Você está na página 1de 25

Bullying e Agressividade na Escola Behaviorismo e TCC

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina 17/10/2017 Behaviorismo
BULLYING NA ESCOLA-Disciplina
17/10/2017
Behaviorismo

1

Bullying e Agressividade na Escola

Behaviorismo e Terapia

Comportamental Cognitiva

Acadêmicos 3º. Termo psicologia:

Adriana Corrêa, Allen Trindade, Camila Souza, Camila Monteiro, Carlos Bousse.

Orientadora Profa.Msc. Maria das Graças Teles Martins Disciplina: MPP Behaviorismo

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

2

Conceito de Bullying

O bullying é um ato de agressão( física, moral, verbal) comumente ocorrida nas escolas. O termo bully em inglês significa valente e por dificuldade de traduzi-lo em outros idiomas o termo se torna

universal. O resultado de quem sofre o bullying,

ou seja, de quem e agredido atinge a psiquiatria e a psicologia, pois esses resultados são muitas

vezes consequências extremamente patológica e

mórbidas, criando distúrbios e dificultando sua vida.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

3

Bullying na Escola

O assédio intimidativo não está obrigatoriamente ligado ao ato criminoso ou violência física.

Por vezes o trauma sofrido na escola é irreversível dependendo da característica individual de cada

pessoa, do meio e como a família lida com a situação.

Ao focar o bullying deve-se dar atenção só as

vitimas

como também aos agressores,

ambos precisam de tratamento psicológico e acompanhamento pedagógico.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

4

Bullying na Escola

Dentro da escola é necessário muita atenção para qualquer movimento que indique um ato de bullying, não só na escola como dentro da própria família, podendo a criança ser o agressor ou a vitima.

O bullying tem contribuição para transtornos psicológicos, como os transtornos de ansiedade e

depressão. A inabilidade social acaba dificultando a procurar por ajuda, já que essa

característica é bastante vista nas vitimas de

bullying

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

5

Agressividade

Ao se abordar o tema da agressividade infantil na escola é preciso considerar a participação dos envolvidos: pais, crianças e professores.

O comportamento agressivo da criança é considerado normal e deve ser vivido por ela e

observado cuidadosamente pelos pais.

A agressividade envolve a ausência de limites, a falta de regras, violência física ou emocional,

fatores que provocam comportamentos agressivos.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

6

Tipos de Agressão

As agressões podem acontecer de formas Diretas e Indiretas.

Agressões físicas: Espancamentos deixando marcas e hematomas.

Agressões Verbal: Xingamentos, ameaças, espalhar boatos , apelidos ofensivo.

Agressão sexual: Uma ação que obriga a pessoa a ter atos ou contato sexual físico ou verbal, ou a

participar de outras relações sexuais com o uso da força ou ameaças e etc.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

7

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

O Behaviorismo: comtempla o comportamento

com uma forma funcional e racional de organismos vivos. Esta corrente psicológica não contempla qualquer relação com o

transcendental, com a introspecção e os aspectos

fisiológico, busca estudar comportamentos objetivos que podem ser observados.

De acordo com Watson o estudo do meio envolve um individuo, possibilita a previsão e o controle

do comportamento humano.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

8

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

Comportamento

respondente:

são

respostas

automáticas e incontroladas do comportamento humano como sentir frio com baixas

temperaturas, espirrar, reagir a algo quente na

pele ou até uma reação a um evento sofrido de

bullying

entre

comportamentos

colegas

reflexos

de

escola.

Esses

são

respostas a

eventos, estando ou não condicionados a uma situação.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

9

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

Comportamento operante: Este refere-se ao procedimento através do qual é modelada uma resposta no organismo através de reforço diferencial e

aproximações sucessivas. É onde a resposta gera uma

consequência e esta consequência afeta a sua

probabilidade de ocorrer novamente; se a consequência for reforçadora, aumenta a probabilidade, se for

punitiva, além de diminuir a probabilidade de sua

ocorrência futura, gera outros efeitos colaterais.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

10

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

Este tipo de comportamento que tem como

consequência um estímulo que afete sua frequência é

chamado “Comportamento Operante.

Através do comportamento operante chegamos a um

ponto crucial sobre bullying e behaviorismo, os

elementos reforçadores e punitivos, os reforçadores podem aumentar a frequência de resposta aos

estímulos, estímulo é a responsabilidade pela ação, em

um evento onde há bullying frequentemente sem uma punição, a tendência é que esse tipo de brincadeira se perpetue e que respostas negativas ocorram.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

11

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

Ex: Os casos de assassinos nas escolas principalmente

dos EUA, os estímulos não são controlados, as ações de bullying acontecem sem punição e as respostas negativas vem através de uma revolta de quem sofre o

bullying, é a chamada relação funcional, a relação entre

a ação do individuo e a consequência de seu ato.

A consequência retroage ao sujeito, alterando a

probabilidade futura de ocorrência.

Se há uma reação inesperada ao bullying, o sujeito ativo pensará duas vezes antes de praticar de novo.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

 

12

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

O Behaviorismo busca o entender o controle dos

estímulos, estudando empiricamente e a chance de se chegar a um resultado mais confiável aumenta.

É necessário entender o que acontece numa relação de

agressão psicológica como o bullying para saber como

combatê-la.

A análise experimental do comportamento pode nos

ajudar a descrever comportamentos em qualquer

situação, ajudando-nos a modificá-los.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

13

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

No âmbito da educação, o behaviorismo remete para

uma alteração do comportamento dos elementos envolvidos no processo de aprendizagem sendo que essa mudanças nos professores e alunos poderia melhorar a aprendizagem.

Para Watson, a educação é um importante elemento capaz de transformar a conduta de individuo. Além disso, ele acreditava que com os estímulos específicos

era possível ‘’transformar’’ e moldar o comportamento

de uma criança para que ela pudesse exercer qualquer

profissão por ele escolhida.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

14

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

Como o Behaviorismo pode ajudar na prática de

combate ao bullying?

Reforçar o comportamento desejado que seja oposto e que eventualmente substitua os padrões do

comportamento indesejado.

Enfraquecer o comportamento indesejado removendo os eventos de reforço que mantém aquele

comportamento.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

15

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

Como o Behaviorismo pode ajudar no combate a

prática ao bullying?

Usando a técnica da saturação que é o procedimento que encoraja uma pessoa a engajar-se num

comportamento problema repetidamente até que se

canse dele.

Mudando as condições de estímulo que influenciam

aquele comportamento.

Usando punição para enfraquecer aquele comportamento.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

16

Bullying e Agressividade na TCC

Intervenções.

A TCC utiliza o conceito de estrutura

‘’biopsicossocial’’ (referente a fatores

biológicos, psicológicos e sociais).

Na determinação e compreensão dos

fenômenos relativos a psicologia humana. Constitui-se como uma abordagem que

focaliza o trabalho sobre os fatores

cognitivos, afetivos e comportamentais do homem.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

17

Bullying e Agressividade Intervenção na terapia cognitivo comportamental

Para a TCC, os indivíduos atribuem

significados a acontecimentos, pessoas , sentimentos e demais aspectos de sua

vida , com base nisso comportam-se de

determinadas maneiras e contraem diferentes hipóteses sobre o futuro e sobre sua própria identidade.

As pessoas reagem de formas variadas

uma situação especificas podendo chegar a conclusões também variadas.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

18

Questões a serem consideradas

*Características gerais

* Cultura

* Experiências particulares peculiares

* Manifestação das Organizações cognitivas ou

estruturas

* A natureza e a função dos aspectos cognitivos

* Processamento das informações

* Fornecer estratégias capazes de corrigir conceitos

* O ato de atribuir significados e algo

* Categoria de significados: emoções, atenção memoria e comportamento

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

19

Bullying e Agressividade Na TCC

A Terapia Cognitiva foi desenvolvida a partir da década de 50 por Aaron Beck. Ela se baseia no princípio de que a maneira como pensamos afeta diretamente a maneira como nos sentimos e como nos comportamos.

A psicoterapia cognitiva “baseia-se no modelo cognitivo segundo o qual o afeto e comportamento são determinados pelo modo como um indivíduo estrutura o mundo” (Brck et al., 1979; Beck et al., 1985; Beck e Freeman, 1990; citados por Rangé, 1998).

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

20

Bullying e Agressividade na TCC

A Terapia Comportamental visa a modificação do comportamento, ou seja, a partir dos relatos trazidos pelo paciente, o terapeuta o ajudará a modificar a sua forma de agir nas situações cotidianas.

Nesse conjunto, surgiu o modelo terapêutico como

Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC).

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

21

Bullying e Agressividade na TCC

A TCC lança mão de uma gama de técnicas cognitivas

como, por exemplo, reestruturação cognitiva e questionamento socrático e de técnicas

comportamentais como relaxamentos e role play. As técnicas são fundamentais para que a criança

aprenda a não tomar como verdadeiros, que ela seja capaz de se questionar e modificar os pensamentos

disfuncionais, assim como treinar maneiras de agir nas

situações e partir desses treinos desenvolver comportamentos mais adaptados às situações.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

22

Bullying e Agressividade no Behaviorismo

A vítimas de bullying

Receber uma criança ou jovem vítima de bullying para atendimento requer do terapeuta uma postura acolhe- dora e empática.

É necessário compreender genuinamente o sofrimento da pessoa que está ali buscando ajuda e ser capaz de manejar as situações de resistência que podem ocorrer.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

23

Bullying e Agressividade na TCC

A vítimas de bullying

O atendimento à vítima de bullying envolve treinamento em habilidades sociais, reestruturação

cognitiva, manejo de raiva e promoção de resiliência

(homeostase).

Existem várias técnicas de TCC voltadas para o atendimento infantil, adolescente e de pessoas que

sofrem bullying.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

24

Conclusão

O caminho de combate ao bullying é árduo.

Cabe a toda sociedade, não só aos pais ou a escola,

orientar os jovens para que estes não desencadeiem comportamentos agressivos.

Mostrar para eles que o comportamento agressivo não

leva a lugar nenhum

Ter um comportamento saudável o ajudará muito mais

em sua dinâmica de vida e de relações positivas em

todas as áreas profissional, escolar, social e afetiva.

17/10/2017

BULLYING NA ESCOLA-Disciplina

Behaviorismo

25