Você está na página 1de 43

Trabalho realizado por:

Mónica Sousa nº14 Catarina Fernandes nº4 Helena Caldas nº 10 Inês Dantas nº9 Turma: B

Ano:12º

Trabalho realizado por: Mónica Sousa nº14 Catarina Fernandes nº4 Helena Caldas nº 10 Inês Dantas nº9
Trabalho realizado por: Mónica Sousa nº14 Catarina Fernandes nº4 Helena Caldas nº 10 Inês Dantas nº9

Sermão de Santo António aos peixes

Trabalho realizado por: Mónica Sousa nº14 Catarina Fernandes nº4 Helena Caldas nº 10 Inês Dantas nº9
Trabalho realizado por: Mónica Sousa nº14 Catarina Fernandes nº4 Helena Caldas nº 10 Inês Dantas nº9
Trabalho realizado por: Mónica Sousa nº14 Catarina Fernandes nº4 Helena Caldas nº 10 Inês Dantas nº9
Trabalho realizado por: Mónica Sousa nº14 Catarina Fernandes nº4 Helena Caldas nº 10 Inês Dantas nº9
História Sermão de S.António aos Peixes Foi pregado no dia 13 de Junho de 1654, na
História
Sermão de S.António aos Peixes
Foi pregado no dia 13 de Junho de 1654, na cidade
de S.Luís do Maranhão, três dias antes de Padre
António Vieira partir ocultamente para Portugal,
para denunciar o modo como os índios estavam
a ser tratados pelo colonos portugueses.
Título: Sermão de S António aos Peixes • Homenagem ao Sto. António (pregado no dia de
Título: Sermão de S António aos Peixes
• Homenagem ao Sto. António (pregado no dia de
Santo António);
• Segue o exemplo do sermão de Santo António
(santo português que também pregou aos peixes);
•Era
dirigido
aos
peixes
porque
as
pessoas
não
queriam
ouvir o
pregador.
•Os peixes era melhores ouvintes, pois apesar de não terem ouvidos,
ouvem mais que os homens.
• Tal como Sto. António tenta converter os hereges,
também Padre António Vieira tenta fazer isso com
os colonos portugueses no Brasil.
Objetivos  Conduzir à reflexão;  Persuadir os homens para que se emendem e tomem o
Objetivos
 Conduzir à reflexão;
 Persuadir os homens para que se emendem e
tomem o caminho da fé;
Divisão do sermão  Louvores aos peixes  Criticas aos peixes “(…), dividirei, peixes, o vosso
Divisão do sermão
 Louvores aos peixes
 Criticas aos peixes
“(…), dividirei, peixes, o vosso sermão em dois
pontos: no primeiro louvar-vos-ei as vossas
atitudes, no segundo repreender-vos-ei os vossos
vícios.”

Divisão do sermão

Estrutura interna

Exórdio – Capitulo I Exposição/Confirmação – Capitulo II a V Peroração – Capitulo VI

Divisão do sermão Estrutura interna  Exórdio – Capitulo I  Exposição/Confirmação – Capitulo II a
Divisão do sermão Estrutura interna  Exórdio – Capitulo I  Exposição/Confirmação – Capitulo II a
Divisão do sermão Estrutura interna  Exórdio – Capitulo I  Exposição/Confirmação – Capitulo II a
Divisão do sermão Estrutura interna  Exórdio – Capitulo I  Exposição/Confirmação – Capitulo II a
Divisão do sermão Estrutura interna  Exórdio – Capitulo I  Exposição/Confirmação – Capitulo II a
Divisão do sermão Estrutura interna  Exórdio – Capitulo I  Exposição/Confirmação – Capitulo II a
Divisão do sermão Estrutura interna  Exórdio – Capitulo I  Exposição/Confirmação – Capitulo II a
Exórdio Capitulo I  O sermão inicia-se com o conceito predicável. “Vos estis sal terrae” 
Exórdio
Capitulo I
O sermão inicia-se com o conceito predicável.
“Vos estis sal terrae”
 É feita uma analogia entre a função que
o sal tem na terra e a função dos
pregadores, pois estes têm na terra a
mesma função que o sal.
Sal Pregadores Função Impedir a corrupção; É porque: Mas quando a terra (ouvintes) se vê tão
Sal
Pregadores
Função
Impedir a corrupção;
É porque:
Mas quando a terra
(ouvintes) se vê tão
corrupta.
“O sal não salga”
Isto é o pregadores
não cumprem
“ A terra não se deixa
salgar”
Isto é os ouvintes não
seguem a doutrina
O que se há-de fazer ? Ao sal Á terra (pregadores) (ouvintes) “lança-lo fora como inútil
O que se há-de fazer ?
Ao sal
Á terra
(pregadores)
(ouvintes)
“lança-lo fora como
inútil para que seja
pisado por todos”
“à imitação de Santo
António (…) pregar
aos peixes
Peixes Referidos  Peixe de Tobias;  Peixe Rémora;  Peixe Torpedo;  Peixe de Quatro-olhos;
Peixes Referidos
 Peixe de Tobias;
 Peixe Rémora;
 Peixe Torpedo;
 Peixe de Quatro-olhos;
 Peixes
elogiados
 Peixes Roncadores;
 Peixes Pegadores;
 Peixes Voadores;
 Polvo;
X Peixes
repreendido
s
Exposição Capítulo II Louvores que dependem sobretudo de Deus Louvores naturais dos peixes • Foram as
Exposição
Capítulo II
Louvores que dependem
sobretudo de Deus
Louvores naturais dos peixes
• Foram as primeiras criaturas
criadas por Deus;
• Não se domam;
• Não se domesticam;
• Foram as primeiras criaturas
nomeadas pelo homem;
• Escaparam todos do dilúvio
porque não tinham pecado;
• São os mais numerosos e os
maiores;
• Obediência, quietação,
atenção, respeito e devoção com
que ouviram a pregação de
santo António;
Alegoria S. António utiliza alegorias para criticar a sociedade da sua época. Figura de estilo que
Alegoria
S. António utiliza alegorias para criticar a sociedade da
sua época.
Figura de estilo que consiste na
apresentação de metáforas ou
comparações que servem para concretizar
um pensamento ou uma realidade
abstrata. (sal – doutrina, terra –
ouvintes/auditório
Os peixes são metáfora dos homens, as suas virtudes
são por contraste metáfora dos defeitos dos homens e
os seus vícios são diretamente metáfora dos vícios dos
homens.
Os peixes devem manter-se longe dos Homens pois caso contrário sofrerão consequências. Mostra-se que aqueles que
Os peixes devem manter-se longe dos Homens pois
caso contrário sofrerão consequências. Mostra-se
que aqueles que convivem com os homens foram
castigados, estão domados e domesticados, sem
liberdade.
Rémora “…tão pequeno no corpo e tão grande na força e no poder, que, não sendo
Rémora
“…tão pequeno no corpo e tão grande na força e
no poder, que, não sendo maior de um palmo,
se se pega ao leme de uma nau da Índia(…)
aprende e amarra mais que as mesmas
âncoras”
Exposição Capítulo III Peixe de Tobias Rémora Torpedo Quatro-olhos VIRTUDES - O fel sara a cegueira.
Exposição
Capítulo III
Peixe de
Tobias
Rémora
Torpedo
Quatro-olhos
VIRTUDES
- O fel sara a
cegueira.
- O coração lança
fora os demónios.
- Pequena no
corpo.
- Grande na força e
no poder.
- Energia.
- Dois olhos olham
p/cima
- Dois olhos olham
p/baixo.
EFEITOS
- Curou a cegueira
do pai de Tobias.
- Lançou fora os
demónios de sua
casa.
- Pega-se ao leme
de uma nau.
- Impede que ela
avance.
- Faz tremer o
braço do pescador.
- Impede que o
pesquem.
-
Defende-se dos
outros peixes.
-
Defende-se das
aves.
COMPARAÇÃO
Sto. António
- Abria a boca
contra os hereges.
- Curava a
cegueira.
- Lançava fora os
demónios.
Sto. António
- A língua de Sto.
António domou as
paixões humanas.
Sto. António
- 22 pescadores
tremeram ao ouvir
as palavras de Sto.
António e
converteram-se.
Pregador
- O peixe ensinou o
pregador a olhar
para cima (Céu) e
para baixo
(Inferno).
Torpedo “está o pescador com uma cana na mão, o anzol no fundo e a boia
Torpedo
“está o pescador com uma cana na mão, o anzol
no fundo e a boia sobre a água, e em lhe
picando na isca o Torpedo, começa a lhe tremer
o braço. Pode haver maior , mais breve e mais
admirável efeito?”
Exposição Capítulo III Peixe de Tobias Rémora Torpedo Quatro-olhos VIRTUDES - O fel sara a cegueira.
Exposição
Capítulo III
Peixe de
Tobias
Rémora
Torpedo
Quatro-olhos
VIRTUDES
- O fel sara a
cegueira.
- O coração lança
fora os demónios.
- Pequena no
corpo.
- Grande na força e
no poder.
- Energia.
- Dois olhos olham
p/cima
- Dois olhos olham
p/baixo.
EFEITOS
- Curou a cegueira
do pai de Tobias.
- Lançou fora os
demónios de sua
casa.
- Pega-se ao leme
de uma nau.
- Impede que ela
avance.
- Faz tremer o
braço do pescador.
- Impede que o
pesquem.
-
Defende-se dos
outros peixes.
-
Defende-se das
aves.
COMPARAÇÃO
Sto. António
- Abria a boca
contra os hereges.
- Curava a
cegueira.
- Lançava fora os
demónios.
Sto. António
- A língua de Sto.
António domou as
paixões humanas.
Sto. António
- 22 pescadores
tremeram ao ouvir
as palavras de Sto.
António e
converteram-se.
Pregador
- O peixe ensinou o
pregador a olhar
para cima (Céu) e
para baixo
(Inferno).
Quatro-olhos “…e como tem inimigos no mar e inimigos no ar, dobrou-lhes a natureza as sentinelas
Quatro-olhos
“…e como tem inimigos no mar e inimigos no ar,
dobrou-lhes a natureza as sentinelas e deu-lhes
dois olhos, que diretamente olhassem para
cima, para se vigiarem das aves, e outros dois
que diretamente olhassem para baixo para se
vigiarem dos peixes. ”
Exposição Capítulo III Peixe de Tobias Rémora Torpedo Quatro-olhos VIRTUDES - O fel sara a cegueira.
Exposição
Capítulo III
Peixe de
Tobias
Rémora
Torpedo
Quatro-olhos
VIRTUDES
- O fel sara a
cegueira.
- O coração lança
fora os demónios.
- Pequena no
corpo.
- Grande na força e
no poder.
- Energia.
- Dois olhos olham
p/cima
- Dois olhos olham
p/baixo.
EFEITOS
- Curou a cegueira
do pai de Tobias.
- Lançou fora os
demónios de sua
casa.
- Pega-se ao leme
de uma nau.
- Impede que ela
avance.
- Faz tremer o
braço do pescador.
- Impede que o
pesquem.
-
Defende-se dos
outros peixes.
-
Defende-se das
aves.
COMPARAÇÃO
Sto. António
- Abria a boca
contra os hereges.
- Curava a
cegueira.
- Lançava fora os
demónios.
Sto. António
- A língua de Sto.
António domou as
paixões humanas.
Sto. António
- 22 pescadores
tremeram ao ouvir
as palavras de Sto.
António e
converteram-se.
Pregador
- O peixe ensinou o
pregador a olhar
para cima (Céu) e
para baixo
(Inferno).
Peixe de Tobias “Aquele santo peixe de Tobias, a quem o texto “o fel sagrado era
Peixe de Tobias
“Aquele santo peixe de Tobias, a quem o texto
“o fel sagrado era bom não para dá outro sarar da nome, cegueira que de e o grande, coração
para como lançar verdadeiramente fora os demónios…” o foi nas e “Um virtudes peixe de
interiores, tão bom coração em que só e de consiste tão proveitoso a verdadeira fel”
grandeza.”
Exposição Capítulo III Peixe de Tobias Rémora Torpedo Quatro-olhos VIRTUDES - O fel sara a cegueira.
Exposição
Capítulo III
Peixe de
Tobias
Rémora
Torpedo
Quatro-olhos
VIRTUDES
- O fel sara a
cegueira.
- O coração lança
fora os demónios.
- Pequena no
corpo.
- Grande na força e
no poder.
- Energia.
- Dois olhos olham
p/cima
- Dois olhos olham
p/baixo.
EFEITOS
- Curou a cegueira
do pai de Tobias.
- Lançou fora os
demónios de sua
casa.
- Pega-se ao leme
de uma nau.
- Impede que ela
avance.
- Faz tremer o
braço do pescador.
- Impede que o
pesquem.
-
Defende-se dos
outros peixes.
-
Defende-se das
aves.
COMPARAÇÃO
Sto. António
- Abria a boca
contra os hereges.
- Curava a
cegueira.
- Lançava fora os
demónios.
Sto. António
- A língua de Sto.
António domou as
paixões humanas.
Sto. António
- 22 pescadores
tremeram ao ouvir
as palavras de Sto.
António e
converteram-se.
Pregador
- O peixe ensinou o
pregador a olhar
para cima (Céu) e
para baixo
(Inferno).
Confirmação Capítulo III "Antes, porém, que vos vades, assim como ouvistes os vossos louvores, ouvi também
Confirmação
Capítulo III
"Antes, porém, que vos vades, assim
como ouvistes os vossos louvores, ouvi
também agora as vossas repreensões."
Confirmação Capítulo IV 1ª Repreensão: Os peixes “comem-se” uns aos outros – Os homens “comem-se” uns
Confirmação
Capítulo IV
1ª Repreensão: Os peixes “comem-se” uns aos outros –
Os homens “comem-se” uns aos outros. – “VÓS COMEIS
UNS AOS OUTROS”
 Os peixes/homens comem-se uns aos outros;
 Os peixes/homens maiores comem os mais pequenos;
Confirmação Capítulo IV 2ª Repreensão: A ignorância dos peixes/A ignorância e cegueira dos homens – “NOTÁVEL
Confirmação
Capítulo IV
2ª Repreensão: A ignorância dos peixes/A ignorância e
cegueira dos homens – “NOTÁVEL IGNORÂNCIA E CEGUEIRA”
Roncadores “É possível que sendo vós uns peixinhos tão pequenos, haveis de ser as roncas do
Roncadores
“É possível que sendo vós uns peixinhos
tão pequenos, haveis de ser as roncas
do mar?”
Confirmação Capítulo V Peixes Os Roncadores Defeitos Argumentos Soberba Pequenos mas muita língua; facilmente pescados orgulho
Confirmação
Capítulo V
Peixes
Os Roncadores
Defeitos
Argumentos
Soberba
Pequenos mas muita língua; facilmente
pescados
orgulho
os peixes grandes têm pouca língua
Os Pegadores
muita arrogância, pouca firmeza
Vivem na dependência dos grandes,
morrem com eles
Parasitismo
Os Voadores
os grandes morrem porque comeram,
os pequenos morrem sem terem
comido
Foram criados peixes e não aves
Presunção
ambição
são pescados como peixes e caçados
como aves
O Polvo
Traição
morrem queimados
Ataca sempre de emboscada porque se
disfarça
Confirmação Capítulo V Peixes Santo António • Tendo tanto saber e tanto poder, Os Roncadores: soberbos
Confirmação
Capítulo V
Peixes
Santo António
• Tendo tanto saber e tanto poder,
Os Roncadores: soberbos e
orgulhosos, facilmente pescados
não
se orgulhou
disso, antes
se
calou.
• Não
foi
abatido, mas a
sua voz
ficou para sempre
Os Pegadores: parasitas,
aduladores, pescados com os
grandes
•Pegou-se
com
Cristo
a
Deus
e
tornou-se imortal
•Tinha duas asas: a sabedoria
natural e a sabedoria sobrenatural.
Os Voadores: ambiciosos e
presunçosos
•Não
as
usou
por
ambição;
foi
considerado leigo
e
sem
ciência,
mas tornou-se sábio para sempre
O Polvo: traidor
•Foi o maior exemplo da candura,
da sinceridade e verdade, onde
nunca houve mentira
Pegadores “Pegadores se chamam estes de que agora falo, e com grande propriedade, porque sendo pequenos,
Pegadores
“Pegadores se chamam estes de que agora falo, e
com grande propriedade, porque sendo
pequenos, não só se chegam a outros maiores,
mas de tal sorte se lhe pegam aos costados,
que jamais os desferram”
Confirmação Capítulo V Peixes Os Roncadores Defeitos Argumentos Soberba Pequenos mas muita língua; facilmente pescados orgulho
Confirmação
Capítulo V
Peixes
Os Roncadores
Defeitos
Argumentos
Soberba
Pequenos mas muita língua; facilmente
pescados
orgulho
os peixes grandes têm pouca língua
Os Pegadores
muita arrogância, pouca firmeza
Vivem na dependência dos grandes,
morrem com eles
Parasitismo
Os Voadores
os grandes morrem porque comeram,
os pequenos morrem sem terem
comido
Foram criados peixes e não aves
Presunção
ambição
são pescados como peixes e caçados
como aves
O Polvo
Traição
morrem queimados
Ataca sempre de emboscada porque se
disfarça
Confirmação Capítulo V Peixes Santo António • Tendo tanto saber e tanto poder, Os Roncadores: soberbos
Confirmação
Capítulo V
Peixes
Santo António
• Tendo tanto saber e tanto poder,
Os Roncadores: soberbos e
orgulhosos, facilmente pescados
não
se orgulhou
disso, antes
se
calou.
• Não
foi
abatido, mas a
sua voz
ficou para sempre
Os Pegadores: parasitas,
aduladores, pescados com os
grandes
•Pegou-se
com
Cristo
a
Deus
e
tornou-se imortal
•Tinha duas asas: a sabedoria
natural e a sabedoria sobrenatural.
Os Voadores: ambiciosos e
presunçosos
•Não
as
usou
por
ambição;
foi
considerado leigo
e
sem
ciência,
mas tornou-se sábio para sempre
O Polvo: traidor
•Foi o maior exemplo da candura,
da sinceridade e verdade, onde
nunca houve mentira
Voadores “Dizei-me, voadores, não vos fez Deus para peixes? Pois porque vos meteis a ser aves?
Voadores
“Dizei-me, voadores, não vos fez Deus
para peixes? Pois porque vos meteis a
ser aves? (…) Contentai-vos com o mar
e com o nadar, e não queirais voar, pois
sois peixes”
Confirmação Capítulo V Peixes Os Roncadores Defeitos Argumentos Soberba Pequenos mas muita língua; facilmente pescados orgulho
Confirmação
Capítulo V
Peixes
Os Roncadores
Defeitos
Argumentos
Soberba
Pequenos mas muita língua; facilmente
pescados
orgulho
os peixes grandes têm pouca língua
Os Pegadores
muita arrogância, pouca firmeza
Vivem na dependência dos grandes,
morrem com eles
Parasitismo
Os Voadores
os grandes morrem porque comeram,
os pequenos morrem sem terem
comido
Foram criados peixes e não aves
Presunção
ambição
são pescados como peixes e caçados
como aves
O Polvo
Traição
morrem queimados
Ataca sempre de emboscada porque se
disfarça
Confirmação Capítulo V Peixes Santo António • Tendo tanto saber e tanto poder, Os Roncadores: soberbos
Confirmação
Capítulo V
Peixes
Santo António
• Tendo tanto saber e tanto poder,
Os Roncadores: soberbos e
orgulhosos, facilmente pescados
não
se orgulhou
disso, antes
se
calou.
• Não
foi
abatido, mas a
sua voz
ficou para sempre
Os Pegadores: parasitas,
aduladores, pescados com os
grandes
•Pegou-se
com
Cristo
a
Deus
e
tornou-se imortal
•Tinha duas asas: a sabedoria
natural e a sabedoria sobrenatural.
Os Voadores: ambiciosos e
presunçosos
•Não
as
usou
por
ambição;
foi
considerado leigo
e
sem
ciência,
mas tornou-se sábio para sempre
O Polvo: traidor
•Foi o maior exemplo da candura,
da sinceridade e verdade, onde
nunca houve mentira
O polvo  “E debaixo desta aparência tão modesta, ou desta hipocrisia tão santa(…) o dito
O polvo
 “E debaixo desta aparência tão
modesta, ou desta hipocrisia tão
santa(…) o dito polvo é o maior traidor
domar “
Confirmação Capítulo V Peixes Os Roncadores Defeitos Argumentos Soberba Pequenos mas muita língua; facilmente pescados orgulho
Confirmação
Capítulo V
Peixes
Os Roncadores
Defeitos
Argumentos
Soberba
Pequenos mas muita língua; facilmente
pescados
orgulho
os peixes grandes têm pouca língua
Os Pegadores
muita arrogância, pouca firmeza
Vivem na dependência dos grandes,
morrem com eles
Parasitismo
Os Voadores
os grandes morrem porque comeram,
os pequenos morrem sem terem
comido
Foram criados peixes e não aves
Presunção
ambição
são pescados como peixes e caçados
como aves
O Polvo
Traição
morrem queimados
Ataca sempre de emboscada porque se
disfarça
Confirmação Capítulo V Peixes Santo António • Tendo tanto saber e tanto poder, Os Roncadores: soberbos
Confirmação
Capítulo V
Peixes
Santo António
• Tendo tanto saber e tanto poder,
Os Roncadores: soberbos e
orgulhosos, facilmente pescados
não
se orgulhou
disso, antes
se
calou.
• Não
foi
abatido, mas a
sua voz
ficou para sempre
Os Pegadores: parasitas,
aduladores, pescados com os
grandes
•Pegou-se
com
Cristo
a
Deus
e
tornou-se imortal
•Tinha duas asas: a sabedoria
natural e a sabedoria sobrenatural.
Os Voadores: ambiciosos e
presunçosos
•Não
as
usou
por
ambição;
foi
considerado leigo
e
sem
ciência,
mas tornou-se sábio para sempre
O Polvo: traidor
•Foi o maior exemplo da candura,
da sinceridade e verdade, onde
nunca houve mentira
Peroração Capítulo VI "Com esta última advertência vos despido, ou me despido de vós, meus peixes.
Peroração
Capítulo VI
"Com esta última advertência vos despido, ou me
despido de vós, meus peixes. E para que vades
consolados do sermão, que não sei quando ouvireis
outro, quero-vos aliviar de uma desconsolação mui
antiga, com que todos ficastes desde o tempo em que
se publicou o Levítico."
Peroração  É a conclusão do discurso cujo orador, em síntese de argumentação tenta despertar no
Peroração
 É
a
conclusão do discurso cujo orador, em
síntese de argumentação tenta despertar no
auditório determinados sentimentos ou
atitudes que decorrem da exposição anterior.
Aqui, o orador exalta os peixes e retrata-se
como pecador para atingir toda a humanidade.
 Estabelece assim a entoação final para que as
pessoas sigam o caminho do bem, apelando
à conversão.
Peroração  É um sermão ousado, mas também belo pelo seu poder descritivo, pela ironia, pelo
Peroração
 É um sermão ousado, mas também belo pelo
seu poder descritivo, pela ironia, pelo
sarcasmo, pela audácia crítica das suas
afirmações e pela sua simbologia.

Recursos de Estilo utilizados

A antítese Céu/ inferno, que repete semanticamente a antítese bem/mal, está ligada quer à divisão do Sermão em duas partes, quer às duas finalidades globais do mesmo.

A apóstrofe refere directamente o destinatário da mensagem e do pregador, aproximando os dois pólos da comunicação: emissor e receptor.

A interrogação retórica como meio de convencer os ouvintes.

Recursos de Estilo utilizados  A antítese Céu/ inferno , que repete semanticamente a antítese bem/mal
Recursos de Estilo utilizados  A antítese Céu/ inferno , que repete semanticamente a antítese bem/mal
Recursos de Estilo utilizados  A antítese Céu/ inferno , que repete semanticamente a antítese bem/mal
Recursos de Estilo utilizados  A antítese Céu/ inferno , que repete semanticamente a antítese bem/mal
Recursos de Estilo utilizados  A antítese Céu/ inferno , que repete semanticamente a antítese bem/mal
Recursos de Estilo utilizados  A antítese Céu/ inferno , que repete semanticamente a antítese bem/mal
Recursos de Estilo utilizados  A antítese Céu/ inferno , que repete semanticamente a antítese bem/mal

Recursos de Estilo utilizados

A personificação dos peixes associada à apóstrofe e às atitudes dos mesmos.

A gradação crescente na enumeração dos animais que vivem próximos dos homens mas presos.

A comparação, "como peixes na água", tem o carácter de um provérbio que significa viver livremente.

Recursos de Estilo utilizados  A personificação dos peixes associada à apóstrofe e às atitudes dos
Recursos de Estilo utilizados  A personificação dos peixes associada à apóstrofe e às atitudes dos
Recursos de Estilo utilizados  A personificação dos peixes associada à apóstrofe e às atitudes dos
Recursos de Estilo utilizados  A personificação dos peixes associada à apóstrofe e às atitudes dos
Recursos de Estilo utilizados  A personificação dos peixes associada à apóstrofe e às atitudes dos
Recursos de Estilo utilizados  A personificação dos peixes associada à apóstrofe e às atitudes dos
Recursos de Estilo utilizados  A personificação dos peixes associada à apóstrofe e às atitudes dos
Lenda de Tobias  No Sermão de Santo António aos Peixes, o Padre António Vieira conta
Lenda de Tobias
 No Sermão de Santo António aos Peixes, o Padre
António Vieira conta a história do peixe de Tobias,
lembrando como o pai Tobite "cobrou inteiramente a
vista" e como "tendo um demónio chamado
Asmodeu morto sete maridos a Sara, casou com ela
o mesmo Tobias".
Fim
Fim

Interesses relacionados