Você está na página 1de 6

A Regio Metropolitana de

So Paulo e o conceito de
cluster: consideraes
estratgicas

SLADE, 2002
1. Proposio bsica

B. Aires
SP influncia crescente, no mbito
regional / primazia e dominncia
NY
Mxico City
Miami observa-se crescimento do
Paris setor de servios

Frankfurt
Zurique
Amsterd Como diagnosticar e aproveitar a
Sidney dinmica dessas transformaes
econmicas?
Hong Kong
2. Processo de clusterizao
e setor de servios
Fatores locais continuam sendo importantes,
mesmo com a globalizao em marcha

O que tem acontecido nas metrpoles de vrios pases:

INDSTRIA SERVIOS

Forma nobre (NY): Forma degenerada


Trabalho intelectual, (Cidade do Mxico):
tecnologia, informao, Limpeza, segurana,
turismo, entretenimento, vigilncia, manobristas
design
3. SP caractersticas e
tendncias
PIB: US$ 47 bilhes
Nmero de habitantes: 10,4 milhes
(so 17, 2 milhes nos 39 municpios da Regio Metropolitana)
Oramento anual: US$ 4 bilhes
Renda per capita: US$ 4.708

COMPOSIO DA ECONOMIA:
Produo Industrial: 35,9% em 1980 21,9% em 1999
Servios: 44,1% em 1989 54,8% em 1999

- Saberemos aproveitar essa tendncia?


4. Clusters em SP: condies que
podem gerar oportunidades
Gastronomia avanada
Centros hoteleiros, culturais e complexos comerciais
que esto sendo construdos
1,3 milho de turistas/ano (negcios e compras)
SP abriga sedes regionais (centros de deciso) de
grandes empresas transnacionais que necessitam de:
servios financeiros
redes complexas de servios (grfica, moda, etc.)
tecnologia de informao
empresas de auditoria, advogados, consultoria
propaganda
educao e pesquisa
feiras de negcios, eventos, etc.
5. Recomendaes
Aes setoriais bem planejadas e baseadas na dinmica econmica,
voltadas para clusters de maior potencial

Identificar, compreender Orientar-se para


funcionamento, conhecer necessidades e
caractersticas, histria e particularidades de
tendncias de evoluo de clusters, em programas
clusters existentes dirigidos de melhoria
Aes de governo e de rgos auxiliares:
melhorar qualidade e disponibilidade de insumos
(fora de trabalho qualificada, infra-estrutura, bases de informaes)
contribuir com ambiente propcio a aumento de produtividade
(promover aes associativas, disseminar conhecimento de tecnologias)

propiciar condies para interao entre empresas e rgos pblicos /


universidades

formular planos integrados, sem vis reducionista - enxergar o todo, no


adotando uma perspectiva limitante
(contra-exemplo: planos de transportes que no partem de uma viso global)