Você está na página 1de 25

tica

da
Alteridade
no ER
tica:
reflexo sobre o comportamento humano
Alterida
de:
o outro
como
outro
Ser humano como SUBSTANTIVO
e o restante como ADJETIVO
(homem, mulher, negro, branco, gay, hetero, cristo, catlico, evanglico,
budista, umbandista, esprita, pt, psdb, esquerda, direita, reverendo,
meritssimo, excelncia...)
O outro
no primeiramente objeto de compreenso,
e apenas depois interlocutor
Como possvel
o dilogo
se a estrutura ou o ser
ou a interioridade
tudo contm
a priori?
A modernidade
elaborou
a reduo do outro...
A alteridade deixou de ter influncia na experincia existencial e moral
O outro sentido por si s.
Tu s tu absolutamente.

O outro o que no pode ser contido, que conduz para alm de todo contexto e do ser.
A metafsica
da identidade absoluta
levou por fomentar a violncia e a intolerncia.
O problema da
VERDADE:
processo ou posse?
Ser possvel sair
das amarras do ser?
O outro como
alteridade irredutvel!
E no
ENSINO
RELIGIO
SO
como se
d a
tica da
alteridad
e?
Os contedos do ER
incidem na cosmoviso*
dos estudantes.

*maneira subjetiva de ver e entender o mundo, as relaes humanas e os papis dos indivduos e o seu prprio na sociedade, assim como as respostas a
questes filosficas bsicas, como a finalidade da existncia humana, a existncia
de vida aps a morte, etc
Como trabalhar os contedos respeitando
a cosmoviso dos estudantes?
Para concluir:
Religio muita coisa ao mesmo tempo. (Mary Douglas)
O que isso quer dizer para quem se prope a ser professor
de ER?