Você está na página 1de 39

Bar Codes

Magnetic Cards
And
Smart Cards

1
Barcode Standards
 História do código de barras

 Padrões de mercado
 Ean13
 Code39
 Code128
 Codabar

 Referências

2
História do Código de Barras

 Em 1948 Bernard Silver e Norman Joseph


Woodland começaram a desenvolver um
dispositivo leitor de padrões de tinta
usando luz ultravioleta. Não deu certo
devido à instabilidade da impressão dos
padrões de tinta usados na impressão
dos preços.

 Em 1952 eles criam o primeiro leitor de


código de barras que funciona como os
atuais.
3
Por Que Código de Barras ??

 Combinados com Tecnologia de Coleta de Dados,


Códigos de Barra Suportam uma maneira rápida,
eficiente e precisa de coletar, processar, transmitir,
gravar e gerenciar os dados dos produtos numa
variedade de indústrias e comércio.
 Permite Automatizar o Processo de Identificação dos
Produtos e dar Baixa Automática no Estoque Quando
um Produto é Vendido.
 Permite Ter Contrôle Sobre o Preço dos Produtos
Vendidos, Evitando Produtos Iguais com Preços
Diferentes ou a Imediata Atualização dos Preços Sem
Ter que Trocar o Rótulo de Cada Um.
4
Métodos de Codificação

 Codificando os Dados:
 Codificando como uma Combinação de Barras e Espaços
 Codificando nas Barras / Codificando nos Espaços
 Caractere de Verificação (se presente, só necessário em alguns tipos)
 Padrão de Parada
 Zona de Silêncio
 Métodos de Codificação:
 Codificação Binária (NRZ) (EAN 8, 13 ; UPC )
 São usados dois tamanhos de barras e espaços para codificar os dados
(Uma barra / espaço fino é aproximadamente 2 a 3 vezes menos larga que
uma barra / espaço largo). Pode-se facilmente converter as barras /
espaços em código binário e depois em ASCII. –
EXEMPLO: Código 39.
 Codificação Proporcional ( 2 de 5 Industrial; 3 de 9, Codabar; etc)
 Há muitos tamanhos diferentes de barras e espaços. O tamanho das
barras / espaços a sequência deles define os caracteres representados.
Mais difícil de ler (não é possível fácil tradução para binário) e é
necessária maior precisão para imprimir e ler o código –
EXEMPLO: Codigo 128 5
Segurança dos Dados

 A Codificação dos Dados é feita de tal forma que:

 É usado um número fixo de barras por caractere. Isto significa que


se uma barra não é lida, o código de barras não pode ser lido. Ou
seja, se faltar uma barra não será gerado um outro código que poderia
gerar um dado inválido.

 O número de caracteres possíveis que pode ser codificado num


certo código de barras é alto em relação ao número de caracteres
válidos. Isto significa que se o tamanho de uma das barras / espaços
for lido erradamente, um caractere inválido será gerado.

 CONCLUSÃO: Códigos de Barra são altamente seguros. Trocar um


caractere inválido por um válido é pouco provável. Ou seja, ou um
código de barras é lido com código correto ou então não é lido
(indicará código inválido).

6
Tipos de Leitores de Código de Barras
 Caneta (Só varre um ponto)
 Fonte de Luz + Foto Diodo próximos na ponta de uma caneta.
Para ler um código de Barras arrasta-se a caneta sobre o
código num movimento uniforme. O foto diodo mede a
intensidade da luz refletida de volta da fonte de luz e gera
uma forma de onda que é usada para medir a largura e os
espaços entre as barras. Barras pretas absorvem a luz e
espaços brancos refletem a luz.
 Varreduras a Laser
 Funcionamento semelhante à caneta, com a exceção que
usam um feixe leaser e tipicamente empregam espelhos ou Há ainda os códigos
um prisma giratório para acionar o feixe laser para a frente e
para trás sobre o código de barra de Barra 2D que
podem codificar
 Leitores Usando Dispositivos CCD (Charge algums milhares de
Coupled Devices)
 Usam uma vetor com centenas de sensores de luz
bytes – Requerem
minúsculos alinhados na cabeça de leitura. leitores Especiais.
 Leitores Baseados em Cameras (PDF417, Aztec Code,
 Usam uma pequena camera de vídeo para capturar a imagem
de um código de barras. O dispositivo leitor usa técnicas
Data Matrix, etc)
sofisticadas de processamento digital de imagens para
decodificar o código de barras. 7
Como Escolher um Código de Barras ?

 Questões a Perguntar:
 Já Há um padrão Pré-Definido a Ser Seguido ?
 Qual o Conjunto de Caracteres a Ser Codificado?
 Somente Numérico
 Alfanumérico
 Caracteres Especiais
 Quantos Dados Tem que ser Codificados ?
 Alguns códigos de Barra fornecem maior densidade de dados que outros.
 O espaço disponível no documento definirá quantos caracteres podem ser codificados.
 Se a resolução de varredura é alta, mais caracteres podem ser codificados.
 Quantas leituras são toleradas antes de indicar erro de leitura.
 É necessário ter um dígito de verificação / caractere de Verificação ?
 Alguns códigos tem esta característica embutida e dispensam digito extra de
verificação
 Posição no Documento
 Alguns códigos de barra são mais tolerantes nos requisitos da zona de silêncio, ou seja,
se o código de barras estiver numa borda algumas leituras erradas podem ocorrer. 8
Padrões de mercado – EAN13 – Comércio Em Geral

 Number System: Identifica


países e regiões econômicas.
 Mfg Code: Identifica o
fabricante do produto.
 Product Code: Identifica o
produto. O fabricante é livre
para escolher os códigos.
 Check Digit: Dígito verificador
para evitar erros devido à
velocidade de leitura, erros de
impressão e outros problemas.
 Codifica 13 Caracteres. 9
Estrutura Física do EAN13 ( Subconj. UPC-A)
 Barras de Guarda do Lado Esquerdo :
101

 Segundo Caractere Flag, Codificado na


Tabela

 Primeiros Cinco Caracteres de Dados,


Codificados na Tabela

 Padrão de Guarda Central: 01010 Dado Esquerdo A Esquerdo B Direito


0 0001101 0100111 1110010
 Últimos Cinco Caracteres de Dados,
Codificados Como Caracteres do Lado 1 0011001 0110011 1100110
Direito. 2 0010011 0011011 1101100
3
 Caractere de Verificação, codificado ...
como um Caractere do Lado direito
9

 Barras de Guarda do Lado Direitio: 101


10
Geração do Caractere de Verificação do EAN/UPC
1. Designe o caractere Impar mais à Direita
2. Some todos os caracteres nas posições ímpar e multiplique o resultado
por 3
3. Some todos os caracteres nas posições pares
4. Adicione os totais par e ímpar dos passos 2 e 3 acima
5. Determine o menor número que quando adicionado ao resultado do passo
4, resultará num múltiplo de 10. Este será o caractere de verificação

EAN 13
Caracteres Flag: 20
Caracteres de Msg: 0123456789
Posição = eoeoeoeoeoeo
Soma posiç. Ímpar: 0 + 1 + 3 + 5 + 7 + 9 = 25
Posições ímpares x 3: 25 x 3 = 75
Soma posiç. Pares: 0 + 2 + 4 + 6 + 8 = 22
Soma de pares e ímp: 75 + 22 = 97
Caractere de verific: 3
Código a ser impresso: 2001234567893 11
Padrões de mercado – EAN13
 Existem ainda algumas variações deste
padrão para armazenar informações extras.

 EAN13 ISBN: Usado para catalogar livros. O


código sempre inicia com “978” e os outros
nove dígitos guarda o código ISBN.

 EAN13 ISSN: Mais dois ou cinco dígitos são


adicionados. O código sempre inicia com
“977” e os outros dígitos são usados de
várias formas.
12
Padrões de mercado – EAN13 e EAN8
 Uso dos dígitos extras com cinco dígitos:

 Os primeiros dois dígitos guardam os dois últimos números


do ano (00-99);

 Os três próximos dígitos representam o número do


publicador (001-999).

 EAN 8
 Variação do EAN 13 que codifica 8 números ao invés de 13
 Cada Caractere: 2 barras e 2 espaços
 Padronização a nível europeu

13
Padrões de mercado – Code39
 Permite representação alfanumérica. Representa
“0-9 A-Z # % + $ / . -” além do espaço. O símbolo
“*” é sempre o caractere START / STOP. 1
Caractere = 5 barras e 4 espaços (3 dos elementos
devem ser de máxima largura).

 Vantagens: Este código não possui limitação de


tamanho, ficando limitado apenas pela capacidade
de leitura do leitor. Isto é feito com caracteres de
início/final.

 Muito usado pelo governo e forças armadas dos


EUA e pela Indústria.

 Possui variação para codificar toda a tabela ASCII.

 Inconvenientes: Precisa amplo espaço.


14
b = bar
s = space Padrões de mercado – Code39
Pattern Pattern Pattern Pattern
Char. Char. Char. Char.
bsbsbsbsb bsbsbsbsb bsbsbsbsb bsbsbsbsb

0 nnnwwnwnn C wnwnnwnnn O wnnnwnnwn - nwnnnnwnw

1 wnnwnnnnw D nnnnwwnnw P nnwnwnnwn . wwnnnnwnn

2 nnwwnnnnw E wnnnwwnnn Q nnnnnnwww SP nwwnnnwnn

3 wnwwnnnnn F nnwnwwnnn R wnnnnnwwn * nwnnwnwnn

4 nnnwwnnnw G nnnnnwwnw S nnwnnnwwn $ nwnwnwnnn

5 wnnwwnnnn H wnnnnwwnn T nnnnwnwwn / nwnwnnnwn

6 nnwwwnnnn I nnwnnwwnn U wwnnnnnnw + nwnnnwnwn

7 nnnwnnwnw J nnnnwwwnn V nwwnnnnnw % nnnwnwnwn

8 wnnwnnwnn K wnnnnnnww W wwwnnnnnn

9 nnwwnnwnn L nnwnnnnww X nwnnwnnnw


n = normal width
A wnnnnwnnw M wnwnnnnwn Y wwnnwnnnn
w = wide width
B nnwnnwnnw N nnnnwnnww Z nwwnwnnnn

15
Padrões de mercado – Code128
 Código de barras dos mais novos e com mais futuro na
identificação automática. Todos os caracteres da tabela
ASCII (128 caracteres) podem ser codificados nesta
simbologia.

 128 caracteres ASCII, 4 caracteres especiais, 4 caracteres


de controle, 3 caracteres de START e 1 caractere de
STOP.

 Composição do caractere: 3 barras e 3 espaços.

 Longitude variável.

 Vantagens: grande quantidade de informação em um


espaço reduzido. Admite até 106 caracteres, ocupando
uma área de impressão menor que o código 39.

 Considerada a melhor codificação.

 Aplicações: Transporte, logística e declaração de renda 16


Padrões de mercado – Code128
 Estrutura do Code128:

 No código 128 podem-se selecionar 4 tipos diferentes de codificação (A, B,


C ou um quarto tipo denominado automático):
 A (Start = 103) – Todos os alfanuméricos em maiúscula mas chars
controle ASCII e caracteres especiais
 B (Start = 104) – Inclui todos os acima (A) mais todas as letras
minúsculas e caractees especiais
 C – 100 pares de dígitos de 00 a 99 e caracteres especiais.
17
Padrões de mercado – Codabar
Laboratórios Médicos e Setor Sanitário

 Codabar é uma simbologia de tamanho variável capaz


de codificar 16 caracteres dentro de uma mensagem de
qualquer tamanho. Densidade similar ao código 39.

 Codabar codifica seis caracteres especiais, letras de A


até D e todos os dígitos numéricos.

 Jogo de caracteres: 10 números (0 ..9), 14 sinais


especiais, 4 combinações de caracteres START/STOP.

 Composição do caracter: 4 barras separadas por 3 espaços.

 Longitude: variável

 Vantagens: Codificação alfanumérica parcial – código muito


simples.

 Inconvenientes: Espaço necessário amplo


18
Referências

 http://www.lascofittings.com/BarCode-EDI/bc-history.
htm
 http://www.dataid.com/bcsymbology.htm
 http://www.barcodeus.com/barcodes.htm
 http://www.waspbarcode.com/
 http://www.tlashford.com/
 http://www.bizfonts.com/code128fonts/
 http://www.barcode-1.com/pub/russadam/39code.html
 http://www.barcode-1.com/pub/russadam/128code.html
 http://www.barcodeisland.com/ean13.phtml

19
Cartões Magnéticos

20
Magnetic Cards

 Aplicações
• Cartões de crédito.
• Cartões de telefone.
• Tickets de metrô.
• Ingressos de eventos.
• Cartões de identificação.
• ...

21
Gravadoras e Leitoras de Codificação Magnética
(MCR)
 Uso em cartões bancários, cartões de crédito, tickets, cheques
 Os caracteres são impressos usando uma tinta contendo óxido de
ferro.
 O documento é passado através de uma leitora que magnetiza o óxido
de ferro nos caracteres (preparação para leitura), então o documento é
passado sob uma pequena bobina (cabeça de leitura).
 Quando os caracteres magnetizados passam sob a pequena cabeça de
leitura, eles produzem um sinal único, diferente para cada caracter.
 Uma impressora especial é usada para imprimir os caracteres
 É razoavelmente seguro e é usado em sistemas bancários
 Não é afetado por rasuras ordinárias ou manchas
 Existem 2 tipos principais:
• E13B
• CMC7

22
Gravadoras e Leitoras de Codificação Magnética
(MCR)
 E13B
• Originou-se nos E.U.
• 10 números e 4 caracteres especiais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 0
 CMC7
• + Usado na Europa e Brasil e ..?
• Mais caracteres que E13B (64 caracteres)
• Caracteres feitos de diversas barras verticais
• Espaços entre as barras são avaliados binário (0=fino, 1=largo)
• Cada caractere gera um código de seis bits

23
Gravadoras e Leitoras de Codificação Magnética
(MCR) - Visa, Master Card
 Combina código de barras 7 sinais(cabeças) de leitura
com redundância nos L1
canais de leitura. L2

 Mais seguro que código L7


de barra puro. Mesmo que
uma cabeça de leitura não
leia, o sistema consegue L7
ler (redundância).

 Dados armazenados na
tarja magnética

 Número de caracteres ao
redor de 1K 24
Magnetic Cards
 Padrões ANSI / ISO
• Definem 3 faixas para diferentes utilizações.
• As Faixas são definidas apenas pelas suas localizações na fita
magnética.
• A Fita magnética é magneticamente homogênea.

25
Magnetic Cards

 Características das Faixas

26
Magnetic Cards

 Faixa 1
• Normalmente guarda o nome do dono do cartão, a conta e algum
outro dado relevante.
• Utilizada, por exemplo, por companhias aéreas, quando se faz uma
reserva com o cartão de crédito.

27
Magnetic Cards

 Faixa 2
• Geralmente a mais utilizada pelos bancos.
• Somente contém caracteres numéricos.

28
Magnetic Cards

 Faixa 3
• Definida para leitura e escrita de dados.
• Acabou se tornando dificilmente utilizada.

29
Magnetic Cards

 Características dos dados


• Formato digital.

• Formato mais utilizado de codificação é o 5-bit BCD.

• Também podem ser armazenados dados alfanuméricos.

• Nem todas fitas magnéticas utilizam uma codificação digital,


algumas codificam tons de áudio ao invés de dado digital.

- Utilizado quando a segurança não é um problema e não é necessário


armazenar muitos dados no cartão.

- Alguns tickets de metrô utilizam essa


tecnologia.
30
Smart Cards

31
Smart Cards
 São Cartões Inteligentes que substituem os
cartões magnéticos com um microprocessador e
memória. Ver cartão da TIM.
 Possuem conectores que conectam o sistema
existente no cartão ao sistema da máquina de
leitura/acesso.
 Incluem eletrônica embutida e memória de
armazenamento (geralmente 16 K ou mais)
 Armazena detalhes e informação de transações
 Numerosas aplicações, incluindo compras,
bancos, TV por assinatura, aplicações médicas
 Existem riscos de segurança potenciais
32
Smart Cards

 Características
• Fornecem maior segurança.

• Podem armazenar uma quantidade muito maior de dados.

• Possuem um micro-processador ou um chip de memória embutido.

• Podem ter interfaces de “contato” ou “sem contato”, ou ambas.

33
Smart Cards
 Com chip de memória
• Simplesmente armazenam dados

• Podem ser vistos como um pequeno disquete com uma segurança ótima.

• Utilizados por alguns cartões telefônicos.

 Com micro-processador
• Pode-se adicionar, remover e manipular informação em sua memória.

• Possui um sistema operacional para a porta de entrada/saída e uma


EEPROM embutida .

34
Smart Cards
Ex.: Cartão de Crédito sem Precisar Assinatura
 Tipos de processadores utilizados
• Micro-controladores 8031/51 e variantes

• Micro-controladores PIC

• Alguns micro-processadores especialmente projetados para


Smart Cards

35
Smart Cards
 Padrões ISO
• Definem características do cartão, tipo de contato, colocação do chip no
cartão e pinagem.
• A pinagem padrão é:

C1 : Vcc = 5V C5 : Gnd
C2 : Reset C6 : Vpp (programming voltage)
C3 : Clock C7 : I/O (data in/out)
C4 : RFU (application) C8 : RFU (application)

• O padrão suporta transmissões assíncronas e síncronas pela linha de I/O.


• O protocolo de comunicação pode ser selecionado, e o mais utilizado é o
modo assíncrono.

36
Smart Cards

 Aplicações
• Processos de pagamento.
• Identificação.
• Redes de computadores.
• Distribuição de benefícios.
• ...

37
Smart Cards Óticos
 São do mesmo tamanho e forma que cartões de crédito
de plástico, mas armazenam até 6M bytes de informação
digital atualizável num meio seguro, barato e compacto.
 Dados que podem ser armazenados em cartões óticos
inteligentes incluem:
• Nome do proprietário, endereço, e outras informações pessoais
• Fotografias digitalizadas do proprietário do cartão
• Assinaturas
• Imagens médicas e raios-X
• Extratos bancários atualizáveis e log de transações bancárias e comerciais
• Informações de segurança

38
Smart Cards Óticos
 As vantagens de cartões inteligentes óticos em relação a
cartões com chips e faixa magnética incluem:
• Grande capacidade de armazenamento
• Verificação off-line do cartão, sem dependência de telefone ou outros
links para uma base de dados central (+ ou - )
• Atualizações rápidas do cartão (30 x mais rápidas do que cartões com
chips)
• Permanente e MUITO seguro. Operação ‘a prova de fraude usando a
tecnologia de criptografia mais recente.
• Evita perda de dados devido ‘a exposição do cartão a eletricidade estática,
água, campos magnéticos ou elétricos ou a raios-X (por exemplo durante
verificação nos aeroportos).
• Custos de operação de longo termo menores
• Padrões globais com múltiplas fontes

• Governo Canadense adotou o Cartão Óptico da Canon como uma


identificação positiva. “CANPASS” – contem foto e impressões digitais e
reduz filas em 80%
39