Você está na página 1de 33

Alterações do material genético

1
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
Introdução

● O alelo para a
hemoglobina S (cadeia β )
é recessivo.

● Os indivíduos
heterozigóticos (HbAHbS),
portadores, são resistentes
à malária.

2
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
Introdução

3
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
Introdução

4
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
Introdução
 Agentes internos ou externos causam alterações
nos genes ou nos cromossomas – MUTAÇÕES
(ex: anemia falciforme, trissomia 21)

 Tecnologia permite alterar o genoma dos


indivíduos – ENGENHARIA GENÉTICA
(ex: gene da insulina é inserido em bactéria - OGM)

5
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
Sumário
1 - Mutações
1.1 - O que são?
1.2 - Onde / como ocorrem?
1.3 - Tipos de mutações e exemplos:
1.3.1.- génicas;
1.3.2.- cromossómicas.
1.4 - Causas das mutações
2 - Fundamentos da Engenharia Genética
2.1. - “Ferramentas” e metodologia dos processos
biotecnológicos envolvidos na manipulação do DNA.
2.2. - OGM ou seres transgénicos - Aplicações e Implicações.
2.3. - Outras aplicações – saúde e justiça

6
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1 - Mutações
1.1. O que são?

 São alterações ou modificações súbitas,


espontâneas, em genes ou cromossomas,
podendo acarretar variação hereditária.

 As mutações podem ser génicas quando


alteram a estrutura do DNA, num determinado
gene, ou cromossómicas quando alteram a
estrutura ou o número de cromossomos.

7
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1 - Mutações
1.1. O que são?

 As mutações são espontâneas e podem ser


silenciosas, ou seja, não alterar a proteína ou
sua acção. Podem ainda ser letais, quando
provocam a morte, ou ainda acarretar doenças
ou anomalias.

 As mutações também promovem a evolução já


que determinam aumento na variabilidade
genética.
8
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1 - Mutações
1.2. Onde / Como ocorrem?

 Por erros na replicação de DNA que antecede


uma divisão celular (mitose ou meiose).

 Por erros relacionados com a individualização


dos cromossomas, por exemplo no crossing-
over, na separação de cromossomas ou de
cromatídeos, durante uma divisão celular
(meiose ou mitose)
9
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1 - Mutações
1.2. Onde ocorrem?
 Nas células somáticas (durante a mitose)
reflectindo-se nas células, desse indivíduo,
descendentes da que sofreu a mutação (ex:
tumores).

 Na formação dos gâmetas (meiose) - células da


linhagem germinativa - e serão transmitidas
hereditariamente.

10
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.1. Mutações génicas

 As mutações génicas são responsáveis por


alterações nos genes e consequentemente
nas proteínas, determinando, muitas vezes,
a formação de novas proteínas ou
alterando a acção de enzimas importantes
no metabolismo.

11
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.1. Mutações génicas

 Alteram a sequência de nucleótidos de um


gene (alteram uma ou mais bases do DNA), o
que afectará a leitura durante a replicação ou
durante a transcrição.

 Constitui-se assim um alelo, uma nova versão,


do gene alterado.

12
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.1. Mutações génicas

 Substituição

 ocorre a troca de
um ou mais pares
de bases.

13
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.1. Mutações génicas

 Inserção e
delecção

 acontece quando uma


ou mais bases são
adicionadas ou
removidas,
respectivamente, ao
DNA, modificando a
sequência de leitura
da molécula durante a
replicação ou a
transcrição.

14
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas

 Também chamadas de aberrações


cromossómicas, são alterações na estrutura
ou no número de cromossomas normal da
espécie.
 Podem ocorrer nos autossomas ou em
cromossomas sexuais.
 Podem provocar anomalias e mal formações
no organismo ou até a inviabilidade dele.

15
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Estruturais
 Provocam alterações na estrutura dos
cromossomas, podendo ocasionar a perda de
genes, a leitura duplicada ou erros na leitura
de um ou mais genes.

 Podem acontecer por delecção, duplicação,


translocação ou inversão de partes de
cromossomas.

16
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Estruturais
 Delecção / duplicação / inversão

17
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Estruturais
 Translocação

18
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Estruturais
 Síndroma do “Grito do gato” – exemplo de delecção

19
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Numéricas
 Provocam alterações no número típico de cromossomos da
espécie (cariótipo).

 Aneuploidias - os erros envolvem apenas determinado par de


cromossomos. Formam-se indivíduos cujas células possuem: um cromossoma a
menos (monossomia); um cromossoma a mais (trissomia), dois ou mais cromossomas
a mais (polissomia) ou sem os dois cromossomas de um determinado par (nulissomia).

 Poliploidias – os erros multiplicam o conjunto de todos os


cromossomas. Formam-se indivíduos cujas células possuem múltiplos de n
cromossomas: 3n (triplóides), 4n (tetraplóides), (…).

20
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Numéricas
- Como se originam as aneuploidias?

21
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Numéricas
Trissomia 21 (Síndroma de Down) – Aneuploidia autossómica

• É a mais comum entre os nados-vivos.


•A carga genética superior ao normal conduz a várias modificações fenotípicas – síndroma: forma os olhos mto
característica, baixa estatura, boca pequena, atraso mental c/ grau variável, malformações cardíacas, esterilidade habitual
nos rapazes, …. Têm tb uma esperança de vida inferior ao normal.
•A ocorrência aumenta com a da idade da mãe:
- 0,5 - 1 caso / 1000 nascimentos qdo a mãe tem entre 20-29 anos a
- 15 - 17,5 casos / 1000 nascimentos qdo a mãe tem 46 ou mais anos.
22
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Numéricas
Outras Aneuploidias autossómicas:

● Tri sso mi a 18 (47, XX +18 ou 47, XY +18) – Síndroma de Edwards


- elevado nº de anomalias, morrendo, a maioria, antes do ano de vida;
- ocorrência: 1 / 10.000 nascimentos

● Tri sso mi a 13 (47, XX +13 ou 47, XY +13) – Síndroma de Patau


- elevado nº de anomalias, morrendo, a maioria, antes do ano de vida;
- ocorrência: 1 / 20.000 nascimentos

23
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Numéricas
Síndroma de Klinefelter (47, XXY) – Aneuploidia (Trissomia)
heterossómica

•Testiculos pouco desenvolvidos e com


nenhuma ou reduzida produção de esperma.
Estatura elevada, por vezes um ligeiro
desenvolvimento dos seios e as ancas
alargadas.
Alguns apresentam ligeiro atraso mental.

• Ocorrência : 1 / 1000 indivíduos do sexo


masculino

24
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Numéricas
Síndroma de Turner (45,X0)– Aneuploidia (monossomia)
heterossómica

• Desenvolvem características femininas


apresentando contudo:
- pequena estatura e reduzido desenvolvimento
do pescoço;
- caracteres sexuais pouco desenvolvidos e
normalmente estéreis;
- por vezes manifestam atraso mental.
• Ocorrência: 1 / 10.000 indivíduos do sexo
feminino

25
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Numéricas
Anomalias gaméticas que justificam algumas Aneuploidias heterossómicas

26
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Numéricas
• POLIPLOIDIA - Na espécie humana a poliploidia é letal. Nas plantas, não só
é viável como pode conduzir a fenómenos de especiação.

Como surge?

27
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.3.2. Mutações cromossómicas
Numéricas

• POLIPLOIDIA – Origem
do Trigo do pão

28
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.4. Causas
● As mutações podem ocorrer espontaneamente na Natureza ou serem induzidas
por exposição a agentes físicos e químicos (agentes mutagénicos)

Físicos - raios X, radiação alfa, beta e gama e raios


ultravioleta
● Agen tes mutagénicos

Químicos - colquicina, gás mostarda, nitrosaminas,


constituintes do fumo do tabaco, etc.

● As células possuem a capacidade de reparar muitos dos erros do DNA causados


pelos agentes mutagénicos. Qdo o equilíbrio entre a mutagénese e a reparação se
rompe surge a mutação.

29
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.4. Causas
● As mutações espontâneas ocorrem com freqª muito reduzida

● Qdo a exposição é prolongada ou a intensidade dos agentes mutagénicos é elevada,


aumenta a frequência das mutações.

● A exposição a agentes mutagénicos é, em alguns casos, natural e inevitável, como a


exposição a fontes naturais de radiação solar, radioactividade de minerais, (…)
mas, a intensidade com que atingem os organismos provoca baixo nº de mutações.

● A exposição a agentes mutagénicos pode ser deliberada:


- para fins médicos (Ex: raios X);
- por hábitos (alimentares ou outros);
- com fins bélicos (Ex: gás mostarda, armas nucleares)

30
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.4. Causas
- mutação e cancro

●Alguns agentes mutagénicos provocam mutações em


genes envolvidos no controlo da divisão celular sendo
responsáveis pelo aparecimento de cancro (tumor ou
neoplasia maligna).
São pois, também, agentes carcinogénicos.

31
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.4. Causas
- mutação e cancro
PROTO-ONCOGENES
(genes envolvidos na síntese de proteínas que estimulam e controlam o crescimento e divisão
celular. Estão inactivos em células que não se dividem.)

Agentes mutagénicos

ONCOGENES
(gene mutado responsável pela síntese de proteínas com maior actividade estimulando
anormalmente a divisão celular)

Cancro
32
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005
1.4. Causas
- mutação e cancro
GENES SUPRESSORES TUMORAIS / anti-oncogenes
(genes envolvidos na síntese de proteínas que bloqueiam e controlam a divisão celular.
Estão normalmente activos.)

Agentes mutagénicos

Gene mutado incapaz de bloquear a divisão celular que se realiza descontroladamente

Cancro
33
Adriano Cardoso. ESNA. Dezembro 2005

Você também pode gostar