UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA
CURSO DE PEDAGOGIA

A SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA: A IMPORTÂNCIA DA
ORIENTAÇÃO SEXUAL NA ESCOLA

Maria Marli da Silva Amorim Falcão
Orientador: Prof. MSc. Carlos Alberto Claudino Silva

Imperatriz-Ma
2015

1 INTRODUÇÃO
A sexualidade sempre foi um tema de difícil discussão na
sociedade, e, sobretudo para os adolescentes. Essa
discussão ao longo dos anos vem sendo fonte de luta dos
educadores para que essa temática sexualidade seja incluída
no currículo escolar das escolas de ensino fundamental e
médio, e se intensifica até os dias atuais. Hoje na condição
de um tema transversal nos Parâmetros Curriculares
Nacionais, a temática sexualidade na adolescência ainda é
vista por boa parte da sociedade como um tabu, pois, muitos
pais não tratam desse assunto com seus filhos. Neste
contexto, a Escola assume um papel importante neste
processo, buscando ser um lugar privilegiado onde os
adolescentes possam questionar, problematizar e ampliar os
seus conhecimentos para escolher seus próprios caminhos.

. é que surgiu o interesse em pesquisar essa temática.  Este trabalho visa analisar os fatores que favoreçam ou não desfavoreçam a orientação sexual dos adolescentes e de que maneira a família e a escola estão contribuindo com essas informações para o desenvolvimento na vida dos adolescentes. discussões na academia durante os estudos em algumas disciplinas e de experiência profissional na área da educação escolar infanto-juvenil. sobre sexualidade na adolescência. Diante de muita leitura.

2 PROBLEMA Como trabalhar a orientação sexual na Escola. de acordo com as necessidades dos adolescentes? Como as informações sobre sexualidade chegam aos adolescentes? Com quem e como os adolescentes estão tirando suas dúvidas sobre sexualidade? .

1. 3. Objetivo Geral Analisar a importância da orientação sexual para os adolescentes no contexto escolar. •Identificar como as informações sobre sexualidade chegam aos adolescentes. Objetivos Específicos •Identificar como trabalhar a orientação sexual na escola de acordo com as necessidades dos adolescentes. •Identificar os sujeitos que estão tirando as dúvidas dos adolescentes sobre sexualidade.3 OBJETIVOS 3. •Refletir a influência dos pais no desenvolvimento da educação sexual dos filhos. .2.

4 A SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA •O objetivo da orientação sexual na escola consiste em colocar professores com um preparo adequado a desempenhar de forma significativa seu papel. mas também complexas em todas as suas dimensões. As dúvidas serão transmitidas aos colegas (SUPLICY. isso devido à relação íntima com as mudanças de comportamento do corpo e as transformações socioculturais. 1993). . • A sexualidade é muito importante para o ser humano. pois “a criança chega à escola com todo tipo de informação e geralmente com uma atitude negativa em relação ao sexo”. ajudando os discentes a superar suas dúvidas e ansiedades.

são eles: saúde. vida cultural e a época histórica. vida mental. . Suplicy (1995) enumera quatro fatores que são de fundamental importância nesta vivência.Vários são os fatores que influenciam a forma como cada pessoa pode viver a sua sexualidade.

para cada plano de aula. A escola busca formar socialmente seus alunos. por exemplo. ou seja. •Nas aulas de Ensino Religioso. as aulas sobre educação sexual são preferidas como base em estudos teológicos. ter controle emocional e cidadania.É no cumprimento de sua função educacional que a escola leciona para formar alunos com boa educação sexual de acordo aos seus princípios éticos e bíblicos. de acordo com o que está escrito na Bíblia Sagrada. . Metodologias de ensino para educação sexual •Os professores de Ensino Fundamental trabalham pedagogicamente para ensinar e formar seus alunos de acordo com os conteúdos de sua programação de ensino.4. Ministrando disciplinas para educar e formar socialmente os discentes. preparando estes para viver em comunidade.1.

A educação sexual que acontece nas escolas é importante para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e para aulas sobre planejamento familiar.4.2. . O ensino formal como instrumento de educação sexual para prevenção das DSTs na promoção da ética e cidadania Os temas transversais como sexualidade devem ser ministrados em meio a disciplinas como ciências. Como uma didática de ensino que valoriza as opiniões dos alunos de acordo com as idades.

  O conceito de combate às DSTs na adolescência transcende a responsabilidade de instruções familiar sobre os riscos e as possíveis consequências dessa modalidade de enfermidade. Os temas transversais expressam as temáticas relevantes para a formação dos alunos. o referido conceito de educação sexual deve ter por base a reflexão pedagógica. . O ensino pedagógico se faz imprescindível no processo de educação sexual e prevenção de DSTs em ambiente escolar e por meio de pesquisas. social e cultural nas aulas de ética e cidadania para promover um conceito de autopreservação dos discentes.

5 METODOLOGIA Para realização desse trabalho utilizou-se a pesquisa qualitativa. p. Informantes de pesquisa: Alunos do Ensino Fundamental de uma escola municipal de Grajaú-Ma (9º ano). de que tudo tem potencial para construir uma pista que nos permita estabelecer uma compreensão mais esclarecedora do nosso objeto de estudo. buscando compreender o objeto pesquisado em toda extensão de sua complexidade. Nesse tipo de pesquisa Teixeira (2005. . Instrumentos de pesquisa: Pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo. 123) observa que “a abordagem qualitativa exige que o mundo seja examinado com ideia de que nada é trivial.

por exemplo: toda vez quando a campa bate. porque os professores não comentam assuntos que poderiam melhorar meu aprendizado” (Aluno B). por não conter muitas palestras sobre elas” (Aluno H). “Na minha opinião. “Eu acho que a escola poderia melhorar mais. eles deveriam falar mais de assuntos como esses” (Aluno A). os alunos saem antes do professor. não o que eu esperava mas tem.. “Eu acho a escola um incentivo para nós alunos saber como lidar com as surpresas da vida (Aluno E). Em minha opinião. em algumas partes é legal e em outras não é tão legal. a escrever. os alunos não sabem esperar o professor chegar. aprendemos que o caminho do nosso futuro é a educação que temos na escola” (Aluno G).6 A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO SEXUAL NA ESCOLA: Perspectiva dos educandos 1 – O que você acha da escola? “O que eu acho que a escola não está fazendo seu dever de nos educar.. “Nossa escola tem tido um bom desempeno. “Acho legal. “Um local que ainda necessita de recursos. etc. “A escola é um lugar em que aprendemos a nos comportar como pessoas educadas e civilizadas. essa deveria trazer uma motivação.. “Muito bom. porque são poucos e não é o suficiente para todos os alunos” (Aluno C).” (Aluno D). porque a gente aprende a ler. . exemplos: palestras.” (Aluno I).. ela é um pouco fora desse assunto. esporte e educação. só eles saindo” (Aluno F).

ele conversa nas suas aulas mas não são todas” (Aluno A). mas não todos. para que não venhamos ter o desconforto de ser pai ainda na adolescência. no máximo dois” (Aluno B).” (Aluno I).. sem falar dos riscos que corremos de pegar doença sexualmente transmissível” (Aluno G). assim nós conseguimos aprender mais sobre esses dois assuntos” (Aluno E). eles falam sobre sexualidade na adolescência” (Aluno D). “Não. . “Sim. debateu detalhe por detalhe até tirar nossas conclusões. Trouxe alguns tópicos que nós tivéssemos uma curiosidade de saber e conhecer explicitamente. e apertam muito na mesma tecla.2 – Os professores trabalham em suas disciplinas a temática da sexualidade na adolescência? Sim ou Não. “Sim. as mudanças que a sexualidade traz. somente alguns. Temos professores que já dialogam esse assunto várias vezes conosco. “Sim. “Sim. nunca um professor sequer falou da sexualidade na adolescência” (Aluno F). etc. mudanças do corpo. porque são poucos os que discutem sobre esse assunto” (Aluno H). tem um professor que explica tudo sobre sexo e sexualidade. para o fato de que algumas alunas da sala foram engravidando aos 15 anos de idade. etc..” (Aluno C). menstruação. puberdade. “Sim. “Sim. mas são poucos professores que trabalham com esse assunto. “Sim. “Sim e ao mesmo tempo não. Nos ensina que na adolescência devemos nos prevenir ao ter relações sexuais.

tipo como tivesse mais professores que explicassem esse assunto e também que tivessem mais palestras na escola sobre esse assunto” (Aluno B). pois esse assunto não é fácil de se conviver. pois as meninas que tem curiosidade e que tem vergonha de falar com os meninos por perto . .. mas que com uma certa explicação chegasse a esse ponto” (Aluno H). “ Gostaria que fosse tratado com palestras com todos os professores e pudessem explicar mais sobre o assunto para nós alunos” (Aluno E). uma forma de nos sentirmos mais a vontade” (Aluno C).” (Aluno I). como ela é” (Aluno D).. “De forma que não fosse tão direta. “Como quase todos os alunos gostariam que fosse tratado” (Aluno F). “Que fosse tratado com mais frequência nas escolas.3 – Como você gostaria que esse assunto fosse tratado? “Como uma palestra” (Aluno A).. com diálogos entre os alunos. formas que atraem nossa atenção. “Gostaria que ele fosse tratado mais e mais. “De modo que separassem meninos de meninas e que os professores fizessem uma aula sobre esse assunto com as meninas e depois com os meninos. brincadeiras. “Com mais diálogo. “De maneira correta. que os professores fizessem debates entre os alunos sobre esse tema “A sexualidade na adolescência” para que os jovens do nosso Brasil sejam mais prevenidos” (Aluno G).

. até porque como já disse.4 – Como vocês adolescentes discutem esse tema entre vocês? Conversam com seus familiares sobre o assunto? “Com a minha mãe sim. Eu particularmente não converso com meus pais sobre isso. “Muitos adolescentes preferem discutir esse tema como seus amigos. “é muito difícil os adolescentes comentarem sobre esse assunto quando estão juntos. “Com brincadeiras. não é muito explicado por adultos” (Aluno H). As vezes falamos com os nossos familiares porque quando nós adolescente vamos falar sobre esse assunto. assim eles se sentem mais a vontade. “x” (Aluno D). Esse tipo de assunto é discutido de forma não aconselhável. mas meus pais costumam me dar conselhos sobre esse assunto” (Aluno I). Não. “Comentamos que nossa fase o desejo de se relacionar com outra pessoa é muito bom. a gente conversa sobre isso e sobre os atos e o que ele pode atrapalhar os estudos” (Aluno A). não comentamos com nossos familiares” (Aluno G). conversar com seus amigos é mais fácil de que com os próprios pais” (Aluno E). nos divertindo nós nos abrimos mais uns com os outros. por que não me sinto a vontade” (Aluno C). “Eu nunca discuto com a minha mãe e com o meu pai sobre esse assunto e nem com os meus familiares” (Aluno F). eles cortam o assunto” (Aluno B). “Não. “Eu não discuto esse assunto com amigos e nem familiares.

” (Aluno A). “De comentar mais com os alunos. A escola poderia não deixar de falar. mais desenvolvimento” (Aluno C). Promovendo palestras explicativas para os alunos. por que muitos alunos não sabem diferenciar essas palavras” (Aluno E).5 – Em sua opinião. para que os adolescentes se cuidem mais e se previnam mais. “Ela pode tentar ensinar os alunos a se abri para seus pais e a se comportar sexualmente diante de outras pessoas” (Aluno H). “Que os professores falassem mais sobre esse assunto e que tivessem mais palestras sobre esse assunto” (Aluno B). o professor para ele poder falar. “Professores mais capacitados e apoio. diferenciar o que é sexo e sexualidade. o que a escola pode fazer para melhorar esse diálogo? “Os professores poderiam conversar mais sobre isso nas suas aulas. infraestrutura para a escola. “Trazendo profissionais nessa área e que eles fizessem um diálogo direcionado a esse assunto. . para que uma simples diversão não acabe com seu futuro brilhante” (Aluno G). trazendo e nos apresentando curiosidades sobre o assunto dialogado” (Aluno I). etc. de dialogar sobre a sexualidade na adolescência” (Aluno F). para que saibam se cuidar melhor. “Muitas coisas” (Aluno D). ou poderia tirar um tempinho para conversar com uma palestra.

porque muitos pais pensam só em outras partes. “Os principais desafios para discutir sobre sexualidade com adolescente é a compreensão dos jovens e atenção dos pais. . Porque para nós não é um assunto de se lidar.6 – Quais os principais desafios para se discutir sobre sexualidade com adolescentes? “É que ele já não pensa no ato e vão dizer que somos imorais. eles tendo mais observação sobre seus filhos e tentam conversar com calma com seus filhos é mais fácil para os pais. mas isso é bem mais diferente. porque temos vergonha e as vezes porque não gosta. “Mostrar como se deve prevenir” (Aluno G). “Simplesmente que nem todos nós temos lidado muito bem com isso. ou porque não tem o costume de conversar sobre esse assunto” (Aluno I). “Um dos principais desafios é porque quando os adolescentes vão falar com os pais sobre esse assunto. as vezes não sabem conversar de forma correta” (Aluno H). os filhos discutir sobre isso” (Aluno E). mas não pensam como é importante falar sobre esse assunto com os filhos” (Aluno B). “O adolescente é um ser em transformação não só no corpo. profissional e sexual” (Aluno F). “Modo de falar isso para os filhos. por isso ele é imaturo” (Aluno C). queremos conversar sobre as mudanças do nosso corpo. mas na mente. eles cortam esse assunto. “ (Aluno D). “É a orientação educacional.

principalmente na resistência por parte de alguns professores em discutir sobre a temática “Orientação Sexual” dentro dos seus conteúdos.CONCLUSÃO Compreende-se que discutir sobre Orientação Sexual traz importantes questões a serem discutidas. . principalmente dadas as especificidades da adolescência. Nesse sentido. com diferentes dinâmicas que exigem por parte do educador uma maior sensibilidade em realizar tal abordagem. menores de idade. ao realizar esta pesquisa foi possível perceber as diferentes limitações relatadas pelos alunos entrevistados. com a falsa ideia de que ao abordar tal tema estaria incentivando a prática sexual pelos alunos.

compreende-se a escola é um espaço de ensino e de aprendizagem. que impedem um trabalho mais efetivo. que requer do educador um domínio pedagógico para tratar de questões delicadas na hora de ensinar sobre sexo a alunos adolescentes do ensino fundamental. mas ao mesmo tempo. em que os professores devem trabalhar temas transversais no cumprimento de suas atribuições profissionais. Os entrevistados relatam que possuem curiosidade de entender de forma mais ampla sobre seus corpos e como vêm se desenvolvendo. . de educação e de formação social e cultural.Trabalhar com sexualidade no Ensino Fundamental é sempre um tema polêmico. tanto a escola quanto a família apresentam lacunas.

sexologia. 1999. ética. Lídia. 13. Odair. Ana. Paola. Roseley. p. São Paulo: Sammus. 1997. Pesquisa realizada em 13 de novembro de 2013. AEC v. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – Conselho Nacional de Educação: Câmara de Educação Básica: Resolução n 07. BRASIL. J.ANDI – Agência de Notícias dos Direitos da Infância – ano 6. ed. MACEDO. GENTILE. Revista de educação. Saraiva. BOCK. Artigos 1 e 2 SAYÃO. Psicologia. Elizabeth Fernandes de. Teixeira. jul/set 1998.htm. abril de 2006.com. MEC/ SEFdss1997 a. Maria de Lourdes. Setembro de 2002/ Fonte pesquisada: http://www. In: AQUINO. p. 07 de junho de 1995. MANNOCEI. Secretaria de educação Fundamental. Sexualidade na escola: alternativas teóricas e práticas. / Disfunções Sexuais / São Paulo: Fundação/ BYK. 27 n. Furtado. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais. Parâmetros Curriculares Nacionais:a falácia dos temas transversais. 1995. (org). n.br/historiaanticoncepcao.22. 227. de 14 de dezembro de 2010. João Fernando. AEC – Um balanço educacional brasileiro. Brasília. Revista Nova Escola. 94. Saber o sexo? Os problemas da informação sexual e o papel da Escola. ARANTANGY. Revista Isto é. N 1340. . 108.

C. Marta. et al. RJ: Vozes. p. Novas Conquistas. Educação. O adolescente por Ele Mesmo. Marco.SUPLICY. Sexo para adolescentes. 1987. a revolução necessária. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Maria Luiza Silveira.. 1993. Marta. 1999. RJ: Vozes. Rosa dos Tempos. _______. 1995. Ribeiro. março de 2007. 8. Petrópolis. Rio de Janeiro . Marta. 2005. Tânia. Petrópolis. São Paulo: FTD. R. TEIXEIRA. 1990. In. 1983. ed. _______. Revista Mundo Jovem. MULER. Petrópolis. n 374. Conversando sobre sexo. F. RJ. 1992. Astrês metodologias acadêmicas da ciência da pesquisa. ________. Vozes. ZAGURY. Educação Sexual: novas Ideias. _______. ed. TAGLIAMENTO. Elizabeth. G. Guia de Orientação Sexual: Diretrizes e Metodologia. São Paulo: Atlas./ Sexo para adolescentes/ São Paulo: FTD. Marta. Educação e Orientação Sexual. Rio de Janeiro. M. 3. São Paulo: casa do psicólogo. TREVINOS. TELES. Augusto Nibaldo Silva. 15.