Você está na página 1de 15

A Cura do Concreto

Por:

Antônio Pereira Neto Harthur Hipólito Michael A. Medeiros Thiago Lima Santiago Borges Frederico Soares Jean Carlos

A Cura do Concreto

A Cura do Concreto

Definição de concreto:

O concreto ou Betão é o material mais utilizado na construção civil, composto por uma mistura de cimento, areia, pedra e água, além de outros materiais eventuais, os aditivos e as adições. Historicamente, os romanos foram os primeiros a usar uma versão deste material conhecida por pozzolana. No entanto, o material só veio a ser desenvolvido e pesquisado no século XIX.

Quando armado com ferragens passivas, recebe o nome de concreto armado, e quando for armado com ferragens ativas recebe o nome de concreto protendido ou Betão pré-esforçado. Além disso existem vários tipos de concretos especiais, como o concreto auto adensável, concreto leve, concreto pós-reativo, concreto translucido, concreto colorido, concreto com fibras, que são utilizados de acordo com necessidades especificas de cada projeto.

Definição de Cura:

Conjunto de medidas que devem ser tomadas a fim de evitar a evaporação da água necessária às reações de hidratação do cimento nas primeiras idades.

Significa tomar algumas providências para que a água não evapore da superfície, até que o concreto:

Tenha finalizado completamente os processos de hidratação do cimento;

Obtenha resistência suficiente para suportar os esforços de retração por secagem; 15 Mpa.

Tabela contendo o tempo mínimo de cura para alguns tipos de especificações do cimento:

Tabela contendo o tempo mínimo de cura para alguns tipos de especificações do cimento:

As razões mais importantes são:

Ganho de resistência: Testes de laboratórios mostram que concretos expostos a ambientes secos chegam a perder 50% de sua resistência à compressão quando comparado com um mesmo concreto que foi curado. Concretos expostos a temperaturas elevadas ganharão uma maior resistência inicial, porém a resistência final (28 dias) provavelmente será menor. Já concretos expostos a temperaturas baixas levarão mais tempo para atingir certa resistência inicial levando a atrasos na retirada das formas e, consequentemente, atrasos na construção.

Maior durabilidade: Um concreto bem curado apresenta uma superfície de melhor qualidade, mais durável e mais resistente à abrasão. Além disso, deixa também o concreto mais impermeável, dificultando a entrada de agentes nocivos e, consequentemente, aumentando sua vida útil.

Melhor aparência: Fissuras em alguns casos são inevitáveis, principalmente em grandes vãos horizontais, porém um concreto mal curado quando comparado a um curado corretamente apresenta fissuras de diversos tipos e no geral um mal acabamento devido a sua menor resistência. A cura reduz bastante esses tipos de problemas.

Apresentação de dois tipos e patologias do concreto, por fissuração:

Apresentação de dois tipos e patologias do concreto, por fissuração: Nos primeiros minutos após o lançamento,
Apresentação de dois tipos e patologias do concreto, por fissuração: Nos primeiros minutos após o lançamento,

Nos primeiros minutos após o lançamento, antes do fim de pega, a exsudação natural do concreto fornece à superfície um suprimento constante de umidade. Ao mesmo tempo, a evaporação consome essa umidade em uma dada velocidade. Se a velocidade de evaporação for maior que a de exsudação, surgem pequenas e incômodas fissuras superficiais, de pequena espessura, não mais que 1 ou 2 mm, com a aparência da figura acima:

Após o fim de pega, se a maior parte da água se evapora, as tensões são tão altas que surgem fissuras de grande abertura, muito maiores que o milímetro, formando figuras geométricas. Isso porque, nessa altura, o concreto já não oferece quase nenhuma elasticidade. Como abaixo:

A água de dosagem adicionada ao concreto tem dupla finalidade:

1 - servir como catalizador para o processo de endurecimento;

2 - A água serve como meio de solução dos Silicatos e Aluminatos de Cálcio presentes no cimento.

Curiosidade:

Concretos comuns tendem a ter entre 160 e 250 L de água por m3. E toda essa água precisa permanecer dentro do concreto.

Alguns dos métodos utilizados para cura do concreto são:

Cura úmida: deve-se manter a superfície do concreto úmida por meio de aplicação de água na sua superfície, manter o concreto coberto com água ou totalmente imerso em água para evitar que ocorra evaporação da mesma. No caso da cura úmida, podemos utilizar folhas de papelão, lonas plásticas ou até mesmo somente molhar o concreto de tempo em tempo.

Cura química: consiste num produto que forma uma película na superfície do concreto e que impede que haja evaporação da água do concreto

Cura ao ar do concreto: não são tomados cuidados especiais para se evitar a evaporação prematura da água necessária para a hidratação do cimento.

Cura térmica: feita em câmaras, contribui para a otimização do traço ao mesmo tempo em que garante a umidade necessária ao concreto, acelerando a velocidade de ganho de resistência pelo aquecimento. É considerada a cura mais eficiente e é muito utilizada em empresas que trabalham com concreto pré-moldado

Cura úmida:

Aplicação de folhas de papel (como por exemplo, sacos de cimento vazios), de tecidos (aniagem, algodão) ou camadas de terra ou areia (com espessura de 3 a 5 cm) mantido úmidos durante o período de cura;

Aplicação de lonas ou lençóis plásticos impermeáveis, de preferência de cor clara (para evitar o aquecimento excessivo do concreto). A prática mais comum é molhar o concreto por aspersão de água, e/ou usar panos ou papel para reter a umidade junto ao concreto o máximo possível

Cura úmida :  Aplicação de folhas de papel (como por exemplo, sacos de cimento vazios),
Cura úmida :  Aplicação de folhas de papel (como por exemplo, sacos de cimento vazios),
Cura úmida :  Aplicação de folhas de papel (como por exemplo, sacos de cimento vazios),
Cura úmida :  Aplicação de folhas de papel (como por exemplo, sacos de cimento vazios),
Cura úmida :  Aplicação de folhas de papel (como por exemplo, sacos de cimento vazios),

Tipos de curas Úmidas

Irrigação ou aspersão de agua; Submersão; Recobrimento; Recobrimento com plástico ou semelhantes; Conservação das formas; Impermeabilização por pinturas; Aplicação de cloreto de cálcio; Membranas de cura.

Cura química:

Cura química: APRESENTAÇÃO DO PRODUTO É um polímero sintético a base água, protege o concreto da

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO

É um polímero sintético a base água, protege o concreto da

desidratação provocada pelo calor e vento, quando pulverizado sobre o concreto recém projetado, protege da evaporação acelerada da água, formando um filme impermeável, evitando a formação de fissuras, gretas e perda de resistência.

APLICAÇÃO DO PRODUTO

É um produto pronto para o uso, a aplicação deve ser feita de uma só vez, utilizando-se rolo ou pulverizador de baixa pressão, logo depois do concreto puxar, ou seja, adquirir uma aparência fosca, Deve ser aplicado em toda a superfície o necessário para torná-la esbranquiçada. As superfícies tratada comQUIMICRET pode receber revestimento posteriores.

Cura ao ar do concreto:

É o tipo de cura que a argamassa fica exposta ao ambiente e não foram tomados cuidados especiais para evitar a evaporação da água necessária para a hidratação do cimento.

Cura térmica:

A cura térmica acelera a hidratação do cimento, acelerando então, o ganho de resistência do elemento estrutural.

O objetivo principal é o desenvolvimento da resistência alto para que o concreto possa ser manuseado às primeiras idades.

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12655:Concreto de cimento

Portland - Preparo, controle e recebimento - Procedimento. Rio de Janeiro, 2006. 22 p.

NBR 5738: Concreto - Procedimento para moldagem e cura de corpos-de-prova. Rio de Janeiro, 2003. 6 p.

______.

______.

NBR

5739: Concreto - Ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos. Rio de Janeiro,

2007. 14 p. NBR

______.

14931: Execução de estruturas de concreto - Procedimento. Rio de Janeiro, 2004. 59 p.

BAUER, Luiz Alfredo Falcão. Materiais de Construção. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2001. 471 p. BOTELHO, Manoel Henrique Campos; MARCHETTI, Osvaldemar. Concreto Armado, eu te amo. 6. ed. São Paulo: Blucher, 2010. 507 p. COUTINHO, A. de Souza. Fabrico e propriedades do betão. Lisboa: LNEC, 1973. SANTANA, Lisandro Lacerda; COSTA, Fernanda Nepomuceno. Análise da resistência à compressão de concretos com cura úmida e sem cura. Salvador: UCSAL. 16 p