Você está na página 1de 98

Introdução à Astrofísica

Thyrso Villela
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
INPE-MCT
Divisão de Astrofísica
São José dos Campos, SP

59ª Reunião Anual da SBPC, Belém, PA, 9 a 12 de julho de 2007

Introdução à Astrofísica
Parte 4

Galáxias e
Cosmologia

59ª Reunião Anual da SBPC, Belém, PA, 9 a 12 de julho de 2007

O que são galáxias normais ?
São a grande maioria das galáxias, cuja radiação é devida às
suas estrelas.

Diagrama de Hubble Irr .

l. .000 anos luz --------] Desenho esquemático da Via Láctea 1 kpc = 1000 pc = 3300 a.a nossa galáxia Andrômeda [------- ~ 100.Via Láctea .

Galáxias Elípticas Galáxia elíptica gigante situada no centro de um aglomerado de galáxias. Ela é 40 vezes mais massiva do que a nossa galáxia.E7 N = 10 x (1-b/a) M87 .Virgo . 0 ----------- O que parecem ser estrelas. são na verdade aglomerados globulares.NGC 4486 . Elipticidade E0 .

Galáxia Espiral <----.??? NGC 3627 Sb .

Galáxia Espiral Barrada NGC 1365 SBc .

= ? .Na tentativa de se examinar se algumas das “nebulosas espirais” seriam similares às nebulosas distribuídas dentro de nossa Galáxia ...

nos anos 40. embora não tenha proposto um modelo para sua explicação. Atribuiu a largura das linhas ao efeito Doppler. Foi com a descoberta dos quasares em rádio e a busca pelas suas contrapartidas ópticas que o estudo de AGNsActive Galactic Nuclei deslanchou. começou a se dedicar à questão das linhas de emissão das galáxias. .Carl Seyfert.

..Olhando galáxias com “outros olhos”. .

Visível MIR 8.3 microns Raios-x ROSAT Visível: Cor Visível MIR IRAS FIR ISO UV ASTRO-1 UIT Radio Effelsberg .

Visível Visível NIR: 2MASS Mid-Infrared: ISO Raios-x: Chandra UV: FOCA/CNRS Visível Far-Infrared: IRAS Radio: VLA .

tanto no óptico. LB   1  Radiação Síncrotron . como na faixa radio. Esta fonte de energia é dita não térmica. raios x. Esta radiação também é produzida na explosão de supernovas.Mas afinal. e em manchas solares. . o que são galáxias ativas ???? São galáxias que produzem em seus núcleos quantidades de energia acima do normal. UV. e gama.Radiação não térmica. produzida por partículas carregadas em alta velocidade na presença de campos magnéticos intensos.

Radiação Síncrotron .

Sey-2 (<10-3 pc) Blazar .3 ly (~10 pc) (~0.1 pc) BH+Disco î Sey-1 <-.Modelo Unificado para os AGNs Jato Rádio (~1 Mpc) NLR (~1 kpc) Toro de Poeira BLR 1pc = 3.

Featureless continuum (sem linhas) proveniente da fonte central. . enquanto as proibidas são da ordem de 500 km/s.Espectro de Sey-1 Hγ ⇩ Hβ ⇩ Hα ⇩ As linhas de emissão permitidas apresentam larguras de 1000-5000 km/s.

Espectro de Sey-2 [OIII] ⇩⇩ [OI][NII][SII] ⇩ ⇩⇩ ⇩ Tanto as linhas permitidas como as proibidas apresentam larguras da ordem de 500 km/s. .

Potencial Gravit. = Energ. Cinética GMm/R = mv2/2 = mc2/2 RS (km) ~ 3 x M (Msol) RS Terra ~ 1 cm RS BNSM ~ 1 UA .Buracos Negros Raio de Schwarzschild Energ.

.

Evidência da existência de um Buraco Negro Supermassivo .

Evidência da existência de um Buraco Negro Supermassivo .

Jato observado no óptico emitido pela galáxia Circinus .

Ele retorna ao nível quiescente em um tempo t2=(x+d)/c. Para uma variabilidade de 1 dia.Variabilidade de um AGN como indicador de tamanho Se um AGN de tamanho d situado a uma distância x como mostrado na fig. tem sua luminosidade aumentada por um período de tempo. abaixo. . O tamanho do AGN deve ser menor que d=(t2-t1)/c. o que é algo como 4 vezes o tamanho do sistema solar. significa o tamanho de 1 dia luz. quando a radiação do lado esquerdo começa a chegar em um tempo t1=x/c.

mostrada acima. Existem duas classes de rádio galáxias: Broad-line radio galaxies (BLRG) . Exemplo desta categoria é Cygnus A. . apresentando um núcleo brilhante e pontual no visível.Rádio Galáxias Cygnus A São galáxias com intenso brilho em rádio. D e E).encontram-se em galáxias tipo N (núcleo brilhante) circundadas por um envelope muito fraco. Narrow-line radio galaxies (NLRG) – são gigantes elípticas (cD.

Jato Hot spot Núcleo Lóbulos . halos e jatos onde há da emissão de energia. núcleos compactos.Rádio Galáxias Rádio galáxias podem apresentar lóbulos rádio extensos com hot spots.

FR I FR II 3C 272.1 3C 219 3C 31 Cygnus A .

Evolução de um jato em um AGN Evolução do jato .

Velocidades superluminais Blazar V A velocidade aparente na transversal vai ser dada por: Va  V sin 1   cos onde   V/c .

Um Raio-X de Centaurus A .

\filmes\origem_cen_a.Como se formou a galáxia Centaurus A .mov ..

\filmes\NGC6240HstCxc_lg.O processo de fusão de galáxias pode envolver hospedeiras de BNSMs ..mov .\filmes\BH_merge_lg.mov ..

Evolução dos Quasares Quasares e blazares --> Rádio galáxias --> Elípticas normais QSOs --> Seyferts --> Espirais normais .

\filmes\protocluster_lg.mov .A evolução das galáxias ligada aos AGNs Interrupção no processo de colapso da matéria em uma protogaláxia ..

em grupos de galáxias ? .Luminosidade Intrínseca ? .Presença de barras ? .Presença de companheiras ? .Efeitos do meio ambiente sobre os AGNs - Habitat: isoladas.Tipo morfológico preferencial ? .

Presença de Barra SSRS2 --> 14 % Seyferts --> 28 % .

10 arcsec .: 0.: 1.Dificuldade na Identificação de Barras UK Scmidt Telescope Res.70 arcsec Hubble Space Telescope Res.

Presença de Barra X Tipo Morfológico E E/S0 S0a Sa Sb S… Sc Sd Irr Merger .

1 % Sey-2 ---> 10.Interações ‘Radicais’ (T=15) SSRS2 --> 4.2 % Sey-1 ---> 12.9 % Sey --> 11.7 % .

Os resultados dos testes indicam que: O fenômeno AGN parece estar correlacionado mais com as propriedades intrínsecas do hospedeiro. do que com as do meio ambiente circunjacente. O modelo unificado continua firme e forte ! .

INPE Áreas de Pesquisa: Astrofísica Estelar Sistemas Planetários Astrofísica Extragaláctica e Cosmologia Astrofísica Galáctica e Meio Interestelar Astrofísica de Ondas Gravitacionais http://acd.Hora do Comercial Pós-graduação em Astrofísica no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais .br/ov/pg/pos.ufrj.html .

.

3 x 10   M Sol  erg s 1 M. dada pela força da radiação produzida por elétrons livres do gás sendo capturado. LEdd GmM L  2 R 4 cR 2 M  38    1.A fonte de energia destes objetos O modelo unificado dos AGNs ---> Disco de Acresção + Buraco Negro Luminosidade de Eddington É a luminosidade máxima emitida por matéria caindo por meio de um disco de acréscimo.R  Raio e massa do BN σ  seção de choque elétron-fóton m  massa do próton .

Type Of Radiation Radiated By Objects At This Temperature Typical Sources Gamma-rays more than 108 Kelvin (K) accretion disks around bl X-rays 106-108 K gas in clusters of galaxie Ultraviolet 104-106 K supernova remnants. some sate Infrared 10-103 K cool clouds of dust and g Radio less than 10 K radio emission produced . ver Visible 103-104 K planets. stars.

UFRJ .Parcialmente baseado no CD “Astronomia para Poetas” .

‘Buraco’ na coroa solar que é responsável pela ejeção de matéria na forma de ventos solares (imagem em raios-X. Yohkoh) .

Explosão solar. A flecha indica a Terra .

.

O que “sabemos” hoje… Tempo Início do Universo Hoje .

ordenou que Shu os separasse e que mantivesse Nut bem acima da Terra.C. e Telnut. formam o arco do firmamento. que são seus filhos. Ra. a deusa da chuva. Nut toca a Terra somente com as pontas de seus dedos das mãos e dos pés. o deus do ar. zangado e ciumento. mas o avô. Sua barriga. Desde então. como convém a uma deusa-céu. coberta de estrelas. sua sombra e tornou-se pai dos gêmeos Shu. Shu e Telnut uniram-se e também tiveram gêmeos: o deus-terra Geb e a deusa-céu Nut.OUma deus-sol visãoRa docriou Universo a si mesmo. . por volta juntou-se de 2000à a. Geb e Nut também se uniram.

ardendo no lado de fora. . brilharia através dos buracos e alcançaria a Terra como a luz das estrelas. os modelos de Universo consideravam que a Terra estava no centro de tudo e que o céu era uma tampa com buracos. Nessa época. A luz proveniente de fogos.Uma visão do Universo por volta de 1000 d.C.

Uma visão do Universo por volta de 1500 d. Nicolau Copérnico (1473 – 1543) .C.

Composição: estrelas Origem: ? Sistema Solar 30.C.000 anos luz William Herschel (1738-1822) .Uma visão do Universo por volta de 1900 d.

C.Uma visão do Universo por volta de 2000 d. .

Grandes Números • Nossa galáxia possui 100 bilhões (1011) de estrelas • No Universo observável há 1011 galáxias  1022 estrelas • Um balde cheio de areia tem ~ 1 bilhão de grãos de areia • 100 baldes: 1011 grãos de areia = número de estrelas na galáxia • Todas as praias do mundo: ~ 1023 grãos de areia .

C.Uma visão do universo por volta de 2000 d. Hubble Deep Field 3000 galáxias aqui 100 bilhões em todo o céu .

Edwin Powel Hubble: 20/11/1889 .28/9/1953 .

Hubble .

Cosmologia Baseia-se nas seguintes observações: moderna  Velocidade de recessão das galáxias: Lei de Hubble  Radiação Cósmica de Fundo em microondas: melhor observável  Nucleossíntese primordial MODELO COSMOLÓGICO PADRÃO .

7 bilhões de anos .INÍCIO DO TEMPO Pequena fração de segundo inflação 380 mil anos 13.

O modelo padrão da Cosmologia • A cosmologia moderna parte de algumas hipóteses:  As leis da física. valem também para o resto do Universo  As leis da física podem também ser extrapoladas para o passado  Princípio de Copérnico: não ocupamos um lugar privilegiado  Princípio Cosmológico: o Universo é homogêneo e isotrópico  Gravitação é dominante em grandes escalas . válidas no Sistema Solar.

A expansão do universo .Os 3 pilares básicos da Cosmologia 1 1.

A expansão do Universo Hubble velocidade de  H  distância recessão .

A lei de Hubble Não há centro do Universo .

Separação entre galáxias A expansão do Universo Acelerado Desacelerado sem recolapso Desacelerado com recolapso tempo Kolb .

Os 3 pilares básicos da Cosmologia 2 2. A existência de uma radiação cósmica de fundo em microondas .

História da Descoberta da RCFM 1933 1964 .

300.A Radiação Cósmica de Fundo em microondas  T = 2.725 K (~ 270o C)  T/T ~ 10-5 COBE 1989  Dipolo: T/T ~ 10-3 v ~ 360 km/s (v ~ 1.000 km/h ao redor do Sol) .000 km/h) (a Terra viaja a ~ 108.

6 m WMAP Science Team .5 x 106 km da Terra • Massa: 830 kg • Altura: 3.Satélite WMAP • Lançado em 30/06/2001 • 1.

Satélite COBE Satélite WMAP CÉU EM MICROONDAS aumento de contraste 400 vezes aumento de contraste em mais ~20 vezes .

.

A formação de elementos leves .Os 3 pilares básicos da Cosmologia 3 3.

Bethe e Gamov sugeriram a possibilidade de que todos os elementos químicos teriam sido gerados através de uma longa cadeia de captura de núcleons em um Universo primordial em expansão e que estaria se esfriando.A formação de elementos leves Alpher Bethe Gamov Em 1946. . Alpher.

4He. 3He. 2H. Li – Abundância (por massa) de hélio: total 25% do Previsões baseadas em física bem conhecida He 4 .A formação de elementos leves p H 2 Nucleossíntese Primordial n p He 3 n Previsões da teoria: – Formação de H.

hoje Força Forte Eletromagnetismo Força Fraca Gravidade Tempo Temperatura do Universo Energia .

Domínio da luz Tempo ~3 minutos 90% H 10% He FASE CÓSMICA t ~ 300 mil anos Domínio da matéria (gravidade) .

Tempo ~ 1 bilhão anos: Galáxias e Estrelas FORMAÇÃO dos ASTROS e ÁTOMOS PESADOS t ~ 10 bilhões anos .

OH. C2. CN OCS. HC9N. SO2 C60 (fulereno) . HC5N CH3OH (alcool metílico) CH3CH2CN HCOOCH3 CH4 (metano) NH3 (amoníaco) H2O (água) H2CO (formol) C2H2 (acetileno) CO (monóxido de Carbono) H2.Moléculas Interestelares HC11N. HNO. HNCS. CH CH3NH2.

.

.

.

.

.

.

.

Planetas: o reinado da química Densidade 1018 x M.I. .

56 bilhões anos .5 bilhões de anos Nasce o Sistema Solar EVOLUÇÃO da VIDA na TERRA t ~ 4.t = 10.

Origem da Vida o ã ç a rm erra o F T da Fóss ei s .

t ~ 14 bilhões de anos => HOJE t ~ 10 mil anos atrás surge a escrita t = 100 mil anos atrás: surge o homem CULTURA moderno HUMANA t t = 25 mil anos: agricultura ~ 10 mil anos atrás .

t = +5 bilhões de anos: o Sol morrerá A Terra perderá sua atmosfera nos obrigando a mudar para outros planetas FUTURO: t => infinito? .