Você está na página 1de 13

SISTEMA DE ESPIROMETRIA

Dr. Paulo Gurgel


Diretrizes 2002 - SBPT
ERROS DO SISTEMA

• Casuais
• Sistemáticos
QUALIDADE DAS ESPIROMETRIAS

Estudos realizados em Nova Zelândia


demonstraram que 70 a 90% dos testes não
preencheram os critérios técnicos estabe-
lecidos para um exame adequado. No
Brasil, este tipo de estudo não foi realizado,
porém pode-se afirmar que a qualidade em
geral é ruim.
Pereira, CAP – Espirometria – Pneumoatual, março 2002
PRECISÃO

É o sinônimo de
reprodutibilidade e é uma
medida da confiabilidade do
aparelho
EXATIDÃO

Reflete o grau de
concordância entre o resultado
da medição e o valor
verdadeiro convencional da
grandeza medida
VALIDAÇÃO

• O protocolo de validação pode ser realizado por


um fabricante de equipamento ou por um
laboratório independente (órgãos certificadores).
• Protocolo da ATS (1994)  usa formas de ondas-
padrão para dirigir uma seringa mecânica, a qual
libera volumes conhecidos de ar em velocidades
conhecidas, com o fim de validar a acurácia e a
precisão do equipamento inclusive do software.
PROTOCOLO DE VALIDAÇÃO DA ATS

• 24 standard waveforms para CVF, VEF1 e


FEF25-75%
• 26 standard waveforms para PFE
VALIDAÇÃO DE ESPIRÔMETROS
NO BRASIL
• ABNT: elaborou especificação (1966) mas não
atua como órgão certificador.
• SBPT: não reconhece até o momento algum
laboratório nacional para a validação. Em
“Diretrizes para Testes de Função Pulmonar –
2002” lista 13 recomendações que devem ser
verificadas quando da aquisição do equipamento,
sugerindo ainda que este deve ser testado
manualmente com seringa, cronômetro e com
voluntários.
CALIBRAÇÃO

• Temperatura ambiente
• Umidade relativa do ar
• Pressão barométrica
• Busca automática do zero
• Calibração
CALIBRAÇÃO

• Com uma seringa de 3L, conectada ao


pneumotacógrafo através de um tubo,
injetando-se o ar sob três velocidades
• Limites aceitáveis: +/-100mL e +/-3,5%
CONTROLE BIOLÓGICO

Espirometrias de 3 indivíduos (*) não


fumantes e sem doença respiratória, a cada
15 dias

(*) selecionados após 10 dias de CVF e VEF1 medidos, com os


valores médios calculados e cujos extremos não diferem mais de 10%
GRATO PELA ATENÇÃO

pgcs@ig.com.br