Você está na página 1de 13

O PROTESTANTISMO

NA PESQUISA
ACADêMICA
Abordagens e perspectivas teóricas
e metodológicas

Pro f. Clá u d io So u za
Me s t ra n d o e m His t ó ria (PPGH/UFPE)
Estrutura da pós-graduação

Gra d u a ç ã o Me s t ra d o
4 a 6 a nos 2 a n o s e d is s e rt a ç ã o

Es p e c ia liza ç ã o Do u t o ra d o
3 6 0 h o ra s 4 a nos e te se

Pó s -d o u t o ra d o
As ciências humanas no Brasil

 Criação da USP e da
FFCL em 1934
 Influência dos
professores franceses.
 Na História, a presença
de Fernand Braudel,
que seria o maior
expoente da Escola
dos Annales, na
década de 50.
As ciências humanas no Brasil
 OS GRANDES
INTÉRPRETES DO
BRASIL
 Sérgio Buarque:
Raízes do Brasil,
1936
 Gilberto Freyre:
Casa Grande &
Senzala, 1933
 Caio Prado Jr.:
Evolução Política
do Brasil, 1933
 História Geral da
Civilização
Brasileira,
dirigida por
Quem se interessa por
religião?
 História
 Positivistas (história
factual, narrativa)
 Marxistas (a religião
como ideologia)
 Marxistas ingleses –
História Social
 Annales, a partir da
década de 80 (a
história como
problema)

Quem se interessa por
religião?
 Antropologia
 A religião como
conjunto de
símbolos
 Interesse por
fenômenos
religiosos, lato
sensu, com
especial atenção
para a “feitiçaria”
e a “magia”.
 Relativismo cultural

A década de 60 e a
universidade
 O contexto de acirramento da Guerra Fria
e do nacional-desenvolvimentismo
ditou uma certa pauta para as ciências
humanas no Brasil:
 O subdesenvolvimento e a dependência
 A questão do negro, sob a perspectiva dos
modos de produção
 A estrutura de classes
 As estruturas econômicas e sociais do
Império e da República
 Os conflitos e relações entre “Igreja” e
Estado, entendendo “Igreja” como “Igreja
Católica Romana”
O protestantismo na academia
 O interesse recente da academia pelo
protestantismo é reflexo direto do
crescimento deste campo religioso
 Predominaram interpretações negativas
sobre o crescimento evangélico
 O crescimento visto pela perspectiva da
luta político-ideológica entre os norte-
americanos e a esquerda latino-
americana
 Os principais trabalhos (acadêmicos ou
não) não tratam do protestantismo.

Anos 50 e o nacional-
desenvolvimentismo
 A maior parte do debate intelectual foi
travado das questões políticas e
econômicas
 Influência do marxismo e de leituras que
buscavam entender o social por um
viés econômico.
 Aproximação de setores das diversas
igrejas com grupos progressistas e
pensadores sociais.

Temas clássicos
 A igreja e o Estado
 A igreja e a sociedade
 O processo de “agionarmento” da Igreja
Católica e o conflito com os
“ultramontanos”
 A igreja e as questões políticas (Padroado,
Era Vargas, Estado Novo, Educação,
Constituições)

Tendências atuais
 A Sociologia descobriu o fenômeno
pentecostal
 A Ciência Política foi descobrir as formas
de participação política
 A História problematiza a presença
protestante em certos lugares e
períodos
 Pensadores protestantes. Paul Freston e o
trabalho quase pioneiro sobre os
evangélicos na política brasileira.
 Mas qualquer disciplina pode descobrir
um aspecto
sociedade/vida/organização das igrejas
Temas pesquisados nas pós-
graduações
 http://crunicap.blogspot.com/feeds/posts/defa
 http___www.ppcir.ufjf.br_dissertcurso.pdf
 http___www.ppcir.ufjf.br_tesescurso.pdf