Você está na página 1de 5

Engorda

Primeiros estudos foram realizados no INPA, dcada


de 70. Mostrando que a espcie era promissora para
piscicultura.
A criao cresceu na dcada de 90 para povoamento
de pesque-pagues.
Diversos trabalhos foram realizados avaliando o
crescimento do matrinx na engorda, mostrando que
a espcie desempenha timo papel zootcnico
quando criada em baixas ou altas densidades.
Tem sido criada em viveiros e barragens, assim sua
criao dividida em duas etapas: recria e engorda
(sendo fundamental para o sucesso da criao).



Recria: peixes criados em viveiros (60 dias), com
densidade 10 peixes/m . Finalidades de engordar os
juvenis de 2 4 cm, recebendo 34% de protena de 3-4
vezes ao dia
Engorda: em viveiros com densidade de 5.000
peixes/ha. Aps 9 meses de criao, os peixes
apresentam 1,4 kg com sobrevivncia de 100%. A rao
oferecida nessa fase com 28% de protena de 2-3
vezes ao dia. O viveiro tem que ser calado no incio e a
gua ser trocada toda vez que o oxignio for abaixo de
3 mg/L.
H alternativas recentes para a engorda do matrinx,
com criao intensiva em canais de igaraps na
Amaznia. Por ocorrer em guas correntes o matrinx
vem se adaptando bem.
Resultados indicam que o sistema de cultivo em
igaraps oferece vantagens se comparado com viveiros,
como:
1. Maiores taxas de estocagem e produo de biomassa
por volume do que em viveiros
2. Ocupar menor espao.
3. Facilitar as operaes de despesca, alimentao e
observao dos peixes, e propiciar menor mo-de-obra
no manejo.
Nesse sistema aps 170 dias, com densidade 10
peixes/m, sobrevivncia 95% , ganho de peso mdio
410 g, e peso final 632 g. A converso alimentar de
1,9 sendo igual de viveiros, porm a produo por rea
de 58ton/h/ano superior a de viveiros e barragens.
Nutrio
Durante a larvicultura do matrinx, tem sido utilizadas
raes com30-40% de protena.
Raes preparadas para larvicultura devem ser
preferencialmente extrusadas, ou peltizadas e
posteriormente trituradas pois os ingredientes assim
ficam agregados.
Os primeiros trabalhos com nutrio do matrinx, para
engorda, foram realizados com base no hbito alimentar
onvoro da espcie. Avaliado desempenho zootcnico
com raes com fonte de protena animal e vegetal .
Mostrando que o matrinx capaz de crescer
independente da fonte de protena e sim a caracterstica
da rao utilizada.
A partir disso verificou-se que a espcie capaz de
adaptar seu metabolismo ao tipo de nutrientes da dieta,
por meio do aumento a atividade enzimtica
Os melhores resultados de engorda foram obtidos com
protena 27-28%, atendendo a exigncias do matrinx
em criaes semi-intensivas. Assim essa espcie
capaz de converter com eficincia o alimento com
protena tanto de origem vegetal, como animal.

Você também pode gostar