Você está na página 1de 38

TOpico Especial 1: Banco de Dados Geográfico

RESPOSTA

TOpico Especial 1: Banco de Dados Geográfico RESPOSTA FORMA GRÁFICA FORMA ALFANUMÉRICA • Mapa • Tabela
TOpico Especial 1: Banco de Dados Geográfico RESPOSTA FORMA GRÁFICA FORMA ALFANUMÉRICA • Mapa • Tabela

FORMA GRÁFICA

FORMA ALFANUMÉRICA

Mapa

Tabela

Desenho

Relatório

Gráfico

Texto

etc

Arquivo

Banco de Dados

AS RESPOSTAS À TODAS

ESSAS PERGUNTAS, SOMENTE

SERÃO POSSÍVEIS SE O SISTEMA POSSUIR UM BANCO DE

DADOS QUE CONTENHA TODOS OS DADOS NECESSÁRIOS PARA AS MESMAS.

Banco de Dados

AS RESPOSTAS À TODAS

ESSAS PERGUNTAS, SOMENTE

SERÃO POSSÍVEIS SE O SISTEMA POSSUIR UM BANCO DE

DADOS QUE CONTENHA TODOS OS DADOS NECESSÁRIOS PARA AS MESMAS.

“A criação do Banco de Dados é a atividade mais cara, mais problemática e a que consome a maior parte do tempo na implementação de um Sistema de Informa- ções Geográficas(GIS), merecendo portanto atenção especial no projeto e desenvolvimento de um sistema baseado nesta tecnologia.”

Banco de Dados

BASE GRÁFICA

 
Banco de Dados BASE GRÁFICA APLICATIVO APLICATIVO A B BD BD APLICATIVO C BD
Banco de Dados BASE GRÁFICA APLICATIVO APLICATIVO A B BD BD APLICATIVO C BD
Banco de Dados BASE GRÁFICA APLICATIVO APLICATIVO A B BD BD APLICATIVO C BD
   
Banco de Dados BASE GRÁFICA APLICATIVO APLICATIVO A B BD BD APLICATIVO C BD
Banco de Dados BASE GRÁFICA APLICATIVO APLICATIVO A B BD BD APLICATIVO C BD
APLICATIVO APLICATIVO A B
APLICATIVO
APLICATIVO
A
B
BD
BD
BD
BD
Banco de Dados BASE GRÁFICA APLICATIVO APLICATIVO A B BD BD APLICATIVO C BD
APLICATIVO C BD
APLICATIVO
C
BD

Banco de Dados

GIS

BASE DE DADOS

Banco de Dados GIS BASE DE DADOS DADOS GRÁFICOS DADOS NÃO GRÁFICOS

DADOS

GRÁFICOS

Banco de Dados GIS BASE DE DADOS DADOS GRÁFICOS DADOS NÃO GRÁFICOS

DADOS NÃO GRÁFICOS

Banco de Dados

DADOS GRÁFICOS:

São descrições digitais das feições dos mapas, envolvendo coordenadas, regras, símbolos que definem os elementos cartográficos.

PONTOS

LINHAS

POLÍGONOS

ANOTAÇÕES

Banco de Dados

DADOS NÃO GRÁFICOS:

São armazenados em formato alfanumérico e representam características, qualidades ou relacionamentos entre enti- dades presentes no mapa.

ATRIBUTOS NÃO GRÁFICOS DADOS REFERENCIADOS GEOGRAFICAMENTE ÍNDICES GEOGRÁFICOS RELACIONAMENTOS ESPACIAIS

Banco de Dados

RELACIONAMENTO ENTRE DADOS GRÁFICOS E NÃO GRÁFICOS:

Cada software de GIS possui mecanismos próprios para manter o relacionamento entre os dados gráficos e não gráficos, através de identificadores comuns que estabe- lecem essa relação.

Banco de Dados

ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO:

Estratégia 1:

Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 1:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 1:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 1:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 1:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 1:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 1:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 1:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 1:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 1:

Banco de Dados

ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO:

Estratégia 2:

Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 2:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 2:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 2:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 2:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 2:
Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 2:

Banco de Dados

ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO:

Estratégia 3:

Banco de Dados ESTRATÉGIAS DE ARMAZENAMENTO: Estratégia 3:

Banco de Dados

ESTRATÉGIAS 1 / 2:

“LAYERS”

1) ESCOLHA DOS LAYERS 2) DIGITALIZAÇÃO DO LAYER 3) DEFINIÇÃO E CARGA DOS ATRIBUTOS 4) CRIAÇÃO DA TOPOLOGIA

Banco de Dados

ESTRATÉGIA 3:

“OBJETOS”

1) DEFINIÇÃO DOS OBJETOS 2) CRIAÇÃO DO BANCO DE DADOS 3) DIGITALIZAÇÃO DA GEOMETRIA DOS OBJETOS

(A topologia é criada dinamicamente a cada modificação da geometria)

Banco de Dados

SBD: Sistema de Banco de Dados

Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados SGBD DBMS

Aplicativos de Banco de Dados

Banco de Dados

SGBD/DBMS:

Um SGBD(DBMS) consiste numa coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados.

COLEÇÃO

DE

DADOS

Banco de Dados SGBD/DBMS: Um SGBD(DBMS) consiste numa coleção de dados interrelacionados e um conjunto de
BANCO DE DADOS
BANCO
DE
DADOS

Banco de Dados

OBJETIVO DO SGBD:

Propiciar um ambiente eficiente e seguro para armazenar e recuperar dados do Banco de Dados.

Banco de Dados

FUNÇÕES QUE UM SGBD DEVE PROVER:

SEGURANÇA INTEGRIDADE SINCRONIZAÇÃO INDEPENDÊNCIA FÍSICA MINIMIZAÇÃO DA REDUNDÂNCIA

Banco de Dados

MODELOS OPERACIONAIS:

MODELO HIERÁRQUICO

MODELO EM REDE MODELO RELACIONAL

MODELO RELACIONAL

Banco de Dados MODELOS OPERACIONAIS: • MODELO HIERÁRQUICO • MODELO EM REDE • MODELO RELACIONAL MODELO

Explora as propriedades das relações.

Banco de Dados

PROJETO DE BANCO DE DADOS:

É o processo de determinar a organização de um Banco de Dados, incluindo sua estrutura,

conteúdo

e aplicações.

Banco de Dados

PROJETO DE BANCO DE DADOS:

É o processo de determinar a organização de um Banco de Dados, incluindo sua estrutura,

conteúdo

e aplicações.

MODELAGEM DE DADOS:

É uma atividade através da qual se cria um modelo de uma parcela do mundo real.

Banco de Dados

PROJETO DE BANCO DE DADOS:

É o processo de determinar a organização de um Banco de Dados, incluindo sua estrutura,

conteúdo

e aplicações.

MODELAGEM DE DADOS:

É uma atividade através da qual se cria um modelo de uma parcela do mundo real.

MODELO DE DADOS:

É conjunto de ferramentas conceituais para descrição dos dados e seus relacionamentos.

Banco de Dados

MODELO ENTIDADE-RELACIONAMENTO(MER):

ENTIDADE:

“Um objeto que tem existência própria, quando considerado no contexto das atividades da organização”.

“Um objeto sobre o qual nos interessa armaze- nar e recuperar informações ”.

ATRIBUTOS:

“Propriedades ou características de uma enti- dade ou relacionamento”.

RELACIONAMENTO:

“É uma associação, com significado, entre entidades”.

FASES DE CONCEPÇÃO DE UM BANCO DE DADOS

No projeto de banco de dados as informações que comporão o banco de dados são especificadas utilizando-se modelos de dados em diferentes níveis de abstração, iniciando por modelos de alto nível de abstração e refinando-se o modelo até que sejam incorporados detalhes específicos, relacionados ao armazenamento dos dados.

O projeto de banco de dados deve ser dividido em três etapas, nas quais são empregados diferentes tipos de modelos.

CONCEITUAL - LÓGICO - FÍSICO

MUNDO REAL Independe no software. Visão do usuário. Análise dos dados Abstração Relações entre entidades e

MUNDO REAL

Independe no software. Visão do usuário.

Análise dos dados

Abstração

Relações entre entidades e atributos

Projeto Conceitual: Relações

Projeto Lógico

MUNDO REAL Independe no software. Visão do usuário. Análise dos dados Abstração Relações entre entidades e

Baseado no SGBD. BD relacional ou orientado a objeto

Projeto Físico

MUNDO REAL Independe no software. Visão do usuário. Análise dos dados Abstração Relações entre entidades e

Implementação.Estrutura, acesso, armazenamento

Modelagem Banco de Dados Geográfico

O mundo real é muito complexo para o imediato e direto entendimento. Deve-se criar MODELOS com similaridade aos aspectos selecionados do mundo real.

As Base de Dados são criadas a partir desses modelo;

Numa base de dados há separação entre os programas de armazenamento físico dos dados com os programas de aplicação (há independência entre programas e dados).

Organização dos dados Banco de Dados de um SIG

Os dados podem ser armazenados em TABELAS;

Os BD são estruturas que guardam registros de forma integrada ou partilhada;

Os BD opera com dados numéricos e alfa-numérico;

Um BD é um programa que permite ao usuário sua manipulação.

Dados: Ambiente Urbano

ID_RES N_Pessoas

Escolaridade Zona

  • 101 02

S

ZR1

  • 102 03

M

ZR1

  • 103 05

M

ZR3

Vantagens do Uso de Banco de Dados

  • Evita redundância de dados;

  • Manutenção da qualidade e integridade dos dados;

  • Padronização de regras, modelos e padrões;

  • Segurança;

  • Facilidade de Operação.

Construção da Base de Dados do SIG

Identificação das entidades geográficas; dos atributos e das camadas necessárias (modelo conceitual);

Definição dos parâmetros de armazenamento;

Relação das tabelas com a base gráfica: Manipulação dos dados(DBMS).

Modelagem do Banco de Dados

Modelagem de dados Identificação dos Dados Coleta dos Dados Correção de erros Espacialização e armazenamento dos Dados

Modelagem de Processos

Seleção de fenômenos Modelos matemáticos para descrever e simular tais fenômenos.

Exemplos:

modelos de previsão de enchentes, estudos de impacto ambiental

Qualidade dos Dados Digitais

Tipos de Erro

Erro Posicional: Oriundos da digitalização; rede geodésica.

Erro Temático: Conteúdo, atributos Erro Temporal: Desatualização

Qualidade

Dados espaciais originados da digitalização ( manual & automática) reproduzem a qualidade dos dados que lhe deram origem;

Os erros podem ser aumentados durante a conversão de dados;

Testes de acurácia devem ser efetuados para verificar a qualidade da informação.

Qualidade

Mapas do Mapeamento sistemático possuem os seguintes erros posicionais:

Escala

Acurácia desejada

Acurácia observada

1:

10.000

5,0 m

10 m

1:

25.000

12,5

25

1: 50.000

25

50

1:100.000

50

100

Outras fontes de erros da BD:

Generalização da informação;

Mau uso da lógica;

Erros matemáticos.

Exercício:

Suponha que dentro da sua área de atuação faz-se necessário a implementação de um SIG. Especifique quais as etapas a serem recorridas para a consecução do sistema (modelo conceitual,coleta de dados, software/harware,entrada dos

dados

).

.... Apresente fluxograma.