Você está na página 1de 69

Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

ESTRUTURA CRISTALINA

1
ARRANJAMENTO ATÔMICO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Por quê estudar?


 As propriedades de alguns materiais estão diretamente
associadas à sua estrutura cristalina (ex: magnésio e berílio
que têm a mesma estrutura se deformam muito menos que
ouro e prata que têm outra estrutura cristalina)
 Explica a diferença significativa nas propriedades de
materiais cristalinos e não cristalinos de mesma composição
(materiais cerâmicos e poliméricos não-cristalinos tendem a
ser opticamente transparentes enquanto cristalinos não)

2
ARRANJAMENTO ATÔMICO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Os materiais sólidos podem ser classificados de


acordo com a regularidade na qual os átomos ou
íons se dispoem em relação à seus vizinhos.
 Material cristalino é aquele no qual os átomos
encontram-se ordenados sobre longas distâncias
atômicas formando uma estrutura tridimensional
que se chama de rede cristalina
 Todos os metais, muitas cerâmicas e alguns
polímeros formam estruturas cristalinas sob
condições normais de solidificação

3
ARRANJAMENTO ATÔMICO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Nos materiais não-cristalinos ou amorfos não existe ordem


de longo alcance na disposição dos átomos
 As propriedades dos materiais sólidos cristalinos depende da
estrutura cristalina, ou seja, da maneira na qual os átomos,
moléculas ou íons estão espacialmente dispostos.
 Há um número grande de diferentes estruturas cristalinas,
desde estruturas simples exibidas pelos metais até estruturas
mais complexas exibidas pelos cerâmicos e polímeros

4
CÉLULA UNITÁRIA
(unidade básica repetitiva da estrutura tridimensional)
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Consiste num pequeno grupos de átomos que


formam um modelo repetitivo ao longo da
estrutura tridimensional (analogia com elos
da corrente)
 A célula unitária é escolhida para representar
a simetria da estrutura cristalina

5
CÉLULA UNITÁRIA
(unidade básica repetitiva da estrutura tridimensional)
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Célula Unitária

Os átomos são representados como esferas rígidas


6
ESTRUTURA CRISTALINA
DOS METAIS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Como a ligação metálica é não-direcional não há


restrições quanto ao número e posições dos
vizinhos mais próximos.
 Então, a estrutura cristalina dos metais têm
geralmente um número de vizinhos grandes e alto
empacotamento atômico.
 Três são as estruturas cristalinas mais comuns em
metais: Cúbica de corpo centrado, cúbica de face
centrada e hexagonal compacta.
compacta

7
SISTEMA CÚBICO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Os átomos podem ser agrupados dentro do sistema


cúbico em 3 diferentes tipos de repetição

 Cúbico simples
 Cúbico de corpo centrado
 Cúbico de face centrada

8
SISTEMA CÚBICO SIMPLES
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Apenas 1/8 de cada átomo


cai dentro da célula unitária,
ou seja, a célula unitária
contém apenas 1 átomo.
 Essa é a razão que os metais
não cristalizam na estrutura
cúbica simples (devido ao
a baixo empacotamento
atômico)
Parâmetro de rede
9
NÚMERO DE COORDENAÇÃO
PARA CCC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Número de coordenação corresponde


ao número de átomos vizinhos mais
próximos
 Para a estrutura cúbica simples o número de
coordenação é 6.

10
RELAÇÃO ENTRE O RAIO ATÔMICO
(R) E O PARÂMETRO DE REDE (a)
PARA O SITEMA CÚBICO SIMPLES
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 No sistema cúbico
simples os átomos se
tocam na face

 a= 2 R

11
FATOR DE EMPACOTAMENTO
ATÔMICO PARA CÚBICO SIMPLES
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Fator de empacotamento= Número de átomos x Volume dos átomos


Volume da célula unitária

Vol. dos átomos=número de átomos x Vol. Esfera (4π R3/3)


3
Vol. Da célula=Vol. Cubo = a

 Fator de empacotamento = 4π R3/3


(2R) 3
O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CÚBICA SIMPLES É O,52

12
EST. CÚBICA DE CORPO
CENTRADO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 O PARÂMETRO DE REDE E O RAIO ATÔMICO ESTÃO


RELACIONADOS NESTE SISTEMA POR:
accc = 4R /(3)1/2

 Na est. ccc cada átomo dos vertices do cubo é


dividido com 8 células unitárias
 Já o átomo do centro pertence somente a sua
célula unitária.
 Cada átomo de uma estrutura ccc é cercado por
8 átomos adjacentes
Filme  Há 2 átomos por célula unitária na estrutura ccc
 O Fe, Cr, W cristalizam em ccc

13
RELAÇÃO ENTRE O RAIO ATÔMICO
(R) E O PARÂMETRO DE REDE (a)
PARA O SITEMA CCC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 No sistema CCC os
átomos se tocam ao
longo da diagonal do
cubo: (3) 1/2.a=4R

accc= 4R/ (3)1/2

14
NÚMERO DE COORDENAÇÃO
PARA CCC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Número de coordenação corresponde


ao número de átomos vizinhos mais
próximos
 Para a estrutura ccc o número de
coordenação é 8.

15
NÚMERO DE
COORDENAÇÃO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

1/8 de átomo

1 átomo inteiro

Para a estrutura ccc o número de coordenação é 8


16
FATOR DE EMPACOTAMENTO
ATÔMICO PARA CCC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Fator de empacotamento= Número de átomos x Volume dos átomos


Volume da célula unitária

O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CC É O,68

(demonstre)

17
EST. CÚBICA DE FACE
CENTRADA
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 O PARÂMETRO DE REDE E O RAIO ATÔMICO


ESTÃO RELACIONADOS PARA ESTE SISTEMA
POR:

acfc = 4R/(2)1/2 =2R . (2)1/2

 Na est. cfc cada átomo dos vertices do


cubo é dividido com 8 células unitátias
 Já os átomos das faces pertencem
somente a duas células unitárias
 Há 4 átomos por célula unitária na
estrutura cfc
Filme  É o sistema mais comum encontrado nos
25 metais (Al, Fe, Cu, Pb, Ag, Ni,...)

18
NÚMERO DE COORDENAÇÃO
PARA CFC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Número de coordenação corresponde ao


número de átomos vizinhos mais próximo
 Para a estrutura cfc o número de
coordenação é 12.
12

19
NÚMERO DE COORDENAÇÃO
PARA CFC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Para a estrutura cfc o


número de
coordenação é 12.
12

20
Demonstre que acfc = 2R (2)1/2
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 a2 + a2 = (4R)2
2 a2 = 16 R2
a2 = 16/2 R2
a2 = 8 R2
a= 2R (2)1/2

21
FATOR DE EMPACOTAMENTO
ATÔMICO PARA CFC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Fator de empacotamento= Número de átomos X Volume dos átomos


Volume da célula unitária

O FATOR DE EMPACOTAMENTO PARA A EST. CFC É O,74

22
DEMONSTRE QUE O FATOR DE
EMPACOTAMENTO PARA A EST. CFC É O,74
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Fator de empacotamento= Número de átomos X Volume dos átomos


Volume da célula unitária
Vol. dos átomos=Vol. Esfera= 4π R3/3
3
Vol. Da célula=Vol. Cubo = a
Fator de empacotamento = 4 X 4π R3/3
(2R (2)1/2 )3
Fator de empacotamento = 16/3π R3
16 R3(2)1/2

Fator de empacotamento = 0,74

23
CÁLCULO DA DENSIDADE
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 O conhecimento da estrutura cristalina


permite o cálculo da densidade (ρ ):
ρ = nA
VcNA
n= número de átomos da célula unitária
A= peso atômico
Vc= Volume da célula unitária
NA= Número de Avogadro (6,02 x 1023 átomos/mol)

24
EXEMPLO:
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Cobre têm raio atômico de 0,128nm (1,28 Å), uma estrutura


cfc, um peso atômico de 63,5 g/mol. Calcule a densidade do
cobre.
 Resposta: 8,89 g/cm3
 Valor da densidade medida= 8,94 g/cm3

25
TABELA RESUMO PARA O
SISTEMA CÚBICO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Átomos Número de Parâmetro Fator de


por célula coordenação de rede empacotamento

CS 1 6 2R 0,52
CCC 2 8 4R/(3)1/2 0,68
CFC 4 12 4R/(2)1/2 0,74

26
SISTEMA HEXAGONAL
SIMPLES
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Os metais não cristalizam


no sistema hexagonal
simples porque o fator de
empacotamento é muito
baixo
 Entretanto, cristais com
mais de um tipo de átomo
cristalizam neste sistema

27
EST. HEXAGONAL
COMPACTA
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Os metais em geral não cristalizam no


sistema hexagonal simples pq o fator de
empacotamento é muito baixo, exceto
cristais com mais de um tipo de átomo
 O sistema Hexagonal Compacta é mais
comum nos metais (ex: Mg, Zn)
 Na HC cada átomo de uma dada camada
está diretamente abaixo ou acima dos
interstícios formados entre as camadas
adjacentes

28
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

filme
COMPACTA
EST. HEXAGONAL

29
EST. HEXAGONAL
COMPACTA
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Cada átomo tangencia 3


átomos da camada de cima,
6 átomos no seu próprio
plano e 3 na camada de
baixo do seu plano
 O número de coordenação
para a estrutura HC é 12 e
portanto o fator de
empacotamento é o mesmo
da cfc, ou seja, 0,74.

30
EST. HEXAGONAL
COMPACTA
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Há 2 parâmetros de rede representando os parâmetros


basais e de altura 31
RAIO ATÔMICO E ESTRUTURA
CRISTALINA DE ALGUNS METAIS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

32
SISTEMAS CRISTALINOS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Estes sistemas incluem todas as possíveis


geometrias de divisão do espaço por
superfícies planas contínuas

33
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

OS 7 SISTEMAS CRISTALINOS

34
Filme
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

AS 14 REDES DE BRAVAIS

35
POLIMORFISMO OU
ALOTROPIA
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Alguns metais e não-metais podem ter mais


de uma estrutura cristalina dependendo da
temperatura e pressão. Esse fenômeno é
conhecido como polimorfismo.
 Geralmente as transformações polimorficas
são acompanhadas de mudanças na
densidade e mudanças de outras
propriedades físicas.

36
EXEMPLO DE MATERIAIS QUE
EXIBEM POLIMORFISMO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Ferro
 Titânio
 Carbono (grafite e diamente)
 SiC (chega ter 20 modificações cristalinas)
 Etc.

37
ALOTROPIA DO FERRO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Na temperatura ambiente, o Ferro


têm estrutura ccc, número de
coordenação 8, fator de
empacotamento de 0,68 e um raio
atômico de 1,241Å.
 A 910°C, o Ferro passa para
estrutura cfc, número de
coordenação 12, fator de
empacotamento de 0,74 e um raio
atômico de 1,292Å.
 A 1390°C o ferro passa
novamente para ccc.

38
ALOTROPIA DO TITÂNIO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

FASE α
 Existe até 883ºC
 Apresenta estrutura hexagonal compacta
 É mole
FASE β
 Existe a partir de 883ºC
 Apresenta estrutura ccc
 É dura

39
EXERCÍCIO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 O ferro passa de ccc para cfc a 910 ºC. Nesta temperatura os raios atômicos são respectivamente ,
1,258Å e 1,292Å. Qual a percentagem de variação de volume percentual provocada pela mudança de
estrutura?

 Vccc= 2a3 Vcfc= a


3

accc = 4R/ (3)1/2 acfc = 2R (2)1/2


Vccc= 49,1 Å3 Vcfc= 48,7 Å3

V%= 48,7 - 49,1 /48,7 = - 0,8% de variação

Para o cálculo foi tomado como base 2 células unitárias ccc, por isso Vccc= 2a3
uma vez que na passagem do sistema ccc para cfc há uma contração de volume

40
DIREÇÕES NOS CRISTAIS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

a, b e c definem os eixos de um sistema de coordenadas


em 3D. Qualquer linha (ou direção) do sistema de
coordenadas pode ser especificada através de dois pontos:
· um deles sempre é tomado como sendo a origem do
sistema de coordenadas, geralmente (0,0,0) por
convenção; 41
DIREÇÕES NOS CRISTAIS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 São representadas
entre colchetes= [hkl]
 Família de direções:
<hkl>

42
DIREÇÕES NOS CRISTAIS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 São representadas
entre colchetes= [hkl]

 Se a soma der
negativa, coloca-se
uma barra sobre o
número

43
DIREÇÕES NOS CRISTAIS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 São representadas entre


colchetes= [hkl]
 Quando passa pela
origem

44
DIREÇÕES NOS CRISTAIS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 São representadas entre


colchetes= [hkl]

Os números devem ser divididos


ou multiplicados por um
fator comum para dar números
inteiros

45
DIREÇÕES PARA O
SISTEMA CÚBICO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 A simetria desta estrutura permite que as


direções equivalentes sejam agrupadas para
formar uma família de direções:
 <100> para as faces
 <110> para as diagonais das faces
 <111> para a diagonal do cubo

46
DIREÇÕES PARA O
SISTEMA CCC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 No sistema ccc os átomos


se tocam ao longo da
diagonal do cubo, que
corresponde a família de
direções <111>
 Então, a direção <111> é a
de maior empacotamento
atômico para o sistema ccc

47
DIREÇÕES PARA O
SISTEMA CFC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 No sistema cfc os átomos se


tocam ao longo da diagonal
da face, que corresponde a
família de direções <110>
 Então, a direção <110> é a
de maior empacotamento
atômico para o sistema cfc

Filme 22

48
PLANOS CRISTALINOS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 São representados de maneira similar às


direções
 São representados pelos índices de Miller =
(hkl)
 Planos paralelos são equivalentes tendos os
mesmos índices

49
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

PLANOS CRISTALINOS

50
PLANOS CRISTALINOS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Planos (010)
 São paralelos aos eixos x
e z (paralelo à face)
 Cortam um eixo (y em 1
e os eixos x e z em ∞)
 1/ ∞, 1/1, 1/ ∞ = (010)

51
PLANOS CRISTALINOS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Planos (110)
 São paralelos a um eixo
(z)
 Cortam dois eixos
(x e y)
 1/ 1, 1/1, 1/ ∞ = (110)

52
PLANOS CRISTALINOS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Planos (111)

 Cortam os 3 eixos
cristalográficos
 1/ 1, 1/1, 1/ 1 = (111)

53
PLANOS CRISTALINOS
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Quando as
intercessões
não são
óbvias
desloca-se o
plano até
obter as
intercessões
corretas Fonte: Prof. Sidnei Paciornik, Departamento de
Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio
54
FAMÍLIA DE PLANOS {110}
É paralelo à um eixo
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

55
FAMÍLIA DE PLANOS {111}
Intercepta os 3 eixos
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

56
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Filme
SEQUÊNCIA DE PLANOS

57
PLANOS NO SISTEMA
CÚBICO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 A simetria do sistema cúbico faz com que a


família de planos tenham o mesmo arranjamento
e densidade
 Deformação em metais envolve deslizamento de
planos atômicos. O deslizamento ocorre mais
facilmente nos planos e direções de maior
densidade atômica

58
PLANOS DE MAIOR DENSIDADE
ATÔMICA NO SISTEMA CCC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 A família de planos
{110} no sistema ccc é
o de maior densidade
atômica

59
PLANOS DE MAIOR DENSIDADE
ATÔMICA NO SISTEMA CFC
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 A família de planos
{111} no sistema cfc é
o de maior densidade
atômica

60
DENSIDADE ATÔMICA
LINEAR E PLANAR
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Densidade linear= átomos/cm (igual ao fator


de empacotamento em uma dimensão)
 Densidade planar= átomos/unidade de área
(igual ao fator de empacotamento em duas
dimensões)

61
DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA
CRISTALINA POR DIFRAÇÃO DE RAIO X

Raíos-x tem comprimento de onda


similar a distância interplanar

0,1nm

62
DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA
CRISTALINA POR DIFRAÇÃO DE RAIO X

O FENÔMENO DA DIFRAÇÃO:
Quando um feixe de raios x é dirigido à
um material cristalino, esses raios são
difratados pelos planos dos átomos ou
íons dentro do cristal

63
DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA
CRISTALINA POR DIFRAÇÃO DE RAIO X

Fonte: Prof. Sidnei Paciornik, Departamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia da


PUC-Rio 64
DIFRAÇÃO DE RAIOS X
LEI DE BRAGG
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

nλ = 2 dhkl .senθ

λ É comprimento de onda
N é um número inteiro de
ondas

dhkl = a d é a distância interplanar


(h2+k2+l2)1/2 θ O ângulo de incidência
65
DISTÂNCIA INTERPLANAR
(dhkl )
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 É uma função dos índices de Miller e do parâmetro de rede

dhkl = a
(h2+k2+l2)1/2

66
TÉCNICAS DE DIFRAÇÃO
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 Técnica do pó:
É bastante comum, o material a ser analisado
encontra-se na forma de pó (partículas finas
orientadas ao acaso) que são expostas à
radiação x monocromática. O grande número
de partículas com orientação diferente
assegura que a lei de Bragg seja satisfeita
para alguns planos cristalográficos

67
O DIFRATOMÊTRO DE
RAIOS X
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

 T= fonte de raio X
Amostra  S= amostra
 C= detector
 O= eixo no qual a amostra e o
Fonte detector giram

Detector

68
DIFRATOGRAMA
Eleani Maria da Costa - DEM/PUCRS

Fonte: Prof. Sidnei Paciornik, Departamento de


Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio 69