Você está na página 1de 12

espaço

vetorial.
 

Definição: Seja V um espaço
vetorial. Um conjunto de vetores é
uma base para V se;
a) é L. I.
b) .

0).1)} é uma base de . Chamada de base canônica de .3).(2.2).(0.(0.2)} é uma base de . • {(1.1)} é uma base de .0.3).2. • {(1.0).3.(0.5)} é outra base para .0).(2.1. • {(1. • As matrizes formam uma base para o . Chamada de base canônica de .Exemplos de Bases.0.2. •  • {(1.(0.

Exemplos de Bases. ••  As matrizes formam uma base para o espaço vetorial das matrizes de ordem 2. .

I.1. • é L. mas não gera o . • é L.I.I. . pois (0. logo não é base de . •   • não é uma base para o porque os vetores não são L. mas não gera o plano .I. • não é uma base para o porque os vetores não são L.0) é vetor de e não é combinação linear dos vetores.Contraexemplos de bases.

Teorema 1 •  •Sejam vetores não nulos que geram um espaço vetorial . . Então dentre estes vetores podemos extrair uma base para .

I tem no máximo n vetores) .( e portanto qualquer conjunto L.Teorema 2 •  •Seja um espaço vetorial gerado por um número finito de vetores Então qualquer conjunto com mais de n vetores é obrigatoriamente um conjunto .

. e denotado . Este número é chamado dimensão de V.Corolário •  •Qualquer base de um espaço vetorial tem sempre o mesmo número de elementos.

I de um espaço vetorial V de dimensão finita. pode ser completado de modo a formar uma base de V. .Teorema 3 •Qualquer conjunto de vetores L.

então qualquer conjunto de vetores L.I. formam uma base de .Corolário •  •Se dimensão de V é (). .

. então e Além disso.Teorema 4 •  •Se e são subespaços vetoriais de um espaço vetorial V de dimensão finita. .

Teorema 5 •  •Dada uma base {} de V. cada vetor de é escrito de maneira única como combinação linear de . .

Definição •  •Sejam base de e onde . Chamamos estes números de coordenadas de em relação a base e denotamos por •. .