Ascaris lumbricoides

OBJETIVO : h Estudar a clissificação, morfologia, biologia, ações patogênicas, diagnóstico, epidemiologia, profilaxia e tratamento.

ASCARIDÍASE  ASCARIDÍASE D É o parasitismo desenvolvido
no homem pelo Ascaris lumbricoides. lumbricoides. 

Nome popular D 
Prevalência D

Lombrigas ou bichas. bichas.

O Ascaris lumbricoides é encontrado em quase todos os países do mundo e ocorre com frequência variada em virtude das condições climáticas, ambientais e, principalmente do grau de desenvolvimento da população.

ASCARIDÍASE
A fêmea do Ascaris lumbricoides pôe o maior número de ovos, os quais possuem maior longevidade e infectividade. Uma fêmea pode conter 27 milhões de óvolos, chegando a botar 200 mil ovos por dia, durante um ano.

ASCARIDÍASE
Para manter a enorme produção ovos férteis, esses helmintos consomem grande quantidade de nutrientes, espoliando o hospeeiro; nutrem-se nutrembasicamente de proteínas, carboidratos, lipídios e vitaminas A e C.

ASCARIDÍASE
No último relatório sobre a Ascaridíase (2000) a OMS estimou em um bilhão e meio o número de pessoas infectadas, das quais 400 milhões apresentavam sintomatologia, havendo cerca de 100 mil mortes concentradas nos países subdesenvolvidos da África, Ásia, Oceania e Américas.

ASCARIDÍASE
Os ovos do Ascaris lumbricoides são envolvidos por três membranas protetoras: uma interna, impermeável, constituída por 25% de proteína, 75% de lipídeos, que confere grande resistência ao ovo contra dessecação; uma membrana média, constituída por quitina e proteínas e a membrana externa, constituída por mucopolissacarídeos. Esses ovos infectantes resistem no meio ambiente por vários meses, talvez mais de um ano.

ASCARIDÍASE
Ascaris lumbricoides h Parasito do homem Ascaris suum h Parasito comum em suínos e pode acometer os humanos também Toxocara canis h Parasito comum de cães e que pode causar em humanos a síndrome denominada de larva migrans visceral.

ASCARIDÍASE
CLASSIFICAÇÃO: Ordem h Ascaridida Família h Ascarididae Gênero h Ascaris Espécie h Ascaris lumbricoides

ASCARIDÍASE MORFOLOGIA 
Macho D Mede 20 a 30 cm, cor leitosa, boca contornada por 3
lábios, apresenta esôfago, intestino retilíneo, reto encontrado próximo à extremidade posterior, testículo, canal ejaculador, com a extremidade posterios recurrecurvada. 

Fêmea D Mede 30 a 40 cm, sendo mais grossa, cor, boca

e aparelho digestivo semelhantes aos do macho e extremidade posterior retilínea. Apresenta 2 ovários, úteros, vagina e vulva. Chega a botar 200.000 por dia, durante 1 ano. OBS: Os vermes adultos vivem em torno de dois anos.

ASCARIDÍASE 
OVO D Mede cerca 50 m, cor castanha possuindo duas
membranas internas e uma externa manilonada (que confere grande resistência ao ovo contra dessecação). 

Larva rabditóide 

Larva filarióide

ASCARIDÍASE HÁBITAT D Formas adultas vivem no intestino delgado
dos hospedeiros (principalmente no jejuno e íleo)

ASCARIDÍASE TRANSMISSÃO D Ingestão de ovos com L3 (larva filarióide infectante) D Cada fêmea pode pôr 200.000 ovos por
dia, durante 1 ano

ASCARIDÍASE CICLO EVOLUTIVO

D É do tipo monoxênico

ASCARIDÍASE PATOGENIA
LARVAS D Lesões hepáticas e pulmonares (infecções maciças) 
Hepáticas D Focos hemorrágicos e de necrose fibrosados  Pulmonares D Edemaciação dos alvéolos, com infiltrado
eosinofílicos, febre, bronquite, pneumonia,

tosse.

ASCARIDÍASE
VERMES ADULTOS D Ações: Expoliadora D Consomem grande quantidade de vitaminas (A e C), proteínas, lipídeos, carboidratos  Desnutrição e depalperamento físico e mental. Tóxica D Antígenos parasitários X Anticorpos do hospedeiro (Edema, urticária, convulsões epileptiformes, etc.) Mecânica D Irritação da perede intestinal ou enovelamento de casais ou grupos de parasitos. Ação ectópica D Vermes migratórios (áscaris errático) podem, espontaneamente ou após midicação, atingir locais indevidos, tais como o canal coléduco, causando obstrução do mesmo, o canal de Wirsung, causando pancreatite aguda ou eliminação do verme pela boca.

ASCARIDÍASE
ASPECTOS CLÍNICOS  O aparecimento das lesões depende : D  Síndrome de Loeffler: D  Intestinal: D

onde se

Número de larvas, tecido encontrem, sensibilidade do hospedeiro. Febre, tosse, eosinofilia sanguinea elevada,

anorexia.

desconforto abdominal (cólicas), dor epigástrica e má digestão; náuseas, perda de apetite, emegrecimento; irritabilidade, sono intranquilo e ranger dos dentes à noite, manchas branca na pele. Em crianças subnutridas e altamente parasitadas é comum o aumento exagerado do volume abdominal (abdome proeminente) além do aspecto geral de depalperamento físico, palidez e trinteza.

ASCARIDÍASE

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL
Reconhecimento de formas adultas nas fezes Detecção de ovos na materia fecal D Exame de fezes Métodos quantitativos D Stoll e Kato ± Katz Métodos qualitativos Ritchie, etc. D Willis, Hoffmann,

EPIDEMIOLOGIA: h Cosmopolita (encontrado em paises de clima tropical e semi-tropical. semiFatores que interferem na prevalência do Ascaris lumbricoides: h Baixo nível socioeconômico; h precárias condições de saneamento básico; h má educação sanitária; h grande produção de ovos pela fêmea do parasito (200.000 ovos por dia durante 1 ano) h textura do solo

h contaminação fecal do solo ou piso das habitações, por falta de instalações sanitárias; h disseminação de ovos através de poeira, chuvas, insetos; h viabilidade dos ovos no solo durante meses ou anos, quando em condições favoráveis de temperatura e umidade; h resistência dos ovos aos desinfetantes usuais devido à sua membrana lipóidica interna.

ASCARIDÍASE TRATAMENTO
PIPERAZINA D Nos casos de obstrução intestinal  administração por sonda nasogástrica 100 mg/kg hexa-hidrato hexade piperazina (não exceder 6g) 10 a 30 ml de óleo mineral, 3 em 3 horas por 24h e hidratação por via parenteral. parenteral. PAMOATO DE PIRANTEL D Inibe a colinesterase causando a (Piranver, Combantrin) paralisia do verme (10mg/Kg em dose única). MEBENDAZOL D (Pantelmin,sirben) Age bloqueando a captação de glicose e aminoácidos ± 100mg (2 x) por 3 dias

ASCARIDÍASE MEBENDAZOL
MODO DE AÇÃO D Inibição seletiva da assimilação de glicose em nematóides e cestóides, determinando maior utilização de glicogênio pelo parasita; assim, os parasitas ficam privados de sua principal fonte de energia. Sob ação da droga, o parasito permanece imobilizado e o desenvolvimento larvário é interrompido in vitro. vitro.

ASCARIDÍASE MEBENDAZOL D O Mebendazol

é ativo contra nematóides e

empregado principalmente para tratamento de tricuríase, ascaríase, ancilostomíase e estrongiloiestrongiloidíase. É pouco absorvido no trato gastrointestinal, de modo que é muito eficaz em casos de helmintoses intestinais.

ASCARIDÍASE
ALBENDAZOL D 400 mg (larvicida) dose única. (Zentel)

IVERMECTINA D 200 g/Kg em dose única; 100% de cura (Revectina) (droga nova)

ASCARIDÍASE

PROFILAXIA Melhoria das condições de saneamento básico
Construção de fossas sépticas Educação sanitária Lavar as mãos antes de tocar os alimentos Tratamento das pessoas parasitadas Proteção dos alimentos contra insetos.

CASO CLÍNICO
Uma pessoa aparentemente bem, que não apresenta nenhuma sintomatologia indicativa de parasitose elimina um exemplar adulto de um verme de cor branco leitosa, medindo aproximadamente 30 cm e com a extremidade recurvada. Logo em seguida ela fez um exame parasitológico de fezes e deu resultado negativo. PerguntaPergunta-se: 1) De qual parasito você suspeitaria ? 2) O exame tem credibilidade ? 3) Como você explicaria esse fato ?

Suponha que você apresentou um quadro clínico com dores abdominais, cólicas intestinais e várias evacuações diarréicas diárias com muco e sangue. Imediatamente você fez um exame parasitológico e o resultado foi positivo para Ascaris lumbricoides e Entamoeba histolytica. PerguntaPergunta-se: 1) Qual o primeiro tratamento você usaria, para Ascaris lumbricóides ou Entamoeba histolytica ? Explique. 2) Se um indivíduo for infectado por ovos ferteis que contaminan alimentos, vai ocorrer o ciclo biológico da ascaridíase ? Explique.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful