Você está na página 1de 30

Ariadne Peres E.

Santo
Rafaela Lebrego Araujo
Histórico
INTERAÇÃO
Ecologia Seres vivos

Meio Ambiente
Homem
Contribuição:
filósofos gregos

Hipócrates Aristóteles
Ciência 1869 Fenômenos complexos

Sociologia Zoologia Física Meteorologia


Genética

Botânica

Antropologia Pedagogia

Biologia Geografia
Matemática
Estatística Química
2ª Guerra Mundial

Ecologia Educação Ambiental Ambientalismo

Ecólogo Ecologista

Meio Ambiente
Conhecimento Problemáticas Ambientais
Preservação

Conservação
DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL
OU
ECODESENVOLVIMENTO

AGENDA 21

DESENVOLVIMENTO SUSTENTABILIDADE MANEJO


Desenvolvimento: seqüência Sustentabilidade: manejo do
ordenada de mudanças ambiente e seus recursos de
progressivas que resultam no modo que seu uso possa ser
aumento da complexidade de contínuo, sem diminuição num
qualquer sistema biológico futuro indefinido.
(Glossário de Ecologia).

Desenvolvimento sustentável ou ecodesenvolvimento: conceito


originado há 36 anos, em Paris, durante a Biosphere Conference.
Leva em consideração, além dos fatores econômicos, aqueles de
caráter social e ecológico, assim como as disponibilidades dos
recursos vivos e inanimados, e as vantagens e inconvenientes, a
curto e longo prazos, de outros tipos de ação. É um conceito difícil
de implementar, dadas as complexidades econômicas e ecológicas
das situações atuais. Há fatores sociais, legais, religiosos e
demográficos, que também interferem na aplicação de
considerações e diretrizes ecológicas às finalidades e processos de
desenvolvimento (Glossário de Ecologia).
Manejo: constitui na aplicação de programas de utilização dos
ecossistemas, baseado em teorias ecológicas sólidas, amparados em leis
ambientais de modo que sejam mantidas da melhor forma possível as
comunidades vegetais e/ou animais como fontes úteis de produtos
biológicos para o homem (conservação) e, também como fontes de
conhecimento científico (conservação e preservação), para o desfrute das
Documento da ECO/Rio ‑ 92 (Conferência das Nações
Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento
Humano) conferência organizada pela ONU
Agenda (Organizações das Nações Unidas)
21 Assinado por 170 países
É a proposta mais consistente que existe de como
alcançar o desenvolvimento sustentável, isso é, de como
podemos continuar desenvolvendo nossos países e
nossas comunidades sem destruir o meio ambiente e
com maior justiça social.

É um planejamento do futuro com ações de curto,


médio e longo prazos, em outras palavras, reintroduz
uma idéia esquecida de que podemos e devemos
planejar e estabelecer um elo de solidariedade entre nós
e nossos descendentes, as futuras gerações.
Roteiro de ações concretas, com metas, recursos e
responsabilidades definidas.

Deve ser um plano obtido através de consenso, ou


seja, com todos os atores e grupos sociais opinando e se
comprometendo com ele.
Verdadeira parceria entre governos e sociedades. É
Sociedades humanas >
utilização dos recursos ambientais
•Subsistência
•Uso ordenado e desordenado
Os recursos ambientais são finitos, limitados e
estão dinamicamente inter-relacionados

Necessidade de repensar seu modelo


estratégico de crescimento econômico e
desenvolvimento social
Estratégia de sobrevivência >
processo educativo.

Educação Ambiental
“O livro “Primavera
Silenciosa”, publicado, na
década de 60, pela jornalista
norte–americana Rachel
Carson, já alertava sobre os
efeitos danosos de inúmeras
ações humanas sobre o
ambiente.

Rachel Carlson http://www.mitosyfraudes.8k.com/ NGLES/Lies.html

denunciou a desatenção
ao meio ambiente
1968 - Reino Unido - Conselho para Educação
Ambiental, reunindo mais de 50 organizações voltadas
para temas de educação e meio ambiente.
1968: Roma
Consumo;
Reservas de recursos naturais não-
renováveis
Crescimento da população mundial
até meados do século XXI

 Atividades industriais nos países ricos


Poluição

Destruição dos rios

Ar (gases venenosos e partículas tóxicas)

Uso abusivo e incorreto de fertilizantes


e biocidas (inseticidas, fungicidas, etc.)

Água e os solos

Espécies animais e vegetais (extinção)


lube de Roma:

Conservação dos recursos naturais

Controle do crescimento populacional


O homem deve examinar a si
Mudança radical:
próprio, seus objetivos e valores.
O ponto essencial da questão não
mentalidade
é somente  consumo eda
a sobrevivência procriação.
espécie humana, porém ainda
mais a sua possibilidade de
sobreviver sem cair em um
estado inútil de existência
(Reigota, 1998, p.13).
O.N.U  1972 Primeira Conferência Mundial sobre
Meio Ambiente Humano (Estolcomo, Suécia)

Brasil  “milagre econômico”


“a poluição é o preço que se paga
pelo progresso”.

O cidadão deve ser educado para a solução dos


problemas ambientais.
Belgrado, Iugoslávia (1975): Programa Internacional
de Educação Ambiental (P.I.E.A.)
(Princípios e orientações sobre a Educação
Ambiental)
Organização das Nações Unidas para a
Educação, Ciência e Cultura (UNESCO*) em
cooperação com o Programa das Nações Unidas
para o Meio Ambiente (PNUMA)

Tibilissi (Geórgia, ex-União das


Repúblicas Socialistas Soviéticas)
1ª Conferência Intergovernamental
sobre Educação Ambiental (1977)
Educação Ambiental deveria considerar o meio ambiente em sua
totalidade, ser contínua, atingir todas as faixas de idade, ocorrer
dentro e fora da escola e examinar as questões ambientais, locais
e internacionais, sob um enfoque interdisciplinar.
UNESCO e PNUMA: Congresso Internacional
sobre Educação e Formação Ambientais Moscou,
Rússia (1987)
Análise das conquistas e dificuldades da Educação
Ambiental em todo o mundo e traçadas as metas para
a década de 90.

10 anos se passaram:
Ministério da Educação e
Cultura (MEC), pronunciava-se
sobre Educação Ambiental.

Brasil livros com temas das


Ciências ou da Ecologia
rotulados de Educação
Ambiental.
Os cursos de treinamentos
eram escassos, desse modo, os
professores tinham
dificuldades em ter acesso à
informações sobre a
Educação Ambiental.
Promulgação da Constituição
da República Federativa do
Brasil em 1988: Capítulo
especial - Meio Ambiente
(Cap. VI) e um item específico
sobre a Educação Ambiental
(Art. 225, item VI) que diz:
Cabe ao poder público
promover a Educação
Ambiental em todos os níveis
de ensino e a conscientização
pública para a preservação do
Meio Ambiente.
odavia, na prática pouco se fez...

· Inexistência de política
definida para a Educação
Ambiental

Maioria dos professores


querendo desenvolver atividades de
Educação Ambiental, continuou sem
receber materiais, treinamentos ou
qualquer orientação para o assunto.
Eco 92 - Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e
Desenvolvimento
Re-orientar a Educação para o desenvolvimento
sustentável, e falou-se sobre o analfabetismo ambiental.

Em 1993, as instituições governamentais brasileiras


adotaram como prioridade o investimento em treinamento
e formação de profissionais na área de Educação
Ambiental
1992
Conferencia sobre o Meio
Ambiente e o Desenvolvimento,
UNCED, Rio/92
Criação da Agenda 21

Tratado de Educação
Ambiental para Sociedades
Sustentáveis
FORUN das ONG’s - compromissos da sociedade civil com
a Educação Ambiental e o Meio Ambiente.

Carta Brasileira de Educação Ambiental.


Aponta as necessidades de capacitação na área - MEC.
1994
Aprovação do Programa Nacional de Educação
Ambiental PRONEA, com a participação do
MMA/IBAMA/MEC/MCT/MINC

Publicação da Agenda 21 feita por crianças e jovens


em português - UNICEF.
1996
Novos Parâmetros Curriculares do MEC, nos quais
incluem a Educação Ambiental como tema transversal
do currículo.
1997
I Conferência Nacional de Educação
Ambiental. Brasília. ICNEA

1999
Aprovação da LEI 9.597/99 que
estabelece a Política Nacional de
EA

Programa Nacional de Educação


Ambiental (PNEA)
2000
Curso Básico de Educação
Ambiental a Distancia DEA/ MMA
UFSC/ LED/ LEA

2002
Lançado o Sistema Brasileiro de
Informação sobre Educação
Ambiental e Práticas Sustentáveis
(SIBEA)
Obrigaduuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!!!

E tchau!!!!!!