Você está na página 1de 21
TEXTO DO DIA
TEXTO DO DIA
"Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas,
"Disse-lhes ele: Moisés, por
causa da dureza do vosso
coração, vos permitiu repudiar
vossa mulher; mas, ao
princípio, não foi assim."
(Mt 19.8)
SÍNTESE
SÍNTESE
A sociedade, ao longo dos tempos, admitiu a formação de variados arranjos familiares. Entretanto, o padrão
A sociedade, ao longo dos
tempos, admitiu a formação de
variados arranjos familiares.
Entretanto, o padrão divino
para a família estabelecido no
Éden não se alterou, pois a
Palavra de Deus não muda.
LEITURA BÍBLICA
LEITURA
BÍBLICA

Mateus 19.1-8

1. E aconteceu que, concluindo Jesus esses discursos, saiu da Galileia e dirigiu-se aos confins da Judeia, além do Jordão.

2. E seguiram-no muitas gentes e curou-as ali.

3. Então, chegaram ao pé dele os fariseus, tentando-o e dizendo-lhe: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?

4. Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que, no princípio, o Criador os fez macho e fêmea

5. e disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher, e serão dois numa só carne?

6. Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem.

7. Disseram-lhe eles: Então, por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio e repudiá-la?

8. Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim.

INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO

O modelo familiar adquiriu inúmeros e diferentes contornos ao longo da história cultural das civilizações.

Quanto maior o afastamento de Deus, maior a deturpação do modelo tradicional divino (Gn

4.23).

Deus “gravou” na natureza humana o seu projeto familiar original, desde cedo, o qual foi inaugurado no Éden: a família tradicional

monogâmica, genuinamente bíblica, formada a

partir de pais e filhos.

I - DIREITO E FAMÍLIA
I - DIREITO E
FAMÍLIA

1. Conceito

Família

=

grupo

social

indispensável

para

o

estabelecimento de uma civilização forte e duradoura

(célula-mãe da sociedade).

 

À

luz

do

direito

pode assumir várias conotações,

dependendo da cultura e da época da sociedade que se analisa.

De forma geral = grupo social composto por pessoas ligadas pela consanguinidade, afinidade e/ou pela existência de vínculos matrimoniais.

Entre os hebreus abrangia muito além de cônjuges e descendentes, pois incluía também os parentes por

afinidade e os escravos (Gn 47.12).

 

Somente os filhos tinham direito à herança, exceto na ausência destes (Gn 15.2-4).

2. Relevâncias jurídicas e sociais

Questões familiares é tão importante para a sociedade que existe uma área do direito dedicada exclusivamente a esse tema: “O Direito de Família”.

Nas grandes cidades do Brasil, juízes exclusivos (divórcio, pensão alimentícia, guarda de filhos, direito de visitas dos filhos, dentre outras).

É a vida de todos nós que está em pauta.

O assunto é vital no aspecto espiritual e social.

Um tema caro, sensível e urgente.

3. Variantes históricas

Tipos de famílias fora do modelo bíblico:

a poligamia (um marido e várias esposas),

a poliandria (uma esposa e vários maridos),

o casamento em grupo (não há casais fixos, e as crianças são criadas pela comunidade inteira).

o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A prática homossexual existe desde a antiguidade.

II - A FAMÍLIA DURANTE OS SÉCULOS
II - A FAMÍLIA
DURANTE OS
SÉCULOS

1. O padrão divino

Base do padrão bíblico: "Portanto, deixará o varão o

seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e

serão ambos uma carne" (Gn 2.24).

 

Jesus recomendou: "Portanto, o que Deus ajuntou, não o separe o homem" (Mc 10.9).

A

poligamia

foi

tolerada

por

Deus?

Quais

as

 

consequências? Ver Gn. 30.1,2; 1 Rs 11.3.

 

Modelo bíblico de casamento:

 

monogâmico (cada qual deve ter apenas um cônjuge),

heterossexual (realizado entre homem e mulher),

 

monossomático (os cônjuges devem se tornar uma só carne com objetivo de durar para sempre).

Como tratar os casos diferentes na igreja?

 

2. O homem como chefe da família

No AT a sociedade era patriarcal, o pai era o chefe da família (Gn 3.16).

O pai tinha direitos de vida e morte sobre os membros da sua família (Dt 21.11-21);

o chefe do clã familiar (avô, bisavô, etc.) detinha autoridade sobre toda a descendência (Gn 9.25,27;

27.27-40; 48.15,20; 49);

O castigo para desobediência poderia ser a morte (Dt

21.18-21).

Pais responsáveis p/ instrução religiosa e secular dos membros da família (Êx 12.12.26; Dt 6.20).

No NT se manteve o princípio.

Qual é o modelo atual?

3. Afetividade é suficiente?

Novo padrão globalizado: a união estável entre homem e mulher – “viver junto”. Pergunta-se:

  • O casal em união estável tem a bênção de Deus?

  • A afetividade é suficiente para a formação de um núcleo familiar?

  • Homem e mulher podem unir-se para construir uma nova

família, independentemente do casamento?

"O casamento é só um pedaço de papel. Para que casar?"

Um documento que estabelece um novo status social aos

nubentes, que cria direitos e deveres.

"Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará" (Hb 13.4).

III - A MONOGAMIA
III - A
MONOGAMIA

COMO MODELO

BÍBLICO
BÍBLICO

1. No Antigo Testamento

Monogamia e poligamia no AT: conveniências culturais, econômicas, políticas, entre outras.

A maioria dos casamentos eram monogâmicos, todavia por questões econômicas.

O relacionamento de Abraão e Hagar se justifica por ser um costume cultural antigo?

2. No Novo Testamento

No tempo de Jesus a predominância de casamentos monogâmicos continuava.

Em Mateus 19.3 Jesus é questionado pelos fariseus

sobre a dissolução de um casamento.

Em Mateus 22.23-28, os saduceus questionaram Jesus sobre um problema teológico em relação à lei do

levirato (Gn 38.7-11).

Jesus aponta

que

o essencial

é

a

causa

e

não

a

consequência: dureza de coração. Como lidar com

isso?

3. Atualidade nacional

No Brasil, o Código Civil de 1916 = o marido como o chefe da família, a esposa e os filhos hierarquicamente inferiores e os filhos ilegítimos não eram considerados herdeiros. O casamento era indissolúvel.

O divórcio veio a ser permitido apenas em 1977.

Com a Constituição Federal de 1988 = queda do modelo

patriarcal (isonomia dos direitos do marido e da mulher na sociedade conjugal) e fim da discriminação de filiação pessoal ou hereditária.

Diante de recentes decisões do Supremo Tribunal Federal, está sendo admitido o casamento entre pessoas do mesmo sexo e, inclusive, a adoção de crianças por casais homoafetivos.

CONSIDERAÇÕES

FINAIS
FINAIS

Nesta lição aprendemos que:

1. O tema família é muito importante tanto no

aspecto espiritual como social. O modelo bíblico para o casamento deve prevalecer.

2. O casamento é muito mais do que um contrato

entre duas pessoas.

3. A lei brasileira autoriza a união conjugal

diferente do conceito bíblico, mas o cristão deve

seguir o modelo bíblico para estar dentro da vontade divina.