Você está na página 1de 19

FARMACOTCNICA I

AULA 2
BIOFARMACOTCNICA
Prof. Herbert Cristian de Souza

Constituintes das
formulaes

Exemplos de excipientes

Aspectos
biofarmacotcnicos

Estuda os processos que ocorrem no


organismo deste o momento de sua
administrao;
Focado nos aspectos de liberao e
dissoluo da forma farmacutica;
Permite compreender a relao dos
componentes da formulao com a
absoro e o efeito teraputico;
Melhora as F.F de acordo com a
necessidade de administrao e absoro
dos frmacos

Dissoluo e absoro de
frmacos

Esquema da dissoluo
Pode sofrer
interferncia de
fatores fsicos e
qumicos, facilitando
ou dificultando sua
absoro

Granulad
os

Cpsulas
ou
Comprimi
dos

Solue
s

Uma viso geral

Resposta biolgica: dose usual, segura e eficaz

Indivduo padro mdio


A quantidade que
geralmente produz o
efeito desejado na
maioria dos indivduos
considerado a dose
usual.
Pode ser ajustada de
acordo com o peso,
idade, tolerncia, etc.

A mesma dose (mdio) no induz


a efeitos teraputicos neste
grupo

A mesma dose
(mdio) induz a
efeitos
potencializados
neste grupo

Biodisponibilidade

Biodisponibilidade
Concentrao Txica Mnima: acima deste
nvel os efeitos so txicos, relacionados
com a dose no indivduo mdio,
comprometendo a segurana do paciente

Janela (Faixa)
Teraputica

A [ ] mnima
aps 2 horas

A [ ] mxima
aps 4 horas

Concentra
o Mnima
Efetiva:
abaixo
deste nvel
no surtir
efeito
teraputico
Medicamento j sendo
eliminado e perdendo seu
efeito

ndice teraputico
Um frmaco deve ser julgado no apenas por
suas propriedades teis, mas tambm pelos seus
efeitos txicos. Desta forma, tem-se o ndice
teraputico de um frmaco.

1. Indica a margem de segurana;


2. Determina a relao entre a dose
eficaz e a txica;
3. Quanto maior o ndice, maior a
margem de segurana

DL = quantidade que produzir efeito


txico definido em 50% dos
indivduos avaliados
DE = quantidade que produzir a
intensidade do efeito desejado em
50% dos indivduos avaliados

Frmacos com IT estreito:


Digoxina; imipramina;
diazepan; nortriptilina;
amitriptilina; Lidocana;
Metadona;
Ltio;

Saiba mais! Pesquise a


RDC 354/2003

efetivo
e concentrao mxima tolerada de um mesmo
frmaco,
na mesma dose em diferentes formulaes de uso
Representa a quantidade
oral
total de frmaco absorvido na
circulao depois da
administrao de uma dose.

Fatores que afetam a biodisponibilidade dos frmacos

Tipo de desintegrantes, revestimentos


(entrico, gastro intestinal), veculos
(oleosos e aquosos), aglutinantes.

Erros na pesagem (digoxina)

As 4 curvas mostram as [ ] plasmticas mdias obtidas para 4 preparaes , dadas em ocasies diferentes
a 4 indivduos (1971)

Interferncia dos excipientes na absoro de frmacos

Concentrae
s diferentes
de estearato
de magnsio
no excipiente
e sua
influncia na
absoro de
um frmaco

Referncias
ALLEN JR,L.V; POPOVICH, N.G.;ANSEL,H.C.
Formas Farmacuticas e Sistemas de Liberao
de Frmacos. 7 ed. Porto Alegre, Artmed, 2003.
FERREIRA, A.O. Guia Prtico da Farmcia
Magistral. 2. ed. So Paulo: PharmaBooks,
2002.
PRISTA, L.N., Alves A.C., Morgado, R. Tecnologia
Farmacutica. 4. ed. 3 volumes. Lisboa:
Fundao Calouste Gulbenkian, 1995. 2257p

Você também pode gostar