Você está na página 1de 7

Modos de Produo:

Revoluo Industrial
Liliana Parente Ribeiro
Complementao Pedaggica
Disciplina: Trabalho e Educao
IFES Polo Bom Jesus do Norte
O incio da Revoluo Industrial ocorreu na segunda metade
do sculo XVIII, na Inglaterra, e estava vinculada ao processo
de industrializao em que houve a substituio da produo
artesanal, familiar, pela fabril.

Teve tambm como caractersticas a utilizao do ferro como


matria prima, o uso do tear e da mquina a vapor
substituindo a fora humana.
Taylorismo
Frederick Winslow Taylor, americano nascido em 1856, tido
como pai da organizao cientfica do trabalho. Seus estudos
objetivavam descobrir todo tipo de tcnica que fizesse o
trabalhador reduzir movimentos desnecessrios, ganhar
agilidade e produzir mais.
A primeira revoluo tecnolgica, marcada pela utilizao do
ferro como matria prima, pela transformao da produo
artesanal para a manufatura e depois pela industrial, mudou
as relaes de trabalho, pois fez surgir o trabalho assalariado e
a disciplina, o controle e a fiscalizao.

Produo artesanal
Produo Industrial
Fordismo
Henry Ford1 (1863-1947) implementou a esteira na linha de
montagem do automvel e incutiu, em seus prprios
trabalhadores, as ideias capitalistas que alimentam a produo
industrial em larga escala. Esse processo de produo
intensificou a fragmentao, a hierarquizao e a diviso
tcnica do trabalho, ampliando a padronizao e a
desvalorizao do trabalhador.
Toyotismo
O Toyotismo tambm conhecido como acumulao
flexvel um modelo de produo industrial idealizado
por Eiji Toyoda (1913-2013) e difundido pelo mundo a partir
da dcada de 1970 aps a sua aplicao pela fbrica da
Toyota.
A caracterstica principal desse modelo a flexibilizao da
produo, ou seja, em oposio premissa bsica do sistema
anterior o fordismo, que defendia a mxima acumulao
dos estoques , o toyotismo preconiza a adequao da
estocagem dos produtos conforme a demanda.
Assim, quando a procura por uma determinada mercadoria
grande, a produo aumenta, mas quando essa procura
menor, a produo diminui proporcionalmente.
J a terceira revoluo cientfica, bem prxima a ns, j na
segunda metade do sculo XX, foi imprescindvel para que a
Globalizao, um fenmeno mundial de interligao entre os
pases, se desenvolvesse.
Foram graas ao avano da microeletrnica, da ciberntica, da
microbiologia, as novas formas de energia, a informtica,
robtica, as fibras ticas, os chips que a informao pde
derrubar barreiras e atravessar o mundo.