Você está na página 1de 36

V Simpósio Crítico de

Ciências Penais
Grupo de Estudos e Pesquisas
Criminais - GEPeC

Sistema Punitivo:
obscenidades e resistências.

Os Mutirões Carcerários e a crise do sistema


penitenciário

Gerivaldo Alves
Neiva
Goiânia, 15 de maio de
Introdução

• A Cadeia Velha do Rio de


Janeiro.

• Min. Peluso: falência e crime do


Estado contra o cidadão.
• A Prisão em flagrante e a
responsabilidade do Juiz,
segundo o CNJ.
A Cadeia Velha

• Construída no Século XVII.


• Todos os tipos de criminosos.
• Capacidade para 150 presos e 253 em
1764.

• Corrupção e Violência.

• O papel da Santa Casa de Misericórdia.


Ministro Peluso

• Situação beira a falência total.

• Envergonham o país.

• Crime do Estado contra o cidadão.


O Juiz e o flagrante
• CNJ:
– O Juiz é responsável pela prisão e
regularidade do encarceramento.

– Descumprimento de preceito
fundamental (art. 5º, XLVIII).

– Aposentadoria compulsória.
População carcerária
País
Mundial
Presos Por 100 mil
habitantes
EUA 2.293.157 756
Rússia 891.738 629
Ruanda 58.598 604
Chile 51.244 305
Brasil 440.013 227
Argentina 60.621 154
Portugal 11.017 104
Alemanha 73.203 89
Finlândia 3.370 64
Japão 81.255 63
Dinamarca 3.488 63

Fonte: International Centre for Prision Studies,


King’s College
Resumo
Região Por 100 mil habitantes
EUA 756

Caribe 324

Europa Oriental 229

Brasil 227

Média Mundial 158

América do Sul 154

Europa Ocidental 95

Fonte: International Centre for Prision Studies,


King’s College
Crescimento da população
carcerária Brasil - EUA
Ano EUA Ano Brasil

1981 369.000 1985 39.600

1991 824.000 1990 90.000

2007 2.319.000 2007 422.509

Fonte: Wacquant Loïc. Punir os Pobres.


Ed. Revan
Presos no Brasil – 2000 a
2009
Ano Presos
2000 232.755
2001 233.859
2002 239.345
2003 308.304
2004 336.358
2005 361.402
2006 401.236
2007 422.590
2008 451.429
2009 473.626

Fonte: Infopen - Ministério da


Justiça
Presos por Estado
Estado Presos Por 100 mil
habitantes
Acre 69.132 495,71

Rondônia 6.986 464,52

Mato Grosso do Sul 10.844 459,39

São Paulo 163.915 396,08

Roraima 1.659 393,60

Mato Grosso 11.061 368,00

Paraná 37.440 350,36

Distrito Federal 8.231 315,74

Espírito Santo 10.366 300,46

Fonte: Infopen - Ministério da


Justiça
Presos por Estado (cont.)
Estado Presos Por 100 mil
habitantes
Amapá 1.812 289,18
Rio Grande do Sul 28.750 263.42
Pernambuco 21.041 238.82
Minas Gerais 46.447 231,84
Paraíba 8.524 226,10
Santa Catarina 13.340 218,02
Goiás 11.118 187,60
Rio de Janeiro 26.651 166,46
Sergipe 3.130 154,98

Fonte: Infopen - Ministério da


Justiça
Presos por Estado (cont.)
Estado Presos Por 100 mil
habitantes
Ceará 13.035 152,50
Tocantins 1.935 149,76
Pará 10.289 138,46
Rio Grande do Norte 4.162 132,65

Bahia 14.289 97,62


Piauí 2.591 82,38
Maranhão 5.222 82,01
Alagoas 2.379 75,38

Fonte: Infopen - Ministério da


Justiça
Resumo – Presos no Brasil I

Estado/Grupo Presos %
São Paulo 163.915 34,60

SP, MG, RJ, PR, RS 303.203 64,01

AL, MA, PI, SE, PB, 26.008 5,49


RN
BA, CE, PE 48.635 10,26

GO, TO, MT, MS 34.958 7,38


Resumo – Presos no Brasil I

Grupo Por 100 mil


habitantes
BA, PI, MA e AL Abaixo de 100
AC, MS, RO, RR e MT Acima de 300

SP, PR e ES Acima de 300


SP 396
RJ 166
PE 238
BA 97
Presos Provisórios – 2000 a
2009
Dados do Departamento Penitenciário
Nacional
Ano Presos
2000 37.731
2001 35.880
2002 35.796
2003 67.549
2004 86.766
2005 102.116
2006 112.138
2007 127.562
2008 138.939
2009 156.612

Fonte: Infopen - Ministério da


Justiça
SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO

CONDENADOS

264.500; 209.126;
56% 44%

PROVISÓRIOS

Total = 473.626

Fonte: Ministério da Justiça – DEZ.


2009
Grau de escolaridade
Escolaridade Total %
Analfabeto 26.091 6,25
Alfabetizado 49.521 11,87
Fundamental 178.540 42,83
incompleto
Fundamental 67.381 16,16
completo
Médio incompleto 44.104 10,58
Médio completo 31.017 7,44
Superior incompleto 2.942 0,70

Superior completo 1.715 0,411


Acima do superior 60 0,014
Não informado 15.475 3,71
Fonte: Infopen - Ministério da
Justiça
Resumo - Escolaridade

Grupo Presos %
Analfabetos e Alfabetizados 75.612 18,12

Fundamental completo e 245.921 58.99


incompleto
Até fundamental 321.533 77,11
Principais categorias de
delitos
Delitos Total %
Contra a pessoa 52.585 12,60

Contra o patrimônio 217,762 52,17

Contra os costumes 17.785 4,26

Entorpecentes 91.037 21,81

Fonte: Infopen - Ministério da


Justiça
Por faixa etária
Faixa etária Total %
18 a 24 anos 129.099 31,68

25 a 29 anos 109.005 26,75

30 a 34 anos 73.012 17,91

35 a 45 anos 62.838 15,42

46 a 60 anos 24.125 5,92

Mais de 60 4.076 1,00


anos
Não informado 5.287 1,29

Fonte: Infopen - Ministério da


Justiça
Resumo – Faixa Etária

Faixa etária Presos %


18 a 29 anos 238.104 58,43

30 a 45 anos 135.850 33,33

Até 45 373.954 91,76


Resumo rápido
• 77% dos presos tem até o ensino
fundamental.

• 74,5% dos presos tem de 18 a 35


anos.

• 73,98 % dos presos cometeram


crimes contra o patrimônio ou
tráfico.
Ações da Justiça de 1º Grau
• TJMG aposentou o Juiz de
Contagem (MG) que expediu
Alvará para presos ilegais.

• CNJ revogou decisão do Juiz de


Tupã (SP) que determinou ao
diretor da penitenciária não mais
receber presos por falta de
vagas.
Mutirões Carcerários
Estado Processos Liberdade Outros

Alagoas 1.848 458 502

Amazonas 3.323 555 865

Amapá 1.461 49 285

Bahia 9.830 2.648 3.936

Ceará 9.272 2.553 3.842

Espírito Santo 9.122 858 1.345

Goiás 22.202 2.484 4.042

Fonte: Estatística do
CNJ
Mutirões Carcerários (cont.)
Estado Processos Liberdade Outros
Maranhão 4.881 1.244 2.059

Mato Grosso 9.416 1.595 3.027


Sul
Mato Grosso 2.122 392 941

Pará 1.742 435 435

Paraíba 6.738 970 2.222

Pernambuco 9.767 1.940 2.729

Piauí 1.366 461 493

Paraná 16.084 1.458 2.568

Fonte: Estatística do
CNJ
Mutirões Carcerários (cont.)
Estado Processos Liberdade Outros

Rio de Janeiro 6.247 1.730 3.914

Rio Grande 88 2 59
Norte
Roraima 1.906 315 538

Santa Catarina 696 39 159

Sergipe 4.181 1.292 1.707

Tocantins 2.293 258 677

Total 124.585 21.736 36.345

Fonte: Estatística do
CNJ
Resultado dos Mutirões I
• FLS foi preso em 26 de dezembro de 2007. Em quase dois
anos a instrução sequer havia sido iniciada. Sua prisão foi
relaxada no mutirão.

• ELV foi preso em março de 2003. Em 2009 ainda não tinha


sido condenada.

• FM foi preso por furto qualificado em maio de 1999. Ficou


preso por mais de 10 anos e só obteve o alvará no mutirão.

• RMM cumpriu sua pena mais de 2,5 vezes. Em todos os


mutirões já se encontrou mais de 1.300 casos de penas
vencidas.

• CSP foi preso apenas uma vez e por apenas um crime, mas
precisou de dois alvarás de soltura para obter a liberdade.
Resultado dos Mutirões II
• DNS não foi solto assim que obteve a sentença de liberação: a
Vara levou mais de 45 dias para enviar o alvará.

• AA furtou dois tapetes em um varal. Foi preso em novembro de


2006 e condenado, em julho de 2009, a um ano de prisão no
regime aberto. Apesar disso, apenas uma semana após a
sentença AA foi liberado.

• LAM foi preso em maio de 2007. Por mais de ano seu processo
ficou concluso para sentença.

• LSM foi preso em janeiro de 1998. Sem sentença até junho de


2009, LSM foi solto no mutirão carcerário.

• RS ficou preso mais de 2 anos sem sequer ser denunciado.


Resultados dos Mutirões III
• EPP obteve a guia de execução apenas dois anos após o
trânsito em julgado de sua sentença condenatória.

• JSF foi preso por furtar R$ 12,00.

• EMT aguardou a sentença por mais de dois anos, muito


embora seu processo estivesse concluso ao juiz há pelo
menos 1 ano e meio.

• ADS cumpriu medida de segurança por 36 anos.

• O juiz recebeu a denúncia de AFV em janeiro de 2008. Em


setembro de 2009 ele ainda não havia sido citado.
Resultado dos Mutirões -
FIM
• E agora...

• “Quem é que vai


pagar por isso?”
Desfazendo Mitos
• O sistema é condescendente?
• A repressão está sendo bem
sucedida?
• O encarceramento é menos
caro do que o somatório dos
crimes que evita?
Conclusão I
• Até quando vamos continuar
aceitando o atual sistema com
o fundamento de que não
temos nada melhor?

• Até quando seremos cúmplices


do Estado cometendo crimes
contra o cidadão (Min. Peluso)?
Conclusão II

• Até que ponto os mutirões estão


apenas aliviando (superficialmente)
tensões e abrindo espaço para outros
presos?

• Até quando aceitaremos a violência


contra a CF e a LEP?
Conclusão FIM

• Qual o papel do Direito e


das Ciências Penais diante
desse quadro?
Vamos mudar o sentido?

• Criar o “Mutirão Constitucional”


como observatório da violação
da CF e DH nas penitenciárias
brasileiras, pois só assim se
fortalece a democracia e se
constrói o Estado Democrático
de Direito.
OBRIGADO PELA ATENÇÃO...