Você está na página 1de 49

ARTRÓPODES

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Do grego, arthros = articulado e


podos = pés;
• É o filo mais abundante em
quantidade de espécies descritas
(~1 milhão);
• Vivem em praticamente todos os
tipos de ambientes;
• Existem espécies de vida livre e
parasitas (exemplos?)
PROF. MARCELO MIRANDA
Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Características Gerais:
- Animais triblásticos;
- Celomados;
- Protostômios;
- Simetria bilateral;
- Segmentação (metameria);
- Presença de Exoesqueleto;
- Apêndices corporais.

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Características Gerais:
- Animais triblásticos;
- Celomados;
- Protostômios;
- Simetria bilateral;
- Segmentação (metameria);
- Presença de Exoesqueleto;
- Apêndices corporais.

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Características Gerais:
- Segmentação (metameria)

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Características Gerais:
- Exoesqueleto: reveste externamente o corpo dos artrópodes e é constituído por
quitina, um polissacarídeo;

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Características Gerais:
- Exoesqueleto: reveste
externamente o corpo dos Detalhe da
cutícula
artrópodes e é constituído
por quitina, um
polissacarídeo;
- As longas moléculas de
quitina formam uma
Na articulações, o exoesqueleto quitinoso é formado por uma camada
“armadura” que recobre mais delgada, permitindo maior flexibilidade.
PROF. MARCELO MIRANDA
quase todo o corpo.
Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Características Gerais:
- Em alguns artrópodes, além da quitina, o exoesqueleto é impregnado
externamente por carbonato de cálcio, formando couraças duras e espessas (siris,
caranguejos e lagostas, por exemplo).

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artropódes)

• Características Gerais:
- Em alguns artrópodes, além da quitina, o exoesqueleto é impregnado
externamente por carbonato de cálcio, formando couraças duras e espessas (siris,
caranguejos e lagostas, por exemplo).

• Vantagens do Exoesqueleto:
- proteção;
- a quitina é impermeável.

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Características Gerais:
- Apêndices corporais articulados (patas,antenas, etc).
Embora o nome do filo faça menção apenas aos pés, o corpo dos artrópodes
possui muitas outras articulações.

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Características Gerais:
- Essas características dos artrópodes contribuíram, em maior ou menor grau, para
o sucesso evolutivo do grupo.

PROF. MARCELO MIRANDA


PROF. MARCELO MIRANDA
Filo Arthropoda (Artrópodes)

• Características Gerais:
- Essas características dos artrópodes contribuíram, em maior ou menor grau, para
o sucesso evolutivo do grupo:
1. Segmentação (importância?);
2. Exoesqueleto quitinoso (importância?);
3. Apêndices articulados (importância?).

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artrópodes)
• Características Gerais:
Aspectos gerais da Fisiologia
- Tubo digestório completo;
- Sistema circulatório aberto (ou lacunar);
- Sistema nervoso ganglionar (como nos filos estudados anteriormente);
- Órgãos do sentido bem desenvolvidos;
- Respiração branquial (espécies aquáticas) ou por traqueias (espécies terrestres);
- Excreção por estruturas especializadas (glândulas verdes, glândulas coxais e
túbulos de Malpighi);
- Reprodução sexuada, indivíduos dióicos, fecundação interna e externa,
desenvolvimento quase sempre indireto.
PROF. MARCELO MIRANDA
Filo Arthropoda (Artrópodes)
• Características Gerais:
Aspectos gerais da Fisiologia
- Crescimento: como é possível com um exoesqueleto rígido envolvendo o corpo?
Ecdise (muda):
-Trocas periódicas do exoesqueleto, permitindo o crescimento do corpo;
- A epiderme secreta um novo exoesqueleto sob o antigo, que, por sua vez, fende-
se na região dorsal (na maioria das vezes), por onde o animal sai com um novo
exoesqueleto ainda em formação.
http://www.youtube.com/watch?v=DdpNBOiRbgg

PROF. MARCELO MIRANDA


- Inicialmente, o novo exoesqueleto é flexível e permite o crescimento do corpo do
artrópode logo após a muda;
- Depois de algum tempo o exoesqueleto endurece e o crescimento só pode
continuar em uma nova ecdise. PROF. MARCELO MIRANDA
Como seria a curva de crescimento de um animal que não sofre ecdise?

PROF. MARCELO MIRANDA


Filo Arthropoda (Artrópodes)
• Classes:
- critérios: divisão (organização) do corpo, número de patas, número de antenas e
presença ou ausência de asas.

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Insecta
- corpo dividido em cabeça, tórax e
abdômen
- 3 pares de patas
- 1 ou 2 pares de asas, ou nenhum
- 1 par de antenas
- Exemplos: borboletas, mosquitos, baratas

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Insecta
- corpo dividido em cabeça, tórax e
abdômen
- 3 pares de patas
- 1 ou 2 pares de asas, ou nenhum
- 1 par de antenas
- Exemplos: borboletas, mosquitos, baratas

PROF. MARCELO MIRANDA


ANATOMIA INTERNA DE UM GAFANHOTO

Esôfago

Glândula salivar
Coração
Cecos
gástricos
Espermateca

Ânus

Boca
Intestino Vagina
Túbulos de
Malpighi
Ovário
PROF. MARCELO MIRANDA
Ímago
Tipos de desenvolvimento em insetos

AMETÁBOLO
Não sofrem (traça-de-
metamorfose livros)

HEMIMETÁBOLO
(gafanhoto)
Ninfa com asas
em formação
Sofrem
metamorfose

HOLOMETÁBOLO
(mosca-doméstica)
PROF.Larva
MARCELO MIRANDAPupa
contida Adultos
no pupário
• Classe Crustacea
- corpo dividido em cefalotórax e abdômen
- 5 ou mais pares de patas
- 2 pares de antenas
- Exemplos: lagosta, camarão, siri, caranguejo.

PROF. MARCELO MIRANDA


ANATOMIA INTERNA DE UM
LAGOSTIM (CRUSTÁCEO)

Estômago Hepatopâncreas
Gânglio (glândula digestiva)
cerebral
Coração Vasos
Glândula
verde sangüíneos

Boca

Gânglios
nervosos
Gônada
Intestino
Poro
genital
Ânus
PROF. MARCELO MIRANDA
• Classe Aracnídeos
- corpo dividido em cefalotórax e abdômen
- 4 pares de patas
- Exemplos: aranha, carrapato, ácaro, escorpião.

PROF. MARCELO MIRANDA


ANATOMIA INTERNA DE UMA ARANHA

Vaso sangüíneo

Gânglios cerebrais
Coração
Hepatopâncreas
Glândula de Estômago
veneno sugador Intestino
Ovário

Ânus
Pedipalpo

Boca Poro
Quelícera Cecos genital Glândulas
gástricos Pulmão feminino da seda
foliáceo
(filotraquéias)
PROF. MARCELO MIRANDA
• Classe Diplopoda
- corpo dividido em cabeça e tronco
articulado
- 2 pares de patas por segmento
- Exemplo: piolho-de-cobra

• Classe Chilopoda
- corpo dividido em cabeça e tronco
articulado
- 15 ou mais pares de patas (1 par por
segmento)
- Exemplos: lacraia, centopéia
PROF. MARCELO MIRANDA
PROF. MARCELO MIRANDA
• Classe Crustacea
- Muitos constituem o zooplâncton (importância?)

PROF. MARCELO MIRANDA


http://www.youtube.com/watch?v=zIWEfP9ZoaU
• Classe Crustacea
- Muitos constituem o zooplâncton (importância?)

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Crustacea
- Habitat: aquático e terrestres;
- Todos respiram por brânquias.

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Crustacea
- Habitat: aquático e terrestres;
- Todos respiram por brânquias;
- Cracas: crustáceos sésseis com patas altamente modificadas. São animais
filtradores.

http://www.youtube.com/watch?v=hoZ-Z1sVG7M
PROF. MARCELO MIRANDA
• Classe Crustacea
- Habitat: aquático e terrestres;
- Todos respiram por brânquias;
- Reprodução: dióicos, fecundação interna e desenvolvimento indireto.

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Crustacea
- Habitat: aquático e terrestres;
- Todos respiram por brânquias;
- Reprodução: dióicos, fecundação externa e desenvolvimento direto ou indireto;
- Autotomia: capacidade de auto-amputar apêndices como patas e antenas, com
posterior regeneração das partes perdidas (importância?)

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Crustacea
- Habitat: aquático e terrestres;
- Todos respiram por brânquias;
- Reprodução: dióicos, fecundação externa e desenvolvimento direto ou indireto;
- Autotomia: capacidade de auto-amputar apêndices como patas e antenas, com
posterior regeneração das partes perdidas (importância?);
- Importância para humanos: base de cadeia alimentar de muitos ecossistemas,
alimentação humana, criação de organismos aquáticos (aquarismo),

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Insecta
- Algumas espécies vivem em sociedade:

Abelhas:
- Uma colméia pode ter até 100 mil indivíduos;
- Existem 3 castas: rainha, zangão e operárias.

Rainha: fêmea fértil, diploide, cuja função é


procriar.
Zangão: macho haploide, sem ferrão cuja função
é fecundar rainhas virgens. Depois morrem
Operárias: fêmeas diploides estéreis com diversas
funções – produzem mel, cera, limpeza da
colméia, coletam pólen das flores.
PROF. MARCELO MIRANDA
• Classe Insecta
- Algumas espécies vivem em sociedade:

Abelhas:
- Uma colméia pode ter até 100 mil indivíduos;
- Existem 3 castas: rainha, zangão e operárias.

Quando a rainha está sexualmente madura ela realiza


o vôo nupcial e acasala com muitos zangões. Ela
retorna à colméia e deposita 2 tipos de ovos:
fecundados (fêmeas) e não fecundados (machos).
As larvas são alimentadas com mel e as fêmeas que
devem virar rainhas são alimentadas com geléia real.
PROF. MARCELO MIRANDA
• Classe Insecta
- Algumas espécies vivem em sociedade;
- São invertebrados bem adaptados ao ambiente terrestre.

Exoesqueleto quitinoso (vantagens?)


Características importantes para
o sucesso no ambiente terrestre:

• Revestimento

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Insecta
- Algumas espécies vivem em sociedade;
- São invertebrados bem adaptados ao ambiente terrestre.

Características importantes para


o sucesso no ambiente terrestre:

• Revestimento
• Sistema respiratório

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Insecta
- Algumas espécies vivem em sociedade;
- São invertebrados bem adaptados ao ambiente terrestre.

Características importantes para


o sucesso no ambiente terrestre:

• Revestimento
• Sistema respiratório
• Sistema excretor

As substâncias que devem ser excretadas


são retiradas da hemolinfa e lançadas na luz
intestinal, por onde saem juntamente com as
fezes (consequência?)
(Economia de água) PROF. MARCELO MIRANDA
• Classe Insecta
- Algumas espécies vivem em sociedade;
- São invertebrados bem adaptados ao ambiente terrestre;
- Reprodução: são dióicos, fecundação interna, desenvolvimento direto (mais
raramente - ametábolos) e indireto (mais comum - holometábolos). A ecdise é muito
comum, pois se trata de um mecanismo de crescimento na presença de um
exoesqueleto rígido.
- Lembrar que a partenogênese ocorre em algumas espécies (abelhas, pulgões,
alguns mosquitos)

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Arachnida
- Estruturas corporais

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Arachnida
- Estruturas corporais

aguilhão

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Arachnida
- Estruturas corporais
- Respiração

O pulmão foliáceo são dobras da parede abdominal ventral, formando uma bolsa onde várias
lamelas paralelas (lembrando as folhas de um livro entreaberto), altamente vascularizadas,
realizam as trocas gasosas diretamentePROF.
com o ar que
MARCELO entra por uma abertura do exoesqueleto.
MIRANDA
• Classe Arachnida
- Estruturas corporais
- Respiração

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Arachnida
- Estruturas corporais
- Respiração
- Reprodução: dióicos, fecundação interna, desenvolvimento direto

PROF. MARCELO MIRANDA


• Classe Arachnida
- Estruturas corporais
- Respiração
- Reprodução: dióicos, fecundação interna, desenvolvimento direto
- Aracnídeos de interesse médico no Brasil

Viúva negra (Latrodectus sp.) PROF. MARCELO MIRANDA


Tarântula de jardim (Lycosa sp.)
• Classe Arachnida
- Estruturas corporais
- Respiração
- Reprodução: dióicos, fecundação interna, desenvolvimento direto
- Aracnídeos de interesse médico no Brasil

Armadeira (Phoneutria sp.) Aranha marrom (Loxosceles sp.)


PROF. MARCELO MIRANDA
• Classe Arachnida
- Estruturas corporais
- Respiração
- Reprodução: dióicos, fecundação interna, desenvolvimento direto
- Aracnídeos de interesse médico no Brasil

Escorpião amarelo (Tityus serrulatus) Escorpião marrom (Tityus baihensis)


Só existem fêmeas (partenogênese) PROF. MARCELO MIRANDA