Você está na página 1de 16

Princípios Fundamentais

• A existência do espírito e sua sobrevivência após o desencarne;

• as reencarnações sucessivas; • a comunicabilidade e relacionamento entre espíritos encarnados e desencarnados; a lei da causa e efeito; • pluralidade dos mundos habitados; • a lei da evolução.

• Aclara-nos o espiritismo que a evolução, graças a lei da justiça, é constante, pois nada melhor do que sentir em nós as dores que afligimos a outrem, para aprendermos a lição e retificarmos nossos passos.

• Não possuímos ainda a inteligência suscetível de compreender a grandeza do Pai, esclarece-nos o Espiritismo, mas trazemos o coração capaz de aprender a senti-Lhe o amor.

• Revela-nos que o espírita é o cristão redivivo, envolvendo-nos, portanto, na inadiável obrigação de socorro ao mundo.

• O Espiritismo é a revivência do Evangelho, atuando novamente entre os homens, com toda pureza de sua origem:

• É um corpo de princípios morais, objetivando a libertação da alma humana para a Vida Maior;

• trata-se daquele Consolador prometido, enfeixando nova e bendita oportunidade de redenção.

A universalidade do ensino dos Espíritos

• A garantia do ensino dos Espíritos está na concordância existente entre as revelações feitas, espontaneamente, por meio de um grande número de médiuns estranhos uns aos outros, em diversas regiões.

• A Doutrina é uma concepção da Vida Maior, se assim não fosse teria apenas por garantia as luzes daquele que a concebeu, é o que lemos na Introdução segundo o Espiritismo.

• Para isso a Nova Revelação se manifestou de um pólo a outro, manifestando-se em toda parte sem a ninguém outorgar o privilégio exclusivo de ouvir a sua palavra.

• Há sensatez, claridade e inteligência nas manifestações espíritas, pois quando não se julgam suficientemente esclarecidos sobre uma questão, não a resolvem nunca de modo absoluto, e declaram tratá-la apenas sob o seu ponto de vista, aconselhando mesmo que se aguarde uma confirmação.

• A opinião universal é o juiz supremo que se pronuncia em última instância e que se constitui de todas as opiniões individuais.

As transformações históricas do Cristianismo

Na história do Cristianismo vamos encontrar em suas origens figuras de homens humildes, grosseiros e que tinham consciência da submissão política de sua época. Quietos, mas vigilantes à espera Daquele que os haveria de recrutá-los.

Heróis na medida que entenderam que ao segui- Lo estavam deixando para trás toda uma vida e uma concepção política e religiosa de sua sociedade.

• Tinham medo e viviam em profundos conflitos sobre a grande Novidade que se afigurava diante de seus olhos, mas ardente em seus corações.

• Sentiam-se inseguros

...

e,

na grande noite

de sua tempestuosa solidão, Pedro, o negou por três vezes em seguida e, chorou amargamente!

• Ali, naquele momento, reconheceu o seu lugar e o Dele na redenção da humanidade.

• Após os primeiros encontros, depois da morte brutal de Jesus, os homens que o seguiam passaram por muitas transformações e não conseguiram deixar vivo o que era de maior Unidade entre eles: o Amor a Deus por meio de Jesus.

• Deixaram o culto de Amor e Caridade pelos rituais exteriores e sem sentido.

• Após a instituição do culto aos santos surgiram os primeiros altares e paramentos.

• Fanatizou-se o povo impondo-lhes idéias e concepções em vez de educarem as almas nas lições de Jesus.

• Sintonizaram-se com as solenidades exteriores, pelo culto fácil e exterior.

• Dogma da Trindade.

• O surgimento dos Dogmas, a partir dos anos 325, no Concílio de Nicéia, alijou o homem do contato com o seu Criador, despovoou a mente do homem da intimidade com o seu Criador e ele passou a recitar fórmulas, a pagar indulgências reclamando o seu lugar no paraíso, no mais completo estado de apatia diante de sua existência.

• Cultos às imagens • Latim nos rituais • Canonização • Confissão auricular • Adoração da hóstia • Celibato sacerdotal

• “ Meu objetivo foi mostra-vos a inexistência do selo divino nas

Instituições”

....

“toda a força da igreja vem

de sua organização política”

“ao lado

... dos poucos bens que espalhou está o

peso esmagador das suas muitas iniquidades”, como diz Emmanuel.

(Emmanuel, psicografado por Francisco Cândido Xavier, 11ª ed., 1986.)

Espiritismo

• A Doutrina Espírita é a alavanca para o progresso moral da humanidade.

• Ela levará o homem à conversão absoluta ao seu Deus e ao Amor de Jesus.