Você está na página 1de 6

RESISTNCIA AO CHOQUE

OU AO IMPACTO

Choque ou impacto um esforo de natureza dinmica

O comportamento dos materiais sob ao de cargas


dinmicas diferente de quando est sujeito
cargas estticas

A capacidade de um determinado material de absorver


energia do impacto est ligada sua tenacidade, que por
sua vez est relacionada com a sua resistncia e ductilidade
O ensaio de resistncia ao choque d informaes da
capacidade do material absorver e dissipar essa energia
Como resultado do ensaio de choque obtm-se a energia
absorvida pelo material at sua fratura, caracterizando
assim o comportamento dctil-frgil

1
ENSAIO DE RESISTNCIA
AO CHOQUE
ENSAIO DE RESISTENCIA AO CHOQUE
Chapy: comum nos EUA
Izod: comum na Europa

2
EFEITO DA TEMPERATURA
NA RESISTNCIA AO
IMPACTO

Curva resposta do ensaio de choque

O ensaio de resistncia ao choque caracteriza o


comportamento dos materiais quanto `a transio do
comportamento dctil para frgil em funo da
temperatura
3
EFEITO DA TEMPERATURA
E ESTRUTURA NA
RESISTNCIA AO IMPACTO
POLMEROS
So frgeis baixas temperaturas
porque a rotao dos tomos na
molcula requer energia trmica
A maioria dos polmeros apresentam
transio dctil-frgil que
geralmente abaixo da ambiente

MATERIAIS CFC
Permanecem dcteis (no
apresenta transio dctil-frgil)
porque nesta estrutura h
muitos planos de
escorregamento disponveis
EX: Alumnio e suas ligas e cobre e
suas ligas

MATERIAIS HC
So frgeis porque nesta
estrutura h poucos planos
de escorregamento
disponveis
Alguns materiais HC apresentam
transio dctil-frgil
Ex: Zinco

4
EFEITO DA TEMPERATURA
E ESTRUTURA NA
RESISTNCIA AO IMPACTO
Ao inoxidvel MATERIAIS CCC
Apresentam uma transio
de frgil para dctil em
funo da temperatura
zinco

AOS LIGADOS
Alguns aos apresentam
temperatura de
transio mais baixa
Ao baixo carbono

5
OUTROS FATORES QUE
INFLUEM NA TEMPERATURA
DE TRANSIO
Tamanho de gro
Grau de encruamento
Composio (% elementos de liga, como o % de
carbono nos aos)
Presena de impurezas ou fases
Tratamento trmico

Os materiais cermicos apresentam


tambm transio frgil-dctil que ocorre
usualmente altas temperaturas (geralmente
acima de 1000C)