Você está na página 1de 26

ESTUDO E DESENVOLVIMENTO

DE FRITAS CERÂMICAS

Fabio Mateus da Rosa Gustavo Pietsch Wagner

Maurício Moliner Nazário

Tiago Benincá Viscardi

ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE FRITAS CERÂMICAS Fabio Mateus da Rosa Gustavo Pietsch Wagner Maurício Moliner Nazário
ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE FRITAS CERÂMICAS Fabio Mateus da Rosa Gustavo Pietsch Wagner Maurício Moliner Nazário

Introdução

Os últimos anos trouxeram consigo avanços consideráveis dos processos utilizados na fabricação de revestimentos cerâmicos. É de fundamental importância para que a empresa consiga manter seu espaço no mercado, não apenas ter um produto de boa qualidade, mas também que o custo do mesmo não seja elevado para o consumidor, fazendo com que escolham o produto oferecido pela empresa.

A frita é o principal componente dos esmaltes cerâmicos industriais. Através dela são dadas as principais características dos esmaltes e, com isso algumas características de produto acabado, como: brilho, resistência ao desgaste abrasivo (PEI), dureza, resistência ao risco, aderência, entre

outras.

Introdução Os últimos anos trouxeram consigo avanços consideráveis dos processos utilizados na fabricação de revestimentos cerâmicos.
Introdução Os últimos anos trouxeram consigo avanços consideráveis dos processos utilizados na fabricação de revestimentos cerâmicos.

Introdução

Para isso, torna-se necessário um estudo científico sobre as características

das fritas comerciais de diferentes fornecedores, através de análises

químicas. Além de estudar suas formulações utilizando diferentes temperaturas de fusão, tratamentos térmicos e viabilizando o uso da frita.

Introdução Para isso, torna-se necessário um estudo científico sobre as características das fritas comerciais de diferentes
Introdução Para isso, torna-se necessário um estudo científico sobre as características das fritas comerciais de diferentes

Problema

Dentre todas as etapas de fabricação do produto cerâmico, uma delas,

esmaltação, contém um dos mais elevados custos no processo, pelo fato de

que as fritas, principais componentes e com altos percentuais nas formulações de esmaltes, possuem um preço de fabricação muito elevado.

Seria possível desenvolver fritas com diferentes componentes em sua

formulação porém, apresentando mesmas características para o produto final?

Problema Dentre todas as etapas de fabricação do produto cerâmico, uma delas, esmaltação, contém um dos
Problema Dentre todas as etapas de fabricação do produto cerâmico, uma delas, esmaltação, contém um dos

Hipóteses

  • Se a frita permanecer mais ou menos tempo em maturação, o que ocorrerá com as características finais do produto?

  • Se a frita for submetida à diferentes velocidades de resfriamento, acarretará alterações nas características do produto final?

  • Se os componentes da formulação de fritas forem modificados, a eficiência da moagem dos esmaltes será a mesma?

Hipóteses  Se a frita permanecer mais ou menos tempo em maturação, o que ocorrerá com
Hipóteses  Se a frita permanecer mais ou menos tempo em maturação, o que ocorrerá com

Hipóteses

  • Mudando-se os componentes da formulação, as fritas se adequariam as características finais desejadas?

  • Há variação nas propriedades químicas do esmalte, utilizando fritas com diferentes componentes?

  • Quais mudanças podem ser percebidas no produto final, empregando-se um maior ou menor teor de fundentes ?

Hipóteses  Mudando-se os componentes da formulação, as fritas se adequariam as características finais desejadas? 
Hipóteses  Mudando-se os componentes da formulação, as fritas se adequariam as características finais desejadas? 

Objetivo Geral

Realizar um estudo sobre as formulações de fritas presentes no mercado,

tentando desenvolver novos modelos de fritas, modificando suas composições, e estudar os principais motivos que causam variação nas características técnicas das mesmas.

Objetivo Geral Realizar um estudo sobre as formulações de fritas presentes no mercado, tentando desenvolver novos
Objetivo Geral Realizar um estudo sobre as formulações de fritas presentes no mercado, tentando desenvolver novos

Objetivos Específicos

  • Buscar recursos bibliográficos relacionados ao trabalho e assim aprofundar- se no tema;

  • Conhecer as características técnicas do produto a ser analisado;

  • Selecionar variáveis que possam influenciar nas características da frita;

Definir

o

tempo

de

maturação

no

forno

para

que

a

frita

fique

com

características desejadas;

Objetivos Específicos  Buscar recursos bibliográficos relacionados ao trabalho e assim aprofundar- se no tema; 
Objetivos Específicos  Buscar recursos bibliográficos relacionados ao trabalho e assim aprofundar- se no tema; 

Objetivos Específicos

  • Definir a temperatura de fusão adequada para conferir boas características à

frita;

  • Analisar as características finais do vidrado;

  • Apresentar propostas para viabilizar o custo das fritas, através de diferentes composições.

Objetivos Específicos  Definir a temperatura de fusão adequada para conferir boas características à frita; 
Objetivos Específicos  Definir a temperatura de fusão adequada para conferir boas características à frita; 

Variáveis

  • Variáveis de frita:

    • Tempo de maturação dentro do forno;

    • Temperatura de fusão;

    • Percentuais de fundentes;

    • Velocidade de resfriamento (temperatura da água);

    • Percentuais de matéria-prima.

Variáveis  Variáveis de frita:  Tempo de maturação dentro do forno;  Temperatura de fusão;
Variáveis  Variáveis de frita:  Tempo de maturação dentro do forno;  Temperatura de fusão;

Variáveis

  • Variáveis gerais:

    • Características de produto acabado, (brilho, resistência ao desgaste abrasivo (PEI), dureza, aderência, entre outras);

    • Comportamento do vidrado na sinterização;

    • Viscosidade do vidrado;

    • Estiramento, dilatação térmica, ponto de amolecimento, e resistência ao ataque químico do esmalte.

Variáveis  Variáveis gerais:  Características de produto acabado, (brilho, resistência ao desgaste abrasivo (PEI), dureza,
Variáveis  Variáveis gerais:  Características de produto acabado, (brilho, resistência ao desgaste abrasivo (PEI), dureza,

Frita

Segundo Sánches, as fritas cerâmicas são materiais de natureza vítrea preparadas por fusão, em temperaturas elevadas (em torno de 1500 °C), a partir da mistura de matérias-primas de natureza cristalina. A massa fundida processada na fabricação é resfriada instantaneamente em ar ou água, originando a frita propriamente dita.

A razão fundamental para a utilização de fritas é converter os componentes solúveis em água, presentes nas matérias-primas que serão utilizadas para obter os recobrimentos cerâmicos, em um vidro insolúvel mediante a fusão

com outros componentes.

Frita Segundo Sánches, as fritas cerâmicas são materiais de natureza vítrea preparadas por fusão, em temperaturas
Frita Segundo Sánches, as fritas cerâmicas são materiais de natureza vítrea preparadas por fusão, em temperaturas

Frita

  • Frita mate: é responsável

por causar

o

efeito

mate

(sem

brilho) nos

esmaltes;

Frita

  • transparente

(cristalina):

é

responsável

por

deixar

o

esmalte

transparente;

  • Frita branca: através do silicato de zircônio (ou outro opacificador) causa a opacificação do esmalte.

Frita  Frita mate: é responsável por causar o efeito mate (sem brilho) nos esmaltes; Frita
Frita  Frita mate: é responsável por causar o efeito mate (sem brilho) nos esmaltes; Frita

Processo de Fabricação da Frita

Dosagem
Dosagem
Mistura Fusão Resfriamento (água ou ar) Secagem Embalagem

Mistura

Mistura Fusão Resfriamento (água ou ar) Secagem Embalagem

Fusão

Mistura Fusão Resfriamento (água ou ar) Secagem Embalagem

Resfriamento (água ou ar)

Mistura Fusão Resfriamento (água ou ar) Secagem Embalagem

Secagem

Mistura Fusão Resfriamento (água ou ar) Secagem Embalagem

Embalagem

Figura 1 Fluxograma do processo de fabricação da frita

Processo de Fabricação da Frita Dosagem Mistura Fusão Resfriamento (água ou ar) Secagem Embalagem Figura 1
Processo de Fabricação da Frita Dosagem Mistura Fusão Resfriamento (água ou ar) Secagem Embalagem Figura 1

Óxidos

Muitas das matérias-primas cerâmicas são compostas por óxidos. Cada

óxido possui uma função específica na composição da frita e alguns

desempenham mais de uma função.

  • Óxidos matificantes:

    • Óxido de zinco (proporciona bom estiramento);

    • Alumina (Al 2 O 3 );

    • Quartzo (SiO 2 ); gera

    • Fases cristalinas cálcicas: wollastonita (CaO SiO 2 ), anortita (CaO Al 2 O 3 2SiO 2 ), dolomita, calcita.

Óxidos Muitas das matérias-primas cerâmicas são compostas por óxidos. Cada óxido possui uma função específica na
Óxidos Muitas das matérias-primas cerâmicas são compostas por óxidos. Cada óxido possui uma função específica na

Óxidos

  • Óxidos opacificantes:

    • Silicato de Zircônio (ZrO2);

    • Óxido de Titânio (Ti 2 O);

    • Óxido de Estanho (SnO).

  • Reguladores de fundência:

    • Feldspatos sódico-potássicos aumentam a fundência;

    • Quartzo (SiO 2 ) e Alumina (Al 2 O 3 ) garantem baixa fundência.

  • Óxidos  Óxidos opacificantes:  Silicato de Zircônio (ZrO 2 );  Óxido de Titânio (Ti
    Óxidos  Óxidos opacificantes:  Silicato de Zircônio (ZrO 2 );  Óxido de Titânio (Ti

    Fórmula de Seger

    A fórmula de Seger é um método utilizado para efetuar o balanço da formulação da frita, através de sua análise química. O balanceamento químico de uma frita é

    realizado sempre baseado nos óxidos componentes.

    Divisão dos Grupos de Óxidos para a Aplicação na Fórmula de Seger:

    • RO2: SiO2 ZrO2 Óxidos Ácidos: Na maioria das fritas, os óxidos ácidos são formados geralmente por ametais e semi-metais, de forma que, no grupo RO2 os elementos ligados ao oxigênio possuem carga +4.

    • R2O3: Al2O3 B2O3 Óxidos Anfóteros: Comportam-se como óxidos básicos na presença de um ácido e como óxidos ácidos na presença de uma base. No grupo R2O3 a carga presente nos elementos ligados ao oxigênio é de +3.

    Fórmula de Seger A fórmula de Seger é um método utilizado para efetuar o balanço da
    Fórmula de Seger A fórmula de Seger é um método utilizado para efetuar o balanço da

    Fórmula de Seger

    • RO: CaO MgO ZnO PbO BaO Óxidos Básicos: Os óxidos básicos apresentam comportamento de uma base. São formados por um metal com carga +2 ligado ao oxigênio.

    • R2O Na2O K2O Li2O Óxidos Básicos: Assim como o grupo RO o grupo R2O também é formado por óxidos básicos. Porém sua diferenciação com o grupo RO se dá na quantidade de átomos presentes na molécula. No grupo R2O, a carga presente nos elementos ligados ao oxigênio é de +1.

    Fórmula de Seger  RO: CaO – MgO – ZnO – PbO – BaO  Óxidos
    Fórmula de Seger  RO: CaO – MgO – ZnO – PbO – BaO  Óxidos

    Fórmula de Seger

    Peso Molecular de Cada Óxido

    60

    102

    62

    94

    56

    70

     

    Compostos Moleculares

    SiO2

    Al2O3

    Na2O

    K2O

    CaO

    B2O3

    Número de Mols da Fórmula

    1,05

    0,08

    {0,06

    0,05

    0,21}

    0,11

    Somar o Número de Mols de cada

           

    Fórmula

    -

    -

     

    Somatória = 0,32

    -

    Dividir o Grupo RO+R2O por 0,32

    -

    -

    0,18

    0,16

    0,66

    -

    A partir dos Valores da Divisão, Somá-los

    -

    -

     

    Somatória = 1,0

    -

    Dividir o Restante dos Grupos 0,32

    3,28

    0,25

    -

    -

    -

    0,34

    Multiplicar o Resultado pelo Peso

                 

    Molecular

    196,80

    25,50

    11,20

    15,00

    36,40

    23,80

    308,07

                 

    100,00

    Converter a Composição em Porcentagem

    63,80%

    8,30%

    3,60%

    4,80%

    11,80%

    7,70%

    %

    Tabela 1 Explicação Fórmula de Seger

    Fórmula de Seger Peso Molecular de Cada Óxido 60 102 62 94 56 70 Compostos Moleculares
    Fórmula de Seger Peso Molecular de Cada Óxido 60 102 62 94 56 70 Compostos Moleculares

    Foco de Estudo

    • Ao longo do trabalho a equipe trabalhará com placas de monoporosa. Foi escolhida a frita FOB, por ser esta muito utilizada neste processo e com um custo elevado; apresentando a seguinte análise química:

    Elementos

    Teor (%)

    Elementos

    Teor (%)

    Al2O3

    4,48

    B2O3

    -

    CaO

    8,58

    LiO2

    -

    Fe2O3

    0,08

    BaO

    0,21

    K2O

    4,58

    Co2O3

    N.D.

    MgO

    2,91

    Cr2O3

    N.D.

    MnO

    0,01

    PbO

    N.D.

    Na2O

    N.D.

    SrO

    < 0,10

    P2O5

    0,66

    ZnO

    10,80

    SiO2

    55,75

    ZrO2

    7,48

    TiO2

    0,04

    Perda Fogo

    -

    Foco de Estudo  Ao longo do trabalho a equipe trabalhará com placas de monoporosa. Foi

    Tabela 2 Análise Química

    Foco de Estudo  Ao longo do trabalho a equipe trabalhará com placas de monoporosa. Foi

    Próximas Etapas

    • Através da análise química dessa frita será produzida a mesma, com base na fórmula de Seger, dessa maneira, realizar ensaios para determinação das características de produto acabado;

    • Serão desenvolvidas fritas com percentuais de óxidos diferentes para obter características semelhantes à frita estudada , além disso, serão modificados os processos de fusão (maturação, resfriamento, etc).

    • Com as fritas em mãos, serão realizados os mesmos ensaios, em que a frita padrão foi submetida e os resultados serão comparados.

    Próximas Etapas  Através da análise química dessa frita será produzida a mesma, com base na
    Próximas Etapas  Através da análise química dessa frita será produzida a mesma, com base na

    Considerações Finais

    Em produtos esmaltados a frita apresenta uma importante função. É ela que

    fornece as principais características ao vidrado que, por sua vez, constitui boa parte do produto e do valor agregado a ele.

    Com os estudos realizados, notou-se que duas fritas com mesma análise

    química podem ter características distintas entre si, esse fato ocorre, pois mesmos óxidos podem ser obtidos através de diferentes fontes.

    É importante conhecer as características das matérias-primas constituintes das fritas e suas respectivas funções, para que com isso consiga-se realizar mudanças na composição química sem alterar suas propriedades.

    Considerações Finais Em produtos esmaltados a frita apresenta uma importante função. É ela que fornece as
    Considerações Finais Em produtos esmaltados a frita apresenta uma importante função. É ela que fornece as

    Agradecimentos

    “A equipe abre espaço para agradecer a todos que de modo direto ou indireto

    estão contribuindo para o desenvolvimento deste trabalho. Agradecemos de maneira especial ao nosso orientador Cláudio de Oliveira Modesto pela assistência, ao professor Maykon Cargnin, aos amigos do IMG e ao funcionário do DETEC da empresa Eliane Revestimentos Cerâmicos Diogo Scursel.”

    Agradecimentos “A equipe abre espaço para agradecer a todos que de modo direto ou indireto estão
    Agradecimentos “A equipe abre espaço para agradecer a todos que de modo direto ou indireto estão

    Referências Bibliográficas

    SÁNCHES, E. Matérias-Primas para a Fabricação de Fritas e Esmaltes Cerâmicos. Espanha, 1997.

    F. SINGER & S. S. SINGER. Vidriados Ceramicos. Ed. La productora de borax, S.A. Barcelona, 1990.

    MODESTO, Cláudio de Oliveira; JÚNIOR, José Celso Barbosa. Material Cerâmico. Colégio Maximiliano Gaidzinski, 2001.

    Referências Bibliográficas SÁNCHES, E. Matérias-Primas para a Fabricação de Fritas e Esmaltes Cerâmicos. Espanha, 1997. F.
    Referências Bibliográficas SÁNCHES, E. Matérias-Primas para a Fabricação de Fritas e Esmaltes Cerâmicos. Espanha, 1997. F.

    Referências Bibliográficas

    FILHO, Oscar de Abril. Esmaltes, Esmaltação e Variação de Tonalidade. Cerâmica Industrial, 4 (1-6) Janeiro/Dezembro, 1999.

    MODESTO, Cláudio de Oliveira, MENEGALI; Gilson Bez Fontana. Processo de Fabricação. Colégio Maximiliano Gaidzinski.

    EPPLER, Richard A. Selecionando Matérias-Primas para Esmaltes. Cerâmica Industrial, 7 (6) Novembro/Dezembro, 2002.

    OLIVEIRA, Helder J.; Labrincha, João A. Esmaltes e Engobes para Monoporosa. Cerâmica Industrial, 7 (2) Março/Abril, 2002.

    Referências Bibliográficas FILHO, Oscar de Abril. Esmaltes, Esmaltação e Variação de Tonalidade . Cerâmica Industrial, 4
    Referências Bibliográficas FILHO, Oscar de Abril. Esmaltes, Esmaltação e Variação de Tonalidade . Cerâmica Industrial, 4

    ESTUDO E DESENVOLVIMENTO

    DE FRITAS CERÂMICAS

    Fabio Mateus da Rosa Gustavo Pietsch Wagner

    Maurício Moliner Nazário

    Tiago Benincá Viscardi

    ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE FRITAS CERÂMICAS Fabio Mateus da Rosa Gustavo Pietsch Wagner Maurício Moliner Nazário
    ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE FRITAS CERÂMICAS Fabio Mateus da Rosa Gustavo Pietsch Wagner Maurício Moliner Nazário