das unidades de trabalho com vista ao
solucionamento;
 Procura e disponibilização de melhores
colecções e de versões mais actuais de
software educativo.
Modelo de autoavaliação das
bibliotecas escolares
Interacção

Organizações
Preparo a mudança.
 Definição de metas, cruzamentos de
matérias, promoção e divulgação das
produções em vários formatos;
 Sensibilização das instituições e dos
parceiros sociais para a actuação
conjunta, visando resolver um problema
e conceber um produto;
 Recolha de evidências e preparação de
novos investimentos.
Questiono a norma.
 Manutenção da actualidade da
informação;
 Actuação prioritária face a uma eventual
nova solicitação, repensando a oferta
planificada;
 Reestruturações várias em
consequência da detecção de pontos
fracos, procurando transformá-los em
pontos fortes.
Actualizo os instrumentos.

 Correspondência directa entre o


instrumento de registo e de controlo da
actividade, e a actividade desenvolvida;
 Integração da aferição nos processos e
nos instrumentos de avaliação.
Satisfaço os utilizadores.
 Garantia do acompanhamento ao currículo;
 Garantia da novidade documental;
 Versatilidade nas estratégias de motivação;
 Inovação e diversificação de estratégias de
promoção da leitura e de divulgação das
produções dos alunos;
 Garantia de optimização e disponibilização
funcional dos recursos.
 Higiene, funcionalidade e comodidade do
espaço biblioteca.
Modelo de autoavaliação das
bibliotecas escolares
Evidência

Visibilidade
Estou atento.

 Promoção de inquéritos de satisfação;


 Auscultação de utilizadores;
 Recolha de comentários em blogues e
outros suportes digitais;
 Recolha de sugestões através de
instrumentos de apreciação crítica;
 Uso do correio electrónico.
Analiso.

 Elaboração de tabelas de interpretação;


 Estatísticas de utilização;
 Reuniões e debates em torno das
actividades da escola;
 Partilha informal de receios,
preocupações, solicitações, propostas,
projecções.
Preparo a resolução.
 Circunscriçãodo problema
 Levantamento das necessidades;
 Planeamento cooperado, interno ao
currículo;
 Reunião de parceiros;
 Projecto;
 Produção;
 Avaliação.
Modelo de autoavaliação das
bibliotecas escolares
Impacto

Qualidade
Afiro modificações.

 Organização da conduta da biblioteca


em torno da organização da escola e da
turma;
 Resposta ao exercício cumulativo de
desenvolvimento de competências nos
alunos;
 Adequação da biblioteca à
modernidade.
Perfil de estratega.
O professor bibliotecário é o estratega que…
 Gere uma biblioteca em movimento que
acompanha as dinâmicas da vida na escola;
 Integra a biblioteca no seu tempo, e que a articula
com a comunidade educativa na procura do
sucesso dos utilizadores;
 Funda o seu padrão de qualidade no sucesso
gradativo da acção da biblioteca;
 Usa a mostra e recolha de notas das produções
para qualificar a sua acção, a biblioteca e a escola.
Guiado pelo sucesso.
 Núcleo de trabalho articulado da escola que garante
propostas para melhoria dos níveis de competência;
 Centro de recursos da escola que garante meios para
a execução dos projectos curriculares;
 Sala de eventos, com oferta formativa própria que
garante a promoção da leitura;
 Mó transformadora das respostas em problemas que
proporcionam a pesquisa e a descoberta;
 Montra de processos e produções;
 Agente de contactos que visam a cooperação, a
colaboração e a participação de parceiros da
comunidade.