Você está na página 1de 52

AGRUPAMENTO DAS ANTAS

ESCOLA E.B. 2/3 NICOLAU NASONI

.
SER SURDO NÃO SIGNIFICA NÃO
FALAR, MAS APENAS NÃO ENTENDER
A PALAVRA FALADA

SIGNIFICA FALAR UMA LÍNGUA


VISUAL, DE MÃOS E OLHOS...UMA
LÍNGUA DE CORPO INTEIRO
AGRUPAMENTO DAS ANTAS

• JI DÓ-RE-MI
• JI+EB1 MONTE AVENTINO
• EB1 MONTEBELLO
• EB 2.3 NICOLAU NASONI
AGRUPAMENTO DAS ANTAS
• JI+EB1 MONTE AVENTINO
11 alunos surdos
4 Pré-escolar com IC
7 1º Ciclo
• EB1 MONTEBELLO
8 alunos com NEE-p ( 3 com IC)
• EB 2.3 NICOLAU NASONI
19 alunos surdos (5º ao 10º ano )
8 alunos na Unidade Multideficiência
8 allunos com NEE-p
NÚCLEO DE ATENDIMENTO A
ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA
E SURDEZ
NACDA
FINALIDADES

• Assegurar a educação dos alunos com surdez, criando condições


efectivas de diferenciação pedagógica, promovendo a sua
socialização, desenvolvimento da comunicação e sucesso educativo.
O N.A.C.D.A. da Escola E.B. 2/3 Nicolau Nasoni é criado em
simultâneo com a Escola, por proposta do Departamento do Ensino
Especial da DREN.
ORGANIZAÇÃO DAS TURMAS
Este modelo de atendimento a crianças com deficiência auditiva e surdez prevê a
integração de dois deficientes auditivos numa turma de ouvintes com o máximo de
vinte alunos.
.
SALA DE RECURSOS

• Paralelamente, existe uma Sala de Recursos equipada com material de terapia


de fala,computadores e software «Visifala» da responsabilidade dos
professores especializados que fazem o trabalho de apoio de retaguarda e
acompanham os alunos nas aulas teóricas,ajudando-os a descodificar as
noções mais abstractas.
APOIO INDIVIDUAL

– Para além deste apoio, os professores das disciplinas teóricas trabalham


com os alunos surdos em apoio individual ou com pequenos grupos.
HORAS PARA APOIO A ALUNOS SURDOS
• APOIO PEDAGÓGICO PERSONALIZADO
• - Componente lectiva e não lectiva dos professores
regulares
• - Componente lectiva e não lectiva dos docentes de
educação especial

• MODALIDADES DE APOIO
• - durante todo o ano lectivo / só enquanto necessário
• - individualmente / em pequenos grupos
• - Grupo/ Turma de surdos – L2
CURRÍCULOS

• Os alunos surdos para além do seu currículo académico, têm


as aulas de apoio ministradas pelos respectivos professores, de
acordo com as suas necessidades, e o suporte ao nível das
técnicas de estudo e apoio na elaboração dos trabalhos de
casa
MEDIDAS EDUCATIVAS
DL 3/2008 ARTº 16

• O regime educativo especial consiste na


adaptação das condições em que se
processa o ensino-aprendizagem do aluno
com necessidades educativas especiais

• F) TECNOLOGIAS DE APOIO

• Material didáctico especial – Material


audio-visual (Visi-Fala, multimédia, video
conferência)
• .Dispositivos de compensação
individual – Implante
Coclear;Interpretação em Língua Gestual
Portuguesa); Adaptações materiais;
B) ADAPTAÇÕES CURRICULARES INDIVIDUAIS

•Dispensa da actividade que se revele


impossível de executar em função da SURDEZ -
adaptação dos programas retirando, quando
necessário, as competências orais, introduzindo a
Língua Gestual Portuguesa e fazendo adaptações que
possibilitam o acesso ao currículo, quer nos conteúdos
das disciplinas quer em outras actividades:
C) ADEQUAÇÕES NO PROCESSO
DE MATRÍCULA
Na escola adequada,
independentemente do local de
residência – a frequência do Núcleo
de Apoio de Crianças Surdas da EB
2/3 Nicolau Nasoni possibilita as
condições de acesso e os recursos
de apoio pedagógico que facilitam a
integração dos alunos com
necessidades educativas especiais
decorrentes da surdez e promove o
sucesso escolar dos alunos surdos.

Condições especiais de
frequência
Dispensa de uma língua estrangeira;
D) ADEQUAÇÕES PROCESSO DE AVALIAÇÃO
Instrumentos de avaliação variados; testes escritos mais
simples e/ou mais pequenos; mais tempo para os testes
escritos; fichas de trabalho; trabalhos escritos; avaliação
oral e/ou em Língua Gestual Portuguesa; avaliação
realizada ou acabada na aula de apoio ou na sala de
recursos. Valorização do desempenho nas aulas de apoio;
(Ex. Exame de escola no 6º e 9º ano de escolaridade)

g) Adequação na organização de classes ou turmas


Turma com número reduzido de alunos;
A) APOIO PEDAGÓGICO PERSONALIZADO - O apoio
pedagógico acrescido consiste no apoio lectivo
suplementar individualizado ou em pequenos grupos e
tem carácter temporário Apoio suplementar às disciplinas
de carácter mais teórico de um tempo semanal Apoio de
Educação Especial - na sala de aula - na sala de recursos
(1h/semana)
Metodologias

• Os alunos desenvolvem o seu processo de ensino- aprendizagem em turmas


«normais», com professores iguais aos que ensinam todos os outros,
programas e planificações o mais semelhante possível às dos alunos ditos
«sem problemas», com estratégias mais trabalhadas, das quais beneficiam
todos os alunos da turma.
ESTRATÉGIAS PROPOSTAS

Redefinição de competências essenciais


Conteúdos mais simplificados
Conteúdos mais reduzidos
Conteúdos alternativos (indicar quais em anexo)
Adaptação/diversificação de actividades
Aulas de Apoio Acrescido (indicar quais)
Actividades de reforço (Aprendizagem de Língua Gestual
Portuguesa)
Fichas de avaliação diferentes
Fichas de avaliação adaptadas
Mais tempo de realização das fichas de avaliação
Fichas de avaliação com cotações adaptadas
Fichas de avaliação com consulta
Fichas de avaliação com a ajuda técnica (prof. da disciplina,
prof. de apoio, intérprete, formador, auxiliar de acção
educativa)
Valorização da participação nas aulas
Valorização das atitudes
Valorização do desempenho nas aulas de apoio
Valorização de actividades de complemento curricular
Valorização da participação na Área de Projecto
O aluno surdo pode não falar
porque não ouve;
ATENÇÃO Ainda que use próteses auditivas
ou que faça leitura labial, o surdo
nem sempre compreende aquilo
O aluno surdo nãoque
se diferencia do aluno
lhe queremos ouvinte,
transmitir.
apenas usa uma comunicação diferente – LÍNGUA
GESTUAL PORTUGUESA;
A Língua Gestual Portuguesa é a língua materna do
surdo – não deve ser um factor discriminatório;

Aprenda Língua Gestual Portuguesa:


•Associação de Surdos do Porto;
•Centros de Formação;
•Unidades de Apoio à Surdez;
•APECDA do Porto;
•Agrupamento das Antas (?)
• Se necessário, ajude a comunicação com um gesto, uma palavra escrita ou
uma imagem;

• Enquanto fala com um surdo, evite comer, caminhar ou falar com outras
pessoas, em simultâneo.

• Antes de falar com o surdo, chame a sua atenção com um toque suave;

• Ao falar com o surdo, faça com que o seu rosto e os seus gestos sejam
visíveis - Nunca fale em contra-luz (bigode)

• Fale, normalmente, sem gritar e sem fazer movimentos faciais exagerados,


com frases correctas e articulando bem as palavras;
RECURSOS DO NACDA
- Professores
especializados em
Surdez;
- intérprete de Língua
Gestual Portuguesa
(6H);
-Terapeuta de Fala.

Estagiários do Curso de Tradução e


Interpretação de L.G. P. da Escola Superior
de Educação do Porto

Estagiários do Curso de Formadores de L.G.


P
MODELO DE INTEGRAÇÃO

• Parece-nos ser este o modelo mais correcto e o que corresponde à


verdadeira integração, uma vez que se aproxima do que é a vivência
real, numa sociedade real, com as dificuldades inerentes ao quotidiano,
em que se perspectivam já hipóteses de sensibilização profissional.
PARCERIAS

• ESE DO PORTO
• UNIVERSIDADE DE AVEIRO
• UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA
• ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE PORTO
• INSTITUTO PIAGET – GAIA
• FACULDADE PSICOLOGIA DO PORTO
• ASSOCIAÇÃO SURDOS PORTO
• APECDA
• ….
LÍNGUA
C OMUNIDADE
C ULTURA
NÓS COMEMORAMOS
O DIA…

LINGUA GESTUAL
PORTUGUESA
EDUCAÇÃO DO SURDO
INTÉRPRETE DE LGP
LINGUAS EUROPEIAS
O NOSSO PROJECTO….

SURDOS FAMOSOS
mãos que falam
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA
PORTUGUESA

• Artº 74 nº 2 alínea h)

• Proteger e valorizar a língua gestual portuguesa,


enquanto expressão cultural e instrumento de
acesso à educação e da igualdade de oportunidades
Emanuelle Laborit

ESCRITORA E ACTRIZ DE TEATRO


SURDA PROFUNDA
Emanuelle Laborit

"Os outros ouvem, eu não.


Mas tenho olhos, que
forçosamente observam
melhor do que os deles.

Tenho as minhas mãos que


falam..."
Emanuelle Laborit

“Os que ouvem têm tudo a


aprender com aqueles que
falam com o corpo.
A riqueza da língua gestual é
um dos tesouros da
Humanidade”
Pior que a surdez de
ouvido é a surdez de
espírito

Vitor Hugo, escritor francês


SURDOS FAMOSOS

THOMAS EDISON
(1874 – 1931)
INVENTOR
SURDOS FAMOSOS

LUDWIG VAN BEETHOVEN

(1770 – 1827)

COMPOSITOR E MÚSICO
SURDOS FAMOSOS

FRANCISCO
DE
GOYA

(1746-1826)

PINTOR
SURDOS FAMOSOS

FRANCISCO PRÁDEZ
(1773-1836)

PROFESSOR
SURDOS FAMOSOS

THOMAS
GALLAUDET

LAURENT CLERC
(professor surdo)

Gallaudet College,
1ª Universidade do
mundo para
SURDOS FAMOSOS

MARLEE MATLIN (1966)

ACTRIZ CINEMA E TEATRO

ÓSCAR MELHOR ACTRIZ NO


FILME

“FILHOS DE UM DEUS MENOR”


SURDOS FAMOSOS

EMMANUELLE LABORIT
(1968)

ESCRITORA E ACTRIZ

AUTORA DO LIVRO « O GRITO DA


GAIVOTA »

PRÉMIO MOLIÈRE
ACTRIZ REVELAÇÃO EM FRANÇA
SURDOS FAMOSOS

HELLEN KELLER
(1880 – 1968)

ESCRITORA E ENSAISTA
HELLEN KELLER

"Várias vezes pensei que seria uma


bênção se todo ser humano, de
repente, ficasse surdo e cego por
um dia.
 
O silêncio ensinar-lhe-ia as alegrias
do som e as trevas fá-lo-ia apreciar
mais as cores do mundo”
• Espaço do signante

Dentro do espaço convencional

Cinesfera
espaço onde se
movem os
membros
superiores

écran gestual
s ,
to do
ós ,
s n
So mo e
o s d
te m
qu e s!
o is a
a s c
da r
m u
Aprende língua gestual
portuguesa
BOM TRABALHO
outros surdos
famosos…

Todos os alunos da nossa


escola,

de Portugal...
do Mundo ...