Você está na página 1de 27

BURACO NEGRO

UM PONTO MISTERIOSO NO
UNIVERSO

A GRAVIDADE E A VELOCIDADE DE ESCAPE


Energia cinética do corpo
Ec = ½ mve2

Energia potencional
gravitacional na superfície do
planeta
• Ep = mgh ; g = GM/R2 e h = R
• Ep = mRGM/R2

• ½ mve2 = mRGM/R2

ve2 = 2GM

eq.1

R

M

ve

R

ve

M M M V e> C • Reduzindo o volume de uma estrela. . a respectiva velocidade de escape iguala a velocidade da luz. formou-se então um Horizonte de eventos. mantendo a sua massa. A partir desse ponto a luz da estrela já não pode escapar da forte interação gravitacional.

Horizonte de eventos singularidade Uma vez formado o Horizonte de eventos o colapso total é inevitável e a estrela é reduzida a um ponto onde a densidade é infinita e de volume tendendo a zero. . chamado de singularidade.

Dessa forma encontraremos a distância ao corpo de massa m em que a velocidade de escape é igual à velocidade da luz. a dedução simplificada acima a partir da Eq. Esta distância é denominada de Raio de Schwarzschild: • R SCH = 2GM C2 Obs: Embora a dedução correta para o Raio de Schwarzschild deva utilizar a teoria da relatividade. 1 fornece o mesmo resultado .• RAIO DE SCHWARZSCHILD • Partindo da equação 1 podemos substituir Ve por c (velocidade da luz) e isolar o raio R.

que tem raio de 1.este nome é dado devido nessa esfera existirem fótons da luz que orbita o buraco negro.5 RSch . O raio do horizonte de eventos determina ainda o raio da Esfera de Fótons. Qualquer corpo que assumir um tamanho menor do que o do seu horizonte de eventos irá colapsar a um ponto. .• Este raio delimita uma fronteira que é chamada de Horizonte de Eventos. porque nenhuma informação sai de dentro dela.

• A contração provoca um enorme aumento de pressão no centro que somada ao atrito das partículas faz com que a protoestrela atinja uma temperatura de 15. contração essa que se deve justamente.Formação do buraco negro estelares • um pouco da evolução estelar As estrelas nascem da contração das nuvens de gases (principalmente o hidrogênio) e poeira interestelar.106 °C. . à força gravitacional.

ocorrem as reações termonucleares de fusão onde o hidrogênio se transmuta em hélio. A pressão da radiação(de dentro pra fora) interna se equilibra com a pressão da gravidade(de fora pra dentro).deixando a portoestrla estável . gerando luz e uma pressão interna que ira frear a contração da protoestrela. até que o sistema entre em equilíbrio.• A essa temperatura.

O que fica é o núcleo altamente comprimido e extremamente maciço. Se a massa do caroço após a explosão for maior que 2 massa solar. pois o combustível para essas reações é consumido. Esse objeto literalmente desaparece da visão. À medida que o núcleo é comprimido. a fusão nuclear é interrompida. Como a gravidade do núcleo é muito intensa. criando nele um buraco.• Quando a estrela morre. arremessando para o espaço a matéria e a radiação. a gravidade deste é tão forte que nem a luz consegue escapar. Ao mesmo tempo. ele se afunda na estrutura do espaço-tempo. . este se aquece e cria uma explosão. a gravidade da estrela atrai a matéria para o interior e comprime o núcleo.

.

provavelmente formados quando o Universo era bem mais jovem a partir do colapso de gigantescas nuvens de gás ou de aglomerados com milhões de estrelas.Tipo de Buraco negro quanto a massa • Os Buraco Negros são considerados entidades físicas relativamente simples pelo fato de podermos descrevêlos e classificá-los conhecendo somente três características suas: massa. . momentum angular (medida da sua rotação) e carga elétrica. • Buracos negros Supermassivos: encontrados nos centros das galáxias. De acordo com a massa. com massas de milhões a um bilhão de vezes a massa solar. podemos classificar os buracos negros em dois tipos principais: • Buracos Negros Estelares: originados a partir da evolução de estrelas massivas e portanto com massa da ordem das massas estelares.

uma região de espaço distorcido de forma oval ao redor do horizonte de eventos. gira porque a estrela do qual foi formado estava girando.buraco negro sem rotação Kerr .a fronteira entre a ergosfera e o espaço normal. Se um objeto passa para dentro da ergosfera.buraco negro com rotação O buraco negro de Schwarzschild é o mais simples. ele ainda pode ser ejetado do buraco negro. horizonte de eventos . O buraco negro de Kerr é composto das seguintes partes: singularidade .Tipos de buracos negros quanto a rotação • • • • • • • • • • Há dois tipos de buracos negros: Schwarzschild . ergosfera . provavelmente a forma mais comum na natureza. a rotação do núcleo é transferida ao buraco negro (conservação do momento angular).a abertura do buraco. seu núcleo não gira. Esse tipo de buraco negro tem apenas uma singularidade e um horizonte de eventos. O buraco negro de Kerr.o núcleo colapsado. A distorção é causada pelo movimento rotatório do buraco negro que "arrasta" o espaço em torno dele. obtendo energia da rotação do buraco. Quando a estrela em rotação entra em colapso. limite estático . .

Buraco negro de Kerr .

.

é sugado para dentro do buraco negro e nunca mais escapa.O que é conservado num buraco negro • Contudo. se um objeto cruza o horizonte de eventos. Mesmo as teorias atuais de física não se aplicam a uma singularidade. O que acontece dentro do buraco negro é desconhecido. ele tem três propriedades que podem ou poderiam ser medidas: • massa • carga elétrica • taxa de rotação (momentum angular) . • Embora não possamos ver um buraco negro.

Através do estudo da deflexão da órbita da estrela visível do sistema duplo pode-se descobrir a massa do objeto invisível e assim confrontar o resultado encontrado com o limite mínimo de massa para a existência de um buraco negro. .Como encontrar um buraco negro • Um modo de detectar um candidato a buraco negro é procurá-lo em sistemas binários (duas estrelas que orbitam uma ao redor da outra) onde uma das componentes do sistema parece ser invisível e tenha massa maior do que 3-6 M.

• o buraco negro captura matéria da companheira através de um disco (Disco de acresção) no qual a matéria pode perder o excesso de momentum angular via um processo de fricção que aquece a matéria capturada a 107 K. Deste modo deve-se procurar fontes de raiosX com período de variação da emissão da ordem de segundos ou dias-luz (como está explicado na figura a seguir). . Este aquecimento provoca uma forte emissão de raios-X. Assim devem existir evidências mais específicas de que esta radiação seja mesmo originada em um disco de acresção. • As emissões fortes de raios-X podem vir de outras fontes. Para que um candidato seja realmente um disco de acresção ele deve ter dimensões pequenas (da ordem de milisegundos-luz para os estelares e dias-luz para os supermassivos no centro das galáxias) para que seja coerente com o modelo proposto.

a matéria está tão aquecida que emite raios X detectáveis em telescópios 3.Jatos de matéria A alta rotação de alguns buracos negros.1. mas cientistas sabem localizá-lo no centro da atividade gravitacional 2.Buraco negro Seria difícil ver um buraco negro quando cercado de matéria luminosa. somada à intensa gravidade.Raios X Nas partes internas do disco de acreção. O fenômeno é chamado de disco de acreção 4.Disco de acreção A matéria que será engolida ruma em direção ao buraco negro em trajetórias espirais. cria o curioso fenômeno dos jatos de matéria próximos ao horizonte de eventos .

.

devido à grande quantidade de poeira no plano da nossa galáxia que impede a observação ótica das estrelas. que permitem observar através da poeira. a Via-Láctea.Um buraco negro no centro da via-láctea • O centro da nossa galáxia. As velocidades observadas indicam uma densidade central maior do que 2x1012 massas solares por parsec cúbico. Tornou-se possível. é identificado com uma fonte de rádio compacta chamada Sagitarius A. De uns 15 anos para cá. Até há poucos anos. que é muito mais alta do que a que permite a existência de um aglomerado estelar estável. o centro da Via Láctea só era acessível em rádio. aperfeiçoaram-se detectores na faixa infravermelha do espectro. Os astrônomos alemães Eckart & Genzel (1996. medir velocidades de estrelas individuais no centro da Via Láctea através de imagens (os chamados movimentos próprios) e espectroscopia (velocidades radiais). . 1997) vêm acumulando medidas das velocidades das estrelas no centro da galáxia e recentemente publicaram o resultado obtido ao juntar os dados de cerca de 200 estrelas observadas: eles concluíram que as velocidades das estrelas crescem em direção ao núcleo da Via-Láctea de acordo com a Lei de Kepler (para o movimento de partículas em torno de uma massa central). até a mínima distância ao centro possível de ser resolvida (cerca de uma semana-luz). então. A única conclusão possível é que existe no centro da Via Lácta um BN de massa 2.6x106 M.

o buraco negro pode emitir radiação e não será completamente invisível graças à esse mecanismo. Essa é a famosa radiação de Hawking. Se um dos elementos do par cair no buraco negro o outro será lançado em direção oposta pela conservação do momento. Portanto. Num campo de força muito intenso. Isto dará origem a uma radiação de partículas que parece emanar do próprio buraco negro. Hawking mostrou que ele não é tão negro assim graças à mecânica quântica. é possível a criação de pares de partícula e antipartícula.Radiação Hawking • Na década de 70. entretanto. . como aquele criado pelo campo gravitacional de um buraco negro.

.• Em diversos pontos do espaço há o surgimento espontâneo de partículas aos pares. Estes pares não podem ser detectados diretamente:Diz-se que são virtuais. Separam-se por breves instantes e depois voltam a juntarse aniquilando-se mutuamente. Em cada par existe uma partícula e uma antipartícula.

C.O par forma-se do lado de fora e ambas as partículas atravessam o horizonte.O par forma-se e desaparece sem atravessar o horizonte.• • • • O que acontece se um desses pares aparecer junto ao buraco negro? A. .O par forma-se do lado de fora mas apenas uma das partículas atravessa o horizonte. B.

. O fóton de energia negativa. O fóton que ficou do lado de fora pode escapar para longe. uma vez dentro do horizonte.É um Fóton real com energia positiva.• O caso C é o mais interessante. pode deslocar-se livremente até a singularidade.

Mas energia e massa são no fundo a mesma coisa: E = MC2 Conclusão: O buraco negro irá diminuir. . A este processo de perda de massa via radiação Hawking damos o nome de evaporação.• O fóton que atravessou o horizonte tem energia negativa e vai fazer com que a energia do buraco negro diminua.

.• O conjunto de fótons reais que escapam das imediações do horizonte de eventos formam a componente eletromagnética da radiação Hawking.

quando o Large Hadron Collider (LHC) do Cern. Essas partículas serão criadas em espaço tão pequeno e com tal violência que produzirão miniburacos negros Raios cósmicos se chocam com a atmosfera terrestre com energia suficiente para criar miniburacos negros. os pesquisadores farão colidir feixes de prótons que viajarão numa velocidade próxima à da luz. Se os cientistas do LHC forem capazes de detectar a radiação Hawking dos miniburacos negros. a Relatividade e a Mecânica Quântica. próximo a genebra. A energia dessas colisões será convertida em partículas elementares. um acelerador de partículas. . Só que eles rapidamente desaparecem.O homem pode construir um BN? • A resposta só será dada a partir de 2007. arrastados em uma correnteza de partículas elementares conhecida como radiação Hawking. No LHC. será um passo promissor rumo à unificação dessas duas peças do quebra-cabeça (que não se encaixa). estiver funcionando.