Você está na página 1de 77

CURSO

DE

PARAMETROS CONSTITUCIONAIS

PARA O EXERCÍCIO DA

ATIVIDADE POLICIAL
Direito Constitucional
 Objetivos da matéria
 Links com a atividade policial
 Links com as demais matérias a serem estudadas
 Notas introdutórias
A Segurança Pública

Art. 144, caput,CF/88

A segurança pública é dever do Estado, direito e


responsabilidade de todos é exercida para a
preservação da ordem pública e da incolumidade
das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes
órgãos...
Links do art. 144, caput
DECRETO No 88.777, DE 30 DE SETEMBRO DE
1983
-Aprova o regulamento para as policias militares e
corpos de bombeiros militares (R-200).
-art. 2º, item 19) Manutenção da Ordem Pública - É o
exercício dinâmico do poder de polícia, no campo da
segurança pública, manifestado por atuações
predominantemente ostensivas, visando a prevenir,
dissuadir, coibir ou reprimir eventos que violem a
ordem pública.
Links do art. 144, caput
Art. 2º, item 21) Ordem Pública -.Conjunto
de regras formais, que emanam do
ordenamento jurídico da Nação, tendo por
escopo regular as relações sociais de todos os
níveis, do interesse público, estabelecendo
um clima de convivência harmoniosa e
pacífica, fiscalizado pelo poder de polícia, e
constituindo uma situação ou condição que
conduza ao bem comum.
Links do art. 144, caput
Art. 2º, item 27) Policiamento Ostensivo -
Ação policial, exclusiva das Policias Militares
em cujo emprego o homem ou a fração de
tropa engajados sejam identificados de
relance, quer pela farda quer pelo
equipamento, ou viatura, objetivando a
manutenção da ordem pública.
Objetivos da segurança
pública

Preservação da ordem pública


Preservação da incolumidade das pessoas
Preservação do patrimônio
Órgãos da segurança pública - art.
144
I - polícia federal;
II - polícia rodoviária federal;
III - polícia ferroviária federal;
IV - polícias civis;
V - polícias militares e corpos de bombeiros
militares.
Atribuições da Polícia Federal - § 1º do art
144

I - apurar infrações penais contra a ordem política e


social ou em detrimento de bens, serviços e
interesses da União ou de suas entidades
autárquicas e empresas públicas, assim como outras
infrações cuja prática tenha repercussão
interestadual ou internacional e exija repressão
uniforme, segundo se dispuser em lei;
Atribuições da Polícia Federal - § 1º do art
144
II - prevenir e reprimir o tráfico ilícito de
entorpecentes e drogas afins, o contrabando
e o descaminho, sem prejuízo da ação
fazendária e de outros órgãos públicos nas
respectivas áreas de competência;
Atribuições da Polícia Federal - § 1º do
art 144

III - exercer as funções de polícia marítima,


aeroportuária e de fronteiras;

IV - exercer, com exclusividade, as funções de


polícia judiciária da União.
Polícia Rodoviária Federal
 (*) § 2º - A polícia rodoviária federal, órgão
permanente, estruturado em carreira, destina-se,
na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das
rodovias federais.
 (*) Redação dada pela Emenda Constitucional
nº 19, de 04/06/98:
 "§ 2º A polícia rodoviária federal, órgão
permanente, organizado e mantido pela União e
estruturado em carreira, destina-se, na forma da
lei, ao patrulhamento ostensivo das rodovias
federais."
Polícia Ferroviária Federal
 (*) § 3º - A polícia ferroviária federal, órgão
permanente, estruturado em carreira, destina-se,
na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das
ferrovias federais.
 (*) Redação dada pela Emenda Constitucional
nº 19, de 04/06/98:
"§ 3º A polícia ferroviária federal, órgão
permanente, organizado e mantido pela União e
estruturado em carreira, destina-se, na forma da
lei, ao patrulhamento ostensivo das ferrovias
federais."
Atribuições da Polícia Civil - § 4º do art
144

Às polícias civis, dirigidas por delegados de


polícia de carreira, incumbem, ressalvada a
competência da União, as funções de polícia
judiciária e a apuração de infrações penais,
exceto as militares.
Atribuições da Polícia Militar - § 5º do
art 144

Às polícias militares cabem a polícia


ostensiva e a preservação da ordem
pública
A disciplina do setor da segurança
pública
art. 144, § 7º

A lei disciplinará a organização e o


funcionamento dos órgãos responsáveis pela
segurança pública, de maneira a garantir a
eficiência de suas atividades.
O art. 144, § 8º e as guardas
municipais

§ 8º - Os Municípios poderão constituir


guardas municipais destinadas à proteção
de seus bens, serviços e instalações,
conforme dispuser a lei.
Parâmetros constitucionais para
realizar a atividade de polícia
ostensiva e preservação da
ordem pública
Preâmbulo Constitucional
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em
Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado
democrático, destinado a assegurar o exercício dos
direitos sociais e individuais, a liberdade , a segurança, o
bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como
valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem
preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida,
na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das
controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a
seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA
DO BRASIL.
Dos Princípios Fundamentais - art.

A República Federativa do Brasil, formada
pela união indissolúvel dos Estados e
Municípios e do Distrito Federal, constitui-se
em Estado democrático de direito e tem
como fundamentos:

II - a cidadania;
III - a dignidade da pessoa humana;
Objetivos fundamentais
Art. 3.º Constituem objetivos fundamentais
da República Federativa do Brasil:
I - construir uma sociedade livre, justa e
solidária;
IV - promover o bem de todos, sem
preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade
e quaisquer outras formas de discriminação.
Direitos e garantias
fundamentais
Direitos e deveres individuais e coletivos (Art.
5.º)
I - homens e mulheres são iguais em direitos e
obrigações, nos termos desta Constituição;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de
fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
Links do art. 5º, inciso II
Resistência
Art. 329 - Opor-se à execução de ato legal, mediante
violência ou ameaça a funcionário competente para
executá-lo ou a quem lhe esteja prestando auxílio:
Pena - detenção, de 2 (dois) meses a 2 (dois) anos.
Desobediência
Art. 330 - Desobedecer a ordem legal de funcionário
público:
Pena - detenção, de 15 (quinze) dias a 6 (seis) meses, e
multa.
Direitos e deveres individuais e
coletivos - Art. 5.º

III - ninguém será submetido a tortura nem a


tratamento desumano ou degradante;
Link com o art. 5º, inciso III
LEI Nº 9.455/97 Define os crimes de tortura

Art. 1º Constitui crime de tortura:


I - constranger alguém com emprego de violência
ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou
mental:
a) com o fim de obter informação, declaração ou
confissão da vítima ou de terceira pessoa;
b) para provocar ação ou omissão de natureza
criminosa;
c) em razão de discriminação racial ou religiosa;
Link com o art. 5º, inciso III
LEI Nº 9.455/97 Define os crimes de tortura

II - submeter alguém, sob sua guarda, poder ou


autoridade, com emprego de violência ou grave
ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental,
como forma de aplicar castigo pessoal ou medida
de caráter preventivo.
Pena - reclusão, de dois a oito anos.
§ 2º Aquele que se omite em face dessas condutas,
quando tinha o dever de evitá-las ou apurá-las,
incorre na pena de detenção de um a quatro
anos.
Direitos e deveres individuais e coletivos -
Art. 5.º
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a
honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito
a indenização pelo dano material ou moral
decorrente de sua violação;
XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém
nela podendo penetrar sem consentimento do
morador, salvo em caso de flagrante delito ou
desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia,
por determinação judicial;
Links do art. 5º, inciso XI

 Art. 302 - Considera-se em flagrante delito quem:


 I - está cometendo a infração penal;
 II - acaba de cometê-la;
 III - é perseguido, logo após, pela autoridade, pelo
ofendido ou por qualquer pessoa, em situação que
faça presumir ser autor da infração;
 IV - é encontrado, logo depois, com instrumentos,
armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele
autor da infração.
Links do art. 5º, inciso XI

Violação de domicílio

Art. 150 - Entrar ou permanecer,


clandestina ou astuciosamente, ou
contra a vontade expressa ou tácita de
quem de direito, em casa alheia ou em
suas dependências.
Links do art. 5º, inciso XI

Violação de domicílio
Art. 150 § 2º - Aumenta-se a pena de um
terço, se o fato é cometido por funcionário
público fora dos casos legais, ou com
inobservância das formalidades estabelecidas
em lei, ou com abuso do poder.
Links do art. 5º, inciso XI

§ 3º - Não constitui crime a entrada ou permanência


em casa alheia ou em suas dependências:
I - durante o dia, com observância das formalidades
legais, para efetuar prisão ou outra diligência;
II - a qualquer hora do dia ou da noite, quando algum
crime está sendo ali praticado ou na iminência de o
ser.
Links do art. 5º, inciso XI

§ 4º - A expressão "casa" compreende:


I - qualquer compartimento habitado;
II - aposento ocupado de habitação coletiva;
III - compartimento não aberto ao público,
onde alguém exerce profissão ou atividade.
Links do art. 5º, inciso XI
§ 5º - Não se compreendem na expressão
"casa":
I - hospedaria, estalagem ou qualquer outra
habitação coletiva, enquanto aberta, salvo
a restrição do n.º II do parágrafo
anterior;
II - taverna, casa de jogo e outras do mesmo
gênero.
Direitos e deveres individuais e
coletivos
Art. 5.º
XII - é inviolável o sigilo da correspondência
e das comunicações telegráficas, de dados e
das comunicações telefônicas, salvo, no
último caso, por ordem judicial, nas
hipóteses e na forma que a lei estabelecer
para fins de investigação criminal ou
instrução processual penal;
Links do art. 5º, inciso XII
LEI Nº 9.296/96 – ESCUTA TELEFÔNICA

Regulamenta o inciso XII, parte final, do art. 5° da


Constituição Federal.
Art. 1º A interceptação de comunicações telefônicas,
de qualquer natureza, para prova em investigação
criminal e em instrução processual penal, observará
o disposto nesta Lei e dependerá de ordem do juiz
competente da ação principal, sob segredo de
justiça.
Links do art. 5º, inciso XII

Art. 2° Não será admitida a interceptação de


comunicações telefônicas quando ocorrer qualquer
das seguintes hipóteses:
I - não houver indícios razoáveis da autoria ou
participação em infração penal;
II - a prova puder ser feita por outros meios
disponíveis;
III - o fato investigado constituir infração penal
punida, no máximo, com pena de detenção.
Links do art. 5º, inciso XII

Art. 3° A interceptação das comunicações


telefônicas poderá ser determinada pelo juiz, de
ofício ou a requerimento:
I - da autoridade policial...
II - do representante do Ministério Público...
Art. 4° O pedido de interceptação de comunicação
telefônica conterá a demonstração de que a sua
realização é necessária à apuração de infração
penal...
Links do art. 5º, inciso XII

Art. 10. Constitui crime realizar interceptação


de comunicações telefônicas, de informática
ou telemática, ou quebrar segredo da Justiça,
sem autorização judicial ou com objetivos
não autorizados em lei.
Pena: reclusão, de dois a quatro anos, e
multa.
Direitos e deveres individuais e
coletivos - Art. 5.º
XVI - todos podem reunir-se pacificamente,
sem armas, em locais abertos ao público,
independentemente de autorização, desde
que não frustrem outra reunião
anteriormente convocada para o mesmo
local, sendo apenas exigido prévio aviso à
autoridade competente;
Direitos e deveres individuais e
coletivos - Art. 5.º

XXXIX - não há crime sem lei anterior que o


defina, nem pena sem prévia cominação
legal;
XL - a lei penal não retroagirá, salvo para
beneficiar o réu;
Direitos e deveres individuais e
coletivos - Art. 5.º

XLII - a prática do racismo constitui crime


inafiançável e imprescritível, sujeito à pena
de reclusão, nos termos da lei;
Links do art. 5º, inciso XLII
LEI Nº 7.716/89 - Define os crimes resultantes
de preconceito de raça ou de cor.

Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os


crimes resultantes de discriminação ou
preconceito de raça, cor, etnia, religião ou
procedência nacional. (Redação dada pela Lei
nº 9.459, de 15/05/97)
Art. 4º Negar ou obstar emprego em empresa
privada.
Pena: reclusão de dois a cinco anos.
Links do art. 5º, inciso XLII

Art. 6º Recusar, negar ou impedir a inscrição


ou ingresso de aluno em estabelecimento de
ensino público ou privado de qualquer grau.
Pena: reclusão de três a cinco anos.
Links do art. 5º, inciso XLII

Art. 7º Impedir o acesso ou recusar hospedagem em


hotel, pensão, estalagem, ou qualquer
estabelecimento similar.
Pena: reclusão de três a cinco anos.
Art. 8º Impedir o acesso ou recusar atendimento em
restaurantes, bares, confeitarias, ou locais
semelhantes abertos ao público.
Pena: reclusão de um a três anos.
Links do art. 5º, inciso XLII

Art. 9º Impedir o acesso ou recusar atendimento em


estabelecimentos esportivos, casas de diversões, ou
clubes sociais abertos ao público.
Pena: reclusão de um a três anos.
Art. 10. Impedir o acesso ou recusar
atendimento em salões de cabelereiros,
barbearias, termas ou casas de massagem ou
estabelecimento com as mesmas finalidades.
 Pena: reclusão de um a três anos.
Links do art. 5º, inciso XLII

 Art. 11. Impedir o acesso às entradas sociais em


edifícios públicos ou residenciais e elevadores ou
escada de acesso aos mesmos:
 Pena: reclusão de um a três anos.
 Art. 14. Impedir ou obstar, por qualquer meio ou
forma, o casamento ou convivência familiar e
social.
 Pena: reclusão de dois a quatro anos.
Links do art. 5º, inciso XLII

A injúria por preconceito – injúria


qualificada: A Lei nº 9.459/97 acrescentou o
seguinte parágrafo ao art.140 do CP:
 Art. 140, § 3º, CP: “ se a injúria consiste na
utilização de elementos referentes a raça,
cor, etnia, religião ou origem”
Direitos e deveres individuais e
coletivos
Art. 5.º
XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis
e insuscetíveis de graça ou anistia a prática
da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e
drogas afins, o terrorismo e os definidos como
crimes hediondos, por eles respondendo os
mandantes, os executores e os que, podendo
evitá-los, se omitirem;
Links do art. 5º, inciso XLIII
Lei Nº 8.930/94
Art. 1o O art. 1o da Lei no 8.072, de 25 de
julho de 1990, passa a vigorar com a seguinte
redação:
"Art. 1o São considerados hediondos os
seguintes crimes, todos tipificados no
Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de
1940 - Código Penal, consumados ou
tentados:
Links do art. 5º, inciso XLIII

I - homicídio (art. 121), quando praticado em


atividade típica de grupo de extermínio,
ainda que cometido por um só agente, e
homicídio qualificado (art. 121, § 2o, I, II, III,
IV e V);
II - latrocínio (art. 157, § 3o, in fine);
Links do art. 5º, inciso XLIII

III - extorsão qualificada pela morte (art. 158, §


2o);
IV - extorsão mediante seqüestro e na forma
qualificada (art. 159, caput, e §§ lo, 2o e 3o);
V - estupro (art. 213 e sua combinação com o art.
223, caput e parágrafo único);
VI - atentado violento ao pudor (art. 214 e sua
combinação com o art. 223, caput e parágrafo
único);
Links do art. 5º, inciso XLIII

VII - epidemia com resultado morte (art. 267, § 1o).


Parágrafo único. Considera-se também hediondo o
crime de genocídio
OBS:Lei nº 9.695/98 - ADULTERAÇÃO DE
PRODUTOS FARMACÊUTICOS OU
MEDICINAIS.
Direitos e deveres individuais e
coletivos - Art. 5.º
XLVII - não haverá penas:
a) de morte, salvo em caso de guerra
declarada, nos termos do art. 84, XIX;
b) de caráter perpétuo;
c) de trabalhos forçados;
d) de banimento;
e) cruéis;
Direitos e deveres individuais e
coletivos - Art. 5.º
XLIX - é assegurado aos presos o respeito à
integridade física e moral;

LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas


obtidas por meios ilícitos;

LVII - ninguém será considerado culpado até o


trânsito em julgado de sentença penal
condenatória;
Direitos e deveres individuais e
coletivos - Art. 5.º
LXI - ninguém será preso senão em flagrante
delito ou por ordem escrita e fundamentada
de autoridade judiciária competente, salvo
nos casos de transgressão militar ou crime
propriamente militar, definidos em lei;
Direitos e deveres individuais e
coletivos - Art. 5.º
LXIII - o preso será informado de seus
direitos, entre os quais o de permanecer
calado, sendo-lhe assegurada a assistência da
família e de advogado;
LXIV - o preso tem direito à identificação
dos responsáveis por sua prisão ou por seu
interrogatório policial;
APÊNDICE?

CONSTITUIÇÃO DO
ESTADO DE SERGIPE
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

Art. 1º. O Estado de Sergipe, unidade da


República Federativa do Brasil...promoverá
a defesa da cidadania, da dignidade da
pessoa humana...objetivando a construção de
uma sociedade democrática...e justa
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

Art. 3º. O Estado assegura...pelos atos de seus


agentes, além dos direitos e garantias
individuais previstos na CF...os seguintes:
II – proteção contra discriminação por motivo
de raça, cor, sexo, idade, classe social,
orientação sexual, deficiência física, mental
ou sensorial, convicção político-ideológica,
crença em manifestação religiosa...
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

Art. 3º, III – as autoridades policiais


assegurarão a livre reunião e as
manifestações pacíficas, individuais e
coletivas.
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE
Art. 3º, IV – a prática de tortura será objeto de
prioritária prevenção e repressão pelos órgãos
estaduais e municipais...no caso de denúncia
recebida por delitos de violência, tortura ou
coação, praticados contra os cidadãos, quando
os responsáveis forem autoridades ...civis ou
militares...ao serem denunciados pelo
Ministério Público, serão afastados de suas
funções até o final do julgamento
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

Art. 3º, V - a autoridade policial não


divulgará a identidade da pessoa suspeita
da prática de crime, enquanto não
formalmente indiciada;
Art. 3º, VI - a autoridade pública só poderá
usar a força estritamente necessária,
sendo puníveis os excessos, inclusive
disciplinarmente;
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

Art. 3º, XII – qualquer cidadão pode


apresentar queixa contra os agentes do poder
público em todos os níveis, sendo obrigatória
a apuração dos fatos e das responsabilidades
decorrentes
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

Art. 3º, XVII – ao menor infrator é


assegurado, quando detido, o direito de:

b) Permanecer calado...
c) Identificação dos responsáveis pela sua
condução
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

DA DEFESA DO ESTADO, DO CIDADÃO E DA


ORDEM PÚBLICA
Art. 125. A segurança pública, dever do Estado,
direito e responsabilidade de todos, é
exercida para:
c) a preservação da ordem pública
d) a preservação da incolumidade das pessoas
e) a preservação do patrimônio
f) a preservação das garantias fundamentais
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

DA SEGURANÇA PÚBLICA
Art. 125. A segurança pública é exercida através
dos seguintes órgãos:
I - Polícia Militar;
(*)Nova Redação dada pela Emenda
Constitucional Nº 13/96 de 12 de dezembro
de 1996
I - Polícia Militar e Corpo de Bombeiros
Militar.
II - Polícia Civil.
DA SEGURANÇA PÚBLICA
 (*)Nova Redação dada pela Emenda
Constitucional Nº 13/96 de 12 de dezembro de
1996
Art. 126 - A POLICIA MILITAR e o CORPO DE
BOMBEIROS MILITAR, são forças auxiliares e
reserva do exército, são instituições permanentes
e regulares organizadas com base na hierarquia
e disciplina militares, competindo-lhes
respectivamente:
DA SEGURANÇA PÚBLICA
Art. 126
§ 1º - POLICIA MILITAR:
I - Planejar, dirigir, coordenar e fiscalizar,
através de seus órgãos próprios, dentre
outras, as atividades de polícia ostensiva de
segurança, de trânsito urbano e rodoviário;
II - Executar atividades de policia ostensiva,
relacionadas com a prevenção criminal,
preservação da ordem pública;
DA SEGURANÇA PÚBLICA
Art. 126, § 1º
III - Garantir o exercício do poder de polícia dos
órgãos públicos, especialmente os da área
fazendária, sanitária, de proteção ambiental,
de uso e ocupação do solo e de outras cujas
atividades interessam à segurança pública;
IV - Atuar de maneira preventiva, como força de
dissuasão em locais ou em áreas específicas;
V - Atuar de maneira repressiva em casos de
perturbação da ordem pública.
Art. 126
§ 3º - A POLÍCIA MILITAR será comandada
por oficial da ativa do último posto da
corporação, possuidor do CURSO
SUPERIOR DE POLÍCIA (CSPM), e,
excepcionalmente, a critério do
Governador do Estado por oficial
superior do exército com o posto de
CORONEL.
DA SEGURANÇA PÚBLICA
Art. 128. Os Municípios com população
acima de duzentos mil habitantes
poderão constituir guardas municipais
destinadas à proteção de seus bens,
serviços e instalações, conforme
dispuser a lei estadual.
DA SEGURANÇA PÚBLICA
Art. 127, § 3º A organização e
funcionamento dos órgãos
encarregados da segurança pública
serão estabelecidos em lei.
§ 4º Os Órgãos incumbidos da promoção
da segurança pública serão
subordinados diretamente ao
Governador do Estado.
DA SEGURANÇA PÚBLICA
Art. 128. Os Municípios com população
acima de duzentos mil habitantes
poderão constituir guardas municipais
destinadas à proteção de seus bens,
serviços e instalações, conforme
dispuser a lei estadual.
DA SEGURANÇA PÚBLICA
Art. 129. É assegurada a preservação da
intimidade, da vida privada, da honra e
da imagem das pessoas envolvidas e
das testemunhas, sempre que as
entidades policiais divulgarem aos
órgãos de comunicação social fatos
pertinentes à apuração de infrações
penais.
DA SEGURANÇA PÚBLICA
Art. 130. Os conselhos de defesa e segurança
da comunidade serão criados por lei, com o
objetivo de encaminhamento e solução dos
problemas atinentes à segurança pública.
Parágrafo único. A lei que os criar estabelecerá
normas para a participação de segmentos
sociais em sua composição.
PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO
PROFISSIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL

COMPLEMENTAÇÃO METODOLÓGICA