A TEORIA SÓCIO HISTÓRICA DE VYGOTSKY

Perspectiva interacionista ,
juntamente com Piaget• Ambos preocuparam-se ,
BASICAMENTE, com A GÊNESE DOS
PROCESSOS PSICOLÓGICOS DA
COGNIÇÃO.

Piaget( cognitivista-interacionista)
trabalha a interação do sujeito com
o que lhe é externo nos processos
de conhecimento, vendo-o como
um sujeito ativo.
Vygotsky (sócio-interacionista)
acrescentou aos polos do sujeito e da
realidade o polo do OUTRO, considerando
as interações sociais o principal
elemento na construção do conhecimento
pelos sujeitos. Morreu há mais de 70 anos,
mas sua obra ainda inspira estudos.

A psicologia sócio-histórica,
concebe o desenvolvimento
humano a partir das relações
sociais que a pessoa estabelece no
da vida
O processo dedecorrer
ensino-aprendizagem
também se constitui
dentro de interações que vão se dando nos diversos
contextos sociais.
A sala de aula deve ser considerada um lugar
privilegiado de sistematização do conhecimento e o
professor um articulador na construção do saber.
 
 
 
 
•  
•  

O homem nasce e se desenvolve num ambiente cultural Para Vy. A educação deve. tomar como referência toda a experiência de vida própria do sujeito. tenha ele ou não Necessidades Educacionais Especiais (NEEs) . o processo de construção do conhecimento ocorre através da interação do sujeito historicamente situado com o ambiente sociocultural onde vive. nessa perspectiva.

fundamentou seus estudos sobre o funcionamento intelectual humano nos pressupostos marxistas então dominantes.Vygotsky nasceu em 1896. Produziu uma série de trabalhos que ainda são de grande importância para estudos de desenvolvimento e aprendizagem humanos Inserido num contexto político e social de grande efervescência na Rússia pós –revolução bolchevista. . na BieloRussia e faleceu em 1934.

Autores dizem que Vy propunha “uma visão marxista. eclética.” . que enfatizava influências culturais. mais que hereditárias.Vygotsky destacou-se como um dos principais estudiosos das crianças com deficiência e seu Desenvolvimento Psicológico • De 1924 a 1931 fez investigações importantes nessa área e fundou um laboratório de Psicol para o estudo de pessoas com deficiência.

superando pela “ed social” o caráter caritativo que lhes era dado no Ocidente. • Muito da teoria de Vygotsky sobre o desenvolvimento humano adveio de seus estudos sobre a deficiência. .Fortalecia-se a ideia de q pessoas com def deveriam participar ativamente da vida social.

. Ponto central: todos os fenômenos devem ser estudados como processo em movimento e em mudança. . sobretudo nos anos de 1924 a 1931.Nos métodos e princípios do materialismo dialético Vygotsky viu a solução dos paradoxos científicos da época . Destacou-se como 1 dos principais estudiosos das crianças com deficiência e seu desenvolvimento psicológico.

. uma estrutura orgânica e psicológica específica .A criança cujo desenvolvimento está prejudicado por uma deficiência não é simplesmente uma criança menos desenvolvida do que seus pares . isto é. e sim uma criança que tem-se desenvolvido diferentemente Seu desenvolvimento apresenta uma singularidade qualitativa.

• A pessoa com deficiência não é inferior a seus pares. . Afirmava q todas as deficiências corporais afetavam antes de tudo as relações sociais das crianças e não suas interações diretas com o ambiente físico. muito mais que o defeito em si. apenas apresenta um desenvolvimento qualitativamente diferente e único. . Ressalta que. o que decide o destino da personalidade da criança é sua realização sócio-psicológica. . as leis que regulam o desenvolvimento infantil são as mesmas para as crianças com e sem deficiência.Para Vygotsky.

• Os signos linguísticos são orientados para regular as ações sobre o psiquismo dos outros e do próprio sujeito. • Os instrumentos são orientados para regular as ações sobre os objetos. .O meio social pode facilitar ou dificultar a criação de novos caminhos de desenvolvimento • O grau de normalidade está condicionado à adaptação social do sujeito.

Do ponto de vista do processo de formação da mente humana. . • Um processo interpessoal é transformado em intrapessoal. Todas as funções no D/ da cç aparecem 2 vezes: 1º no nível social e depois no individual. Vy evidencia o processo de internalização q consiste em várias transformações : uma • Uma operação q inicialmente representa atividade externa é reconstruída e começa a ocorrer internamente. • A transformação de um processo interp em intrap é o resultado de longa série de eventos. 1º entre pessoas (interpsicológ) e depois no interior da cç (intrapsicológica).

. que envolve os níveis de “Desenvolvimento Real” e de “Desenvolvimento Potencial”.. formulou o conceito de ZONA DE DESENVOLV PROXIMAL. Vygotsky afirma que o aprendizado sistematizado (escolar) produz algo novo no desenvolvimento da criança Para melhor explicitar a relação entre desenvolvimento e aprendizagem.

Nível de desenvolvimento real. aquilo que ela realiza de forma independente representa seu Nível de desenvolvimento real . O que a criança já conquistou.

. ela se tornará capaz de realizar. lhe der instruções. mas se alguém fizer uma demonstração.Nível de desenvolvimento potencial • Aquilo que a criança não consegue realizar sozinha. fornecer pistas.

.Zona de desenvolvimento proximal • É a distância entre o nível de desenvolvimento real que se costuma determinar através da solução independente de problemas e o nível de desenvolvimento potencial determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou em colaboração com companheiros mais capazes.

.Nível de Zona de Nível de desenvolvimento desenvolvimento •desenvolvimento Zona de desenvolvimento Real Proximal proximal (ZDP) é um campo Potencial psicológico em constante transformação: aquilo q a cç é capaz de fazer hoje com o auxílio dos adultos. poderá fazê-lo amanhã por si só.

• Porém não é qualquer pessoa que vai conseguir realizar tarefa. a partir da orientação de alguém. .A possibilidade de alteração do desempenho de uma criança pela intervenção de alguém é o ponto chave na teoria de Vygotsky. ou só porque alguém deu orientação.

. funções que amadurecerão.A capacidade de beneficiar-se da colaboração de outra pessoa vai ocorrer num certo nível de desenvolvimento. mas que estão em processo de maturação. mas não antes • A ZDP define aquelas funções que ainda não amadureceram. Nunca “frutos”) • A ZDP permite-nos delinear o futuro próximo da criança e seu estado dinâmico de desenvolvimento. (Chamadas “brotos” ou “flores” do desenvolvimento. mas estão presentes em estado embrionário.

Essa reconstrução reflete as possibilidades psicológicas da cç que realiza a imitação e constitui para ela criação de algo novo a partir do que observa no outro.Uma compreensão plena da ZDP leva a uma adequada aval. • Imitação não é mera cópia de modelo. do papel da imitação no aprend • Uma pessoa só consegue imitar aquilo que está no seu nível de desenvolvimento potencial. . mas reconstrução individual do que é observado nos outros.

e ao mesmo tempo apodera-se de um princípio estrutural cuja esfera de ampliação é maior do que a da operação de partida.Aprendizado e desenvolvimento estão relacionados desde o 1º dia de vida da criança • O aprendizado possibilita o desenvolvimento • A criança aprende a realizar uma operação de determinado gênero. . • Então. ao dar um passo em frente no campo da aprendizagem a criança dá dois passos no campo do desenvolvimento.

as crianças são capazes de fazer muito mais coisas. ou sob a orientação de adultos. Se ele passasse a viver em um grupo letrado. usando a imitação. .Exemplo:Sujeito pertencente a um grupo cultural que não dispõe de escrita. com isso. poderia se alfabetizar e. • Odesenvolvimento aprendizado humanose pressupõe uma natureza social específica e um processo através do qual as crianças penetram na vida intelectual das pessoas que as cercam. o seu alteraria. • Numa atividade coletiva.

adianta ao desenvolvimento. como também o curso interno do • O único bom aprendizado é aquele que se desenvolvimento. • Aprendizado orientado para níveis de D/ que já foram atingidos (nível de D/ real) é ineficaz do ponto de vista do desenvolvimento global da cç • Se o aprendizado impulsiona o D/ então a escola tem papel essencial na vida dos sujeitos que vivem em sociedades escolarizadas.podemos entender o curso interno do desenvolvimento. Utilizando esse método podemos compreender não apenas os ciclos de maturação já completados. .

e esta ativação não poderia produzir-se sem a apr.A aprendizagem não é em si mesma desenvolvimento. . mas formadas historicamente. a apr é um momento intrinsecamente necessário e universal para que se desenvolvam na criança essas características humanas não naturais. Por isso. da cç conduz ao D/ mental. ativa todo um grupo de processos de desenvolvimento. • Mas uma correta organização da apr.

principalmente. É através da linguagem que se dá a interiorização dos conteúdos. • Os conteúdos da experiência histórica do homem não estão consolidados somente nas coisas materiais mas.Para Vy. . é produção cultural. pois ela faz com que a natureza social das pessoas se torne também sua natureza psicológica. o conhecimento. tanto o científico quanto o cotidiano. nas formas verbais de comunicação produzidas entre os homens.

que são construídos socialmente. Tal reconstrução representa a condição de criação de um universo cultural e a construção de sistemas lógicos de pensamento.pois os significados das palavras.Relações que ligam o pensamento humano à linguagem • São estreitas. . cumprem tanto a ação de representação quanto a de generalização. o que permite a reconstrução do real ao nível do simbólico. que possibilitam a elaboração de sistemas explicativos da realidade.

Uma palavra é um microcosmo da consciência hum. • Uma palavra desprovida de pensamento é uma coisa morta. . e um pensamento não expresso em palavras permanece na sombra. • As palavras desempenham papel central não só no D/ do pensamento.Relação entre o pensamento e a palavra é um processo vivo: o pensamento nasce através das palavras. mas tambe na evolução histórica da consciência como um todo. • A relação entre eles surge com o desenvolvi mento e se modifica.

indispensável dos professores na mediação do mundo para a criança.Vy critica postura de psicólogos e educadores preocupados em avaliar o que a criança com deficiência não consegue fazer. . propondo que se deve considerar o que ela pode fazer sob condições • Vy valoriza a educação e o papel pedagógicas adequadas.

.escola especial • Vygotsky diz que. onde métodos e currículos são mais homogêneos. dada a segregação e o isolamento que há no sistema de escola especial. é provável que essas crianças desenvolvam uma forma de pensar culturalmente diferente da das crianças educadas em escolas regulares.

superando o nível das atividades que exploram apenas suas habilidades simples. na aprendizagem dos conceitos adquiridos no coletivo. • Propõe que a escola deve buscar. • As pessoas com deficiência devem desenvolver também o pensamento abstrato. o atendimento educacional aos alunos com def. a compensação para os déficits orgânicos decorrentes da deficiência. . deve estar libertado de qualquer caráter filantrópico ou religioso e de orientação para a incapacidade ou invalidez.Para Vy. sempre que possível.

se amplia a capacidade individual. a interação social entre alunos com deficiência e sem deficiência é a chave para a construção do • A heterogeneidade possibilita a troca e. considerando seu potencial de aprendizagem e não ficando circunscrita aos seus déficits . conhecimento. constituindo-se como sujeito por intermédio da linguagem. de atuar na ZDP de todos os alunos. ou seja. consequentemente. • O acesso ao saber deve ser garantido a todos. sendo o homem um ser social. a escola resgata seu papel de ensinar. • Assim.Em síntese. .

como propõem os empiristas.Concluindo: • “Vy supera as teorias de base empirista e racionalista. por não apresentar as mesmas condições pré-formadas de pessoa sem deficiência. . ao buscar o entendimento dos mecanismos pelos quais a cultura torna-se parte da natureza humana. não podendo ‘dar ordem’ ao mundo. a pessoa com deficiência nem é uma tábula rasa. ‘assujeitada’ pelo mundo. nem é concebida como incapaz. A partir de seus pressupostos.

condicionadora ou espontaneista. rever sua prática.Concluindo: • A partir da compensação que as interações sociais lhe possibilitam. que tem se mostrado.” Luciana Pacheco Marques • “O professor de alunos com deficiência mental: concepções e prática pedagógica” Editora UFJF Universidade Federal de Juiz de Fora . 2001. . instrumentalizando-se para uma intervenção pedagógica q faça o elo entre o social e o aluno com deficiência.INEP. • Cabe aos educadores especiais repensar o ‘especial’ da Educação Especial. na maioria dos casos. a pessoa com deficiência é concebida como ‘sujeito no mundo’. olhada a partir das suas potencialidades pelas quais pode se transformar e transformar a realidade que a cerca.