Você está na página 1de 19

A Origem da Revolução

Industrial
A Revolução Industrial e a Grã Bretanha:
a 1ª nação industrial
Prof. Carlos Gabriel
GHT/UFF

um manifesto não comunista” (não marxista). • O problema da origem para Eric Hobsbawm: • 1. A R. mas uma aceleração em virtude das transformações econômicas e sociais. O problema da origem da R. britânica foi a primeira. “Etapas do Desenvolvimento Econômico. .I.I. I. • 2.1. “A R. e através delas”. não foi uma mera aceleração do crescimento econômico (take off). • A questão do take off resposta a Walt Whitman Rostow (economista norte-americano e assessor do governo John Kennedy) e seu livro.

Agrícola 0.0 2.8 4.0 3.7 0.0 1.6 1.2 0.9 0.3 1.3 0.64 . p.3 0.7 1. 24 1710-1740 1710-1740 (revista) 1740-1780 1780-1800 1800-1831 Produção real 0.9 2. Industrial 0.06 Produção real per capita 0.0 0.7 0.45 Prod.2 0.0 0.0 1.6 1.Tabela 1: Crescimento da Inglaterra e País de gales no século XVIII (média percentual ano) – Mathias e Davies.44 Prod.5 0.61 População 0.

Não pode ser explicada por uma ética protestante (Max Weber). tampouco. importação de capital. britânica não pode ser explicada por: • 1º. em termos puramente britânicos. pois a economia britânica fazia parte de uma “Economia Européia” ou “Economia Mundial dos Estados Marítimos Europeus”. Fatores externos. como por ex. . • 2º.. I. a R. imitação das técnicas mais avançadas. Não pode ser explicada.• Hobsbawm por ser a 1ª. o impacto de uma economia mundial já industrializada. • 3º.

I.2. • Hobsbawm “a GB acumulara capitais e tinha dimensões suficientes para permitir-se investimentos nos equipamentos necessários à tranformação econômica (não muito dipendiosos antes da ferrovia)” . e podiam ser removidos (transferência do trabalho)”. . já existiam ou podiam ser criadas facilmente na GB. • As pré-condições para a R. As pré-condições para a R.I. • Hobsbawm “os vínculos econômicos. sociais e ideológicos que imobilizavam a maioria das sociedades pré-industriais (mercado) em situações e ocupações tradiconais já eram fracos.

• A GB não tinha escassez de capital e. A ação do governo e a política econômica. A expansão do mercado externo. assim como a sua estrutura comercial. • As principais pré-condições foram: • 1ª. . • O setor manufatureiro era extensivo e bastante desenvolvido. • 3ª. embora sua economia não fosse (ainda) uma economia de mercado capitalista_ “aquela em que a maior parte dos bens e serviços fora do círculo familiar são comprados e vendidos”_ em muitos sentidos formava um único mercado nacional. A expansão do mercado interno pré-industrial inglês. • 2ª.

o que cria mais clientes. o que cria melhores clientes. das rendas não monetárias para rendas monetárias. Um transferência de pessoas.1 A expansão do mercado interno préindustrial • O crescimento do mercado interno ocorre através de: • 1. • 3.2. que cria mais consumidores (e também produtores). em substituição a formas mais antigas de manufaturas ou importações. • 4. O advento de bens produzidos industrialmente. Um aumento da renda per capita. Crescimento da população. • 2. .

• A base pré-industrial da indústria do carvão era superior ao do ferro as máquinas a vapor foram frutos das minas_ em 1769. uma centena de caldeiras a vapor já estavam presentes em torno de Newscastle upon Tyne (Newcastle. como o carvão vegetal e ferro. caçarolas. pregos. • Carvão vegetal consumido com o aumento das lareiras urbanas_crecimento urbano.• Mercado interno importante escoadouro para produtos manufaturados. cresceu com a procura por panelas. fogões. • Ferro embora com um consumo menor. no NE da Inglaterra) . que mais tarde se tranformaram em bens de produção.

.Máquinas a vapor nas minas de carvão Máquina térmica de Newcomen . além de elevar a água.utilizada em minas profundas com menor risco de explosões e que. poderia elevar cargas.

Maquina a Vapor .

2 A expansão do mercado externo • As atividades exportadoras “atuavam em condições muito diferentes. • As atividades exportadoras a longo prazo. se expandiram com mais rapidez que as atividades voltadas para os mercados internos. . • As flutuações do mercado externo chegavam até 50% num único ano. e potencialmente mais revolucionária”.2. “de modo que o fabricante que fosse capaz de correr o suficiente para companhar as expansõoes podia ganhar fortunas”.

• A razão da expansão das atividades exportadoras as atividades não dependiam da taxa modesta de crescimento “natural” da procura interna. .• O mercado externo “a centelha para a Revolução Industrial”. e estava vinculada essencialmente ao comércio ultramarino (a matéria prima importada dos trópicos ou sub-trópicos). mas supriu a fogueira de combustível e de ventilação para que a mesma continuasse ardendo”. • O mercado interno “não proporcionou a centelha. • A produção de algodão foi a primeira a se industrializar.

Tabela 2: Crescimento das atividades para os mercados interno e externo Período Atividades Mercado Interno Mercado Externo 1700/1750 7% 76% 1750/1770 7% 80% .

• Os objetivos econômicos “ao contrário da Holanda.3 A ação do governo • A ação política do governo subordinar toda a política externa a objetivos econômicos. também. pelo grupo de pressão formado pelos produtores manufatureiros (a princípio pelos produtores de lã) . • A conquista dos mercados através da guerra e da colonização em benefício dos manufatureiros. e cada vez mais.2. não eram dominados exclusivamente por interesses comerciais e financeiros” “eram influenciados.

. Sucessão Austríaca.• A divergência entre a fabricação e o comércio (representado pela Cia das Índias Orientais) foi decidida em 1700. Independência dos EUA e Guerras Revolucionária e Napoleônicas). Guerra dos 7 anos. “quando a Cia das Índias Orientais foi privada de seu monopólio na índia e o sub-continente indiano aberto à importação em grande escala de panos de Lancashire. • O protecionismo externo aconteceu após 1813. somente em uma estava na defensiva. • A agressividade sistemática britânica das 5 grandes guerras do período (Sucessão Espanhola. quando os produtores britânicos ganharam proteção contra as importações de têxteis indianos (fios e tecidos produzidos por milhões de artesãos indianos).

O comércio ultramarino repousava sobre: • I) O surgimento de um mercado (consumidor) para os produtos ultramarinos de uso cotidiano na Europa (para além das especiarias. ocorreu no último quarto do século XVIII (1775-1780)? • As respostas são: • 1ª. . café). Por que a Grã Bretanha foi a 1ª nação industrial? Por que a R.3. I. commoditie_ açúcar. • II) A expansão do comércio de escravos no século XVIII. • . A GB fazia parte da Economia Internacional (Pieter Emmer denominou de 2° Sistema Atlântico).

4 104.4 120 247.4 210.7 51.Tabela 3: Volume de escravos africanos desembarcados por região de chegada nas Américas.2 .6 44.2 210.8 10.5 345.6 213. 1701-1800 (em milhares) EUA Jamaica Ilhas Windward e Trinidad São Domingos América Espanhola NO do Brasil Bahia Sudeste do Brasil 1701-1725 30 139.7 186.8 112.1 0.6 197.5 30 24.5 247.3 199.5 0.2 312.9 1751-1775 5 270.4 1776-1800 10.5 5 126.3 144.9 12.6 122 1726-1750 12.9 94.

• . Inglesas) . e Oc. A ampliação do comércio negreiro com as plantations no mundo colonial (Ex: no Estado do Brasil. • 3ª) A concentração dos mercados coloniais ( a ação das companhias monopolizadoras. • 2ª) A participação crescente do comércio externo na economia (PIB ou GNP) dos Estados Nacionais. como o britânico e francês. como as Companhias das Índias Or. a expansão das plantations em novas regiões. como no Centro-Sul) • III) A expansão dos Impérios.