Você está na página 1de 15

Amor é um fogo …

Luís Vaz de Camões 


Amor é um fogo que arde sem se ver,
É ferida que dói, e não se sente;

É um contentamento descontente,

É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;


É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;


É servir a quem vence, o vencedor;

É ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor


Nos corações humanos amizade,

Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

 Luís Vaz de Camões 



O que é que o sujeito poético pretende com


este soneto?

  
Qual é a palavra / elemento lexical que nos
transmite a impressão de definição?

  


  
Amor, s.m. Afeição profunda de uma
pessoa a outra.
 

O que é se procura nesta definição:


a objectividade ou a subjectividade?


Numa definição procura-se a objectividade ,
o consenso, o sentido denotativo.

Foi isso que fez o sujeito poético?



elementos identificados com o AMOR:

 Amor é:

o um fogo que arde


o ferida que dói
o um contentamento
o dor
o um não querer mais
o um andar solitário
o um nunca contentar-se
o um cuidar que ganha
o querer estar preso
o servir a quem vence
o ter lealdade

 Qual é a figura de estilo que subjaz a toda
esta enumeração?

Qual é a importância deste recurso
estilístico na construção do soneto?

É mais expressivo dizer:


 “O Amor é como um fogo”?


 Ou

 “Amor é fogo”?


 Amor é: 


 um fogo que arde
 ferida que dói 
 um contentamento Trata-se de um
 dor entendimento
 um não querer mais
 um andar solitário
original do
 um nunca contentar-se
amor?
 um cuidar que ganha
 querer estar preso
 servir a quem vence
 ter lealdade

 Como é que se consegue inovar?

 O poeta desenvolve a definição de Amor através


de um pensamento antitético. A antítese é
uma figura de estilo pela qual se aproximam
dois pensamentos de sentido contrário (triste
e leda, branco e preto, dia e noite).
 

 O oxímoro (oxy – agudamente + morós -


néscio) consiste na fusão num só enunciado
de dois pensamentos que se excluem
mutuamente. Espécie de antítese concentrada
ou reforçada (ex. ilustre desconhecido)
(expressão de um paradoxo)
Fogo que arde Manifestação Invisível Sem se ver

Ferida que dói Sofrimento Insensível E não se sente

Contentamento Felicidade Infeliz Descontente

Dor que desatina Sofrimento Indolor Sem doer

Não querer mais Humildade Ambiciosa De bem querer

Andar solitário Isolamento Acompanhado Entre a gente

Nunca contentar-se Insatisfação Satisfeita De contente

Cuidar que ganha ilusão Frustrada/ desfeita Em se perder

Querer estar preso liberdade Limitada Por vontade

É o vencedor servir Devoção/ dedicação Imerecida A quem vence

Ter lealdade fidelidade Traída Com quem nos mata


Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?


“Mas” –a conjunção adversativa provoca um corte com o que
anteriormente foi dito.
 

1ª parte: definição do Amor | 2ª parte: chave de ouro –


conclusão.
  

1ª quadra : sentimento - deseja explicitar o amor enquanto


sentimento
 Nomes concretos / nomes abstractos {estatismo}
2ª quadra : ponto de vista de quem ama - amador
 Infinitivos substantivados{dinamismo}
1º terceto: relação (subentendida) entre duas pessoas:
 está-se preso a alguém
 serve-se um vencido
 é-se leal a quem nos mata
2º terceto: complexidade do AMOR – SENTIMENTO CONTRáRIO A SI
MESMO
  

 um (artigo indefinido)  parte, diversidade

mesmo  todo, unidade


Plano morfológico

Amor é um fogo que arde


sem se ver,
É ferida que dói, e não se Princípio e fim: Amor
sente;
É um contentamento
Repetições:
descontente, Amor – 2 vezes
É dor que desatina sem doer.


É – vezes
É um não querer mais que Que – 5
bem querer;
É um andar solitário entre a
Um- 5
gente; É – 12 vezes
É nunca contentar-se de

contente; Relação um /
É um cuidar que ganha em se mesmo
perder.

coincidentia
É querer estar preso por oppositorum
vontade;
É servir a quem vence, o

vencedor;
É ter com quem nos mata,

lealdade.

Mas como causar pode seu


favor
Plano Fonológico

Amor é um fogo que arde sem


se ver, A m o r é u m fo g o q u e a rd e
É ferida que dói, e não se se m se ve r,
sente; É fe rid a q u e d ó i, e n ã o se
É um contentamento se n te ;
descontente, É u m co n te n ta m e n to
É dor que desatina sem doer. d e sco n te n te ,
 É d o r q u e d e sa tin a se m d o e r.
É um não querer mais que
bem querer; É u m n ã o q u e re r m a is que
É um andar solitário entre a b e m q u e re r;
gente; É u m a n d a r so litá rio e n tre a
É nunca contentar-se de g e n te ;
contente; É n u n ca co n te n ta r-se de
É um cuidar que ganha em se co n te n te ;
perder. É u m cu id a r q u e g a n h a e m
 se perder .
É querer estar preso por
vontade; É q u e re r e sta r p re so p o r
É servir a quem vence, o vo n ta d e ;
vencedor; É se rvir a q u e m ve n ce , o
É ter com quem nos mata, ve n c e d o r;
lealdade. É te r co m q u e m n o s m a ta ,
 le a ld a d e .
Mas como causar pode seu

favor M a s como causar pode se u


« Odi et amo ,
quare id faciam ,
fortasse requiris
Nescio , sed fieri sentio et
excrucior »
Catulo

 Odeio e amo,
 porquê,
 perguntar-me-ás
 Não o sei, mas é assim
que o sinto e sofro).