Você está na página 1de 41
Garantias especiais das obrigações Bruno Mestre IPCA • Responsabilização de um ou outro património pelo cumprimento da obrigação • Atribuição ao credor de determinados direitos sobre certos bens do devedor ou de terceiro • Podem resultar da autonomia privada, da lei ou de uma decisão judicial Classificação • Pessoais – Responsabilização do património de outra pessoa pelo cumprimento da obrigação • Reais – Direito de o credor se fazer pagar, preferencialmente a outros credores, pelo valor ou rendimentos de certos bens do próprio devedor ou terceiro, ainda que esses bens venham a ser transferidos • Legais – Resultam da lei • Convencionais – Resultam de negócio jurídico • Judiciais – Resultam de decisão do tribunal Prestação de caução • Garantia imposta ou autorizada para assegurar o cumprimento de obrigações eventuais ou de amplitude indeterminada. • Destina-se a prevenir o cumprimento de obrigações que possam vir a ser assumidas por quem exerça uma certa função ou esteja adstrito à entrega de bens ou valores alheios • A lei é muito parcimoniosa sobre esta garantia • 623: meios pelos quais pode ser prestada • 624: pode ainda prestá-la por via de qualquer garantia, pessoal ou real. • 625: falta de prestação de caução • 626: insuficiência ou impropriedade da caução Fiança • Trata-se de uma garantia pessoal das obrigações • 627: o fiador assegura o cumprimento de obrigação alheia com o seu património, ficando pessoalmente obrigado com o credor • Em regra abrange todo o património, embora possa ser limitada a alguns dos bens que o integram (602). Requisitos • Requisitos da fiança • 628: declaração expressa da vontade de prestar fiança na forma exigida para a obrigação principal. Não depende do conhecimento ou consentimento do devedor. • 632: validade da obrigação garantida • Requisitos do fiador – 633: capacidade e idoneidade patrimonial • Características da fiança – Acessoriedade: 627/2; 628; 631; 632; 651 – Subsidariedade: benefício excussão 638 + 639 + 640 + 642 • Relações entre credor e fiador – Acessoriedade – Subsidariedade – 635: caso julgado – 636: prescrição – 637: meios de defesa do fiador • Relações entre devedor e fiador – 644: o fiador que cumprir a obrigação fica sub-rogado nos direitos do credor, na medida da satisfação – 645 + 646: dever recíproco de aviso – 647: meios de defesa - em certas circunstâncias não pode opor ao fiador os meios de defesa que tinha contra credor – 648: direito à liberação ou prestação de caução • Pluralidade de fiadores – 649: se prestarem as fianças isoladamente, o regime é similar ao das obrigações solidárias, salvo tendo sido convencionado o benefício da divisão; se prestarem as fianças conjuntamente, o regime é similar ao das obrigações conjuntas. – 650: relações entre fiadores e subfiadores; direito de regresso. • Extinção da fiança – 651: a extinção da obrigação principal determina a extinção da fiança – 652: vencimento da obrigação principal; prazo de caducidade da fiança – 653: liberação da fiança por impossibilidade de sub-rogação dos fiadores – 654: fiança de dívida futura; possibilidade de liberação. • Sub-fiança – Consiste numa fiança de uma fiança – O sub-fiador está para o fiador como este está para o devedor principal – 643: o sub-fiador responde em último: goza do benefício da excussão tanto em relação ao fiador como ao devedor principal • Mandato de crédito – 629: A encarrega B de conceder crédito a C, em nome e por conta de B. – o autor do encargo responde como fiador se o crédito for aceite embora possa revogar ou denunciar o mandato, em certas condições – o encarregado pode recusar o cumprimento sempre que a situação patrimonial dos outros contraentes ponha o seu futuro direito em risco. Consignação de rendimentos • Visa assegurar o cumprimento de uma obrigação e/ou o pagamento dos respectivos juros mediante o rendimento de certos bens. • 656: pode incidir sobre bens imóveis ou móveis sujeitos a registo; 660/2 - títulos de crédito nominativos • 657: só tem legitimidade quem puder dispor dos bens consignados • 658: espécies de consignação – Voluntária – Judicial • 660: forma e registo • 659: prazo • 661: modalidades – Os bens continuam na posse do concedente – Os bens passam para o poder do credor – Os bens passam para o poder de terceiro • 665: aplicação de certos preceitos relativos ao penhor e hipoteca à consignação de rendimentos. • 664: extinção da consignação – Decurso do prazo – Mesmas causas pelas quais se extingue a hipoteca salvo a prevista no 730, b) Penhor • Termo polissémico: designa o direito real de garantia, o objecto sobre que incide e o contrato que lhe serve de base. – Direito real de garantia: direito que incide sobre uma coisa que permite ao credor fazer-se pagar em caso de incumprimento da obrigação • Objecto: coisas móveis, créditos e direitos não-hipotecáveis (penhor de coisas vs penhor de direitos) • Contrato: pode ser constituído pelo próprio devedor ou terceiro; o mais relevante é ter a legitimidade para alienar os bens. • 666: conceito • o penhor confere ao credor o direito à satisfação do seu crédito, bem como dos juros, se os houver; • Com preferência sobre os demais credores; • Pelo (1) valor de certa coisa móvel, (2) valor de créditos ou outros direitos nãosusceptíveis de hipoteca; • Pertencentes ao devedor ou a terceiro Penhor de coisas • 669: a eficácia depende da entrega da coisa ou de documento que confira a exclusiva disponibilidade dela. • direitos credor pignoratício – 670; 674; 675; 676; • deveres credor pignoratício – 671; • 678: remissão para o regime da hipoteca Penhor de direitos • 679: aplicação subsidiária das regras previstas para o penhor de coisas • 680: requisitos do objecto • 681: forma e publicidade • 682: entrega de documentos • 684: relações entre obrigado e credor pignoratício • 685: cobrança de créditos empenhados • 683: conservação do direito empenhado • Extinção do penhor – 677 • Restituição coisa/documento • Pelas mesmas causas pelas quais se extingue a hipoteca, salvo a prevista 730,b). • Nota: sendo a posse elemento constitutivo do penhor, em caso de desapossamento, extingue-se igualmente o penhor. Hipoteca • Trata-se de uma garantia muito similar ao penhor mas do qual se distingue em três relevantíssimos aspectos – Recai sobre bens imóveis ou havidas como tais – O registo é obrigatório – Os bens não têm que sair da posse do autor da garantia • 686: definição de hipoteca • Objecto – 688: coisas imóveis ou equiparadas – 689: bens comuns – 691: extensão – 692: sub-rogação em caso de indemnizaç – 690: bens excluídos • Regime – 693: acessórios do crédito – 694: pacto comissório - nulidade – 696: indivisibilidade – 697: penhora dos bens – 700: administração da coisa – 701: substituição / reforço da hipoteca • Características fundamentais – Realidade – Especialidade – Publicidade – Indivisibilidade – Acessoriedade • Modalidades – Legais – Convencionais – Voluntárias • Hipotecas legais – 704: conceito – 706 + 708: regras específicas de registo – 705: credores que gozam de hipoteca legal • Hipotecas judiciais – 710: conceito • Hipotecas voluntárias – 712: conceito – 714: forma – 715: legitimidade para hipotecar – 716: hipotecas gerais - nulidade – 713: segunda hipoteca • Redução da hipoteca – 718: redução voluntária e judicial – 719: redução voluntária – 720: redução judicial • Transmissão bens hipotecados – 721 + 722: expurgação da hipoteca – 723: direitos dos credores quanto à expurgação – 724: ressuscitação de direitos reais • Transmissão da hipoteca – 727 + 728: cessão de hipoteca – 729: cessão grau hipotecário • Extinção da hipoteca – 730: causas de extinção – 731: requisitos da renúncia – 732: renascimento da hipoteca Privilégios creditórios • Visa assegurar que determinados as dívidas de determinados credores, pela sua natureza, sejam pagos preferencialmente em relação aos demais. • 733: têm sempre fonte na lei • 735: modalidades – Mobiliários • Gerais e especiais – Imobiliários • Sempre especiais • Privilégios mobiliários gerais – 736: créditos Estado e autarquias locais – 737: outros créditos com privilégio mobiliário geral • Privilégios mobiliários especiais – 738-742 • Privilégios imobiliários – 743 + 744 • Efeitos – 745 - 751: graduação dos privilégios • Extinção – Remissão para o regime da hipoteca • Norma remissiva – 753 Direito de retenção • Forma muito “primitiva” de garantia; o credor recusa-se a entregar a coisa como forma de constranger o cumprimento • 754: três requisitos – Detenção lícita de coisa que deve ser entregue a outrem – O detentor ter um crédito sobre a pessoa com direito à entrega – Existência de uma conexão directa entre crédito do detentor e coisa detida - despesas e danos. • 755: casos especiais do direito de retenção • 756: exclusão do direito de retenção • 757: inexigibilidade e iliquidez do crédito • 758: retenção coisa móvel – Remissão para o regime penhora • 759: retenção coisa imóvel – Remissão regime hipoteca • 760: transmissão – Depende da transmissão do crédito garantido • 761: extinção – Remissão para o regime da hipoteca – Entrega da coisa • Direito de retenção vs excepção de não-cumprimento (428º-431º) – São figuras próximas mas que não se confundem – A excepção apenas se aplica no quadro das obrigações sinalagmáticas e o direito de retenção não exige o correspondente vínculo de correspectividade. – A excepção aplica-se a prestações de coisa e de facto e o direito de retenção incide sobre coisas. • 756,d) e 428/2: a excepção não pode ser afastada mediante prestação de caução • No entanto, o mesmo facto jurídico pode dar origem aos dois meios de tutela, originando um caso de sobreposição