Você está na página 1de 17

DIFICULDADES ESPECÍFICAS

NA LEITURA E ESCRITA:
A DISLEXIA

MESTRADO EM ENSINO DE TIC

NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS

DOCENTE:
Profª Doutora Maria Celeste da Silva Leal de
Sousa Lopes

DISCENTEs: Bruno Vieira


Sofia gonçalves
Papel da Escola na vida de um aluno

 Um dos papéis fundamentais da escola é tornar o aluno competente,


tanto na produção, como na recepção do código escrito.

 Saber ler e expressar-se através da escrita são capacidades essenciais
para um bom desempenho escolar.
O acto de ler é uma habilidade difícil e complexa

 A maioria das crianças adquire


a capacidade de leitura
facilmente, apesar de estar
amplamente constatado que
o acto de ler é uma
actividade difícil e complexa.

 No entanto, os padrões ideais,
no que respeita à aquisição
destas habilidades, está
muito longe de ser
conseguido.
O que é a Dislexia
 Uma dificuldade para lidar
com a linguagem escrita.

“É uma desordem, que se


manifesta pela dificuldade


de aprender a ler, apesar da
instrução ser a convencional,
a inteligência normal e das
oportunidades
sociocuturais…” (Federação
Mundial de Neurologia,
1968).
A dislexia
 Os muitos estudos
realizados são unânimes
em afirmar que as
dificuldades na leitura
não são todas iguais,
variam tanto na sua
natureza como na sua
extensão. Alguns
autores dividem estas
dificuldades em gerais e
específicas.
 (Rebelo, 1993)
As dificuldades gerais e específicas
 As dificuldades gerais  As dificuldades específicas
têm a ver, não só com a têm a ver com as condições
inerentes ao próprio
existência de alguma indivíduo e o seu modo de
deficiência, seja funcionamento, sem que haja
intelectual, sensorial ou razões aparentes. Este tipo
física mas, também, de dificuldades foi, ao longo
com todo o ambiente e dos tempos, apresentada
com diferentes designações,
as condições em que se embora equivalentes:
realiza o processo de  Distúrbios de leitura;
ensino/aprendizagem  Legastenia;
da escrita e da leitura.  Dificuldades específicas de
leitura;
  Distúrbios de leitura e escrita;
 Dislexia.

Diferentes tipos Dislexia
A grande variedade de
estudos que se têm
ocupado do tema,
admitem que, através da
denominação dislexia,
existem diferentes
subtipos de dislexia.
Alguns autores referem
que não existe uma
dislexia, mas sim, várias
dislexias, conforme a
causa que lhes está
subjacente.
Diferentes dislexias
 Segundo Grégoire (1997)  Segundo Cuetos (1997)
 

 Dislexia adquirida  Dislexia periférica


 Refere-se a pessoas que liam  Atencional
correctamente e como  Visual
consequência de uma lesão  Letra a letra
cerebral, começaram a
apresentar problemas na  Dislexia Central
leitura.  Fonológica
 Dislexia Evolutiva  Superficial
 Refere-se a alterações da  Semântica
leitura que surgem sem  Profunda
existirem causas aparentes.
Tipos de dislexia, segundo Boder (1971)

Tipos Características

1 – Dislexia Substituições semânticas: “mulher” por


Disfonética “senhora”

2 – Dislexia Inversões de letras e palavras: asla por sala


Diseidética
Combinação de dificuldades do tipo fonético
3 – Dislexia com os de análise e síntese visual
Disfonética
Diseidética
Dislexia Visual – Diseidética, segundo Fonseca (1984)

Dificuldade na interpretação e diferenciação das palavras;

Dificuldade na memorização das palavras;

Confusão na configuração das palavras;

Frequentes inversões, omissões e substituições;

Problemas de comunicação não verbal;

Problemas na grafomotricidade e na visuomotricidade;

Dificuldades na percepção social;

Dificuldades em relacionar a linguagem falada com a linguagem


escrita.
Dislexia Auditiva – Disfonética, segundo Fonseca (1984)

Problemas com sons;

Não associação dos símbolos gráficos com as suas componentes auditivas;

Não relacionação dos fonemas com os monemas (partes e o todo da palavra;

Confusão de sílabas iniciais, intermédias e finais;

Problemas de percepção auditiva;

Problemas de articulação;

Dificuldades em seguir orientações e instruções;

Dificuldades na memorização auditiva;

Problemas de atenção;

Dificuldades de comunicação verbal.


Etiologia da dislexia evolutiva

As hipóteses explicativas podem ser genericamente


organizadas, tal como refere Cruz (1999), segundo
duas abordagens:
 Uma sugere três grupos de pesquisa:
 A tradicional
 Neurobiológica
 Psicolinguística
 E uma outra que se refere à dislexia, segundo o número de
causas que lhe deu origem:
 Causa única
 Causas múltiplas
Características principais da dislexia

Em termos globais, as características das crianças


disléxicas podem-se dividir em dois grandes grupos:

 Características de conduta  Características Escolares


 Afecta o tipo de personalidade  Observam-se basicamente na
do aluno, e faz-se notar nas leitura, na escrita – disgrafia
aulas pela inibição e e disortografia – e, algumas
retraimento, insegurança, vezes, no cálculo.
ansiedade e mesmo pelo
aparecimento de condutas
disruptivas, que muitas
vezes os professores
apontam como causa do
problema, mas que é o
resultado do mesmo.
Sinais de alerta

Crianças entre os 4 e os 6 anos


 Domínio da linguagem
 Domínio da integração perceptivo-motora

Crianças entre os 6 e os 9 anos


 Domínio da linguagem
 Domínio da aprendizagem da leitura
 Domínio da escrita

Crianças com mais de 9 anos


Papel da Escola

 A dislexia pode ser diagnosticada minimizada através de uma


intervenção prematura e de um tratamento adequado.

 Compete à escola:

 Detectar os casos;

 Rodeá-los de compreensão;

 Adoptar atitudes correctas(ensino diferenciado, apoio e motivação);

 Adaptar a avaliação (evitar erros de julgamento, ser baseada mais na
oralidade).
Mitos e realidades

 A dislexia não existe.



 A dislexia verdadeira não existe (5% ou menos).

 Não existe forma de diagnosticar a dislexia.

 A dislexia é um transtorno visual.

 Algumas crianças têm dislexia leve.

 É perigoso diagnosticar uma criança como disléxica.
Obrigado pela atenção